Pular para o conteúdo principal

Eleições no Senado e Câmara Federal

Estas eleições nos interessam. Se tratam das casas legislativas mais importantes do país e não podemos simplesmente fazer de contas que não tem qualquer relação conosco. São nesses lugares que as leis que nos regem são formuladas e promulgadas, sendo assim, cabe-nos, como autênticos mandatários dos poderes concedidos aos parlamentares, supervisionar as ações desses senhores.
 
Renan Calheiros (PMDB/AL) concorre para a presidência do Senado. O Senador tem sobre ele denúncias da sua gestão anterior (renunciou para não ser cassado) que até hoje ecoam. Henrique Alves (PMDB/RN) concorre para presidência da Câmara dos Deputados. Noticiam-se denúncias sobre verbas no valor de R$ 6.000.000,00 (...) destinadas à uma construtora de um dos assessores do deputado, cuja sede é num terreninho com um casebre no meio, vigiada por um bode. Detalhe: a folha demonstrou que recursos destinados pelo deputado para obras em cidades no interior do Rio Grande do Norte foram usados para contratar a empresa do assessor.
 
Em tempos de ficha limpa e julgamento do mensalão, não podemos admitir que os parlamentares façam de conta que a população brasileira não deseja mudanças na ética política, principalmente, nessas casas. O povo brasileiro exige melhorias no comportamento de seus representantes. Podem começar com estas eleições.
 
No Senado, há nome que soa bem: Senador Pedro Taques (PDT/MT). Na Câmara, Ronaldo Fonseca (PR/DF).
 
Diante desses favoritos (Renan Calheiros e Henrique Alves), qualquer nome indicado ou apoiado por partidos que não sejam PMDB e PT, é muito melhor.
 
Se não mudar, não melhora.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Porteiro, Auxiliar, Diácono, Presbítero, Evangelista, Pastor. E Mais. Missionária, Bispo, Apóstolo. O Que é Tudo Isso?

De repente, somos sobressaltados com a notícia: "Mais algumas dezenas, e até centenas, de novos obreiros para servir no Reino de Deus". A notícia seria boa, se guardasse a essência dos requisitos bíblicos exigidos para novos obreiros e preservassem o propósito divino na separação de novos chamados.
Para que precisamos de porteiros? Óbvio. Para guardar as portas. Porteiro era considerado Levita, desenvolvia, também, a tarefa de arrecadador de ofertas (2 Cr. 31:14) e vigia (Mc. 13:34); Jesus menciona o porteiro como responsável pela guarda da porta do aprisco das ovelhas (Jo. 10:3; ver também Ed. 7:24). É improdutivo, uma igreja de porta única, com uma quantidade exagerada de porteiros para servir.
Para que precisamos de auxiliares? Há pessoas mencionadas na Bíblia como "cooperadores", no entanto, sem evidência de se referir a um cargo. Eram pessoas que haviam prestado algum tipo de auxílio à alguém, em algum momento específico (Fp. 2:25; At. 20:35). Pode ser até o mes…

Cristo Está Morto! ...de Vergonha.

As Assembleias de Deus na Bahia foi construída sobre os ombros de homens e mulheres altruístas e dedicados que seguiam os conselhos bíblicos com a radicalidade exigida de quem, verdadeiramente, se converteu a Cristo. Foi desta forma que ela cresceu, se consolidou e tornou-se referência de conduta cristã e legítima representante do movimento pentecostal. Seu povo, ordeiro, decente e piedoso, nutria profundo respeito da população por serem responsáveis, honestos, humildes e fiéis.
Mas o crescimento trouxe consigo o desassossego de uma estrutura cada vez maior para suportar um organismo em expansão. A quantidade cada vez maior de congregações exigia mais esforços de sua liderança, pois, com uma administração centralizada, a mobilidade e os recursos passam a ser compartilhados para sustentar a própria estrutura administrativa. É essa estrutura administrativa que, no afã de conceder segurança futura aos seus ministros, fundam uma associação de pastores, conhecida como Convenção.
Órgão com ab…

CEADEB x ADESAL - É feio, muito feio!

Os desdobramentos do litígio entre o presidente da CEADEB e o presidente da ADESAL prossegue revitalizando as feridas causadas pelo rompimento do vínculo de alguns pastores de sua convenção (CEADEB).
No mais recente episódio, uma decisão judicial interlocutória - sem definição de mérito - tomada na ação que a CEADEB move contra a ADESAL, foi entendida como um ato de destituição do pastor Israel Ferreira do comando da Assembleia de Deus em Salvador. Sem querer entrar nas questões técnicas da decisão (deixo isto para os advogados e rábulas), a decisão não dá nada a ninguém, haja vista uma série de “condicionantes” expressos no comando judicial. Na verdade, a decisão da desembargadora é uma espécie de carta do apóstolo Paulo aos Coríntios na versão para os assembleanos baianos: “se entendam!”
Ato seguinte a decisão mencionada, o pastor Valdomiro Pereira distribui um vídeo para os obreiros assembleanos. Nele, informa (ou desinforma) a plateia que o pastor Israel Ferreira foi destituído do…