quarta-feira, 30 de novembro de 2011

Guerreiros "do ou Pelo" Templo da Capelinha: "Guardem as Espadas!!!"

“E eis que um dos que estavam com Jesus, estendendo a mão, puxou da espada e, ferindo o servo do sumo sacerdote, cortou-lhe uma orelha. Então Jesus disse-lhe: Embainha a tua espada; porque todos os que lançarem mão da espada, à espada morrerão. Ou pensas tu que eu não poderia agora orar a meu Pai, e que ele não me daria mais de doze legiões de anjos? Como, pois, se cumpririam as Escrituras, que dizem que assim convém que aconteça? Então disse Jesus à multidão: Saístes, como para um salteador, com espadas e varapaus para me prender? Todos os dias me assentava junto de vós, ensinando no templo, e não me prendestes” (Mt. 26:46-50).

Nenhuma autoridade é maior do que a de Jesus. Inicio este texto assim, na tentativa de que nossos irmãos se despertem para a realidade da manipulação consciente ou inconsciente que fazem conosco.
Nós, enquanto Cristãos, somos discípulos de Cristo, e como tal, estamos num constante aprendizado. Se nosso Mestre é Jesus, entendemos que de suas Palavras beberemos e, sem questioná-Lo, aceitaremos seus mandamentos (Jo. 15), colocando-os em prática.
Infelizmente, envolvido pelo elo familiar e cristão com os embates pela posse da Assembléia de Deus em Capelinha de São Caetano, fui, com lágrimas, conversar com Deus em oração. Expus meu coração à Deus e este texto veio à minha mente. Não ouso dizer que foi Deus quem colocou (não me arrisco a usar o Nome de Deus em vão), apenas lembrei-me dele. É um texto que vem à minha mente no momento certo.
No episódio registrado por João, dois grupos se encontram. Qual o objeto de disputa: CRISTO. Uns, os servos do sumo sacerdote ou soldados do templo acompanhados de Judas, queriam prendê-lo para julgá-lo e matá-lo. Outros, os discípulos de Jesus, defendê-lo.
A disputa era a vida de um homem. Mesmo que fosse um homem comum, e não Jesus, o Filho de Deus, já seria uma missão honrosa para os discípulos defenderem sua integridade física (humanamente falando). No entanto, vale dizer, talvez tivesse sido um homem comum, não houvesse tanto empenho na defesa de sua vida (Basta ver os inúmeros dos que foram lançados para as feras nos trágicos espetáculos do Coliseu de Roma ou, então, as várias guerras em que muitos morreram sem nenhuma intervenção dos religiosos para impedir tais mortes).
Neste episódio, Pedro toma a frente de Cristo e, tomando sua espada, desfere golpes contra os soldados do templo. Neste momento, Jesus, SURPREENDENTEMENTE, interfere...
“... Guarde tua espada, homem!” Opa! Jesus, invés de motivá-lo em sua defesa, o repreende.
É verdade. Cristo pensa e age de maneira diferente do homem carnal. Por esta razão, é difícil compreender o evangelho de Jesus e, muito menos, praticá-lo. Certamente, Pedro não entendeu nada:
- O que estava acontecendo? Os errados são eles, os soldados do templo e Judas, não eu.
Vamos recordar. Para Jesus, os seus são aqueles que fazem a vontade do Pai que está nos céus, não quem O defende com armas carnais (Mc. 3:31-35; Mt. 26:47; Jo. 15:14).
Vale destacar, levando em consideração o tema abordado aqui. PRESTE ATENÇÃO: INDEPENDENTEMENTE DE QUEM ESTEJA UTILIZANDO ESTAS ARMAS, SEJAM REPRESENTANTES DA CEADEB, SEJAM REPRESENTANTES DA ADESAL OU CONFRAMADEB ou QUALQUER OUTRA AGREMIAÇÃO QUE O VALHA.
Cristo, em sua passagem por nós aqui na terra, tinha como um de seus objetivos preparar seus discípulos, não os soldados do templo. Precisava esclarecer a diferença entre ser religioso, defensor cego e ferrenho dos ritos e das tradições (características dos religiosos no Séc. I, “herdeiros” da Lei), do ser Filho de Deus, doador da própria vida em favor do irmão. Ele sempre tratou da essência (Lc. 6:45), como é característico do Seu evangelho.
Quem deveria carregar Sua essência eram os que foram chamados por Ele, não os que serviam ao templo. A violência, o desequilíbrio, a insensatez, a maledicência, a brutalidade, o ódio, são instrumentos da carne (Gl. 5:19-21), e a carne luta contra o Espírito, mesmo quando pensamos lutar a seu favor.
Jesus, profundo conhecedor das Escrituras, mesmo por que, sendo Ele quem a inspirou, conhecia o texto que diz: “Não é por força, nem por violência, mas, pelo meu Espírito, assim diz o Senhor dos exércitos” (Zc. 4:6).
- Oh! Senhor, como é difícil entendermos isto (1 Co. 2:14).
Agora, abrindo um parêntese, observem o que Jesus fala com Pedro em Lc. 22:31-34: Disse também o Senhor: Simão, Simão, eis que Satanás vos pediu para vos cirandar como trigo; Mas eu roguei por ti, para que a tua fé não desfaleça; e tu, quando te converteres, confirma teus irmãos. E ele lhe disse: Senhor, estou pronto a ir contigo até à prisão e à morte. Mas Ele disse: Digo-te, Pedro, que não cantará hoje o galo antes que três vezes negues que me conheces”.
(No evangelho de João, encontra-se a identificação do discípulo que agiu destemperadamente – Jo. 18:10,11)
Pedro, espiritualmente ainda imaturo, precisava entender melhor o Espírito que havia em Cristo para, então, deixar-se guiar por Ele. Esta oportunidade, quase que no “apagar das luzes” de Sua presença física entre nós, não foi desperdiçada por Jesus.
“Guarda a tua espada, pois, quem usa de violência pela violência padecerá”. Em outra tradução, Cristo informa: “você não sabe de que Espírito Eu Sou”. “Jeová-shalom é o seu nome” (Jo. 14:27).
Jesus destaca à Pedro que, sua decisão deliberada de não-agressão à quem quer que seja, mesmo inimigo, não era por não possuir meios para confrontá-los. Diz Jesus: “Se eu quisesse, oraria ao Pai e Ele enviaria multidões de anjos para me defender”. Atente. Jesus estava tratando de sua própria vida e, de uma maneira mais abrangente, do princípio da autoridade. Jesus, voluntariamente, não quis demonstrar seu poder, nem defender sua vida. Havia um propósito maior.
Aí, irmãos, vão seguir a quem? O Cristo ou ao Sumo Sacerdote? Que armas vão utilizar? As carnais ou espirituais (2 Co. 10:4)? E aí, “Pedro”, vai guardar a espada ou não?
Esta decisão é tão importante que, ao final, saberemos quem é de Deus e quem não é; Ou, a depender de como ajam os dois grupos, não vai aparecer quem seja (1 Jo. 3:10, Mt. 5:9). Pensem nisto.

