Pular para o conteúdo principal

Libere o Poder.


Alguns anos atrás, um presidente dos Estados Unidos disse para um presidente brasileiro: “você é o cara!” O presidente a quem se referiu se animou e, se até aquele momento achava-se ser, passou a acreditar piamente.

Imagino Jesus se encontrando com ele e dizendo: “o maior é aquele que é humilde como um menino (Mt. 18). Nota-se que, a despeito da interpretação do presidente elogiado, quem, na verdade, estava se colocando como maioral era aquele que o elogiava. Segundo Jesus, “a humildade é característica dos grandes homens”.

Parece ser natural no mundo de hoje os homens se acharem maiores e melhores do que os outros. Isso me faz lembrar a oração do fariseu no templo, citado por Jesus no capítulo 18 do evangelho segundo Lucas. Esta forma de encarar a vida e o exercício da liderança em qualquer organização é fatal para sua sobrevivência, haja vista que, se no início começou a obter progresso, com o decorrer do tempo, fica "patinando" na rotina, no marasmo das mesmas soluções para problemas diferentes. Resultado, a organização deixa de caminhar no cumprimento de sua missão e passa a circular em torno de si mesma, perdendo tempo, dinheiro e energia nos meandros da administração eclesiástica.

O exercício do poder é um vírus que nenhum ser humano suporta por muito tempo. Perceba na história humana que a perpetuação no poder gerou homens bárbaros, ditadores, fascistas e sanguinários. Por esta razão, para sua própria preservação, é preciso uma mudança periódica na liderança, alternar o poder, dar oportunidade para que outro homem ou mulher assuma as rédeas e contribua para o amadurecimento da organização e adoção de melhores soluções, sem os vícios adquiridos com o tempo e a repetição.

Isto não tem sido possível em razão do orgulho que espeta o coração e convence a razão do poderoso da vez. O orgulho que cega e escraviza, é o mesmo que mata, principalmente, espiritualmente. Infelizmente, nossas organizações religiosas estão com lideranças humanas cada vez mais fortes, do ponto de vista financeiro e político, e fracas, do ponto de vista do Reino de Deus.

Essas lideranças se tornam completamente despreocupadas com o bem estar da organização e seus integrantes, e passam a se preocupar com a perda do poder que, por sua vez, representará diminuição de sua influência e perda de recursos financeiros pessoais. A partir disto, a manutenção do poder passa a ser o objetivo principal de sua administração, e com isto, as decisões, projetos e ações são diretamente influenciadas por esta meta final.

Os pastores presidentes, principalmente, precisam lembrar-se dos conselhos e exemplos bíblicos, e, serena e equilibradamente, colocar um ponto final na crença do poder vitalício ou eterno onde ele não existe. O exercício da presidência de uma organização precisa de oxigenação, pois, “todos” os homens precisam se reciclar e se permitir ensinar e liderar por outros. Isto é crescimento pessoal e organizacional.

Todos pedem a Deus que libere o seu poder sobre nós. Estamos num tempo em que, para melhoria de nossas organizações religiosas e de nossa vida cristã na sociedade, “precisamos pedir a Deus que peça aos homens que libere o poder sobre nós”.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Porteiro, Auxiliar, Diácono, Presbítero, Evangelista, Pastor. E Mais. Missionária, Bispo, Apóstolo. O Que é Tudo Isso?

De repente, somos sobressaltados com a notícia: "Mais algumas dezenas, e até centenas, de novos obreiros para servir no Reino de Deus". A notícia seria boa, se guardasse a essência dos requisitos bíblicos exigidos para novos obreiros e preservassem o propósito divino na separação de novos chamados.
Para que precisamos de porteiros? Óbvio. Para guardar as portas. Porteiro era considerado Levita, desenvolvia, também, a tarefa de arrecadador de ofertas (2 Cr. 31:14) e vigia (Mc. 13:34); Jesus menciona o porteiro como responsável pela guarda da porta do aprisco das ovelhas (Jo. 10:3; ver também Ed. 7:24). É improdutivo, uma igreja de porta única, com uma quantidade exagerada de porteiros para servir.
Para que precisamos de auxiliares? Há pessoas mencionadas na Bíblia como "cooperadores", no entanto, sem evidência de se referir a um cargo. Eram pessoas que haviam prestado algum tipo de auxílio à alguém, em algum momento específico (Fp. 2:25; At. 20:35). Pode ser até o mes…

CEADEB x ADESAL - É feio, muito feio!

Os desdobramentos do litígio entre o presidente da CEADEB e o presidente da ADESAL prossegue revitalizando as feridas causadas pelo rompimento do vínculo de alguns pastores de sua convenção (CEADEB).
No mais recente episódio, uma decisão judicial interlocutória - sem definição de mérito - tomada na ação que a CEADEB move contra a ADESAL, foi entendida como um ato de destituição do pastor Israel Ferreira do comando da Assembleia de Deus em Salvador. Sem querer entrar nas questões técnicas da decisão (deixo isto para os advogados e rábulas), a decisão não dá nada a ninguém, haja vista uma série de “condicionantes” expressos no comando judicial. Na verdade, a decisão da desembargadora é uma espécie de carta do apóstolo Paulo aos Coríntios na versão para os assembleanos baianos: “se entendam!”
Ato seguinte a decisão mencionada, o pastor Valdomiro Pereira distribui um vídeo para os obreiros assembleanos. Nele, informa (ou desinforma) a plateia que o pastor Israel Ferreira foi destituído do…

QUANDO É HORA DE MUDAR DE IGREJA

Igreja, genuinamente falando, é aquele lugar onde se reúne um grupo de seguidores de Cristo com objetivo de adorar a Deus, receber ensinamentos, evangelizar e ajudar uns aos outros (At. 2:40-47). Foi com esta clara missão em mente que o apóstolo Paulo informa-nos que Deus colocou à nossa disposição os dons espirituais, a fim de edificarmos uns aos outros e estarmos aparelhados para proclamação do evangelho. Tiago esclarece outro ponto principal da igreja, dizendo que a verdadeira religião é cuidar das viúvas e dos órfãos nas suas necessidades. Por fim, as características da igreja primitiva que a tornou marcante, referência de igreja bíblica, foi que eles tinham tudo em comum e ninguém sentia falta de nada, eram solidários no partir do pão, desfrutavam da comunhão e comungavam da doutrina dos apóstolos, esta, por sua vez, Cristocêntrica.

No domingo passado fui à igreja com minha família e contei. Numa rua com, aproximadamente, quinhentos (500) metros de comprimento, cerca de treze (13…