Pular para o conteúdo principal

Apostasia - do Cristão e da Igreja Cristã

Em grego antigo απόστασις [apóstasis] – substantivo feminino, "estar longe de") não se refere a um mero desvio ou um afastamento em relação à sua e à prática religiosa. Tem o sentido de um afastamento definitivo e deliberado de alguma coisa, uma renúncia de sua anterior fé ou doutrinação. Pode manifestar-se abertamente ou de modo oculto.

Dependendo de cada religião, um apóstata, afastado do grupo religioso no qual era membro, pode ser vitima de preconceito, intolerância, difamação e calúnia por parte dos demais membros ativos. Na seara cristã, a prática comum é interromper o cumprimento da “paz do Senhor” àqueles que se afastaram, passando a tratá-los como estranho. Mas há casos piores. Em alguns países em que a fé muçulmana é observada, há a aplicação da pena de morte para apóstatas.

Conceitos mais comuns:
  • Separação ou deserção do corpo constituído (de uma instituição, de um partido, de uma corporação) ao qual se pertencia;
  • Abandono da fé de uma igreja;
  • Abandono do estado religioso ou sacerdotal;
  • Abandono das doutrinas ou princípios que sustentam uma fé.

Em nosso segmento, portanto, apostatar é abandonar os princípios imutáveis e inegociáveis da fé cristã. Sendo assim, o apóstata pode ser alguém que se desligou de uma agremiação cristã, ou pode ser uma agremiação cristã que se desviou da base doutrinária bíblica. Tanto no individuo quanto na agremiação, a apostasia tem as mesmas características. No entanto, vale destacar, para uma agremiação se desviar dos princípios bíblicos que a rege, é necessário que “indivíduos” se desviem primeiro.

Falo dos líderes que, absurdamente, deixam de observar a Bíblia para seguir conceitos humanistas, buscando em si mesmos a confiança e as bases para a igreja ou comunidade cristã. Passam a utilizar a Bíblia apenas como livro de consulta histórico-cultural, sem qualquer relação com o que se fala e faz. Adotam uma forma de administração religiosa nefasta, caracterizada por falsos profetas especialistas em engano (com suas falsas visões, falsas revelações e falsos milagres), liderança dominadora, soberba e arrogante (com sua política secular, vaidade, avareza, narcisismo, insensibilidade e cegueira espiritual) e, que é pior, um povo inconverso, natural e carnal, alijado do conhecimento bíblico e ávido por aprovação de suas condutas pecaminosas (Jr. 5:30-31).

No Brasil cristão dos dias atuais, o surgimento do segmento denominado “novo pentecostalismo”, evidencia o desvio dos padrões doutrinários que refletem a imagem nítida desta apostasia moderna. Santidade substituída por formalidade, humildade substituída por arrogância, espiritualidade substituída por superstição, fé substituída por crendices, dons espirituais substituídos por mágica, vocação substituída por capacidade humana, tudo isto amparados por seus próprios profetas (Is. 30:10).

Além disto, vivemos um período em que o modo de vida cristã está se adequando ao padrão de vida secular, ou seja, incorporamos em doses homeopáticas “os desejos da carne (carnalidades), os desejos dos olhos (vaidades) e a ostentação dos bens” que, segundo o apóstolo João, não provém do Pai, mas do mundo (1 Jo.2:16). Assim seguimos nos distanciando, ou apostatando, da Palavra de Deus e do Deus da Palavra.

Dessa forma não é mais possível afirmar que alguém afastado de uma agremiação religiosa apostatou da fé. Muitas vezes, este crente se afastou da agremiação religiosa exatamente para preservar sua fé. Quem apostatou foi a organização a qual pertencia.

Este é o quadro atual que exige dos cristãos sinceros a atitude de perscrutar os princípios bíblicos, esforçando-se para mantê-los. Isto no leva a buscar cuidadosamente grupos que estejam encaixados nos parâmetros da fé cristã bíblica e, também, nos afastar (Jr. 51:45) daqueles que, enganados pela vaidade do coração humano (Jr. 17:9), já abandonaram a fé em Jesus e a submissão a Deus.

