terça-feira, 26 de fevereiro de 2013

Tantas Coisas Por Fazer...

Jovens renunciando o convívio da família, se lançam nos braços de Afrodite (deusa do sexo e da beleza corporal - Grécia antiga).

Ação - Investir recursos, com fins de consolidar o trabalho da juventude nas igrejas, amadurecendo-os, espiritualmente, e transformando-os em pescadores de jovens para o Reino de Deus.

Multidões seguem em direção ao Brasil para Copa das Confederações, Copa do Mundo e Olimpíadas.

Ação - Definir estratégias de evangelização, capacitando a igreja para a tarefa de anunciar o evangelho em línguas nativas daqueles que virão, além de investir em material didático adequado para este fim.

Eleições para presidência da república em 2014 e a firme intenção dos governos de esquerda em adotar a agenda pró-homossexuais, pró-aborto e pró-drogas no Brasil.

Ação - Campanha de oração e instrução sobre políticas públicas e deveres dos governantes à luz da Bíblia, a fim de preparar nosso povo para votar com base nos princípios cristãos.

O desespero das enchentes, da seca, das viúvas, dos órfãos, da fome e das doenças.

Ação - Racionalizar recursos de tal forma que possibilite a igreja ser agência de transformação social (a verdadeira religião). Invés de templos cada vez maiores, igrejas envolvidas com missão integral.

Divórcio, separação, gravidez na adolescência, mães e pais solteiros.

Ação - Investimento em prevenção, conselheiros de famílias e atividades afins, com vistas a, preventivamente, evitar as rupturas conjugais e a quebra dos votos de pureza entre os jovens, e, corretivamente, acolher os afetados com amparo e inserção natural na igreja local (redução de danos).

Tendência do governo de esquerda em limitar, progressivamente, as ações dos cristãos (evangelização), com o claro objetivo de eliminar o temor a Deus da sociedade brasileira (secularização).

Ação - Transformar cada igreja numa verdadeira agência de evangelização, ocupando cada praça e cada largo com cruzadas evangelísticas alternadas e periódicas, e cada rua, com passeatas ordeiras e protestantes em toda cidade. Transformar cada igreja numa agência de ensino gratuito da Bíblia.

E mais, muito mais.

No entanto, enquanto há tantas coisas por fazer...

...alguns líderes cristãos estão mais preocupados e envolvidos com o seu futuro na terra e em ser o maior nas corporações eclesiásticas que pertencem.

segunda-feira, 25 de fevereiro de 2013

Estão Matando Nossos Jovens. Estão Destruindo Suas Vidas.


É deprimente transitar pelas ruas de nossas cidades e contemplar a quantidade de jovens entregues à alegria fácil. Meninas, ainda na adolescência, apertadas em bermudas que mal cabem uma de suas pernas e minúsculas blusas “tomara que caia”, se deixam levar pela propaganda enganosa do prazer fast food. Meninos, perturbados e amedrontados pelos deveres que a vida adulta os chama a assumir, relutam nas drogas (lícitas e ilícitas) e no charme de um poder que pensam possuir. Avançam nas madrugadas em bebedeiras, orgias e tumultos. Completamente vulneráveis sem perceber.

Lembro seus pais. Impotentes diante do discurso libertino, “politicamente correto”, defendido por gente sem respeito a si mesmos e ao próximo. Em sua maioria, os defensores dessa anarquia, são filhos de famílias desestruturadas, frutos da má educação de pais presentes, ou do sofrimento experimentado nos divórcios de seus genitores, ou do completo abandono, traumas e agressões que sofreram na infância, adolescência ou juventude.

Presenciei a cena deprimente de uma garota, ainda adolescente, alucinada, desesperada, transitando pelo meio da rua, tarde da noite, agonizando e gemendo na busca por algo que nem ela mesma sabia o que era. Certamente buscava oxigênio para respirar de tão sufocada que estava pelas drogas, pela angústia, pelo desespero.

Vejo jovens de todos os tipos e cores, malhados, cuidados com cremes, shampoos e toda espécie de cosméticos, mergulharem na bebida alcoólica para obter alguma alegria ou satisfação na vida. Precisam de alguma coisa que altere suas consciências, pois, assim, e só assim, conseguem desfrutar de algum prazer (ou alienar-se do medo da não-conquista). Como ovelhas cegas, são levados para tosquia sem pressentir a dor que os aguarda. E vão... Muitos deles, ex-cristãos.

É surpreendente a quantidade de jovens que já conviveram com o evangelho, que já ouviram falar da vida abundante em Cristo, que estiveram pertinho do céu, mas, optaram por uma troca com perda total (Barrabás no lugar de Cristo).

Em contato com um deles (filho de um “bispo” evangélico), indo para um show de Jorge Vercillo na companhia de outro filho de pastor, perguntei:

- Você era crente? Tocava na igreja? Ele disse: - Sim.

- Porque saiu? O mundo me atraiu. Respondeu-me.

Foi uma resposta fria, insensível. Percebi que era a resposta de alguém que, parecia, jamais tinha experimentado o evangelho de Cristo, apesar de já ter habitado igrejas e ouvido ou lido a Bíblia Sagrada.

Fui buscá-los no final do show (atendia ao pedido de um irmão). Estavam embriagados. Não falavam coisa com coisa, e falavam alto. Se imaginavam, como todos os alcoolizados, capazes e aptos a tomarem decisões e emitirem opiniões “ajuizadas” sobre qualquer assunto. Preferir me calar. Olhei seus semblantes e vi suas pálpebras querendo fechar-se (Pareceu-me que seus olhos queriam esconder-se temporariamente, para, num novo abrir, encontrar o mundo maravilhoso que tanto procuram).

O que é que estão fazendo com nossa juventude? Porque irresponsáveis encontram eco na mídia, propagando seus mantras hedonistas sem a mínima preocupação com o que fica depois? Porque não se calam? Porque não ouvem as vozes angustiadas de uma juventude perdida nas madrugadas? Porque, pelo menos, não ouvem seus gemidos, já que não podem sentir suas dores?

