Pular para o conteúdo principal

Os Novos Publicanos



Publicano era o cobrador de rendimentos públicos entre os romanos. Havia duas espécies de recebedores de tributos: os recebedores gerais, e os seus delegados em cada província, sendo os primeiros responsáveis para com o Imperador pelas rendas do império.

Eram os principais recebedores, homens de grande importância no governo, sendo geralmente membros de famílias ilustres; mas os seus delegados, homens das classes inferiores, eram tidos, pelas suas rapinas e extorsões, como ladrões e gatunos.

Entre os judeus a profissão de publicano era odiosa. Os galileus, principalmente, submetiam-se a esses cobradores com a maior repugnância, indo até ao ponto de considerarem ilegítimo o pagamento do tributo (veja-se Mt. 22:17). E quanto àqueles publicanos da sua própria nação, quase eram considerados como pagãos (Mt. 18:17).

Os publicanos de que fala o NT, eram olhados como traidores e apóstatas, instrumentos do opressor, e classificados como pessoas do mais vil caráter (Mt. 9:11; 11:19; 18:17; 21:31,32), sendo os seus únicos amigos os banidos ou exilados da pátria.

Por causa da péssima fama, aquele que comia e bebia com publicanos era tratado com desprezo pelos seus conterrâneos (Mt. 9:11; Lc. 15:1; 19:2). Até mesmo as próprias esmolas oferecidas por eles não eram aceitas para a caixa dos pobres da sinagoga.

Jesus, porém, conhecedor de gente como ninguém, esclarece quem eram, na essência, os publicanos. Ele utiliza sua figura para ensinar uma lição aos discípulos e revelar traços de sua personalidade e sentimento religioso. Na parábola do publicano e fariseu, é o publicano quem diz: "Ó Deus, sê propício a mim, pecador!" (Lc. 18:13), enquanto que o fariseu (líder religioso) pensava consigo mesmo: “...não sou semelhante aos outros homens”.

Os publicanos eram pessoas que, apesar das extorsões (comportamento que o próprio Jesus utilizou numa referência de reprovação – Mt. 18:17), se permitiam converter aos princípios da fé cristã, gerando homens com sensibilidade para reconhecer seus erros e com disposição para reparar o mau praticado (Lc. 18:13; 19:8).

Eles são reanimados (espiritualmente) com a mensagem propagada por João Batista, enxergando nele, um homem que vivia e amava o que pregava. Ao se depararem com Jesus, então, identifica-O como alguém com autoridade para anunciar o que falava (Mt. 7:29), levando-os a conversão (Mt. 21:32; Mc. 2:15; Lc. 15:1; Lc. 3:12; Lc. 7:29; Lc. 5:29).

Jesus diz que os publicanos [e as prostitutas] estariam mais propensos a entrar no Reino de Deus do que os fariseus (Mt. 21:31, 32), e reforçando seu conhecimento da essência dos mesmos, chama um para ser seu discípulo (Mateus – Mt. 9:9) e faz questão de ir pessoalmente à casa de um chefe deles (Zaqueu – Lc. 19:5) para anunciar-lhe a salvação.

Portanto, os publicanos eram judeus que se afastaram da religião judaica por não verem nos fariseus (líderes religiosos) credibilidade necessária para referendar uma mensagem divina, o que permitiu aos romanos, a esperteza de convencê-los a atuar como seus representantes na cobrança dos impostos para Roma. Como passaram a ser desprezados pelos seus contemporâneos, cobrar impostos acima do devido foi só um passo a mais no afastamento de suas raízes e no atendimento a ânsia de melhorar de vida a qualquer custo (dos outros, claro).

No cristianismo atual, com o aparecimento dos fariseus modernizados, há, também, o ressurgimento dos novos publicanos. Gente frustrada e decepcionada com o evangelho fajuto oferecido por quem deseja apenas se locupletar da lã e do leite das ovelhas, sem o desejo de se sacrificar (se necessário) e dedicar-lhe o tempo devido no cuidado com elas.

