quinta-feira, 27 de abril de 2017

Veja Como Votou o Deputado Erivelton Santana

Sendo um deputado eleito com nosso voto, temos a responsabilidade de acompanhá-lo.

O deputado Erivelton Santana (Assembleia de Deus - Salvador) votou favoravelmente na Reforma Trabalhista aprovada ontem na Câmara Federal.

Veja como o deputado votou a reforma trabalhista


Por 296 votos a favor e 177 contrários o plenário da Câmara dos Deputados aprovou o texto-base da reforma trabalhista proposta pelo governo Michel Temer. A votação foi marcada por protestos de deputados de oposição, que alegam que a reforma retira direitos dos trabalhadores.

ParlamentarUFVoto
Erivelton SantanaBASim

Fonte: http://veja.abril.com.br/

Eis a informação. Cabe agora o julgamento de cada cristão sobre a atitude do deputado que ajudou a eleger.

Como votei no referido irmão, sendo trabalhador assalariado, me sinto prejudicado por uma reforma protagonizada por uma Câmara Federal, sem moral para fazê-la, e que atenta apenas para os interesses das corporações patronais e piora as condições de trabalho para os hipossuficientes nesta relação.

quarta-feira, 19 de abril de 2017

Álcool Compromete o Cérebro Mesmo Sem Causar Embriaguez

Pessoas que bebem com mais frequência têm menor auto percepção de como o álcool afeta sua capacidade cognitiva, o que as coloca em um risco maior de danos.

Pessoas que bebem com frequência tendem a não sentir os efeitos do álcool, mesmo depois de algumas doses. No entanto, ainda é preciso ter cuidado. De acordo com estudo liderado pelo Sistema de Saúde para Veteranos do Exército de San Diego, nos Estados Unidos, embora não percebam, essas pessoas também enfrentam problemas cognitivos como redução da velocidade das habilidades motoras, memória de curto prazo e processamento complexo, o que pode ser grave.

Os maiores consumidores de álcool também demonstraram menor auto percepção de danos do que aqueles que costumam beber menos, o que pode resultar em comportamentos ainda mais arriscados quando bêbados. “Em geral, existe uma crença de que quem está acostumado a beber muito pode lidar com o álcool e que muitas tarefas diárias comuns não são afetadas pelo consumo”, disse Ty Brumback, autor do estudo e especialista em tratamento de vício, ao Daily Mail.

Um total de 105 pessoas foram testadas em suas habilidades cognitivas e de coordenação motora duas vezes em um intervalo de cinco anos. Um ‘bebedor experiente‘ foi definido como alguém que bebia em torno de 10 a 40 doses de bebida alcoólica por semana – pelo menos nos últimos dois anos anteriores ao teste. Os ‘bebedores leves’ eram aqueles que consumiam menos de seis doses por semana. Uma dose de álcool corresponde a uma taça de vinho ou uma dose de vodca ou uma lata de cerveja. Os participantes mantiveram esses hábitos ao longo dos cinco anos.

Os participantes tiveram sua cognição analisada em uma sequência de testes que avaliou as diversas habilidades. Antes do experimento, porém, os participantes consumiram uma dose de bebida para chegarem a uma determinada concentração de álcool na respiração.

Um teste chamado Grooved Pegboard, que consiste em inserir pinos em uma placa giratória em movimento, analisou sua destreza motora. Possíveis disfunções cognitivas e o processamento cerebral foram avaliados em um Teste de Substituição de Símbolos e Dígitos (DSST, na sigla em inglês), no qual os pesquisadores mostravam aos participantes símbolos que representavam números. Estes tinham 90 segundos para completar os símbolos nos locais correspondentes.

Embora os “bebedores experientes” tenham apresentado menos erros no teste dos pinos, seu desempenho no Teste de Substituição foi semelhante ao dos que bebem casualmente. Porém, o detalhe mais perigoso é que os experientes apresentaram menores níveis de auto percepção.  Isso significa que eles podem realizar algumas atividades que mostram um nível de embriaguez menor do que o real.

“Quando ele chega ao carro, destranca a porta e coloca o carro em marcha, ele pode não perceber deficiência nessas tarefas simples. No entanto, ao começar a dirigir, as demandas cognitivas e psicomotoras aumentam significativamente [e provavelmente ele não está apto para elas], mas a decisão de dirigir já foi feita com base nas tarefas simples anteriores”, explicou Brumback.

Fonte: http://veja.abril.com.br/saude

quinta-feira, 6 de abril de 2017

Hipócritas Religiosos Inconsequentes!

As denominações religiosas se tornaram um lugar estranho de se viver. Esta afirmação nasce quando analisamos e vivemos o ambiente em muitas igrejas e suas convenções pastorais. Estas instituições tentam, em todo tempo, aprisionar o organismo vivo (Corpo de Cristo) em suas teias e levar cativa a Noiva do Cordeiro. São exímios em embaralhar ações espirituais com ações administrativas, opressoras, dominadoras, espoliadoras, e erguem o queixo como se protetores fossem da Igreja do Senhor Jesus. 

