quinta-feira, 30 de maio de 2013

A Brincadeira de Rotular Todos os Crimes Envolvendo Gays, Como Crimes Homofóbicos.


Notícia no Fala Brasil, da Record, nesta manhã:

"Cabelereiro morto no banheiro de uma boate-gay. Há suspeita de crime homofóbico".


Independente de ser gay ou não, uma vida se perdeu de forma banal. Respeito a dor dos parentes. Some-se a isto, nosso protesto pela violência exacerbada que atinge o Brasil.

Agora, o cara morre no banheiro de uma boate-GAY e, ainda assim, é tratado como suspeita de CRIME HOMOFÓBICO?!" Ah, tão de brincadeira...

terça-feira, 28 de maio de 2013

Os Ativistas-gays Esqueceram Pr. Marcos Feliciano, Aí Ninguém Fala Mais Nada

Gurgel pede absolvição de Feliciano do crime de estelionato

O procurador-geral da República, Roberto Gurgel, pediu nesta segunda-feira ao Supremo Tribunal Federal (STF) a retirada da acusação de estelionato contra o deputado federal Marco Feliciano (PSC-SP). Para o procurador, a denúncia apresentada pelo Ministério Público do Rio Grande do Sul não se sustentou com a análise mais detalhada dos fatos.

O presidente da Comissão de Direitos Humanos da Câmara dos Deputados era acusado de ter enganado uma produtora de eventos em São Gabriel (RS) em 2008. Segundo o Ministério Público, ele foi contratado por R$ 13 mil para um culto religioso, mas não compareceu ao evento.

Depois de ouvir testemunhas e de reunir provas, Gurgel constatou que o parlamentar não gerenciava sua agenda e que ele não tinha conhecimento do compromisso. De acordo com o procurador-geral, tanto os depoimentos da contratante quanto de outras testemunhas envolvidas indicam que as negociações eram feitas por um assistente.

Divulgação: Blog do Eliel Teixeira

sábado, 25 de maio de 2013

Barreiras Para Um Casamento Duradouro

Em tempos de casamentos rápidos, verdadeiros "fast food" matrimoniais, casamento duradouro se tornou algo quase que impossível. Mesmo com a maioria das pessoas se mantendo casadas até que a morte os separe, o que repercute na mídia são os envolvimentos curtos, rápidos, é o cantor beltrano que se separou, a cantora sicrana que se casou pela décima vez.

Ganham destaque na imprensa apenas aquelas pessoas que nada tem para se destacar. Como estamos no tempo da valorização da vulgaridade, quem for mais vulgar se torna "celebridade" com direito de influenciar as novas gerações. Isto tem reflexo em todas as áreas. Política, religiosa, acadêmica. Aliás, por falar nisto, o povo cristão só deveria votar naqueles políticos que viessem de uma família estruturada e mantivesse em alta conta a sua própria família.

Infelizmente, a mídia é dominada por gente que leva em conta apenas a valorização da beleza exterior, mesmo que artificialmente fabricada por habilidosos cirurgiões plásticos. Valorizam apenas aqueles que, covardemente, não conseguem encarar as responsabilidades que a vida impõe. Preferem os irresponsáveis, hedonistas, egoístas e narcisistas. Colherão o que estão plantando.

É em meio a esta turbulência moral e social que o desafio de uma família estruturada e duradoura se torna um alvo extremamente difícil de alcançar. Difícil, mas, não, impossível. Manter-se casado "até que a morte os separe" é o ideal para os cônjuges, para os filhos e para a sociedade em geral.

Para que este objetivo seja alcançado, precisamos considerar algumas barreiras que se opõe. Pela limitação do espaço aqui, citarei apenas três:

1. A espiritualização exacerbada da relação conjugal - O envolvimento de um homem com uma mulher, e vice-versa, é uma atividade meramente humana, ou seja, pertence exclusivamente a esta vida terrena. Observemos o que disse Jesus em Lucas 20:35 - "mas os que forem considerados dignos de tomar parte na era que há de vir e na ressurreição dos mortos não se casarão nem serão dados em casamento." O casamento tem repercussão no mundo espiritual (1 Co. 7:5) quando há desdobramentos íntimos que conduzam os cônjuges a prática de pecados. Assim, a relação conjugal na esfera do casamento deve ser valorizado, respeitado e mantido sem a exacerbação de seu caráter espiritual. "Quando diminuímos o peso daquilo que transportamos, o conduziremos por mais tempo e, consequentemente, levaremos mais longe."