segunda-feira, 28 de novembro de 2011

A Confusão na Assembleia de Deus em Capelinha - Peço Perdão...

(Peço paciência aos leitores deste blog, pois, começaria a discorrer sobre os sintomas de uma igreja doente a partir deste post, no entanto, fatos lamentáveis insistem em prosseguir na seara evangélica em Salvador, e preciso, diante de Deus, da sociedade, dos meus irmãos cristãos de outras denominações e da minha família, expor o texto que segue.

"Rasgo as minhas vestes, me cubro de saco e mergulho minha face no pó, reconhecendo minhas vergonhas e as vergonhas do meu povo").

Como é do conhecimento de todos, a Assembléia de Deus no Estado da Bahia, especialmente em Salvador e, específicamente em Capelinha de São Caetano vive dias terríveis. A luta travada entre dois grupos de pessoas pela posse do templo tem gerado toda espécie de agressões, gerando mortos (espirituais) e feridos por todos os lados.

De antemão, dirijo-me aos que estão na guerra: “entendo suas razões, mas, não compactuo com suas armas”.

Diante dos tristes atos praticados por pessoas que lidaram com a letra do cristianismo e esqueceram sua essência, inúmeras vítimas têm sido jogadas ao chão, dentre elas, a credibilidade do evangelho e a boa-fé dos sinceros.

Como integrantes da minha família estão diretamente envolvidos, sinto-me envergonhado, decepcionado e no dever de dirigir estas palavras às pessoas que se tornaram “amigas ou inimigas” nesta guerra carnal e extremamente escandalosa para o puro e eficaz evangelho de Jesus.

Como filho, pai, irmão e servo do Senhor, sinto-me na obrigação moral e espiritual de pedir perdão...