O que assistimos é o resultado de uma sociedade que aceitou a conversa fiada da autonomia pessoal para uma juventude que ainda não sabe o que é a vida. Com físicos bombados em academias ou turbinados por hormônios dos mais variados, acreditam que o corpo testemunha uma mente madura e apta a assumir as rédeas de uma existência que ainda nem começou. Nem estão devidamente preparados (A vida é um conjunto de fases. Quem queima etapas, perde um segmento da construção de seu futuro que lhe fará falta).

A “turma” cambaleia nas ruas, brigam e se rebelam em casa. Nesse emaranhado de sensações não conseguem discernir entre aqueles que lhes querem bem (seus pais) daqueles que desejam apenas usufruir do bem que possam lhes oferecer (seu dinheiro e seu corpo). Tomam-lhe muito mais. Sorrateiramente, surrupiam sua esperança e destroem sua vida.

Os garotos precisam despertar, abrir os olhos e enxergar a realidade das responsabilidades que apenas os covardes teimam em fugir ou se esconder num copo de cerveja, conhaque ou outra bebida alcoólica qualquer. Precisam permitir aos seus pais lhes ensinar o que é ser adulto, mostrando os riscos camuflados em cada esquina, em cada droga, e a decisão certeira de resistir-lhes sempre. Seus pais e avós são os melhores faróis para lhes indicar o caminho da felicidade responsável, pois, o caminho da felicidade fácil das ruas reserva aos seus transeuntes a solidão, a infelicidade e a morte precoce.
As garotas devem se permitir olhar mais detidamente no espelho. Mais do que conferir se a bermuda está devidamente apertada ou se a camisa está expondo um decote generoso, devem olhar para além das suas vestes e de seus corpos. Devem enxergar suas almas. Quanto bem fariam a si mesmas se percebessem a desvalorização que a roupa da moda vulgar, a música imoral popular e a dança sensual da vez lhes etiquetam. No mercado da vida, quando tudo termina, até mesmos seus “clientes oportunistas”, não lhes darão um tostão furado. E assim elas seguem fúteis, insignificantes, sem valor. De repente, se enxergam presentes naquele futuro sonhado no passado. Descobrem, tarde demais, que a esperança de êxito foi só um sonho, despertado pelo pesadelo de uma vida sem rumo, com marcas no corpo, na mente e no coração.

Jovens, vocês são fortes (Deus insiste). O Criador lhes concedeu vigor suficiente para lhes permitir mudar, alterar a rota e encontrar uma saída melhor que as praças abarrotadas de orgias, de drogas, de dor. Vocês podem contar com seus pais e com Deus (Toda rebeldia para com os pais é apenas reflexo da rebeldia contra Deus). Seus pais, assim como Deus, estão continuamente de braços abertos desejando que voltes. Deixem as “bolotas que os porcos comem” e voltem para os braços de seus Pais, para o aconchego do lar.

Sob a proteção e orientação de Deus e de seus pais, essa dor que atravessa tua alma, não resistirá a alegria abundante que aguarda teu coração e tua vida. Troque a dor das ruas pelo gozo da vida em família, e seja feliz. Ainda dá tempo.

quinta-feira, 21 de fevereiro de 2013

Eu Apoio o Pr. Silas Malafaia. Com Ressalvas.

 

Apesar de divergir da teologia da prosperidade adotada pelo Pr. Silas Malafaia e da forma como defende suas teses, devemos estar ao seu lado, como cristãos, apoiando-o em suas posições bíblicas.
 
Os "tolerantes" querem impedir a livre manifestação do pensamento em nossa nação, e "todos" os brasileiros decentes não podem concordar com isso. Diga NÃO a intolerância dos que se dizem tolerantes e querem transformar o Brasil no país de uma  minoria imoral, inimigos da família e da vida.
 
Por esta razão, recomendo à você, leitor, assinar o abaixo-assinado favorável a manutenção do registro profissional de psicólogo do Pr. Silas Malafaia (http://abaixoassinado.vitoriaemcristo.org/_gutenweb/_site/gw-assinatura).

Estamos vivendo um tempo no Brasil em que todo cristão deve se posicionar, chegou a hora dos verdadeiros protestantes colocarem a cara para fora das quatro paredes da igreja e dizerem ao mundo o que Deus pensa acerca da família, dos princípios e valores morais, da existência em sociedade e da vida.
 

quarta-feira, 20 de fevereiro de 2013

Atenção Srs. Pais


Crianças 'viciadas' em TV têm mais chance de cometer crimes
Agência AFP (Fonte: www.atarde.uol.com.br)

Uma pesquisa realizada na Nova Zelândia aponta que crianças que assistem à televisão em excesso são mais sujeitas do que outras a cometer crimes ou ter atitudes agressivas quando adultas.

A Universidade de Otago acompanhou mais de mil adolescentes nascidos no início da década de 1970, desde os quinze anos de idade até os 26, para avaliar os potenciais impactos da televisão nos seus comportamentos.

O estudo, publicado nesta semana na revista americana "Pediatrics", conclui que existe uma forte correlação entre a exposição excessiva de crianças à televisão e comportamentos antissociais de jovens adultos.

"O risco de um jovem adulto ter antecedentes criminais aumenta em 30% para cada hora que assistiu televisão em média durante a semana quando criança", disse Bob Hancox, co-autor da pesquisa.

A pesquisa também apontou que o fato de assistir televisão em excesso está ligado a comportamentos agressivos e à tendência de sentir mais emoções negativas.

Estas ligações são ainda mais significantes em termos de estatísticas quando são levados em conta fatores como a inteligência, a condição social e a educação dada pelos pais.

"Ao mesmo tempo que não podemos dizer que a televisão leva diretamente a comportamentos antissociais, os resultados da nossa pesquisa sugerem que o fato de passar menos tempo assistindo televisão pode reduzir os comportamentos antissociais na sociedade", analisou Hancox.