2. A falta de reciprocidade - Na relação matrimonial, apesar do amor divino, altruísta, dever ser o fundamento, é preciso ponderar que se tratam de duas pessoas que precisam de um respaldo afetivo contínuo. São pessoas que precisam se sentir amadas, queridas, consideradas, importantes em suas existências, e isto só acontece que realizamos alguma coisa para elas. Sejam palavras, mas, principalmente, atitudes. Na relação matrimonial o homem espera que sua esposa coloque seu café à mesa, todavia, ele, também, precisa periodicamente colocar o café dela à mesa. Esta é a lei da reciprocidade (Lc. 6:31). Se o marido faz massagem na esposa, a esposa deve fazer massagem no marido (Ec. 4:9-12). Num casamento onde esta lei é respeitada, os dois procurarão um ao outro o tempo todo, até que um dia procure... e a morte os tenha separado.

3. A rotina - Rotina é a repetição de atos e palavras durante a relação matrimonial (Ec. 1:9). Mas, não podemos esquecer que a rotina, também, integra os elementos de segurança de uma relação. Se algo acontece da mesma forma, acomoda as pessoas porque elas, seguramente, sabem o desfecho. Então, se por um lado a rotina incomoda (pela repetição), por outro ela tranquiliza (pela segurança). No entanto, quanto a rotina, podemos mudar o conteúdo ou a forma.

- Mudar o conteúdo significa renovar o pensamento sobre os atos no casamento. Se a forma vem sendo repetida por vezes, anos a fio, mudamos o que achamos sobre isto. Deixamos de achar ruim ou sermos indiferentes ao fato, passando a buscar e valorizar o lado positivo. Com esse novo olhar, vamos encontrar motivação para manter a rotina ou iniciar o seu processo de alteração, pois, na maioria das vezes, a mudança na rotina não acontece por causa da acomodação dos cônjuges. Um novo olhar,um novo conteúdo, uma nova disposição, uma nova forma de se relacionar, valorizando os bons atos e alterando os maus, para melhor. Sem mudar o conteúdo, não se consegue mudar a forma.

- Mudar a forma é o conselho mais comum, pois, se trata de, puro e simplesmente, alterar nossas ações até então adotadas na relação. Acordar mais cedo, fazer exercícios físicos, assumir as rédeas na limpeza da casa, ajudar as crianças no dever da escola, sair para jantar em um restaurante, oferecer um presente inesperado, enfim, fazer aquilo que altera o "normal" dos longos anos de casamento. Isto é quebrar a rotina, surpreender. O que a esposa e o esposo precisam lembrar é que a mudança de forma é quase sempre uma "recompensa" ou "reconhecimento" de atitudes praticadas pelo outro. O marido precisa estimular a mulher a reconhecê-lo e/ou recompensá-lo por atitudes dele que a valoriza. Da mesma sorte, a mulher precisa estimular o homem a reconhecê-la e/ou recompensá-la pelas atitudes dela que o honra e o respeita.

Finalmente, a relação de um homem com uma mulher, e vice-versa, deve levar em conta o tempo. Não temos essa noção de tempo quando diante do altar ouvimos o pastor, padre, rabino ou juiz de paz, informar que, após o sim, os nubentes estão casados com direito a marido e mulher até que a morte os separe. Estimulados pela festa e pela beleza jovial do outro com quem casamos, imaginamos em nosso sub-consciente que "até a morte" é pouco tempo. "Até que a morte separe", na maioria das vezes, é tempo bastante necessário para se tornarem "os dois, uma só carne". Este é o único milagre que precisa de tempo para acontecer.

