quinta-feira, 23 de outubro de 2014

Profecias Seletivas. Deus é Seletivo?

"Nossa luta não é contra pessoas, mas contra os poderes e autoridades, contra os dominadores deste mundo de trevas, contra as forças espirituais do mal nas regiões celestiais" (Ef. 6:12).
 
Com este versículo da carta de Paulo aos Éfesos, destaco que não temos uma pessoa ou partido como inimigos. O que temos como adversários do bem é o "espírito" que nega a vontade de Deus e estabelece como deus o seu próprio ventre. Independente de como ele se apresenta e onde ele se apresenta, seremos veementemente contrário aos seus projetos malignos. Esta é a essência da profecia e dos profetas.
 
Em tempo de graça, que vivemos hoje, as bênçãos divinas são destinadas à todos, no entanto, da mesma forma que Deus deseja abençoar a todos (Jr. 29:11), repreende com a mesma determinação os que insistem em manter suas vidas na pauta da desobediência contumaz (Mt. 4:17; Lc. 13:2-5). Deus não abre mão do desejo de que sejamos íntegros, benignos, respeitosos e amorosos uns para com os outros.
 
Nossa tendência em achar que existem alguns que são mais íntimos de Deus a ponto de receber da divindade a aquiescência para que permaneçam maquinando e fazendo o mal, se trata de um equívoco sem medida. Esse tempo da graça infinita que não pune o mal e não cobra responsabilidades é ilusão. É a tentativa de fugir do custo de nossas más ações e permanecer com a falsa ideia de que está tudo bem. Não! Não está tudo bem. "A alma que pecar, essa morrerá" (Ez. 18:4). Deus é incisivo: Parem de fazer o mal! (Is. 1:16).
 
Deus não coopera com o mal venha de onde vier e praticado por quem quer que seja. Se eu ou qualquer outro reles mortal nos rebelarmos contra Deus e sua Palavra, devemos ser imediatamente advertidos do erro e da necessidade de arrependimento. Mas, quando um "privilegiado" faz o mal e insiste na iniquidade, um silêncio se faz. Onde estão os profetas?
 
A profecia que insiste em advertir o pobre, o simples, as camadas mais baixas do clero e da população e faz "vista grossa" àqueles pecados que, publicamente, a alta "casta", política e eclesiástica, insiste em praticar, é profecia seletiva. E se ela é seletiva, não é divina. E se não é divina é diabólica.
 
"...Vejam, o Senhor vem com milhares de milhares de seus santos, para julgar a todos e convencer a todos os ímpios a respeito de todos os atos de impiedade que eles cometeram impiamente e acerca de todas as palavras insolentes que os pecadores ímpios falaram contra ele" (Jd. 1:14-15).

quarta-feira, 22 de outubro de 2014

Por apoio jovem, Dilma escala Jean Wyllys em evento em SP



Fonte: noticias.terra.com.br
A campanha da presidente Dilma Rousseff (PT) à reeleição colocou o deputado Jean Wyllys (Psol-RJ) como destaque em um evento de jovens da periferia de São Paulo, em Itaquera. O parlamentar sentou-se ao lado da petista, do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e do prefeito da capital paulista, Fernando Haddad, enquanto nomes petistas de peso ficaram no palco, mas distantes do protagonismo.
 
Recomendo que você pesquise sobre o que pensa o Sr. Jean Willys (homossexual assumido) sobre sexo com criança, prostituição, drogas, cristãos, kit-gay e aborto.
 
Após verificar os "pensamentos vanguardistas" deste cidadão, se estiver bom pra você, mantenha o que está aí.

Atenção, senhores: podem roubar à vontade!

O eleitor não está nem aí.

 
Por Ricardo Noblat
Corrupção custa caro (Foto: Arquivo Google)

terça-feira, 21 de outubro de 2014

Será Que os Brasileiros Gostam do "Rouba, Mas, Faz?!"




Os nossos governantes tem o dever de gerir a coisa pública com integridade. Não podem, a despeito de "dizer" cuidar dos pobres e necessitados, se corromper nem serem corrompidos.
 