Ele ainda disse que concordava com as recomendações da Academia Americana de Pediatria, segundo a qual crianças não deveriam assistir a mais de uma ou duas horas de programas de televisão por dia.

O estudo também aponta que é possível que crianças tenham desenvolvido comportamentos antissociais ao imitar o que viram na televisão.

No entanto, os conteúdos assistidos não seriam os únicos fatores que levariam a estes comportamentos. O isolamento social vivido por pessoas que ficam horas diante da TV também seria um agravante.

"É possível que o fato de assistir televisão em excesso leve a comportamentos antissociais mesmo se a criança não está exposta a conteúdos violentos", disse a pesquisa.

"Se ficar tempo demais na frente da televisão, a criança pode ter menos relações sociais com amigos ou parentes, além de um desempenho ruim na escola, e correr assim mais risco de ficar desempregado", explicou.

Hancox ainda salientou que o estudo foi baseado em hábitos de crianças no fim da década de 1970 e no início da década de 1980, antes da chegada em massa de videogames.

"Se a pessoa passa horas na frente de um jogo que não apenas a expõe a cenas violentas, mas também estimula a matar pessoas, isso pode ser pior ainda, mas não tenho nenhum dado concreto sobre este assunto", disse Hancox em entrevista à Radio New Zealand.

segunda-feira, 18 de fevereiro de 2013

Pagamos Mais Para Quem Trabalha Menos

Congressista do Brasil é 2º mais caro do mundo

Antes de iniciar a leitura, retire as crianças da sala. Você não vai querer que elas o vejam ofendendo a mãe dos outros. Lá vai: cada um dos 594 congressistas brasileiros custa ao seu, ao meu, ao nosso bolso a bagatela de US$ 7,4 milhões por ano. É o segundo parlamentar mais caro do planeta. Só perde para o legislador dos EUA, que sai a US$ 9,6 milhões anuais.
 
Esmiuçados em notícia do repórter Paulo Gama, os dados constam de pesquisa realizada pela ONU, em parceria com uma entidade chamada União Interpalamentar. O estudo envolve 110 países. Calma, não azede o seu domingo. Você tem sempre que pensar no lado positivo das coisas. O espelho, por exemplo. Já imaginou que Brasil maravilhoso será o Brasil no dia em que o eleitor enxergar no próprio reflexo a figura de um cúmplice. Repare bem: quando um político inescrupuloso faz do eleitor um idiota, é porque encontrou matéria prima.


Comento.

Numa conta simples. 7,4 milhões de doláres corresponde a R$ 14,5 milhões de reais. Como se trata de valor gasto com cada um dos 594 congressistas brasileiro, a soma total anual é de R$ 8,6 bilhões de reais. Considerando que o mandato parlamentar é de 4 anos, eles consomem cerca de R$ 34,4 bilhões de reais da viúva (nós, os brasileiros decentes que pagamos religiosamente nossos impostos) ao longo do mandato.
 
594 congressistas é muita gente para receber muito e trabalhar muito pouco ou nada. Como a democracia prescinde de um congresso (do povo ou de respeito, diga-se de passagem, não esse que está aí), poderíamos reduzir isso pela metade (e ainda teríamos muita gente) e economizaríamos aproximadamente 17 bilhões de reais em quatro anos.
 
Com este valor disponível ao longo de quatro anos, o que poderia ser feito na educação, saneamento básico, saúde, moradia e segurança?
 
E então, está faltando dinheiro ou vergonha na cara?
 

sexta-feira, 15 de fevereiro de 2013

Um Carnaval Que Incomoda a Maioria.

Em nossa enquete sobre o incômodo do carnaval, 57% dos que responderam disseram sentirem-se incomodados com a farra. É o reflexo da realidade que envolve o carnaval. É uma festa popular que é realizada para atender uma minoria, e só acontece, também, porque garante grana, muita grana, para proprietários de trios, de escola de samba, de hotéis, de cervejaria.

Outra fator importante. É uma muvuca útil para os governos incompetentes entorpecerem a mente e consciência da população com o circo. Isso os afasta do seu papel de votar com consciência e do dever de cobrar dos políticos um estado que preste serviços com qualidade.

Eis a nossa democracia. Ela atende a minoria, mesmo quando agride o direito da maioria. E assim seguimos... até quando?

Coisas Que Até um Ateu Pode Ver

Pela relevância do assunto, não resistir ao desejo e necessidade de republicá-lo aqui. Trata-se de críticas ao evolucionismo de Charles Darwin. É um texto grande, mas, vale a pena ler até o fim.
 
(O Pr. Presbiteriano Augusto Nicodemos Lopes é Mestre e Doutor em Interpretação Bíblica, Professor de Exegese, Bíblia e Pregação Expositiva. Exerce a função de Chanceler da Universidade Presbiteriana Marckenzie).


Um número razoável de cientistas e filósofos ateus ou agnósticos vem em anos recentes engrossando as fileiras daqueles que expressam dúvidas sérias sobre a capacidade da teoria da evolução darwinista para explicar a origem da vida e sua complexidade por meio da seleção natural e da natureza randômica ou aleatória das mutações genéticas necessárias para tal.
 
Poderíamos citar Anthony Flew, o mais notável intelectual ateísta da Europa e Estados Unidos que no início do século XXI anunciou sua desconversão do ateísmo darwinista e adesão ao teísmo, por causa das evidências de propósito inteligente na natureza. Mais recentemente o biólogo molecular James Shapiro, da Universidade de Chicago, ele mesmo também ateu, publicou o livro Evolution: A View from 21st Century onde desconstrói impiedosamente a evolução darwinista.
 
Thomas Nagel
E agora é a vez de Thomas Nagel, professor de filosofia e direito da Universidade de Nova York, membro da Academia Americana de Artes e Ciências, ganhador de vários prêmios com seus livros sobre filosofia, e um ateu declarado. Ele acaba de publicar o livro Mind & Cosmos (“Mente e Cosmos”) com o provocante subtítulo Why the materialist neo-darwinian conception of nature is almost certainly false (“Por que a concepção neo-darwinista materialista da natureza é quase que certamente falsa”), onde aponta as fragilidades do materialismo naturalista que serve de fundamento para as pretensões neo-darwinistas de construir uma teoria do todo (Não pretendo fazer uma resenha do livro. Para quem lê inglês, indico a excelente resenha feita por William Dembski e o comentário breve de Alvin Plantinga).
 