Quantos líderes que, sem conhecimento da mordomia de sua função, tratam os servos de Cristo como se seus servos fossem. Exigem subserviência, sob pena de retaliações das mais variadas, todas produzidas por mentes turbinadas pelo secularismo. Talvez seja por esta razão que cristão-político e político-cristão não faz a menor diferença. Possuem a mesma essência, e na lama da corrupção e imoralidade, estão juntos e misturados, seja atuando ativamente ou como cúmplices dos desvios morais assistidos diuturnamente neste país.

Estas organizações cobram de seus fiéis coisas que, biblicamente, não há como encontrar justificativas. Por exemplo. Onde está escrito que o dízimo deve ser entregue à igreja com registro em carnês? Onde está a justificativa para pastores entregarem seus dízimos em convenção de pastores e requererem posteriormente, com base nestas contribuições, a sua jubilação ou aposentadoria? Como justificar os votos financeiros exigidos dos fiéis ou as campanhas extras realizados para fazer e/ou comprar tudo, desconsiderando que os dízimos e ofertas entregues no ofertório sejam para este fim? Onde está a justificativa para ações judiciais movidas contra outros irmãos ou outras convenções? Nas cartas de Paulo aos Corintos?

Além da falta de amparo bíblico, há a hipocrisia latente. Como justificar uma denominação que exige de seus membros integridade moral e ela mesma está com protestos em cartórios de registros de títulos? Como justificar uma denominação que exige de seus membros que andem na legalidade perante as leis de seu país e ela mesma descumpre preceitos legais relativos ao seu próprio funcionamento? Como justificar a necessidade de funcionários da igreja acionarem a justiça secular para receberam salários que lhe são devidos?

Além da falta de amparo bíblico, da hipocrisia latente, ainda há a perversidade dominante. Como exigir presença sem oferecer apoio? Como oferecer acesso às ovelhas de Cristo para os mercenários tirarem sua lã, seu leite e abandonarem-nas feridas emocionalmente e turbadas espiritualmente? Às vezes parece que, após a conversão de alguém, ficamos testamos para ver até quando ele pode resistir dentro do templo. Muitas vezes parece que torcemos para ele desistir ou cair. Quem já não ouviu: "Quem é salvo?", para logo em seguida, ouvir: "tem certeza?!"

Porque transformamos um ambiente que deveria ser acolhedor e edificante, numa espécie de covas dos leões moderno onde o fiel precisa confiar muito em Deus para sobreviver? Conhecemos o ambiente da vinha e a existência do joio no meio do trigo. Mas, é necessário mesmo matar o trigo para disciplinar o joio? É esse o conselho bíblico?

O maior problema disso tudo é o que fica para as novas gerações. Preocupa-nos perceber uma nova geração de obreiros sendo forjados na mesquinharia, no orgulho das maiores posições, na manutenção da vaidade dos rótulos, na resolução de problemas na força carnal e nos truques de bastidores, numa ignorância bíblica fenomenal e na "força espiritual" de pregações feitas na garganta. A formação de novos obreiros segue um "script" infernal.

Alegro-me pelas exceções. Raras, por isso, exceções.

São muitas perguntas que não encontram respostas sinceras dos líderes destas organizações porque não as têm. O próprio Cristo faz menção a tudo isto quando afirma: "Ai de vocês, mestres da lei e fariseus, hipócritas, porque percorrem terra e mar para fazer um convertido e, quando conseguem, vocês o tornam duas vezes mais filho do inferno do que vocês" (Mt. 23:15).

Todavia, "apesar deles", a vida cristã dentro das igrejas locais deve seguir, discernindo espíritos e determinados a cumprir os propósitos de Deus.

Lutamos contra a nossa própria alma todos os dias, batalhamos contra a natureza humana que, em nós, inclina-nos para o pecado, nos agarramos a graça de Cristo, a dura penas, a fim de manter nossa fidelidade a Deus. Na Bíblia encontramos alimento para nossa fé, porém, quando levantamos a cabeça e olhamos os líderes das organizações religiosas, perdemos confiança, nossa fé se enfraquece e começamos a duvidar de tudo e de todos. Isto reflete em Deus. Eles se dizem seus representantes!

Se você também trava esta batalha todos os dias, o Senhor te abraça. Esperamos que seu Espírito nos faça sentir sua presença e, verdadeiramente, avive a sua obra em nós, principalmente nestes ambientes ruins.

Porém, se você não se dá conta destas iniquidades, pelo contrário, as alimenta e mantêm sua vida sob a tutela desses desejos e sentimentos carnais, você é apenas um hipócrita religioso inconsequente que imagina ser os seus votos religiosos suficientes para te justificar...

É só um HIPÓCRITA RELIGIOSO INCONSEQUENTE, que envergonha Deus, Sua Palavra e Seu Espírito Santo.