     Pedir perdão aos meus pais por não ter conseguido lhes dar um final de vida (87/77 anos) em paz e tranqüilidade, desfrutando de um ambiente espiritual sadio e mais próximos de Deus;

     Pedir perdão aos meus irmãos consangüíneos que, mesmo distantes do evangelho, estão desapontados e escandalizados com o nível de ódio e barbárie que se instalou entre os “irmãos em Cristo”, e agora, estão sendo empurrados para os braços de outras religiões ou, pior, para a incredulidade (rogo à Deus por vocês);

     Pedir perdão àqueles que foram agredidos por integrantes da minha família, indistintamente, quer seja por palavras ou por atos praticados;

     Pedir perdão às pessoas que se tornaram alvo da insanidade daqueles que deveriam utilizar as armas do amor para conquistar suas vitórias; insanidade que não consegue distinguir “amigos” de “inimigos” porque o ódio afetou sua visão;

     Pedir perdão aos que, afetados intimamente e espiritualmente por esta guerra insana, sentem a dor e a angústia da derrota imposta ao evangelho de Cristo nesta cidade. Neste particular, aos irmãos de outras denominações que com afinco e renúncia, exaltam o nome de Jesus com um portar digno de "filhos de Deus";

     Pedir perdão àqueles que durante anos contribuíram com seus dízimos e ofertas para construir um ambiente de culto a Deus e estão presenciando nestes últimos dias, a depredação do patrimônio adquirido e construído com tanto sacrifício;

     Pedir perdão aos vizinhos da Igreja em Capelinha por não ter podido dormir sossegadamente o tão sonhado sono digno do trabalhador, em razão do tumulto e das brigas protagonizadas nas últimas madrugadas por um povo inconseqüente e carnal;

     Pedir perdão aos soteropolitanos pela incoerência entre o discurso e a prática demonstrada por alguns dentre os evangélicos da Assembléia de Deus em Salvador, especialmente, no bairro da Capelinha de São Caetano, fazendo o Estado destinar seu aparelho policial para separar a briga entre “um” povo que “deveria” ser “especial, zeloso e de boas obras”;

     Ainda pedir perdão aos cidadãos desta cidade que invés de ouvir através da mídia a proclamação do evangelho, ouvem as notícias do “povo de Deus” nas páginas policiais, e se escandalizam...

     Pedir perdão àqueles que, mesmo em meio ao tumulto protagonizados pelos maus, só desejam servir e adorar a Deus em sua igreja;

     Pedir perdão aos policiais, delegados, magistrados e outros envolvidos na missão de apaziguar a luta, pelo trabalho dado por quem deveria servir de apoio e auxílio na luta de combate “ao mau”, utilizando o equilíbrio, o direito e o bom siso;

     Enfim, pedir perdão àqueles que se sentirão ofendidos pela minha atitude de pedir perdão.


E, finalmente, peço à Deus: Pai, perdoa-lhes por que não sabem o que fazem.

quinta-feira, 24 de novembro de 2011

Sintomas de Uma Igreja Doente

A Igreja, enquanto organismo vivo - Corpo de Cristo - é santa, sem ruga ou qualquer outra espécie de mácula. Esta Igreja, adornada pelo Espírito Santo, está em comunhão com o Senhor e, desta forma, pronta para adentrar as moradas eternas para habitar com Deus (Ef. 5:27).

A Igreja, enquanto organização, é o lugar onde um conjunto de pessoas que se decidiram por Cristo reúnem-se para comungar a fé, aprimorar a comunhão uns com os outros, capacitarem-se para cumprimento de sua missão e, a partir dela, espalharem a mensagem do evangelho para os extremos da terra (At. 2:41-47).

A Igreja – Organismo Vivo – não precisa de restauração, haja vista estar ela pronta a partir da decisão real de seguir a Cristo e, por conseguinte, ser alcançada pela ação eficaz do sangue do Salvador Jesus. Porém, a igreja – Organização – invariavelmente, necessita de aprimoramento e restauração. É por esta razão que o Senhor disponibiliza os dons espirituais: para serem utilizados na edificação de todos os cristãos reunidos num local (1 Co. 14:12).

Algumas dessas igrejas, apesar dos problemas que é comum em todas, conseguem tratar essas terríveis adversidades mantendo um ambiente harmonioso, equilibrado e saudável. Como conseqüência, seus cultos “racionais” são realizados com alegria e singeleza de coração, o que transforma o local numa reunião de verdadeiros adoradores, mordomos e filhos de Deus. É nesse ambiente que o Senhor se compraz em curar, libertar e, principalmente, salvar os perdidos.

A abordagem que fazemos aqui tem como foco exclusivo as Igrejas que, apesar de terem entre eles pessoas que fazem parte do Corpo de Cristo, lutam para se tornarem autênticas representantes do Reino de Deus. São igrejas que sofrem por causa da desobediência aos mandamentos do Senhor, sendo produtoras de mazelas espirituais que transtornam o ambiente interno e dificultam a vida e o senhorio de Cristo entre eles.