“Sede meus imitadores, como eu sou de Cristo” (1 Co. 11:1); Mas, ainda que nós mesmos ou um anjo do céu vos anuncie um evangelho diferente do que já vos temos anunciado, seja amaldiçoado” (Gl. 1:8).

A chave para comprender e identificar a apostasia e os apóstatas é o vínculo com Cristo (Jo. 15:1-10). Enquanto mantivermos nossa crença nos princípios estabelecidos por Cristo em Sua Palavra, mantemo-nos íntegros em nossa relação com Deus. Quando abandonamos ou relativizamos os princípios cristãos encontrados na Palavra de Deus, a Bíblia Sagrada, independente de estarmos sozinhos ou agregados numa organização religiosa que nega os princípios bíblicos em seus discursos e comportamento, APOSTATAMOS DA FÉ.

Consulta:
http://www.dicionarioinformal.com.br
http://pt.wikipedia.org

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Porteiro, Auxiliar, Diácono, Presbítero, Evangelista, Pastor. E Mais. Missionária, Bispo, Apóstolo. O Que é Tudo Isso?

De repente, somos sobressaltados com a notícia: "Mais algumas dezenas, e até centenas, de novos obreiros para servir no Reino de Deus". A notícia seria boa, se guardasse a essência dos requisitos bíblicos exigidos para novos obreiros e preservassem o propósito divino na separação de novos chamados.
Para que precisamos de porteiros? Óbvio. Para guardar as portas. Porteiro era considerado Levita, desenvolvia, também, a tarefa de arrecadador de ofertas (2 Cr. 31:14) e vigia (Mc. 13:34); Jesus menciona o porteiro como responsável pela guarda da porta do aprisco das ovelhas (Jo. 10:3; ver também Ed. 7:24). É improdutivo, uma igreja de porta única, com uma quantidade exagerada de porteiros para servir.
Para que precisamos de auxiliares? Há pessoas mencionadas na Bíblia como "cooperadores", no entanto, sem evidência de se referir a um cargo. Eram pessoas que haviam prestado algum tipo de auxílio à alguém, em algum momento específico (Fp. 2:25; At. 20:35). Pode ser até o mes…

CEADEB x ADESAL - É feio, muito feio!

Os desdobramentos do litígio entre o presidente da CEADEB e o presidente da ADESAL prossegue revitalizando as feridas causadas pelo rompimento do vínculo de alguns pastores de sua convenção (CEADEB).
No mais recente episódio, uma decisão judicial interlocutória - sem definição de mérito - tomada na ação que a CEADEB move contra a ADESAL, foi entendida como um ato de destituição do pastor Israel Ferreira do comando da Assembleia de Deus em Salvador. Sem querer entrar nas questões técnicas da decisão (deixo isto para os advogados e rábulas), a decisão não dá nada a ninguém, haja vista uma série de “condicionantes” expressos no comando judicial. Na verdade, a decisão da desembargadora é uma espécie de carta do apóstolo Paulo aos Coríntios na versão para os assembleanos baianos: “se entendam!”
Ato seguinte a decisão mencionada, o pastor Valdomiro Pereira distribui um vídeo para os obreiros assembleanos. Nele, informa (ou desinforma) a plateia que o pastor Israel Ferreira foi destituído do…

QUANDO É HORA DE MUDAR DE IGREJA

Igreja, genuinamente falando, é aquele lugar onde se reúne um grupo de seguidores de Cristo com objetivo de adorar a Deus, receber ensinamentos, evangelizar e ajudar uns aos outros (At. 2:40-47). Foi com esta clara missão em mente que o apóstolo Paulo informa-nos que Deus colocou à nossa disposição os dons espirituais, a fim de edificarmos uns aos outros e estarmos aparelhados para proclamação do evangelho. Tiago esclarece outro ponto principal da igreja, dizendo que a verdadeira religião é cuidar das viúvas e dos órfãos nas suas necessidades. Por fim, as características da igreja primitiva que a tornou marcante, referência de igreja bíblica, foi que eles tinham tudo em comum e ninguém sentia falta de nada, eram solidários no partir do pão, desfrutavam da comunhão e comungavam da doutrina dos apóstolos, esta, por sua vez, Cristocêntrica.

No domingo passado fui à igreja com minha família e contei. Numa rua com, aproximadamente, quinhentos (500) metros de comprimento, cerca de treze (13…