Quando alguém resolve trocar de marido ou mulher, atende apenas a inquietação íntima gerada pela falta de paciência (Pv. 25:15), por sua vez estimulada pelo egoísmo/hedonista (2 Tm. 3:2,3) e iludida na ideia da existência de gente perfeita (Sl. 51:15). A diferença entre uma esposa nova e uma esposa velha é que, na velha, já conhecemos a maioria de todos os defeitos e de todas as virtudes. Na nova, vamos começar do zero e, no futuro, chegar a mesma conclusão. Qual a sensação que fica? Perda de tempo.

Quando você "troca uma esposa de quarenta por duas de vinte", você só está renovando os problemas, com a diferença que eles virão agora em duplicidade e com  mais força (o mesmo princípio se aplica a mulher). Guarde este segredo: "Um casamento longo, vale mais que vários casamento curtos, e é, por consequência, mais barato".

Quando casamos, depois do primeiro impacto e dos primeiros anos da relação matrimonial (fase de realização), é preciso colocar os pés no chão e entender a diferença entre o casamento ideal e o casamento real. No casamento ideal não há defeitos a serem suportados, não há contrariedades a serem absorvidas, não há dores a serem sofridas. No casamento real, é preciso resignação, é preciso perdão, é preciso recomeçar todos os dias.

Há casais celebrando bodas de diamante (60 anos de casamento), atestando a plausibilidade do desejo divino por um casamento duradouro (Mc. 10:9). O meu e o seu casamento devem e podem durar até que a morte separe, para isto, é preciso, dia-a-dia, construir uma relação sem egoísmos, sem indiferença, sem sonhos irrealizáveis, sem cobranças, com paciência, muito carinho e muito afeto.

Que seu casamento seja bendito em Deus.

Caso Pr. Marcos Pereira x Afroreggae - Nada Podemos Contra a Verdade - Parte 2

E a ação contra o Pr. Marcos Pereira prossegue. Ouçam o vídeo.


Considerando que a voz masculina seja do Pr. Marcos Pereira e que a gravação não tenha sido manipulada, temos uma prova da atitude inconveniente, imoral e pecaminosa do referido pastor. No entanto, não prova o crime de estupro, pelo contrário, prova uma possível relação consensual (considerando que uma ou as duas mulheres registradas na gravação sejam acusadoras do pastor).

O que me chama a atenção é o silêncio do acusado. Ou ele não falou nada até agora, ou não querem divulgar o que ele falou. O que se vê no youtube são gravações da esposa do acusado, do filho e de outras pessoas que atestam a inocência do Marcos Pereira e o envolvimento do grupo afroreggae no fomento das acusações.

Este caso ainda está muito nebuloso e seria precipitado chegarmos a alguma conclusão em termos de culpabilidade ou não. A gravação acima é muito forte e depõe contra o Pr. Marcos no que diz respeito a sua conduta moral e espiritual, porém, como dito acima, não prova existência de crime. O teor da gravação lhe tira a condição moral e espiritual para ser pastor, mas, não o torna um criminoso.

Já restou mais do que provado que a imprensa brasileira não é confiável (há raríssimas exceções), principalmente em relação ao segmento cristão. Costuma emendar notícias fajutas, valorizando-as com o objetivo de atacar o segmento cristão e seus valores. Neste caso específico, a imprensa nacional não divulgou os videos da esposa, da família que supostamente teria sido agredida e o inocenta, nem o envolvimento do grupo afroreggae na manipulação e indução de provas.

A despeito da ação tendenciosa da mídia, é preciso esperar a conclusão da análise dos órgãos investigativos, que deve realizá-lo com todo o cuidado que o caso requer. A partir daí, e após sentença judicial, podemos chegar com convicção a verdade dos fatos.

Se o Pr. Marcos Pereira for inocente, já será tarde demais. A imprensa já cuidou de destruí-lo perante a sociedade. Se for culpado, que pague como qualquer brasileiro as penas da lei.

E assim a vida segue... firmes na verdade imbatível.

