Pular para o conteúdo principal

CGADB, CEADEB, CONFRAMADEB e o Silêncio dos Bons




"O que me preocupa não é o grito dos violentos, nem dos corruptos, nem dos desonestos, nem dos sem ética. O que mais me preocupa é o silêncio dos bons" (Martin Luther King).

Chega a ser constrangedor o comportamento daqueles que mesmo envolto num ambiente hostil a transparência, omitem-se em sua pequenez humana. É até compreensível. Qual o personagem bíblico não temeu por sua pequenez? No entanto, apesar de suas debilidades e imperfeições, esses personagens não se permitiram usá-las como desculpa para  inércia.

Comove-me ver e perceber homens chamados para servir a causa do mestre apenas observando as negras nuvens que pairam sobre o ambiente cristão. Talvez por excessiva preocupação com repercussões negativas advindas da manifestação pública de descontentamento quanto a situação política, interna e externa, atual (falo das organizações eclesiásticas cristãs e das políticas de governo do atual partido mandatário no Brasil).

Os bons se calam e se omitem, enquanto os loucos, neófitos, carnais e malignos avançam sobre as coisas de Deus e sobre o povo.

Não, senhores. Não é convincente a justificativa do silêncio para evitar estragos. O dano já está sendo causado pela ação dessas ervas daninha dentro do movimento cristão e nos órgãos de governo. O único contraponto é o silêncio e a omissão?

Os personagens bíblicos que ousaram defender o Reino de Deus foram vitoriosos porque souberam superar sua pequenez humana e confiar no Senhor que os chamou para defender o seu povo. Tiveram a coragem de enfrentar os poderosos inimigos utilizando as armas espirituais colocadas por Deus à disposição de quem se levanta e diz: “eu vou e lutarei contra esse incircunciso”.

Não se trata de brigar pelo poder temporal utilizando armas carnais como socos, pontapés, xingamentos, ações judiciais e coisas semelhantes. Trata-se de batalhar pela defesa dos princípios cristãos. É preciso juntar-se a outros sinceros e íntegros na negativa de submissão a voz corrente que deseja tornar a desobediência a Deus como algo normal e sem consequências.

O Pr. Martin Luther King (Um dos mais importantes defensores dos direitos civis dos negros nos EUA), se disse preocupado com o silencio dos bons. E ele tinha razão. Esse silêncio ensurdecedor causa mais males do que a gritaria dos maus.

Não há contraponto? É isso mesmo? Não tem jeito? É o “suposto” determinismo bíblico que diz ser este o panorama no fim dos tempos? Então, paremos? Vamos ficar em casa, isolados, amordaçados, acovardados, porque nada do que a gente faça vai alterar o ambiente? É isto? Vamos deixá-los ir para o inferno sem que avisemos que seus pés estão próximos demais do abismo?

Não, senhores. O que nos falta é unidade na integridade, força para ficar em pé e coragem para abrir a boca e arremessar contra eles a Palavra de Deus. Eles virão contra os bons com violência, com isolamento, com difamação, com ações levadas a efeito por sua loucura. Mas eles cairão!

Se os nossos bons pastores romperem o silêncio e assumirem o papel reservado por Deus para eles, se acenderá a luz do bom senso, da honradez, da transparência e da boa administração no trato com as coisas de Deus. Como deve ser. Os maus serão afugentados porque a luz repele as trevas, e aí sim, veremos triunfar os propósitos de Deus para nosso povo, para nossa nação.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Porteiro, Auxiliar, Diácono, Presbítero, Evangelista, Pastor. E Mais. Missionária, Bispo, Apóstolo. O Que é Tudo Isso?

De repente, somos sobressaltados com a notícia: "Mais algumas dezenas, e até centenas, de novos obreiros para servir no Reino de Deus". A notícia seria boa, se guardasse a essência dos requisitos bíblicos exigidos para novos obreiros e preservassem o propósito divino na separação de novos chamados.
Para que precisamos de porteiros? Óbvio. Para guardar as portas. Porteiro era considerado Levita, desenvolvia, também, a tarefa de arrecadador de ofertas (2 Cr. 31:14) e vigia (Mc. 13:34); Jesus menciona o porteiro como responsável pela guarda da porta do aprisco das ovelhas (Jo. 10:3; ver também Ed. 7:24). É improdutivo, uma igreja de porta única, com uma quantidade exagerada de porteiros para servir.
Para que precisamos de auxiliares? Há pessoas mencionadas na Bíblia como "cooperadores", no entanto, sem evidência de se referir a um cargo. Eram pessoas que haviam prestado algum tipo de auxílio à alguém, em algum momento específico (Fp. 2:25; At. 20:35). Pode ser até o mes…

CEADEB x ADESAL - É feio, muito feio!

Os desdobramentos do litígio entre o presidente da CEADEB e o presidente da ADESAL prossegue revitalizando as feridas causadas pelo rompimento do vínculo de alguns pastores de sua convenção (CEADEB).
No mais recente episódio, uma decisão judicial interlocutória - sem definição de mérito - tomada na ação que a CEADEB move contra a ADESAL, foi entendida como um ato de destituição do pastor Israel Ferreira do comando da Assembleia de Deus em Salvador. Sem querer entrar nas questões técnicas da decisão (deixo isto para os advogados e rábulas), a decisão não dá nada a ninguém, haja vista uma série de “condicionantes” expressos no comando judicial. Na verdade, a decisão da desembargadora é uma espécie de carta do apóstolo Paulo aos Coríntios na versão para os assembleanos baianos: “se entendam!”
Ato seguinte a decisão mencionada, o pastor Valdomiro Pereira distribui um vídeo para os obreiros assembleanos. Nele, informa (ou desinforma) a plateia que o pastor Israel Ferreira foi destituído do…

QUANDO É HORA DE MUDAR DE IGREJA

Igreja, genuinamente falando, é aquele lugar onde se reúne um grupo de seguidores de Cristo com objetivo de adorar a Deus, receber ensinamentos, evangelizar e ajudar uns aos outros (At. 2:40-47). Foi com esta clara missão em mente que o apóstolo Paulo informa-nos que Deus colocou à nossa disposição os dons espirituais, a fim de edificarmos uns aos outros e estarmos aparelhados para proclamação do evangelho. Tiago esclarece outro ponto principal da igreja, dizendo que a verdadeira religião é cuidar das viúvas e dos órfãos nas suas necessidades. Por fim, as características da igreja primitiva que a tornou marcante, referência de igreja bíblica, foi que eles tinham tudo em comum e ninguém sentia falta de nada, eram solidários no partir do pão, desfrutavam da comunhão e comungavam da doutrina dos apóstolos, esta, por sua vez, Cristocêntrica.

No domingo passado fui à igreja com minha família e contei. Numa rua com, aproximadamente, quinhentos (500) metros de comprimento, cerca de treze (13…