Estou mencionando estes intelectuais e cientistas ateus por que quando intelectuais e cientistas cristãos declaram sua desconfiança quanto à evolução darwinista são descartados por serem "religiosos". Então, tá. Mas, e quando os próprios ateus engrossam o coro dos dissidentes?

Neste post eu gostaria apenas de destacar algumas declarações de Nagel no livro que revelam a consciência clara que ele tem de que uma concepção puramente materialista da vida e de seu desenvolvimento, como a evolução darwinista, é incapaz de explicar a realidade como um todo. Embora ele mesmo rejeite no livro a possibilidade de que a realidade exista pelo poder criador de Deus, ele é capaz de enxergar que a vida é mais do que reações químicas baseadas nas leis físicas e descritas pela matemática. A solução que ele oferece – que a mente sempre existiu ao lado da matéria – não tem qualquer comprovação, como ele mesmo admite, mas certamente está mais perto da concepção teísta do que do ateísmo materialista do darwinismo.
 
Ele deixa claro que sua crítica procede de sua própria análise científica e que mesmo assim não será bem vinda nos círculos acadêmicos:
 
     “O meu ceticismo [quanto ao evolucionismo darwinista] não é baseado numa crença religiosa ou numa alternativa definitiva. É somente a crença de que a evidência científica disponível, apesar do consenso da opinião científica, não exige racionalmente de nós que sujeitemos este ceticismo [a este consenso] neste assunto” (p. 7).
 
     “Eu tenho consciência de que dúvidas desta natureza vão parecer um ultraje a muita gente, mas isto é porque quase todo mundo em nossa cultura secular tem sido intimidado a considerar o programa de pesquisa reducionista [do darwinismo] como sacrossanto, sob o argumento de que qualquer outra coisa não pode ser considerada como ciência” (p.7).
 
Ele profetiza o fim do naturalismo materialista, o fundamento do evolucionismo darwinista:
 
     “Mesmo que o domínio [no campo da ciência] do naturalismo materialista está se aproximando do fim, precisamos ter alguma noção do que pode substitui-lo” (p. 15).
 
Para ele, quanto mais descobrimos acerca da complexidade da vida, menos plausível se torna a explicação naturalista materialista do darwinismo para sua origem e desenvolvimento:
 
     “Durante muito tempo eu tenho achado difícil de acreditar na explicação materialista de como nós e os demais organismos viemos a existir, inclusive a versão padrão de como o processo evolutivo funciona. Quanto mais detalhes aprendemos acerca da base química da vida e como é intrincado o código genético, mais e mais inacreditável se torna a explicação histórica padrão [do darwinismo]” (p. 5).
 
     “É altamente implausível, de cara, que a vida como a conhecemos seja o resultado da sequência de acidentes físicos junto com o mecanismo da seleção natural” (p. 6).
 
Não teria havido o tempo necessário para que a vida surgisse e se desenvolvesse debaixo da seleção natural e mutações aleatórias:
 
     “Com relação à evolução, o processo de seleção natural não pode explicar a realidade sem um suprimento adequado de mutações viáveis, e eu acredito que ainda é uma questão aberta se isto poderia ter acontecido no tempo geológico como mero resultado de acidentes químicos, sem a operação de outros fatores determinando e restringindo as formas das variações genéticas” (p. 9).
 
Nagel surpreendentemente defende os proponentes mais conhecidos do design inteligente:
 
     “Apesar de que escritores como Michael Behe e Stephen Meyer sejam motivados parcialmente por suas convicções religiosas, os argumentos empíricos que eles oferecem contra a possibilidade da vida e sua história evolutiva serem explicados plenamente somente com base na física e na química são de grande interesse em si mesmos... Os problemas que estes iconoclastas levantam contra o consenso cientifico ortodoxo deveriam ser levados a sério. Eles não merecem a zombaria que têm recebido. É claramente injusta” (p.11).
 
Num parágrafo quase confessional, Nagel reconhece que lhe falta o sentimento do divino que ele percebe em muitos outros:
 
     “Confesso um pressuposto meu que não tem fundamento, que não considero possível a alternativa do design inteligente como uma opção real – me falta aquele sensus divinitatis [senso do divino] que capacita – na verdade, impele – tantas pessoas a ver no mundo a expressão do propósito divina da mesma maneira que percebem num rosto sorridente a expressão do sentimento humano” (p.12).
 
Para Nagel, o evolucionismo darwinista, com sua visão materialista e naturalista da realidade, não consegue explicar o que transcende o mundo material, como a mente e tudo que a acompanha:
 
     “Nós e outras criaturas com vida mental somos organismos, e nossa capacidade mental depende aparentemente de nossa constituição física. Portanto, aquilo que explicar a existência de organismos como nós deve explicar também a existência da mente. Mas, se o mental não é em si mesmo somente físico, não pode, então, ser plenamente explicado pela ciência física. E então, como vou argumentar mais adiante, é difícil evitar a conclusão que aqueles aspectos de nossa constituição física que trazem o mental consigo também não podem ser explicados pela ciência física. Se a biologia evolutiva é uma teoria física – como geralmente é considerada – então não pode explicar o aparecimento da consciência e de outros fenômenos que não podem ser reduzidos ao aspecto físico meramente” (p. 15).
 
     “Uma alternativa genuína ao programa reducionista [do darwinismo] irá requerer uma explicação de como a mente e tudo o que a acompanha é inerente ao universo” (p.15).
 
     “Os elementos fundamentais e as leis da física e da química têm sido assumidos para se explicar o comportamento do mundo inanimado. Algo mais é necessário para explicar como podem existir criaturas conscientes e pensantes, cujos corpos e cérebros são feitos destes elementos” (p.20).
 