Quando o Supremo Tribunal Federal, Legislando, Aprova Casamento-gay e Aborto, Não Sabemos Porquê.

Leiam a Notícia. Volto depois.

Dilma anuncia Luís Roberto Barroso como novo ministro do STF

A presidente Dilma Rousseff anunciou nesta quinta-feira o nome do advogado Luís Roberto Barroso, professor de Direito Constitucional da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ), para ocupar uma vaga no Supremo Tribunal Federal (STF). Aos 55 anos, Barroso vai substituir o ministro Carlos Ayres Britto, que se aposentou em novembro do ano passado, encerrando um dos períodos mais longos do Supremo sem sua composição completa.

(...)
Luís Roberto Barroso é natural de Vassouras, interior do Rio de Janeiro. Jurista comumente citado em votos de ministros do Supremo, ele ficou conhecido por suas atuações na defesa das pesquisas com células-tronco, pela união homoafetiva e também pela sua defesa na ação que defendia o direito de interrupção de gravidez, no caso de fetos anencéfalos. Barroso também defendeu o ativista político Cesare Battisti no processo em que o governo italiano pedia sua extradição.
(...)
Antes de tomar posse, Barroso terá de passar por uma sabatina no Senado. Dependendo do prazo até a posse, o novo ministro do STF poderá participar do julgamento dos embargos do processo do mensalão. Ele ainda herdará a relatoria da ação penal do mensalão mineiro, que tem como principal réu o deputado federal Eduardo Azeredo (PSDB-MG).
(...)

Voltei.

Observem o segundo parágrafo aqui transcrito. O jurista indicado ficou conhecido pela atuação em três situações:

1. Na defesa das pesquisas com células-tronco - a notícia não informa se "embrionária ou adulta". Pela defesa do aborto, é bem provável que defenda a pesquisa com células-tronco embrionária. Há uma grande diferença na duas. A embrionária é quando se utiliza de óvulo fecundado, que não deixa de ser um aborto.

2. Na união homo-afetiva - Não precisa dizer mais nada sobre este tema.

3. No direito de interrupção da gravidez, no caso de anencéfalos - Aborto.

Depois ficamos sem saber porque o STF aprova coisas que desagradam o povo cristão. Ele é mais uma indicação do governo da Sra. Dilma Rousseff. Traduzindo: do PT.

Você como cristão, pense nisso nas próximas eleições.


terça-feira, 21 de maio de 2013

Homossexuais Masculinos São o Principal Grupo Afetado Com a Aids

HIV ainda desafia saúde pública


Trinta anos se passaram desde que uma equipe de pesquisadores franceses liderados por Luc Montagnier publicou um artigo identificando o vírus responsável pela recém-descoberta síndrome da imunodeficiência adquirida.
(...)
Uma velha tendência, por exemplo, que se julgava minimizada entre o fim da década de 1900 até o início dos anos 2000, está preocupando novamente. "A cara da epidemia mudou, as pessoas não morrem mais, mas a principal população a ser afetada voltou a ser a de homens que fazem sexo com homens", diz o infectologista Alexandre Naime Barbosa, pesquisador da Faculdade de Medicina da Universidade Estadual Paulista (Unesp) em Botucatu.

(Uma velha tendência? O mais provável é que sempre foi assim.)

Não é mais uma questão de se falar em grupo de risco - como ocorreu no começo da epidemia e criou estigmas até hoje dolorosos -, mas entender quem está mais vulnerável, explica. Segundo Barbosa, após o início brutal da epidemia entre a população homossexual - em São Francisco, Estados Unidos, por exemplo, eles eram 80% dos infectados, o que fez a doença ser chamada de câncer gay -, a incidência entre os heterossexuais se ampliou e chegou a ser maioria dos casos. Em meados dos anos 2000, porém, o quadro sofreu uma reversão.

(A AIDS é uma doença que surgiu entre os homossexuais de San Francisco (EUA) e permanece como doença que afeta principalmente homossexuais. A incidência desta doença entre heterossexuais se deu pela relação promíscua de héteros casados com parceiros homossexuais - Querer tapar o sol com a peneira é que causa mais dificuldades para entender a doença e combatê-la adequadamente.)