Não nos importa o partido, haja vista que, no Brasil atual, a sensação que temos é a de que nenhum deles presta. Mas, a obrigação que temos, como cidadãos, é de rejeitar quem nos concede algum tipo de benefício pessoal com uma mão e com a outra nos rouba os recursos que precisamos para tornar nosso país mais igual e mais justo para "todos os brasileiros".
 
Será que já não chegou a hora de dizermos "CHEGA DE TANTA CORRUPÇÃO?!" Sabemos. A melhor forma de dizer isto é nas urnas. Vamos afastar os desonestos da porta do cofre e tomar-lhes a chave.
 
Não aceite propaganda enganosa. Não aceite ser enganado. Vote consciente. Diga NÃO  a corrupção.

terça-feira, 14 de outubro de 2014

Cristãos Atentos

Em um ambiente extremamente contaminado pela disputa eleitoral, se faz mais do que necessário que os cristãos tenham bom senso e visão crítica do quadro que temos atualmente no Brasil. É preciso analisar partindo do pressuposto, não de partidos políticos, mas, sim, dos princípios que regem a vida cristã.
 
Não queremos dizer com isso que nosso projeto é construir um país evangélico ou coisa parecida. O que dizemos é que nosso interesse maior está em torno das igualdades sociais e do respeito aos mandamentos divinos. Não adianta uma nação economicamente rica, tendo entre seus nativos pessoas sofrendo misérias, abandono e dores de todo tipo. O que desejamos é uma desenvolvimento nacional em bases sólidas. Sem temor a Deus é impossível alcançar isso, pois, o ser humano vai estar esperando apenas uma oportunidade para delinquir e fazer sofrer seu semelhante.
 
Pois bem. A primeira destaque que desejo expor é, os partidos que obtiveram dianteira na disputa política brasileira são partidos de esquerda. Normalmente, os partidos de esquerda são avessos as coisas ligadas a Deus. Apenas durante o período eleitoral é que eles se voltam para o ambiente religioso. E, mesmo assim, porque, hoje, os religiosos se constituem um segmento que, do ponto de vista eleitoral, não se pode ignorar.
 
O que vigora nesses dias, portanto, é a falsidade e a mentira direcionadas ao público cristão. O que os cristãos pensam sobre liberdade de expressão, aborto e casamento homossexual, especificamente?
 
Sobre liberdade de expressão.
 
Somos o segmento social mais criticado nesse país, e essas críticas são reiteradas diuturnamente sem que "ninguém" tenha, em algum momento, se solidarizasse conosco e condenasse as agressões. Mesmo assim, somos a favor que se mantenha nesse país o direito das pessoas se manifestarem em relação a tudo e a todos, com respeito, sem agressões ou estímulos a violência. Isto tem relação direta com nossa missão de pregar o evangelho a toda criatura.
 
E o que dizem os partidos que disputam a presidência da República?
 
Os da oposição mantem a posição de respeito a liberdade de expressão (talvez porque estão na oposição). O partido do governo fala em controle de conteúdo da mídia (no mínimo, censura prévia).
 
Sobre aborto.
 
Este assunto não pode ser abordado em poucas linhas, em razão da sua complexidade, o que gera divergência interna. Grupos cristãos a favor, contra e meio-termo. Porém, objetivamente, levando em consideração as maiores denominações, a posição cristã é contrária ao aborto em qualquer situação.
 
E o que dizem os partidos que disputam a presidência da República?
 
Tanto oposição quanto situação dizem preservar a questão do aborto nos termos atuais da legislação brasileira, ou seja, apenas para os casos de gravidez em decorrência de estupro, com risco a saúde da mulher ou da criança e em casos de anencéfalos. Isto significa que, no exercício do poder, este assunto não se tornará um programa de governo. No entanto, há de se verificar no Congresso Nacional que o partido do governo lidera os projetos de leis que sugerem a liberação do aborto no Brasil.
 
Sobre o casamento homossexual.
 