Menciono por último a perspicaz observação de Nagel, que se a mente existe porque sobreviveu através da seleção natural, isto é, por ter se tornado na coisa mais esperta para sobreviver, como poderemos confiar nela? E aqui ele cita e concorda com Alvin Plantinga, um filósofo reformado renomado:
 
     “O evolucionismo naturalista provê uma explicação de nossas capacidades [mentais] que mina a confiabilidade delas, e ao fazer isto, mina a si mesmo” (p. 27).
 
     “Eu concordo com Alvin Plantinga que, ao contrário da benevolência divina, a aplicação da teoria da evolução à compreensão de nossas capacidades cognitivas acaba por minar nossa confiança nelas, embora não a destrua por completo. Mecanismos formadores de crenças e que têm uma vantagem seletiva no conflito diário pela sobrevivência não merecem a nossa confiança na construção de explicações teóricas do mundo como um todo... A teoria da evolução deixa a autoridade da razão numa posição muito mais fraca. Especialmente no que se refere à nossa capacidade moral e outras capacidades normativas – nas quais confiamos com frequência para corrigir nossos instintos. Eu concordo com Sharon Street [professora de filosofia na Universidade de Nova York] que uma auto-compreensão evolucionista quase que certamente haveria de requerer que desistíssemos do realismo moral, que é a convicção natural de que nossos juízos morais são verdadeiros ou falsos independentemente de nossas crenças” (p.28).
Não consegui ler Nagel sem lembrar do que a Bíblia diz:
 
"Tudo fez Deus formoso no seu devido tempo; também pôs a eternidade no coração do homem, sem que este possa descobrir as obras que Deus fez desde o princípio até ao fim" (Eclesiastes 3:11).
 
"De um só Deus fez toda a raça humana para habitar sobre toda a face da terra, havendo fixado os tempos previamente estabelecidos e os limites da sua habitação; para buscarem a Deus se, porventura, tateando, o possam achar, bem que não está longe de cada um de nós" (Atos 17:26-27).
 
Nagel tem o sensus divinitatis, sim, pois o mesmo é o reflexo da imagem de Deus em cada ser humano, ainda que decaídos como somos. Infelizmente o seu ateísmo o impede de ver aquilo que sua razão e consciência, tateando, já tocaram.

A Ideologia Petista Invade as Escolas Públicas. Que as Igrejas Invistam em Escolas Cristãs Particulares.

Há um risco iminente pairando sobre nossos filhos e filhas, principalmente, adolescentes e jovens. Estamos há mais de dez anos sob governo do Partido dos Trabalhadores e, como sabemos, eles possuem uma agenda para busca do poder totalitário. Ditadura mesmo. A essência do partido aparece exatamente quando ele se acostuma com as entranhas do poder estatal e paga qualquer preço para atingir seus objetivos. Nisto se confirma ter sido a luta contra a ditadura não um desejo por um estado democrático, mas, sim, apenas a mudança do tipo de ditadura. Invés de militar, do proletariado.

Como o Brasil não se assemelha com países aprisionados pelo bolivarianismo, a agenda encontra resistência no jornalismo independente e em determinados segmentos sociais. Não é sem razão que algumas figuras palacianas afirmam seu descontentamento com esses grupos.

Apesar de alguns cristãos terem sido cooptados pelo poder petista, o segmento cristão está incluso entre aqueles que precisam ser combatidos. Um secretário-geral da Presidência da República chegou a afirmar que eles devem se voltar para o confronto com o segmento religioso cristão, disputar o espaço ocupado pelo cristianismo nas mentes e corações das pessoas. Para que alcance tal objetivo, empreendem ações no campo da ética, da moral e dos costumes que visam desconstruir as crenças dos brasileiros.

Como estão determinados e encontram resistência nas mentes mais maduras, voltam suas baterias para crianças, adolescentes e jovens. Como e onde podem encontrar e modificar a consciência juvenil? Através da mídia e na escola. Na mídia eles conseguem se infiltrar pelo poder econômico, tornando grandes veículos de comunicação reféns de seus interesses, porém, na escola, exige-se um tempo maior em razão de nem todos os educadores serem formados nas bases petistas.

Aborto, homossexualismo, subserviência e rebeldia são elementos que pretendem incutir nas mentes e nos corações dos estudantes brasileiros, a fim de tornar mais fácil a implementação de políticas totalitárias que os perpetuarão no poder. Desejam "quebrar" a resistência moral e ética cristã que os filhos recebem de seus pais na família. É por esta razão que, numa outra frente, invadem as famílias com leis que interferem diretamente na educação dos filhos.

Mas, o que podemos fazer para imunizarmos nossos filhos contra esta influência maligna? As igrejas devem investir em escolas e universidades cristãs, formando médicos, magistrados, cientistas e intelectuais cristãos que irão contrapor as ideologias e as crenças esquerdistas utilizando como base não apenas a Bíblia, mas, também, a própria ciência. Como disse o Professor Doutor Louis Pasteur: "Um pouco de ciência nos afasta de Deus. Muito, nos aproxima."

Os líderes religiosos devem parar de investir apenas em templos e mídia, devem voltar suas mentes para o planejamento de ações que salvem nossa geração e a geração futura, e uma boa opção é construir escolas e universidades. Os filhos das famílias cristãs precisam ter um lugar adequado para estudar, pois, hoje, com a ausência desta opção, estão sendo empurrados para colégios públicos degradados, permeados pelas drogas e violência, inutilizados pela baixa qualidade do ensino e usurpados pela ideologia esquerdista que visa desconstruir a consciência cristã nas futuras gerações. Enquanto os pastores se esforçam para ensinar as verdades sagradas nos templos, o Ministério da Educação do PT está tentando incutir a incredulidade e a imoralidade nas escolas públicas.