Citando dados do Ministério da Saúde, Barbosa lembra que em 2005, entre homens de 15 a 24 anos infectados, 32% tinham sido contaminados em relações heterossexuais e 23,4% em homossexuais. Em 2009, as relações heteros e homos respondiam, cada uma, por 24,3% dos casos. Já em 2010, eram, respectivamente, 21,5% e 26,9%. Nos dados mais recentes do Ministério da Saúde, de 2012, homens que fazem sexo com homens aparecem como de maior vulnerabilidade: 10,5% estão infectados. Na população em geral, a incidência é de menos de 0,5%.

(Observem as datas. A AIDS aparece em San Francisco (EUA), antes dos anos 2000. Os dados mais antigos do ministério da saúde, falando da incidência maior entre héteros são de 2005.)

Para Barbosa, como se avançou muito no controle da doença nos últimos anos, a ponto de que uma pessoa que tome rigorosamente sua medicação tenha uma expectativa de vida semelhante a de quem não tem HIV, houve uma certa redução da percepção do risco, deixando principalmente os jovens menos cautelosos.

Fora da agenda. Outro efeito colateral desse avanço no tratamento, opina o infectologista Ricardo Diaz, pesquisador da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), é o risco de que a aids saia da agenda. "Mas não deveria, porque o problema ainda existe. A taxa de novos casos se mantém constante", afirma. No Brasil, na última década, a incidência tem sido, em média, de 37 mil casos por ano.

Para Diaz, é preciso focar também nas mulheres. "A distribuição da doença entre os gêneros está quase igual", diz. Se no início da epidemia chegou a ser de 28 homens para cada mulher, hoje, a cada 1,5 homem infectado, uma mulher também está. Outra recomendação é o teste universal. "Quanto mais gente for testada, mais gente será colocada em tratamento. Só assim a transmissão vai diminuir."

Fonte: http://estadao.br.msn.com/ciencia/story-saude.aspx?cp-documentid=257906450

segunda-feira, 20 de maio de 2013

Alguns Princípios Cristãos Sobre o Lazer e Entretenimento



Faz algum tempo acompanhei uma discussão entre jovens cristãos, pela Internet, sobre a ida a shows de artistas famosos. Após uma boa troca de mensagens, postei a mensagem abaixo sobre alguns princípios cristãos sobre o lazer. Fica para a reflexão de quem se interessar:

Queridos,

Acho que o método certo para analisarmos esta questão e outras é estabelecermos os princípios bíblicos que controlam o assunto. Sem o referencial bíblico ficaremos às apalpadelas. Menciono alguns princípios bíblicos que controlam a questão do LAZER do crente -- pois é aqui que se encaixa o assunto.

1. É dever do crente fazer todas as coisas para a glória de Deus. Isto inclui o lazer. Portanto, qualquer forma de lazer em que o crente não consiga glorificar a Deus deveria ser questionada. Esclareço que eu iria a um show de artistas cujo conteúdo, ambiente, letra das músicas, apresentação pessoal dos artistas (alguns se apresentam semi-despidos) não ofendam as virtudes cristãs nem os valores morais do Cristianismo.

2. Também é dever do crente desfrutar com moderação de todas as coisas boas que Deus criou, usando com moderação a alegria, o sono, a alimentação, os exercícios e certamente o lazer também. O lazer não pode se transformar num ídolo, e receber o primeiro lugar em minha vida. Cristo é quem deve ter esta prioridade.

3. O cristão deve evitar todas as ocasiões à impureza, em que a tentação é maior e mais pesada; deve evitar a sociedade com ímpios e devassos; sua mente deve estar sempre ocupada com "tudo o que é verdadeiro, tudo o que é respeitável, tudo o que é justo, tudo o que é puro, tudo o que é amável, tudo o que é de boa fama, se alguma virtude há e se algum louvor existe, seja isso o que ocupe o vosso pensamento" (Fp 4:8). Tenho certeza que a letra de algumas músicas de alguns artistas não se pode encaixar aqui. Não vejo como um crente pode descontrair-se e agitar-se ao som de uma música que exalta a infidelidade conjugal ou idolatra o homem ou a mulher.

