segunda-feira, 30 de julho de 2012

A Liberdade

Se, pois, o Filho vos libertar, verdadeiramente sereis livres.

Liberdade Plena – Direito de livre escolha; direito de fazer o que quiser, atendendo exclusivamente seus interesses e desejos.

Liberdade Relativa - Direito de proceder conforme nos pareça, contanto que esse direito não vá contra o direito de outrem.

Prisão - Coisa que enleva a alma, que a atrai e cativa, que a prende e a desvia de toda outra qualquer influência.

Prisioneiro - Preso; cativo; recluso; encarcerado.

v  Nossas Prisões de Cada Dia

ü  Dos homens

E isto por causa dos falsos irmãos que se intrometeram, e secretamente entraram a espiar a nossa liberdade, que temos em Cristo Jesus, para nos porem em servidão”; Gl. 2:4

Digo, porém, a consciência, não a tua, mas a do outro. Pois por que há de a minha liberdade ser julgada pela consciência de outrem?1 Co. 10:29

E ele lhe disse: Ai de vós também, doutores da lei, que carregais os homens com cargas difíceis de transportar, e vós mesmos nem ainda com um dos vossos dedos tocais essas cargas” Lc. 11:46.

ü  Da vida

Por isso vos digo: Não andeis cuidadosos quanto à vossa vida, pelo que haveis de comer ou pelo que haveis de beber; nem quanto ao vosso corpo, pelo que haveis de vestir. Não é a vida mais do que o mantimento, e o corpo mais do que o vestuário?” Mt. 6:25.

Porque, que mais tem o homem de todo o seu trabalho, e da aflição do seu coração, em que ele anda trabalhando debaixo do sol? Porque todos os seus dias são dores, e a sua ocupação é aflição; até de noite não descansa o seu coração; também isto é vaidade” Ec. 2:22-23.

Porventura não é este o jejum que escolhi, que soltes as ligaduras da impiedade, que desfaças as ataduras do jugo e que deixes livres os oprimidos, e despedaces todo o jugo?” Is. 58:6

Jugo - Espécie de forca por baixo da qual desfilavam (perante os romanos) os inimigos vencidos.

ü  Do pecado

Não sabeis vós que a quem vos apresentardes por servos para lhe obedecer, sois servos daquele a quem obedeceis, ou do pecado para a morte, ou da obediência para a justiça?” Rm. 6:16.

Respondeu-lhes Jesus: Em verdade, em verdade vos digo que todo aquele que comete pecado é servo do pecado” Jo. 8:34.

Mas vejo nos meus membros outra lei, que batalha contra a lei do meu entendimento, e me prende debaixo da lei do pecado que está nos meus membros” Rm. 7:23.

ü  Da morte

E livrasse todos os que, com medo da morte, estavam por toda a vida sujeitos à servidão” Hb. 2:15.

Mas de ambos os lados estou em aperto, tendo desejo de partir, e estar com Cristo, porque isto é ainda muito melhor” Fp. 1:23.

v  O Libertador

Prometendo-lhes liberdade, sendo eles mesmos servos da corrupção. Porque de quem alguém é vencido, do tal faz-se também servo”. 2 Pe 2:19.

O espírito do Senhor Deus está sobre mim; porque o Senhor me ungiu, para pregar boas novas aos mansos; enviou-me a restaurar os contritos de coração, a proclamar liberdade aos cativos, e a abertura de prisão aos presos”; Is. 61:1.

O qual se deu a si mesmo por nossos pecados, para nos livrar do presente século mau, segundo a vontade de Deus nosso Pai” Gl. 1:4.

Tomai sobre vós o meu jugo, e aprendei de mim, que sou manso e humilde de coração; e encontrareis descanso para as vossas almas. Porque o meu jugo é suave e o meu fardo é leve”. Mt 11:29,30

Se, pois, o Filho vos libertar, verdadeiramente sereis livres” Jo 8:36.

v  Nossa Liberdade

Ora, o Senhor é Espírito; e onde está o Espírito do Senhor, aí há liberdade”. 2 Co. 3:17.

Assim falai, e assim procedei, como devendo ser julgados pela lei da liberdade” Tg. 2:12.

E andarei em liberdade; pois busco os teus preceitos” Sl. 119:45.

v  Advertências Finais

Mas vede que essa liberdade não seja de alguma maneira escândalo para os fracos” 1 Co. 8:9.

Porque vós, irmãos, fostes chamados à liberdade. Não useis então da liberdade para dar ocasião à carne, mas servi-vos uns aos outros pelo amor” Gl. 5:13.

Como livres, e não tendo a liberdade por cobertura da malícia, mas como servos de Deus” 1 Pe. 2:16.

Estai, pois, firmes na liberdade com que Cristo nos libertou, e não torneis a colocar-vos debaixo do jugo da servidão” Gl. 5:1.

sábado, 7 de julho de 2012

Quando Me Decepciono Com Deus, Preciso de Um Milagre.

Quando me decepciono com Deus, minha alma se contorce em dores, meu ser se desestabiliza e tento enxergar a esperança. Mas ela foge, e assim me faz ver que se torna companheira apenas dos que confiam n’Ele.

Quando me decepciono com Deus, minha mente arde em dúvidas por causa dos questionamentos que ninguém consegue responder e, por isto, aflito, minha alma se perturba de dia e de noite.

Quando me decepciono com Deus, as benesses oferecidas aos outros e negadas a mim são esfregadas em minha face, estimulando minha incredulidade e meu esfriamento espiritual.

Quando me decepciono com Deus, me sinto um idiota que confiou e se deu mal, me sinto um escrupuloso imbecil que deveria ter seguido a correnteza, e não, remado contra a maré.

Quando me decepciono com Deus, desisto de andar com Ele, e sem andar com Ele, não se anda com mais ninguém. Eu fico só.

Quando me dececpiono com Deus, paro de ouvir profetas, deixo de enxergar milagreiros, fico insensível ao marketing sem produto dos que se travestem de... deus.

Quando me decepciono com Deus, vivo a vida, nu e cru, sem muletas, andadores ou qualquer outra coisa que possa me amparar. Pela vida apenas passo empurrado pela turba, torcendo para não cair, pois, se caio, sou pisoteado e motivo de escárnio.

Quando me decepciono com Deus, fico no vácuo... não me arrebento no chão, nem alcanço as alturas. Vivo a instabilidade de quem sabe, que em algum tempo, o ar me será tirado e eu despencarei... (Esse é um bom momento para Deus fazer um milagre, erguendo-me às alturas.)

Quando me decepciono com Deus, as respostas religiosas e tradicionais não me servem... Os pecados, que desventuradamente pratico, não são justificativas para meu isolamento e perdição. Sua graça e sua verdade afirmam seu conhecimento sobre mim e o quanto necessito de seu perdão e sua compaixão em todo tempo. “Isso é dom de Deus, não vem das obras para que ninguém se glorie”.

Quando me decepciono com Deus, a minha alma fica presa no abismo da desilusão, do desapontamento, onde as propagandas dos milagres passados não servem, as promessas de bênçãos futuras não servem, as orações não servem, a comparação com pessoas em circunstâncias piores que a minha não serve, ameaças ou conselhos não servem...

Quando me decepciono com Deus, somente Deus pode resolver...

...fazendo, Ele mesmo, um “milagre” pra mim.

sexta-feira, 6 de julho de 2012

Gente Que Se Engasga Com Um Mosquito e Continua Engolindo Camelos.

Condutores cegos! que coais um mosquito e engolis um camelo” (Mt. 23:24).



Num discurso inflamado contra os escribas e fariseus, Jesus discorre toda sua indignação contra aquelas pessoas que, se fazendo filhos de Deus, eram apenas cumpridores dos dogmas humanos de uma religiosidade cruel, desumana. O Mestre relaciona no texto uma série de características que apontam para uma vida distante de Deus e de sua graça.

Como líderes e formadores de opinião, os escribas e fariseus deveriam ser um exemplo de compaixão, misericórdia, bondade e amor altruísta. No entanto, o Senhor os vê como um grupo de pessoas insensíveis, materialistas, avarentos, corporativistas, orgulhosos e falsos. Em tese, deveriam ser mais compreensivos em relação às bênçãos recebidas como consequência da graça, misericórdia e compaixão divinas, porém, se comportam de forma oposta no trato com os outros e com Deus.

Jesus, dentre outras coisas, os identifica como “condutores cegos”. Eles não conseguem ver a realidade moral, social e, muito menos, espiritual de suas atitudes e comportamentos. Não conseguem enxergar almas aflitas, desiludidas, sofridas e sedentas de Deus e de seu alívio. Pelo contrário, impõem sobre as pessoas mais obrigações e, consequentemente, mais dores, imaginando ser o preço que “os outros” devem pagar para obterem as tão sonhadas bênçãos de Deus.

Estavam cegos, perdidos no caminho, sem encontrar a saída, ainda que a saída estivesse diante de seus olhos. Eles, cauterizados por seu status quo, perderam a sensibilidade característica daquelas vidas que “ainda ouvem Deus,” e incorporaram um radicalismo ferrenho na defesa de suas benesses e de sua autoridade religiosa.