A Constituição Federal Brasileira nos concede liberdade de pensamento e crença. Portanto, Srs. Pastores, parem de gastar dinheiro e energia em futilidades, vamos cumprir nosso papel de transformar a sociedade pela renovação de nossas mentes (Rm. 12:2). Que tal começar a transformar a sociedade cuidando dos nossos filhos?

Nós, pais cristãos, e nossos filhos, agradecemos.

quinta-feira, 14 de fevereiro de 2013

Professora Americana, Esquerdista e Lésbica, Se Torna Cristã



"Como professora esquerdista e lésbica
eu desprezava os cristãos.
Então, de alguma maneira,
me tornei uma cristã."


Estou falando de Rosaria Champagne Butterfield, lésbica, professora em uma renomada universidade americana, ideologicamente esquerdista e que vivia com sua amante há muitos anos. A revista Christianity Today acaba de publicar o testemunho dela com o título: “Minha conversão: um desastre de trem.”

Rosaria e sua amante tinham duas casas que usavam para dar hospitalidade a estudantes e ativistas preocupados em mudar o mundo para melhor. Eram profundamente empenhadas em causas sociais. Rosamaria desprezava os cristãos, especialmente os alunos que tentavam inserir versículos bíblicos numa conversa ou nos trabalhos que apresentavam. Para ela, o cristianismo estava totalmente errado e chegava mesmo a ser prejudicial às pessoas.

Mas, um dia, recebeu um comentário de um pastor presbiteriano sobre um artigo onde ela atacou os cristãos, particularmente o grupo Promise Keepers (grupo de homens cristãos devotados ao resgate da masculinidade cristã). No comentário, o pastor Ken Smith gentilmente questionou os pressupostos dela e de que maneira ela sabia que estava certa em suas acusações. Foi ali que começou o processo de vários anos que terminou com sua conversão, quando ela tinha perto de 40 anos de idade. Hoje, casada com um pastor evangélico e mãe de vários filhos, Rosaria dá testemunho de como Deus teve de demolir e destruir todos os seus pressupostos, ídolos e amores até trazê-la aos pés da cruz de Jesus Cristo.

A sua história completa está no livro The Secret Thoughts of an Unlikely Convert ("Os pensamentos secretos de uma convertida improvável").
 

quarta-feira, 13 de fevereiro de 2013

Papa é Assunto Que Diz Respeito Aos Católicos.

A surpreendente notícia da renúncia do Papa Bento XVI trouxe para tela da tv e páginas dos jornais e, certamente, das revistas a serem publicadas, inúmeros jornalistas, redatores e outros "especialistas" emitindo suas opiniões acerca das características que o novo Papa deve ter.

Todas as inserções trazem a nítida tendência por um Papa que leve a Igreja Católica para uma posição mais liberal quanto a homossexualidade, uso de preservativo, aborto e outros assuntos inerentes a moral cristã da comunidade católica.

Convém lembrar que estes formadores de opinião são os mesmos que defendem a secularização da sociedade brasileira, ou seja, defendem que a sociedade deve excluir toda e qualquer influência divina de suas relações. Com a renúncia do atual líder dos Católicos, os mesmos estão extremamente interessados em saber se o futuro Papa será escolhido entre os conservadores ou liberais. Eles não só torcem como desejam influenciar a escolha de um novo líder com perfil liberal.

Pretendem, de alguma forma, pressionar o clero da Igreja Católica a flexionar sua firme posição naqueles assuntos que atendem a agenda secular (relativismo, homossexualismo, aborto, uso de preservativos e outros). Ora, se é isso que buscam (a secularização), vivam suas vidas e deixem para quem de direito (os católicos "praticantes") a opção ou a responsabilidade de se preocuparem com a sucessão papal.

O escolha do novo Papa é assunto exclusivamente dos católicos "praticantes". Nem mesmo os nominais (aqueles que apenas foram batizados quando criancinhas e só aparecem em batismo de afilhado e missa de sétimo dia de algum conhecido) devem emitir juízo sobre este assunto, pois, quem não faz parte do cotidiano do corpo não conhece suas necessidades e seus legítimos interesses. As crenças, princípios, valores e ética dos católicos nominais não são os mesmos dos católicos praticantes.

Que os irmãos Católicos resolvam suas questões com a liberdade cristã que o mundo não conhece. A liberdade de poder dizer não e resistir firmemente as suas maléficas influências. Em tempos passados, a Igreja Católica já se meteu em dificuldades em razão dessa clamada (pela mídia secular) flexibilização. Serve de alerta.

Portanto, seja lá que tipo de Papa escolham, que seja alguém escolhido a partir do pensamento cristão/católico, e não, do pensamento daqueles que possuem o único interesse de relativizar tudo, abrindo espaço para destruição de famílias e das bases cristãs da sociedade moderna. Como consequência, pretendem destruir tudo que diz respeito a Deus e seus princípios, e diminuir paulatinamente a influência cristã na sociedade, até que, um dia, para os Católicos, não haja nem mesmo necessidade de um Papa.

Aí eles se sentirão realizados.

segunda-feira, 11 de fevereiro de 2013

Antes de Orar...

Não quero ser incrédulo (Jo. 20:27), mas, reconheço uma tentação à doutrina de Tomé atrás da minha orelha. Tanta gente orando, curando, profetizando bênçãos mil e... nada! - Is. 1:15 - Nada além de reações a estímulos e resultados derivados de tratamentos psicológicos. Nada de cegos enxergando, coxos andando, viciados libertos, famintos saciados... nada. O que se vê é apenas uma vaga esperança de mudanças terrenas que qualquer bom emprego pode proporcionar e gente sendo abençoada pela razão da proporcionalidade (Numa multidão de 200 indivíduos, "alguém" receberá "algum tipo de coisa que definirá como bênção, e isto com profecia ou sem profecia, com liberação de unção ou sem liberação de unção pelo profeta, missionária ou apóstolo da vez").

"E tudo que pedirdes em oração, crendo, o recebereis" (Mt. 21:22). "A oração do justo pode muito em seus efeitos" (Tg. 5:16).

Conforme a Bíblia, Deus é bom, puro, sincero, doador de toda boa dádiva e Aquele que tem boa vontade para com todos os homens, porém, exige daqueles que se aproximam d'Ele atitudes que justifiquem, não a bênção, e sim, um bom coração. Talvez seja esta a razão do porquê escolhemos o atalho das profecias fabricadas, bênçãos imaginárias, curas induzidas, libertações provisórias e muito estímulo a confissão positiva.

Deus quer muito falar com a gente, mas, antes...

Antes de dobrarmos os joelhos em oração, Deus quer que os dobremos em humildade (Lc. 18);

Antes de abrirmos a boca, Deus quer que abramos o coração e falemos de acordo (Hb. 10:22);

Antes de balbuciarmos palavras, Deus deseja que embacemos os olhos com as lágrimas de um coração quebrantado e contrito (Sl. 51:17);

Antes de indicar para Deus nossos sacrifícios como suposto código de acesso à sala do trono, Ele quer que indiquemos nossos inimigos com os quais nos reconciliamos (Mt. 5:24);

Antes de buscarmos Suas bênçãos, Ele quer que sejamos bênção para o pobre e moribundo, irmão (Lc.10);

Antes de buscarmos comunhão com a Trindade, Elohin deseja ver nossa comunhão com "todos" os nossos semelhantes ( 1 Jo. 4:20);

Ah! esse "antes" tornou nossa atitude de oração uma verdadeira guerra contra nós mesmos. Nos debatemos mentalmente entre o "farisaicamente" correto e a intenção sincera de nosso coração. Cedemos. Nos tornamos réus de uma consciência manietada, jogamos fora a liberdade de ser o que somos diante de Deus, e perdemos a oportunidade d'Ele nos tornar o que devemos ser diante dos homens.  


Nossa oração se tornou improdutiva quando substituímos a obediência e amor à Palavra de Deus pelo comportamento farisaico do amor e apego ao status quo e ao sistema onde a forma, a farda e as palavras são melhores que uma vida cristã íntegra. É isto que nos faz agredir um irmão (com palavras, pensamentos, intenção de coração e atitudes) e, no instante seguinte, nos curvarmos numa tentativa de contato com o Altíssimo.


Antes de orar deveríamos olhar para nós mesmos e nos confrontar com a Palavra de Deus, somente assim reconheceríamos que a melhor forma de orar não são com as palavras, mas, com o barulho ensurdecedor de um coração em paz com os princípios de Deus, com todos os homens, consigo mesmo e em silêncio.

Os mais de quatrocentos anos de silêncio divino, aquele registrado no interstício de tempo entre o AT e NT, se tornaram vigentes em nosso tempo com uma característica perturbadora:  "Deus quer conversar conosco, emite Palavras, insiste, envia seu Santo Espírito, mas, continuamos conversando com nosso próprio umbigo, e as únicas palavras que escutamos são aquelas produzidas por nossa própria voz".

Hormônio Feminino na Soja - Cuide de Sua Família.

Leia a notícia abaixo, volto em seguida.

Soja: Um hormônio feminino natural

A soja é um alimento que, há mais de mil anos, sempre esteve presente na culinária japonesa. Recentemente, pesquisadores têm percebido que a soja é um alimento muito importante para a prevenção do câncer e de doenças no coração. Além disso, a soja possui uma substância chamada isoflavona que imita o estrogênio (o hormônio feminino). Por isso, a soja pode ser utilizada como um repositor hormonal natural no período da menopausa.

Para a nutricionista Marlete Pereira, do Hospital Universitário Clementino Fraga Filho (UFRJ), a soja deve fazer parte das refeições de todos os brasileiros, especialmente das mulheres. “Não deixe de incluí-la nas refeições. Para as mulheres, a soja alivia os sintomas da menopausa, causados pela queda hormonal, como dores de cabeça, insônia e as famosas ondas de calor. Como a soja ‘imita’ a ação do estrogênio, pesquisadores acreditam que esse alimento diminui os riscos de tumores de mama e de útero”, explica a nutricionista. Portanto, não perca tempo: comece a explorar o que a soja tem de melhor.

Fonte: saberviver.org.br

A soja não contém o hormônio estrogênio, mas contém isoflavonas, também conhecidas como fitoestrogênios, que funcionam de forma diferente do estrogênio. Apesar de não serem o mesmo hormônio, a estrutura química do fitoestrogênio e do estrogênio são semelhantes. Isto leva o corpo humano a reagir a ingestão de fitoestrogênio como o hormônio feminino, surgindo a partir daí reações orgânicas e físicas característicos.

No corpo do homem há uma supremacia da testosterona (hormônio masculino), enquanto no corpo da mulher há supremacia de estrogênio (hormônio feminino). Quando o corpo feminino recebe o fitoestrogênio, identifica-o como estrogênio e incrementa sua ação, em razão do corpo está perfeitamente identificado como feminino. Talvez seja esta a justificativa para tantas meninas, ainda com seus dez, onze anos, estarem desenvolvendo, precocemente, características de uma mulher adulta.

No lado masculino, quando o corpo recebe continuamente o referido hormônio, ocorre um desequilíbrio nas taxas de estrogênio e testosterona. Este desequilíbrio no percentual de referência (maior/menor), causa uma maior incidência das características femininas no corpo masculino. É por esta razão que o homossexual/travesti adota uma dieta rica em hormônio feminino, inclusive com a injeção intravenosa. Qual o objetivo? Evidenciar características femininas que, originariamente e naturalmente, não possui. Eles sabem que o desequilíbrio provocado pela absorção contínua deste hormônio promove alterações que o aproximará do formado e das características femininas.

A soja é hoje utilizada em uma quantidade enorme de produtos, dentre eles, temos o leite infantil que é utilizado como substituto na alimentação das crianças. Qual o resultado disto? A fitoestrogênio presente na soja é recebida pelo corpo que o identifica como estrogênio (hormônio feminino). E qual a função do estrogênio no corpo? Adequá-lo para as atividades femininas. Decorre-se o incremento da voz aguda, desenvolvimento de seios e arredondamento do corpo.