Os novos publicanos creem em Jesus e procuram ficar perto daqueles que, em meio ao mar de lama religioso, pregam ética e coerência cristã no deserto dos ouvidos moucos. É, sim. Ainda existem bons pastores que, como João Batista, a despeito dos apertos que passam em sua vida cotidiana, seguem dedicando suas vidas na exposição da mensagem divina com integridade e singeleza de coração.

Consulta:
Dicionário Bíblico - Edit. Did. Paulista

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Porteiro, Auxiliar, Diácono, Presbítero, Evangelista, Pastor. E Mais. Missionária, Bispo, Apóstolo. O Que é Tudo Isso?

De repente, somos sobressaltados com a notícia: "Mais algumas dezenas, e até centenas, de novos obreiros para servir no Reino de Deus". A notícia seria boa, se guardasse a essência dos requisitos bíblicos exigidos para novos obreiros e preservassem o propósito divino na separação de novos chamados.
Para que precisamos de porteiros? Óbvio. Para guardar as portas. Porteiro era considerado Levita, desenvolvia, também, a tarefa de arrecadador de ofertas (2 Cr. 31:14) e vigia (Mc. 13:34); Jesus menciona o porteiro como responsável pela guarda da porta do aprisco das ovelhas (Jo. 10:3; ver também Ed. 7:24). É improdutivo, uma igreja de porta única, com uma quantidade exagerada de porteiros para servir.
Para que precisamos de auxiliares? Há pessoas mencionadas na Bíblia como "cooperadores", no entanto, sem evidência de se referir a um cargo. Eram pessoas que haviam prestado algum tipo de auxílio à alguém, em algum momento específico (Fp. 2:25; At. 20:35). Pode ser até o mes…

Cristo Está Morto! ...de Vergonha.

As Assembleias de Deus na Bahia foi construída sobre os ombros de homens e mulheres altruístas e dedicados que seguiam os conselhos bíblicos com a radicalidade exigida de quem, verdadeiramente, se converteu a Cristo. Foi desta forma que ela cresceu, se consolidou e tornou-se referência de conduta cristã e legítima representante do movimento pentecostal. Seu povo, ordeiro, decente e piedoso, nutria profundo respeito da população por serem responsáveis, honestos, humildes e fiéis.
Mas o crescimento trouxe consigo o desassossego de uma estrutura cada vez maior para suportar um organismo em expansão. A quantidade cada vez maior de congregações exigia mais esforços de sua liderança, pois, com uma administração centralizada, a mobilidade e os recursos passam a ser compartilhados para sustentar a própria estrutura administrativa. É essa estrutura administrativa que, no afã de conceder segurança futura aos seus ministros, fundam uma associação de pastores, conhecida como Convenção.
Órgão com ab…

CEADEB x ADESAL - É feio, muito feio!

Os desdobramentos do litígio entre o presidente da CEADEB e o presidente da ADESAL prossegue revitalizando as feridas causadas pelo rompimento do vínculo de alguns pastores de sua convenção (CEADEB).
No mais recente episódio, uma decisão judicial interlocutória - sem definição de mérito - tomada na ação que a CEADEB move contra a ADESAL, foi entendida como um ato de destituição do pastor Israel Ferreira do comando da Assembleia de Deus em Salvador. Sem querer entrar nas questões técnicas da decisão (deixo isto para os advogados e rábulas), a decisão não dá nada a ninguém, haja vista uma série de “condicionantes” expressos no comando judicial. Na verdade, a decisão da desembargadora é uma espécie de carta do apóstolo Paulo aos Coríntios na versão para os assembleanos baianos: “se entendam!”
Ato seguinte a decisão mencionada, o pastor Valdomiro Pereira distribui um vídeo para os obreiros assembleanos. Nele, informa (ou desinforma) a plateia que o pastor Israel Ferreira foi destituído do…