quinta-feira, 31 de dezembro de 2015

A Frase do Ano


"Na história recente da nossa pátria, houve um momento em que a maioria de nós, brasileiros, acreditou no mote segundo o qual uma esperança tinha vencido o medo. Depois, nos deparamos com a Ação Penal 470 e descobrimos que o cinismo tinha vencido aquela esperança. Agora parece se constatar que o escárnio venceu o cinismo."

Carmem Lúcia - Ministra do STF

Fonte: Blog do Noblat

quinta-feira, 3 de dezembro de 2015

Diferentes São os Normais

Tempos estranhos, estes que vivemos...

Se você é um ser humano e teu instinto sexual se inclina para uma pessoa do sexo oposto, você é taxado como parte de um grupo que se impôs como normal pelos braços da tradição cultural e da força;

Você é anormal porque é normal, entende?

Se você é homem, casado com uma mulher, e não a agride nem com palavras nem com socos e pontapés, você é de outro país ou de outra região do mundo;

Você está querendo enganar quem?

Se você é um ser humano de pele clara, você é, no fundo, no fundo, racista;

Se tem a pele negra, não é racista, independente do que pense ou diga sobre uma pessoa de pele clara ou... negra.

Se você é mulher, dona de casa e mãe de família, e não se constrange nem se insurge contra isso, ou você está doente ou teu marido bate em você e lhe obriga a submissão;

É a Bíblia machista que a obriga.

Se você é brasileiro, não fura fila, não estaciona seu carro em vaga de idoso e deficiente, não paga ou recebe propina e cumpre com suas obrigações civis, você não existe;

Ah, se investigar vai descobrir alguma coisa.

Se você é cristão e não quer impor sua religião a ninguém, apenas fala com sinceridade daquilo que crê, você é falso (de ambos os lados);

É um imbecil que sofreu lavagem cerebral.

Se você é pastor e quer apenas ajudar as pessoas a encontrar a paz e a alegria do existir, você é apenas um lobo mercenário disfarçado de bom samaritano.

Pastor é um vagabundo que engana as pessoas para lhe retirar dinheiro. Todos são assim.

Estas afirmações nascem no consciente das pessoas porque, entrevistando figuras expoentes de nossa sociedade, ouvimos um homem que bateu em sua mulher dizer: “Quem nunca se desentendeu em casa e perdeu o controle?” Outro político falando sobre aborto disse: “Quem nunca teve uma namoradinha que “precisou” abortar?” Ainda um goleiro de futebol, preso por ter participado do assassinato da namorada, disse: “Quem, numa briga de casal, nunca trocou uns tapas?” Líderes religiosos ostentando injustificados bens, repetem: “É Deus abençoando seu povo!”

Valei-me meu Deus!!!

Esses mantras vão se repetindo e encontrando guarida nas pessoas que, por sua vez, passam a repeti-las, e logo, todos passam a fazer parte de um pacote vil composto por bárbaros. Todo mundo é corrupto! Todo mundo fuma droga! Todo mundo mente! Todo mundo “cola” nas avaliações da escola, da faculdade! Todo marido trai sua esposa! Todo jovem solteiro transa! Todo cristão é otário!

E assim, com essa pregação do “todo mundo”, corrompemos as novas gerações. Os novos brasileiros vão se inserindo nesse mundo “normal” e, assim, passam a agir conforme. O que temos? Um "anormal mundo normal” que se impõe sobre o mundo civilizado, aquele composto por gente decente.

Tempos estranhos, estes que vivemos...

Ninguém pode ser um ser humano normal, decente, pois, o anormal, indecente, se tornou regra pela repetição e glamourização da mentira e da selvageria. Da exceção.

Salvem-se quem puder!

quarta-feira, 2 de dezembro de 2015

A Utopia dos Salvadores da Pátria

Alguém, algum dia no passado, idealizou uma espécie de fórmula adequada de se viver em sociedade que, seguida à risca, conduzirá a humanidade para a felicidade num mundo justo e igual. Esse discurso encontrou guarida em corações aflitos e sonhadores que, a despeito do próprio senso crítico que foram obrigados a negar, passaram a acreditar num sonho bom de viver. Na verdade, na utopia do mundo perfeito que ele crê como sendo aquele que, o próprio, conceitualmente, define como ideal.

Não importa as opiniões contrárias. São de pessoas atrasadas, retrógradas, insensíveis, incompreensíveis, conservadoras e opressoras dos mais pobres, mais vulneráveis, dos hipossuficientes. Como eles possuem a fórmula, eles detêm a chave para transformar a vida de todos os abandonados pela sorte.

É desta esquizofrenia que, adicionando novos adeptos e escastelando-os em postos-chave das organizações empresariais, sociais e governamentais, se lançam como salvadores da pátria, da nação, do mundo. Lá se vão na missão altruísta de reformar todas as instituições transformando-as em mães da liberdade, da igualdade, da justiça e do amparo.

No sonho deste mundo ideal, tropeçam em si mesmos. Na arrogância que impõe ao outro um conceito que é seu e não admite a divergência, a oposição, um outro caminho ou conceito que outros, também, acreditam ser a fórmula da tal felicidade. Esquecem que o mundo, ou melhor, a humanidade não é simples, como simples não é o próprio ser humano e seus sentimentos, pensamentos e intenção de coração.

Não há experiência de pleno sucesso realizada em nenhuma nação do mundo que possa atestar, empiricamente, que esta ou aquela fórmula conduz a paz, a igualdade, a justiça e, enfim, a felicidade de todos. Por esta razão, todos podem se sentir como novos descobridores da fórmula ideal. E se posicionam. Há, no entanto, nações mais justas, mais livres e mais solidárias, porém, as mazelas, ainda assim, estão lá.

As melhores nações do mundo são aquelas que entenderam a complexidade do que é ser humano e do que é a vida em sociedade, e apenas ocuparam-se do suporte de suas caminhadas sem lhe impor esta ou àquela fórmula. Elas percebem o caminho que a própria sociedade deseja seguir e apenas lhes dão proteção e estrutura em sua caminhada. Ou seja, quem tem a "fórmula" é o próprio tecido social.

Porque os “salvadores da pátria” não percebem? Direita x esquerda; vanguardista x retrógrado; conservador x liberal são apenas armas utilizadas ao bel-prazer de quem quer ganhar a guerra na marra. Jamais conseguirão. Pelo contrário, produzirão mais conflitos, mais desigualdades, mais injustiças, mais mazelas, mais angústias e mais pessoas infelizes.

Observem: Dizem ser contra o preconceito racial (leia-se: preconceito contra negros) e não percebem que praticam atos preconceituosos contra os brancos; Dizem ser contra o preconceito pelas escolhas sexuais (leia-se: preconceito contra gays) e não se acham praticando preconceito contra heterossexuais; Dizem ser a favor da liberdade de expressão, mas, impedem que outros tenham livre opinião; Dizem ser contra o preconceito religioso ao mesmo tempo em que todo seu discurso está recheado de conceito anticristão.

Enfim, suas fórmulas nascem mortas, pois, formadas com base em conceitos que se autodestroem.


Não há fórmulas prontas, há caminhos. Independentemente do que cada um sonhe como mundo ideal, liberdade, tolerância e respeito são valores exigidos de todos que querem alcançar o alvo de uma sociedade mais justa, mais igual, mais solidária, enfim, mais humana.