Nosso objetivo com este texto não é emitir parecer técnico sobre a soja (sou leigo nisto), porém, ouvindo e lendo sobre o assunto, despertei-me na missão de alertar famílias. Quero provocar uma reflexão sobre as alterações no campo alimentar que, certamente, mexem com  o equilíbrio natural do corpo humano. Quero jogar luz sobre alterações orgânicas e físicas em nós e nossos filhos que, muitas vezes, não encontramos justificativas. Procurem um médico e nutricionista de sua confiança, e discutam com eles sobre isto. Olhem os rótulos dos alimentos que compram, protejam sua família, em especial, protejam seus filhos. "Busquem a verdade e a verdade libertará vocês".

Estamos num tempo em que a vigilância deve ser redobrada. Fiquem atentos e não permita que enganem você. Um argumento que costumamos ouvir, quando se trata de pesquisas sobre problemas causados pela alimentação na saúde da população é: "Não há nenhuma pesquisa que comprove malefícios decorrentes das alterações genéticas promovidas neste ou naquele alimento". Ok. Mas a questão, também, é: "Há alguma pesquisa que afirme serem seguras as alterações nutricionais provocadas em alimentos? A ciência tem certeza que este tipo de alimentação não tem efeitos colaterais?"

A natureza foi feita para atuar em equilíbrio, logo, quando alteramos algum de seu componente, certamente alteramos todo o conjunto. Depreende-se que as consequências são devastadoras para a própria raça humana. A ciência tem crescido bastante,  porém, não consegue se cercar de todo conhecimento. Mesmo com  avanço tecnológico, continuam tateando no escuro.

Não delegue cegamente a sua segurança e de sua família.

segunda-feira, 4 de fevereiro de 2013

Pr. Silas Malafaia - Um Guerreiro Solitário

O Pr. Silas Malafaia foi o entrevistado da semana no programa da Marília Gabriela (SBT - 03/02). Na entrevista, dividida em três blocos, a jornalista fez mais do que entrevistar o pastor. Na verdade, partiu para um debate aberto acerca das idéias que considera corretas, atacando o ponto de vista dos outros  quando destoam dos seus (intolerância).

No caso do entrevistado, a jornalista não ponderou que ele representa uma população de, aproximadamente, 25 milhões de pessoas (Isto sem levar em consideração os cristãos católicos. Sem qualquer desmerecimento aos irmãos católicos. Eles possuem a CNBB).

Apesar de algumas discordâncias pontuais, o Pr. Silas Malafaia pensa e diz, o que pensa, e gostaria de ser ouvido, 25 milhões de cristãos que são cidadãos deste país. Ora, sendo assim, não está correta a postura da jornalista em tentar impor seu ponto de vista ao entrevistado, muito menos aos cristãos brasileiros.

Os temas abordados foram os da cartilha da moda: homossexualismo, casamentos alternativos e finanças pastorais. Estava em pauta, também, o aborto, porém, não houve tempo para abordá-lo no programa. Fica claro, para os cristãos, que a intenção da jornalista era, intelectualmente, moer o pastor até deixá-lo sem argumentos. No final, estaria provado que ele seria um homofóbico, fundamentalista e homem especializado em retirar dinheiro de pobres para enriquecer. Deu-se mal, pois, quem defende a verdade jamais fica sem voz.

Como sempre, a entrevista gerou polêmica, principalmente, em razão da colocação do pastor, que inquirido sobre o amor cristão aos homossexuais, disse que amava aos homossexuais como ama o bandido. Quem assistiu a entrevista pode perceber que a resposta foi extraída da colocação anterior do pastor.

A colocação do entrevistado está correta do ponto de vista da doutrina cristã, haja vista que, o homossexualismo é classificado pela Bíblia como pecado semelhante a roubo, alcoolismo, difamação, devassidão e similares (1 Co. 6:10; Rm. 1:27-32). A ideia apresentada foi: "Amo as pessoas, independentemente daquilo que elas fazem, sem que, com isso, tenha que concordar com elas". A colocação não teve o condão de dar aos homossexuais o estigma de pessoas bandidas. Apesar de classificados como pecados, são coisas diferentes. Naturalmente há os interessados em descontextualizar as palavras do pastor e tentar jogar a sociedade contra ele. Normal.

Uma coisa me chama a atenção nas entrevistas realizadas pela jornalista Marília Gabriela. Ela, no mesmo tempo que faz a pergunta, apresenta a resposta, e se o entrevistado não segue na linha de "suas verdades", parte para o ataque na tentativa de convencer o  seu, agora, oponente. Houve momentos que não sabíamos se o entrevistado era o Pr. Silas Malafaia ou  a própria jornalista.

No final do programa, a pegadinha principal. Disse a jornalista ao Pastor: "Que meu Deus (que não é o teu) te perdoe". Porque pegadinha? Ela não acredita em Elohim. Vem daí sua ignorância em relação a "theos".

O Pr. Silas Malafaia tem o apoio do povo cristão que lê a Bíblia e entende os princípios da fé evangélica. Repito. Mesmo discordando um ponto aqui, outro ali, no geral, especialmente nesses assuntos mais caros para o cristianismo no contexto da sociedade brasileira, ele se esforça em nos representar bem. É uma pena que esteja só.

O Pr. Silas Malafaia, mesmo com os arroubos de agressividade (que discordamos) característico do seu temperamento, tem sido uma voz solitária. Será que no Brasil não há outros pastores com preparo intelectual e teológico suficiente para fincar posição, ao lado do referido pastor, na defesa dos valores cristãos? Será que não há outros que assumam a defesa da família tradicional e da heterossexualidade? Será que outros formadores de opinião cristãos, como cantores renomados, especialmente, não tem coragem de levantar a bandeira do evangelho de Cristo?

Que Deus abençoe o Pr. Silas Malafaia, um guerreiro solitário. Voz de defesa dos princípios cristãos num Brasil de cristãos mudos.