quinta-feira, 31 de janeiro de 2013

Respeito é bom. Para Quem Se Dá ao Respeito.

O endurecimento da lei de trânsito tem gerado reportagens e opiniões. Claro que concordamos com a adoção de medidas severas para coibir o abuso não somente no trânsito, mas, em todas as áreas da vida em sociedade.

O brasileiro cobra das autoridade não apenas ações desse tipo, mas, também, comportamento exemplar. No entanto, o que se vê em todos os lugares, é uma quantidade enorme de brasileiros querendo apenas levar vantagem ou oferecer vantagem para os seus.

No trânsito, ultrapassar pela direita; fazer fila dupla; fechar entrada de rua ou cruzamento; circular com o carro pelo acostamento; estacionar em local proibido, principalmente, nas calçadas; colocar som automotivo com volume excessivo, inclusive, durante a madrugada; estacionar em local destinado para portadores de deficiência ou idosos, e por aí vai.

Na fila do supermercado ou banco, deixar "marcado" o local enquanto vai realizar outras compras, solicitar ou atender pedidos de conhecidos para pagar alguma coisa na frente dos demais enfileirados, ficar analisando extrato diante da máquina bancária e outros absurdos.

Nas ruas, jogar lixo no chão, colocar o lixo residencial fora do horário de coleta pública, ocupar o espaço público para vender, inclusive, pontos de ônibus ou "ilhas" de apoio ao pedestre, fazer "gato" na iluminação pública, funcionar bares em locais residenciais com música ao vivo, inclusive, de veículos; fazer parte de igrejas, terreiros e academias que insistem em desrespeitar o direito do vizinho em poder ficar em sua casa sem ser incomodado por barulho, mesmo nos horários não abrangidos pela lei do silêncio, etc.

Como se vê, o brasileiro, e especialmente, o baiano, é bom para exigir das autoridades públicas, um bom serviço público e comportamento exemplar. Contudo, vive se "fazendo" em arbitrariedades e falta de respeito para com o outro. Se esquece que as leis, a justiça, a polícia e as prisões só existem porque existem aqueles que não querem cumprir o dever de respeitar o direito do outro.

Em síntese, brasileiro é aquele que não quer ser "passado para trás", mas, fica esperando uma oportunidade pra "passar a perna em alguém".

Pense nisso.

"Se não soubermos respeitar, agir com bom senso e ser coerentes, não há como falar, desejar, muito menos ser uma sociedade respeitosa, equilibrada e decente".

"Cobrar é bom. Fazer, é outros quinhentos".

Nenhum comentário: