sexta-feira, 4 de janeiro de 2013

Apostasia - do Cristão e da Igreja Cristã

Em grego antigo απόστασις [apóstasis] – substantivo feminino, "estar longe de") não se refere a um mero desvio ou um afastamento em relação à sua e à prática religiosa. Tem o sentido de um afastamento definitivo e deliberado de alguma coisa, uma renúncia de sua anterior fé ou doutrinação. Pode manifestar-se abertamente ou de modo oculto.

Dependendo de cada religião, um apóstata, afastado do grupo religioso no qual era membro, pode ser vitima de preconceito, intolerância, difamação e calúnia por parte dos demais membros ativos. Na seara cristã, a prática comum é interromper o cumprimento da “paz do Senhor” àqueles que se afastaram, passando a tratá-los como estranho. Mas há casos piores. Em alguns países em que a fé muçulmana é observada, há a aplicação da pena de morte para apóstatas.

Conceitos mais comuns:
  • Separação ou deserção do corpo constituído (de uma instituição, de um partido, de uma corporação) ao qual se pertencia;
  • Abandono da fé de uma igreja;
  • Abandono do estado religioso ou sacerdotal;
  • Abandono das doutrinas ou princípios que sustentam uma fé.

Em nosso segmento, portanto, apostatar é abandonar os princípios imutáveis e inegociáveis da fé cristã. Sendo assim, o apóstata pode ser alguém que se desligou de uma agremiação cristã, ou pode ser uma agremiação cristã que se desviou da base doutrinária bíblica. Tanto no individuo quanto na agremiação, a apostasia tem as mesmas características. No entanto, vale destacar, para uma agremiação se desviar dos princípios bíblicos que a rege, é necessário que “indivíduos” se desviem primeiro.

Falo dos líderes que, absurdamente, deixam de observar a Bíblia para seguir conceitos humanistas, buscando em si mesmos a confiança e as bases para a igreja ou comunidade cristã. Passam a utilizar a Bíblia apenas como livro de consulta histórico-cultural, sem qualquer relação com o que se fala e faz. Adotam uma forma de administração religiosa nefasta, caracterizada por falsos profetas especialistas em engano (com suas falsas visões, falsas revelações e falsos milagres), liderança dominadora, soberba e arrogante (com sua política secular, vaidade, avareza, narcisismo, insensibilidade e cegueira espiritual) e, que é pior, um povo inconverso, natural e carnal, alijado do conhecimento bíblico e ávido por aprovação de suas condutas pecaminosas (Jr. 5:30-31).

No Brasil cristão dos dias atuais, o surgimento do segmento denominado “novo pentecostalismo”, evidencia o desvio dos padrões doutrinários que refletem a imagem nítida desta apostasia moderna. Santidade substituída por formalidade, humildade substituída por arrogância, espiritualidade substituída por superstição, fé substituída por crendices, dons espirituais substituídos por mágica, vocação substituída por capacidade humana, tudo isto amparados por seus próprios profetas (Is. 30:10).

Além disto, vivemos um período em que o modo de vida cristã está se adequando ao padrão de vida secular, ou seja, incorporamos em doses homeopáticas “os desejos da carne (carnalidades), os desejos dos olhos (vaidades) e a ostentação dos bens” que, segundo o apóstolo João, não provém do Pai, mas do mundo (1 Jo.2:16). Assim seguimos nos distanciando, ou apostatando, da Palavra de Deus e do Deus da Palavra.

Dessa forma não é mais possível afirmar que alguém afastado de uma agremiação religiosa apostatou da fé. Muitas vezes, este crente se afastou da agremiação religiosa exatamente para preservar sua fé. Quem apostatou foi a organização a qual pertencia.

Este é o quadro atual que exige dos cristãos sinceros a atitude de perscrutar os princípios bíblicos, esforçando-se para mantê-los. Isto no leva a buscar cuidadosamente grupos que estejam encaixados nos parâmetros da fé cristã bíblica e, também, nos afastar (Jr. 51:45) daqueles que, enganados pela vaidade do coração humano (Jr. 17:9), já abandonaram a fé em Jesus e a submissão a Deus.

“Sede meus imitadores, como eu sou de Cristo” (1 Co. 11:1); Mas, ainda que nós mesmos ou um anjo do céu vos anuncie um evangelho diferente do que já vos temos anunciado, seja amaldiçoado” (Gl. 1:8).

A chave para comprender e identificar a apostasia e os apóstatas é o vínculo com Cristo (Jo. 15:1-10). Enquanto mantivermos nossa crença nos princípios estabelecidos por Cristo em Sua Palavra, mantemo-nos íntegros em nossa relação com Deus. Quando abandonamos ou relativizamos os princípios cristãos encontrados na Palavra de Deus, a Bíblia Sagrada, independente de estarmos sozinhos ou agregados numa organização religiosa que nega os princípios bíblicos em seus discursos e comportamento, APOSTATAMOS DA FÉ.

Consulta:
http://www.dicionarioinformal.com.br
http://pt.wikipedia.org

Nenhum comentário: