Pular para o conteúdo principal

Religiosidade Boa. Religiosidade Má.


Independentemente do conceito pejorativo que se jogou sobre o termo “religiosidade”, principalmente no circuito cristão, precisamos ponderar sobre seu significado, reconhecendo-o como definidor da relação entre um ser prestador de culto e a divindade adorada. Nesse sentido, nada mais natural do que a busca do homem, em seu íntimo, do Ser a ser adorado: Deus. Quando configura isto, não há nada de anormal em reconhecermo-nos religiosos.

O problema da religiosidade é a redução do seu sentido real para um sentido de mera formalidade. A repetição de formas, mantras, ornamentos, instrumentos, regras, o engessamento do desejo real e sincero de adorar a Deus ao cumprimento de dogmas religiosos ou denominacionais que deturpam seu objetivo e sentido mais nobre.

Outra atitude que deturpa o termo é a transferência da adoração à Deus para adoração a uma outra criatura ou instituição. É a destronação de Deus colocando em seu lugar um líder religioso, ou um artista, ou um clube de futebol, ou um político, ou uma denominação. Quando isto acontece, além do pecado da idolatria, depreciamos o conceito autêntico de religioso para o pejorativo de “religiosidade”.

A religiosidade honesta é aquela que remonta a relação entre o ser humano e Deus, fazendo com que esse ser passe por melhorias como pessoa, do ponto de vista das relações consigo mesmo, com o próximo e com o próprio Deus. Esta melhoria é fruto da ação direta do Espírito Santo, através da reflexão na Palavra de Deus, que se realiza no mais profundo do coração humano e resulta numa voluntária conversão intelectual.

Religiosidade boa ou má? O que vai definir como é a sua, será o seu comportamento em relação a Deus e os homens.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Porteiro, Auxiliar, Diácono, Presbítero, Evangelista, Pastor. E Mais. Missionária, Bispo, Apóstolo. O Que é Tudo Isso?

De repente, somos sobressaltados com a notícia: "Mais algumas dezenas, e até centenas, de novos obreiros para servir no Reino de Deus". A notícia seria boa, se guardasse a essência dos requisitos bíblicos exigidos para novos obreiros e preservassem o propósito divino na separação de novos chamados.
Para que precisamos de porteiros? Óbvio. Para guardar as portas. Porteiro era considerado Levita, desenvolvia, também, a tarefa de arrecadador de ofertas (2 Cr. 31:14) e vigia (Mc. 13:34); Jesus menciona o porteiro como responsável pela guarda da porta do aprisco das ovelhas (Jo. 10:3; ver também Ed. 7:24). É improdutivo, uma igreja de porta única, com uma quantidade exagerada de porteiros para servir.
Para que precisamos de auxiliares? Há pessoas mencionadas na Bíblia como "cooperadores", no entanto, sem evidência de se referir a um cargo. Eram pessoas que haviam prestado algum tipo de auxílio à alguém, em algum momento específico (Fp. 2:25; At. 20:35). Pode ser até o mes…

Cristo Está Morto! ...de Vergonha.

As Assembleias de Deus na Bahia foi construída sobre os ombros de homens e mulheres altruístas e dedicados que seguiam os conselhos bíblicos com a radicalidade exigida de quem, verdadeiramente, se converteu a Cristo. Foi desta forma que ela cresceu, se consolidou e tornou-se referência de conduta cristã e legítima representante do movimento pentecostal. Seu povo, ordeiro, decente e piedoso, nutria profundo respeito da população por serem responsáveis, honestos, humildes e fiéis.
Mas o crescimento trouxe consigo o desassossego de uma estrutura cada vez maior para suportar um organismo em expansão. A quantidade cada vez maior de congregações exigia mais esforços de sua liderança, pois, com uma administração centralizada, a mobilidade e os recursos passam a ser compartilhados para sustentar a própria estrutura administrativa. É essa estrutura administrativa que, no afã de conceder segurança futura aos seus ministros, fundam uma associação de pastores, conhecida como Convenção.
Órgão com ab…

CEADEB x ADESAL - É feio, muito feio!

Os desdobramentos do litígio entre o presidente da CEADEB e o presidente da ADESAL prossegue revitalizando as feridas causadas pelo rompimento do vínculo de alguns pastores de sua convenção (CEADEB).
No mais recente episódio, uma decisão judicial interlocutória - sem definição de mérito - tomada na ação que a CEADEB move contra a ADESAL, foi entendida como um ato de destituição do pastor Israel Ferreira do comando da Assembleia de Deus em Salvador. Sem querer entrar nas questões técnicas da decisão (deixo isto para os advogados e rábulas), a decisão não dá nada a ninguém, haja vista uma série de “condicionantes” expressos no comando judicial. Na verdade, a decisão da desembargadora é uma espécie de carta do apóstolo Paulo aos Coríntios na versão para os assembleanos baianos: “se entendam!”
Ato seguinte a decisão mencionada, o pastor Valdomiro Pereira distribui um vídeo para os obreiros assembleanos. Nele, informa (ou desinforma) a plateia que o pastor Israel Ferreira foi destituído do…