4. Compete ao cristão também "examinar todas as coisas e reter o que é bom". Não devemos reter o mal e nem nos deliciarmos nele. Se estou escutando uma música que exalta o amor homossexual, ou a violência contra a mulher, ou o adultério, ou uma relação promíscua, certamente não devo ter prazer algum nestas coisas. Por outro lado, tem muita letra boa e sã, sem maldade ou malícia. Tudo OK, nestes casos. A graça comum de Deus permite que algumas coisas boas ainda sejam produzidas pela humanidade não regenerada.

5. Por último, o amor a Cristo e ao próximo precede o uso da liberdade cristã. Se no uso da minha liberdade irei ser escândalo para o Evangelho ou outros irmãos, me compete abrir mão por amor.

Apesar da "cultura de proibição de programas para a juventude" que foi mencionada numa mensagem da lista, não podemos esquecer que o crente é escravo de Deus e que tem com única regra de fé e prática a Bíblia. Até na hora de descontrair.

Um abraço,
Pr. Augustus
DIVULGAÇÃO: Blog do Eliel Teixeira

Caso Pr. Marcos Pereira x Afroreggae - Nada Podemos Contra a Verdade.



Não precisa dizer mais nada.

domingo, 19 de maio de 2013

Mãe de Daniela Mercury é Contra o Casamento-Gay da Filha



Vice-Reitora da Universidade Católica de Salvador (Ucsal), Dona Liliane Mercure, mãe de Daniela Mercury, é conservadora e não aprovou o casamento homossexual de sua filha. Ela  teria ficado mais chateada ainda com a exposição que a cantora fez ao revelar seu relacionamento nas redes sociais. Os filhos da cantora, no entanto, estariam apoiando a mãe. Já seu pai, Antônio Abreu, está se mantendo neutro: "Por favor, infelizmente não posso dizer absolutamente nada, não posso dar declarações", disse o pai. Segundo o jornal O Dia, Malu não é a primeira namorada de Daniela Mercury.

Fonte: http://www.bahianoticias.com.br - Sexta, 05 de Abril de 2013 - 08:05 - Divulgação: www.elielt.blogspot.com

quarta-feira, 8 de maio de 2013

Acorda Cristãos! A Destruição do Futuro Começa no Presente.

Os esquerdopatas marxistas, figuras conservadas em formol no museu da imbecilidade e da insanidade, não desistiram de destruir nossa nação. E porque se voltam para o Brasil? Porque sabem que quem os impede de, livremente, impor sua pauta e seu domínio são as pessoas de bem que possuem valores e princípios cristãos, sejam cristãos ou não.

Com a resistência da população brasileira a pauta do politicamente correto da vez (apesar da mídia (des)informar que todos os brasileiros concordam com a agenda-gay e a cultura da morte (aborto)), eles desistiram, momentâneamente, de bater de frente com os adultos. Estão se voltando para nossas crianças.

Vejam o vídeo abaixo e tente não se incomodar.


Ao passarmos pelas praças, principalmente próximas a escolas, já enxergamos algumas crianças e adolescentes se manifestando homossexuais e somos tentados a achar que é genético. Não, não é. É IMPOSIÇÃO!

Nossas crianças e adolescentes estão em fase de definição de sua masculinidade e ou feminilidade, e precisam do referencial paternal e/ou maternal. Como os pais estão separados e/ou ausentes, eles ficam a mercê dessa intensa propaganda gayzista.

Já falei sobre isto aqui, alertando os cristãos e, especialmente, nossos líderes, sobre a necessidade de investirmos em escolas cristãs. Podem e devem, sim, fazer isto. É papel da verdadeira religião proteger os órfãos!

A denúncia e o alerta estão aí. Que a igreja ouça.