Consideramos a homossexualidade uma abominação diante de Deus. Isso não significa que é interesse dos cristãos, principalmente evangélicos, proibir as pessoas de optarem por relações desse tipo. Todos os seres humanos devem ser respeitados em suas decisões pessoais, contanto que essas decisões pessoais não impliquem em algum tipo de agressão ou dano para o outro. Dessa forma, somos contrários ao famigerado casamento homossexual, não concordando que a defesa dessa opção tenha que ser transformado em programa de governo, concedendo determinados privilégios para seus adeptos.
 
E o que dizem os partidos que disputam a presidência da República?
 
Tanto um como o outro são favoráveis ao casamento homossexual.
 
É o que temos.
 
Concluo.
 
Vale destacar que a importância das posições dos partidos em relação a estas questões se dá em razão da defesa que seus quadros, no Congresso Nacional, farão. Assim, é mais importanto para os cristãos a eleição de seus representantes como Deputados Federais, Estaduais e Senadores, do que da eleição do Presidente da República.
 
Repito. É mais importante que a eleição para Presidente. Isto não quer dizer que é irrelevante quem coloquemos no Palácio do Planalto. Politicamente falando, "o poder da caneta faz milagres".
 
Portanto, já tendo eleitos os representantes para o legislativo, é hora de elegermos o representante do povo para o Palácio. Que isso seja feito com responsabilidade, coerência e bom senso, olhando o Brasil como todo, e não, como briga de segmentos, ou seja, nós contra eles.

quinta-feira, 2 de outubro de 2014

As Contrariedades de Cristo... As Minhas Contrariedades.

Quando viveu entre nós, Jesus era 100% homem e 100% Deus. Segundo o escritor aos Hebreus (2:18), Ele, em sua forma humana, padeceu as mesmas tribulações que nós, reles mortais. Isto significa que durante sua estadia aqui Jesus enfrentou estas mesmas sensações e sentimentos que mexem com nossas emoções atualmente.

Sendo Filho de Deus, sua noção de justiça, amor, confiança, perdão, benignidade, era a mais clara possível. Nítidamente sabia, e sabe, distinguir uma ação correta de uma outra incorreta. E qual era sua reação ou sentimento nessas horas? Irritação? frustração? angústia? cansaço?

Eis o que registra os evangelhos a cerca das reações e/ou sensações de Cristo.

Mt. 12:34 - "Raça de víboras, como podeis vós dizer boas coisas, sendo maus? Pois do que há em abundância no coração, disso fala a boca." - Jesus está INDIGNADO com os fariseus que, aparentemente defendo sua religião, alegaram que o Cristo fazia as obras que fazia pelo espírito de belzebu.
 
Mt. 16:4 - "Uma geração má e adúltera pede um sinal, e nenhum sinal lhe será dado, senão o sinal do profeta Jonas. E, deixando-os, retirou-se." - Jesus parece FRUSTRADO com o resultado colhido no coração daquela geração, representada pelos fariseus (de novo) e saduceus. É como se Ele falasse: "Tenho feito tudo que faço e vocês continuam sem acreditar em mim". Observem. Jesus se retira e deixa-os. É a mesma sensação que atravessou o coração de Isaías (Is. 53:1) e atravessa o nosso nos dias atuais.
 
Mt. 26:45 - "Então chegou junto dos seus discípulos, e disse-lhes: Dormi agora, e repousai; eis que é chegada a hora, e o Filho do homem será entregue nas mãos dos pecadores." - Jesus tinha levado seus discípulos para orar com ele e, depois de tentar mantê-los acordados, DESISTE de insistir para que permaneçam vigiando em oração. Jesus disse: "Ok. DESISTO. Durmam."
 
Mt. 21:12 - "E entrou Jesus no templo de Deus, e expulsou todos os que vendiam e compravam no templo, e derribou as mesas dos cambistas e as cadeiras dos que vendiam pombas." - Jesus não suporta a afronta dos vendedores do templo e além de expulsá-los do templo, DERRUBOU suas mesas e cadeiras. Jesus estava IRADO.

É da natureza humana sentir raiva, ira, ódio, furor. Por esta razão, a Palavra de Deus permite-nos sentir raiva ou ódio, porém, adverte-nos do dever de impedir nossa carne de alcançar o pecado como resultado deste nefasto sentimento (Efésios 4:26). Ainda, concomitante, o apóstolo Paulo, no mesmo texto, recomenda que não permitamos que este sentimento permaneça abrigado em nossos corações depois do sol se pôr.
 
