Pular para o conteúdo principal

A Via Dolorosa Que é Ser Pai

Ele começa com o anseio em sê-lo, e nessa ansiedade, vislumbra a realização do sonho unindo-se a uma mulher que lhe será ajudadora, idônea, companheira, aquela cuja existência é determinante para sua realização.
 
Unido pelos laços do matrimônio, vive a expectativa da boa notícia. Enquanto alguns desprezam e outros destroem seus filhos, ele espera ardorosamente pela gravidez de sua esposa. Durante esta espera, vive um misto de expectativa e insegurança próprio de um marinheiro em primeira viagem que não sabe seu destino final.
 
 
O sonho se realiza e, enfim, torna-se o pai de uma criatura que, a partir dali, viverá sob sua proteção e provisão. Embevecido, como um espectador diante de um espetáculo magistral, ele acompanha diariamente cada gesto, cada olhar, cada sorriso e cada som oriundo daquele pequeno ser. Em seu ambiente imaginário, contempla uma relação exitosa e sem sobressaltos, navegando nas águas tranquilas da relação pai e filhos.
 
De repente, fica maravilhado com o som que se ouve da boca do pequenino, poucas palavras balbuciadas, mas significantes: “Tata, papa, pá”. A busca dos filhos pequenos pelos seus dedos, pelas mãos do pai que, agora, efetivamente se vê. Não há história mais bela, mais prazerosa que um homem possa viver.
 
Ser pai é bom... Mas, o tempo não pára e essa história não termina aqui.
 
As crianças crescem... O mar se embravece, os ventos começam a soprar com mais força e sente-se o balançar da nau. Os passarinhos querem voar ao sentir o vento nas asas, querem pular da árvore de qualquer jeito, sem nem mesmo ter um plano de voo. E o pai ali, incomodado, meio confuso por não entender porque os filhos querem partir, se desgarrar. Ele sabe que chegará o tempo de voarem, mas, não os vê prontos - "A precipitação é a marca dos imaturos". Apesar das pequenas asas se abrirem, ele sabe que não tem a resistência necessária para um voo solitário em meio ao temporal existencial. "Voar antes da hora, é quebrar a cara por mais tempo".
 
E, então, é preciso ser mais. É preciso fazer frente às ondas que desejam arrastar nossos filhos para o abismo das incertezas, da falta de limites, da liberdade irresponsável, da maturidade de araque que engana, confunde e destrói. Agora, ser pai é mais que glamour, é dor.
 
Dor pelas palmadas que aplica e sente, dor pelos constrangedores conselhos “anti-politicamente corretos” que deve oferecer, dor pelos castigos, pela reprimenda, pela culpa ao lembrar do seu próprio pai e as dores que lhe causou quando reagiu de modo semelhante. Agora não tem volta nem possibilidade de correção do passado. É olhar para frente e seguir.
 
Seguir tentando acertar mais e errar menos, evitando conflitos sem fugir da obrigação (impossível). Viver a turbulenta relação com os filhos adolescentes ou jovens que não entendem o amor que priva, que limita, que diz: “Não”. E neste caminhar, sofre...
 
Sofre por ver seus filhos tristes, sofre por não poder conceder aos filhos a liberdade plena sonhada (por sua inexistência), sofre por não poder compensar-lhes a tristeza com alegrias maiores, sofre por fazer sofrer quem ama e por quem seria capaz de morrer.
 
Ser pai é assim. Tem que viver a vida recebendo como retribuição por sua coragem, sua dedicação e seu amor, a ambiguidade da ternura e da agressividade, do carinho e da insensibilidade, da notoriedade e da indiferença. Ser pai é viver as duas faces de uma mesma moeda: “pai-bom / pai-mau”. Porém, a vida não pára...
 
Assim como ele, os filhos crescerão e viverão a mesma experiência, e aí perceberão que ser pai é “viver a vida no paraíso, sentindo um calor infernal”.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Porteiro, Auxiliar, Diácono, Presbítero, Evangelista, Pastor. E Mais. Missionária, Bispo, Apóstolo. O Que é Tudo Isso?

De repente, somos sobressaltados com a notícia: "Mais algumas dezenas, e até centenas, de novos obreiros para servir no Reino de Deus". A notícia seria boa, se guardasse a essência dos requisitos bíblicos exigidos para novos obreiros e preservassem o propósito divino na separação de novos chamados.
Para que precisamos de porteiros? Óbvio. Para guardar as portas. Porteiro era considerado Levita, desenvolvia, também, a tarefa de arrecadador de ofertas (2 Cr. 31:14) e vigia (Mc. 13:34); Jesus menciona o porteiro como responsável pela guarda da porta do aprisco das ovelhas (Jo. 10:3; ver também Ed. 7:24). É improdutivo, uma igreja de porta única, com uma quantidade exagerada de porteiros para servir.
Para que precisamos de auxiliares? Há pessoas mencionadas na Bíblia como "cooperadores", no entanto, sem evidência de se referir a um cargo. Eram pessoas que haviam prestado algum tipo de auxílio à alguém, em algum momento específico (Fp. 2:25; At. 20:35). Pode ser até o mes…

Cristo Está Morto! ...de Vergonha.

As Assembleias de Deus na Bahia foi construída sobre os ombros de homens e mulheres altruístas e dedicados que seguiam os conselhos bíblicos com a radicalidade exigida de quem, verdadeiramente, se converteu a Cristo. Foi desta forma que ela cresceu, se consolidou e tornou-se referência de conduta cristã e legítima representante do movimento pentecostal. Seu povo, ordeiro, decente e piedoso, nutria profundo respeito da população por serem responsáveis, honestos, humildes e fiéis.
Mas o crescimento trouxe consigo o desassossego de uma estrutura cada vez maior para suportar um organismo em expansão. A quantidade cada vez maior de congregações exigia mais esforços de sua liderança, pois, com uma administração centralizada, a mobilidade e os recursos passam a ser compartilhados para sustentar a própria estrutura administrativa. É essa estrutura administrativa que, no afã de conceder segurança futura aos seus ministros, fundam uma associação de pastores, conhecida como Convenção.
Órgão com ab…

CEADEB x ADESAL - É feio, muito feio!

Os desdobramentos do litígio entre o presidente da CEADEB e o presidente da ADESAL prossegue revitalizando as feridas causadas pelo rompimento do vínculo de alguns pastores de sua convenção (CEADEB).
No mais recente episódio, uma decisão judicial interlocutória - sem definição de mérito - tomada na ação que a CEADEB move contra a ADESAL, foi entendida como um ato de destituição do pastor Israel Ferreira do comando da Assembleia de Deus em Salvador. Sem querer entrar nas questões técnicas da decisão (deixo isto para os advogados e rábulas), a decisão não dá nada a ninguém, haja vista uma série de “condicionantes” expressos no comando judicial. Na verdade, a decisão da desembargadora é uma espécie de carta do apóstolo Paulo aos Coríntios na versão para os assembleanos baianos: “se entendam!”
Ato seguinte a decisão mencionada, o pastor Valdomiro Pereira distribui um vídeo para os obreiros assembleanos. Nele, informa (ou desinforma) a plateia que o pastor Israel Ferreira foi destituído do…