Por causa desses homens, o povo de Deus se tornou apenas mais uma religião, semelhante às pagãs. O viver com Deus se tornou apenas o cumprimento de um imenso rol de ritos e ordenanças praticados a todo custo, produzindo vidas atormentadas e oprimidas. Não havia qualquer preocupação dos escribas e fariseus com o interior do “copo” (Mt. 23:25), contanto que o exterior estivesse bonito, consideravam ser esse o padrão de Deus. Enganados e enganosos.

Jesus os desmascara. Suas atitudes eram de quem tinham perdido completamente o contato e o relacionamento com aquele que é Senhor da vida, o Grande em misericórdia, compaixão e bondade. Eram religiosos, e como tal, representavam bem a religião, não, Deus.

A igreja atual, sem generalizar, comporta “espertos” disfarçados de representantes do Senhor. Conforme a lista de Jesus, sentam na cadeira de Moisés (e como brigam para sentar nela), falam bem, mas, praticam o mal; convocam o pobre para “votos financeiros” pesados (tudo, ou R$ 900,00 (...), ou valor correspondente ao aluguel da casa onde mora – o cara mora de aluguel!!!), mas os fanfarrões transitam em carros luxuosos, importados e possuem, não raro, diversas casas espalhadas por todo canto (porque não as vendem e trazem o preço para Deus os abençoar???).

Ah! Eles gostam dos primeiros lugares e de saudação nas praças (ou nos palácios governamentais); suportam conchavos políticos, utilizando o povo de Deus como moeda de troca, além de aceitarem conviver com pecados públicos e, por isto, escandalosos, deles e de pessoas que nem deveriam ter saído ainda do banco do discipulado. Jesus estava certo! Jesus está certo! “Condutores cegos! Se engasgam com um mosquito, engolem camelos”, e por verem o crescimento de suas próprias barrigas, imaginam que Deus os está fazendo prosperar.

Escribas! Torço que a graça divina, esquecida nos titulos e cargos que conquistastes, se manifeste e mude vosso coração e vossa visão, dando-lhe condições de guiar efetiva e adequadamente o povo de Deus.

Fariseus! Torço que as escamas de seus olhos se desprendam, caiam, e enxergues o dom gratuito de Deus que deve ser desfrutado e oferecido aos outros, também.

Antes que seja tarde demais... Pra vocês.

quarta-feira, 4 de julho de 2012

O Brasil Evangélico Precisa Mudar

Recente pesquisa informa que os evangélicos são os que mais crescem entre as religiões estabelecidas no Brasil, atingindo a marca de 22,2% da população (aproximadamente, 40 milhões de pessoas). Este movimento não é novo, como não é novo o fato de ser a Assembléia de Deus a igreja que mais cresce. Ampliando a abordagem da pesquisa, identificou-se a quantidade de cristãos brasileiros, incluindo aí, católicos e outras ramificações do cristianismo, como sendo o percentual de, aproximadamente, 80% da população brasileira.

Este dado, apesar de endossar nosso júbilo pela abertura de corações ao evangelho de Jesus Cristo no Brasil, levanta algumas questões que precisamos discutir e consolidar nas mentes dos novos e velhos cristãos brasileiros.

Este crescimento cristão vem acompanhado de uma sensação atual de declínio na aceitação dos valores cristãos na sociedade. Este declínio pode ser percebido pela insegurança generalizada, pela corrupção nos órgãos governamentais, pela moral rasteira, fomentada por uma mídia que vulgariza a mulher, exalta a homossexualidade, destrói a família e promove a promiscuidade entre nossos jovens, por políticos ruins e magistrados piores ainda, enfim, por uma gama de circunstâncias que indicam a inexistência de qualquer influência de Cristo nos agentes que as promovem.

É hora de aproveitarmos a oportunidade e amplificar os princípios de Cristo para os demais brasileiros, fazendo que os mesmos enxerguem os valores cristãos como base para o crescimento estável e sólido da nação. A eficácia, entretanto, depende da forma como esses cristãos identificados assumem seu cristianismo; depende, também e principalmente, como os líderes cristãos estão atuando, se em integridade com o evangelho ou em corrupção e promiscuidade com os valores mundanos.

Para um país cristão, é exigido um comportamento moral melhor. Coisas como corrupção, politicagem, violência, promiscuidade e mau atendimento público, devem ser erradicados e em seus lugares adotados comportamentos que justifiquem a pretensa conversão à Cristo. Lisura no trato da coisa pública, distribuição de renda que busque um equilíbrio nos salários pagos aos trabalhadores, proteção a vida, melhoria no nível das programações artísticas e culturais produzidas no Brasil, especialmente, as oferecidas pelas tv’s abertas, políticos decentes, honestos e comprometidos com o bem da população, desenvolvendo políticas públicas que alcancem a população como um todo, e não apenas seus próprios interesses mesquinhos e a de pequenos grupos influentes.

Nós, cristãos, esperamos isto para o Brasil. Deus espera isto de nós.