Cristo Jesus, em Mateus 5:22, aponta-nos esta realidade quando condena o ódio à alguém "sem motivo". Aqui recebemos a informação de que há motivos justificáveis para o ódio. Assim, conforme os exemplos de Cristo apontados acima, necessário se faz que o pano de fundo gerador do ódio seja avaliado e, a partir desta verificação, obtermos a medida exata de como anda nosso coração diante d'Aquele que rege as relações interpessoais, DEUS.
 
Podemos nos envolver em situações que "exigem" uma certa indignação, caso contrário, estamos apenas corroborando ou, no mínimo, já nos acostumamos com o erro, com o mal ou com o pecado. Daí, nos tornamos cúmplices das mesmas iniquidades (Rm. 1:32). Temos os exemplos da corrupção, da fraude, da mentira, da falsidade, da inimizade gratuita, da violência, da vulgaridade, da promiscuidade, do partidarismo, do orgulho, enfim, uma série de ações e sentimentos considerados "normais" nos dias atuais, inclusive no meio cristão, que nos mancha a alma. E o que fazer? No mínimo, ODIAR tais práticas.
 
Quando nos alimentamos da Palavra de Deus, permitimos a nossa alma se moldar ao padrão de comportamento e aos mais nobres sentimentos divinos. Desta forma, tudo que NÃO for verdadeiro, amável, puro, de boa fama ou que inspire louvor, despertará ÓDIO em nós. Não um ódio que lança o pecador no inferno, mas, que o faça despertar para o fato de que aquilo que ele está fazendo é mal e receberá de Deus a devida punição.
 
É da natureza divina amar, perdoar, ter paciência e ser longânimo para com todos. No entanto, o amor divino permanecerá eterno para com todos, mas, o perdão, a paciência e a longanimidade será interrompida para alguns. Ou Deus permanecerá perdoando a humanidade para todo sempre? A Bíblia informa que não, em Sf. 1:14,15, em Is. 34:8; 61:2 e em todo o livro do Apocalipse, pois alerta sobre o "DIA DA VINGANÇA DO NOSSO DEUS", que é o dia da devida retribuição, ou castigo, ou punição.
 
Os que honram Deus, os indignados com o mal, animem-se. Os que praticam a iniquidade e nos causam indignação, preparem-se. O grande dia está próximo, quando ELE retribuirá a cada um, conforme suas obras e palavras.

quarta-feira, 1 de outubro de 2014

Não Nos Conformemos

Vivemos numa época em que é mais cômodo não se insurgir contra o modus operandi da moderna raça humana (os cristãos em seu meio). Mas, ao deparar-nos com a Bíblia, somos desafiados ao contrário. Pensar por si e falar de acordo, ter o discernimento necessário para identificar o mal e ser capaz de fazer-lhe oposição, vislumbrar um mundo melhor e lutar por alcançá-lo, identificar o mal em nós e subjugá-lo pelo poder do evangelho.

O maior dos desafios é deixarmos a ideia minimalista de animais e nos tornarmos seres humanos. Nossa maior referência é Cristo que, mesmo sendo Deus, se humilhou para que, pelo seu exemplo, pudéssemos vislumbrar a fôrma ideal de humanidade. É, de uma certa forma, voltarmos ao Éden, ao período anterior a queda, e vivenciarmos a essência do que é ser "humano".

Em tempos de ditadura de opinião, onde não se pode contrariar o "politicamente conveniente", ser contracultura é guerra sem trégua, é dor sem alívio, é ferida sem cicatrização. Não nos enganemos. Este viver forçado se enraizou tanto na modernidade que até mesmo em comunidades cristãs vigora a lei da conveniência.

Como viver a fé cristã num meio tão secularizado e arredio a Deus e sua Palavra? O jeito é viver uma real conversão e, desta forma, permitir que a força do Espírito Santo nos ajude a resistir, e não nos conformarmos com este mundo, mas, transformá-lo pela renovação de nosso entendimento.