A igreja-local, como um corpo, adoece, e alguns sintomas são imediatamente perceptíveis. É óbvio que esses sintomas podem ser notados em todas as igrejas – organização. A diferença é que, numa igreja saudável, esses sintomas são percebidos em um ou outro integrante, enquanto que, numa igreja doente, esses sintomas são percebidos em um número considerável de crentes. Como um câncer, ao atingir apenas um órgão e detectado em seu estágio inicial, a cura é facilitada e possível. Todavia, quando acontece a metástase (proliferação de células cancerígenas no organismo atingindo vários órgãos), o paciente entra num processo de difícil recuperação.

No ambiente deteriorado de uma igreja doente, alguns sintomas são facilmente percebidos à luz da Palavra de Deus. É sobre alguns deles que falaremos a partir desta postagem. Acompanhe.

segunda-feira, 21 de novembro de 2011

Pastor e Cantora Evangélica Se Divorciam


A cantora e deputada federal Lauriete se separou do seu marido o Pr. Reginaldo Almeida. O pastor Reginaldo era deputado estadual e seria candidato a Deputado Federal  mas, em função de alguns processos, não pode disputar as últimas eleições, o que o levou a colocar a sua esposa à época, a Cantora Lauriete, na disputa de uma vaga para a Câmara Federal, sagrando-se vencedora com 69.818 votos.

Lauriete nunca tinha disputado cargo algum na política. Seu ministério sempre foi louvar ao Senhor, o que faz, muito bem, há 25 anos.
Os motivos da separação não foram divulgados. Segundo o prefeito de Vila Velha, Neucimar Fraga, o relacionamento já devia estar ruim.
(Fonte: Blog do Samuel)

É triste e profundamente frustrante para nós cristãos ler-mos uma notícia desta. Um pastor (certamente já ensinou e orientou inúmeros casais acerca do propósito e da durabilidade do casamento) e uma cantora evangélica (certamente já exaltou os mandamentos do Senhor), sofrendo a dor de uma decisão tão trágica. Nossas orações pelos dois.

Infelizmente temos de nos utilizar de fatos tristes como este para alertar que ninguém, absolutamente ninguém, está imune ao risco de um fracasso, mesmo porquê, quanto mais em evidência na defesa dos princípios cristãos você estiver, mais o nosso adversário vai tentar te derrubar (1 Pe. 5:8) para te exibir como troféu de sua vitória sobre o povo de Deus. É preciso vigiar em todo o tempo.

Vale destacar: "Quando os valores cristãos são deixados de lado, os valores humanos assumem a prioridade". Isto por quê, os tesouros humanos exigem um preço para quem o deseja: "o abandono de tudo aquilo que não seja fruto da "concupiscência dos olhos", a "concupiscência da carne" e a "soberba da vida"" (1 Jo 2:16). E assim, troca-se a riqueza guardada no céu pelos tesouros da terra.

Mas os tesouros terrenos são consumidos pelos ladrões, pela ferrugem e pelas traças, enquanto que os tesouros celestes são eternos e mais excelentes.

sábado, 19 de novembro de 2011

Afinal, cai ou não cai?

Mais um ministro, agora o do "trabalho" está na berlinda. Muitas denúncias envolvendo-o em relações, no mínimo, inconvenientes, e não consegue responder adequadamente. Já tentou de tudo. "Não conheço", "não viajei" (parece Lula), "não há nada de irregular em minha conduta no "ministério do meu partido"". De repente a memória voltou. Conheço, mas não sou amigo. Quando viu que nada do que dizia ajudava, apelou: "Dilma, Eu Te Amo!!" Haja paciência!

Ele conta com o tempo, e parece que Dilma também. Ficamos aqui a nos perguntar: "Afinal, cai ou não cai?" Talvez, a melhor pergunta agora é: "quando ele cai?", porque nós, brasileiros, não podemos aceitar outra iniciativa que não seja: "Fora! Senhor Ministro do Trabalho, Carlos Lupi e seu bando (PDT)."

Já passou da hora de ser atingido pela "bala" que derruba, por mais pesado que ele seja, aqueles que infrigem o dever e a integridade moral que deve permear a atuação de homem público, principalmente, na gestão do bem público.

É o que se espera.

sexta-feira, 18 de novembro de 2011

Cadê as ONG's ou Órgãos Protetores dos Animais?

Num momento de completa inversão de valores, alguns segmentos da sociedade resolveram virar as costas para a vida humana e se dedicar exclusivamente a proteção dos animais irracionais. Não sou contrário ao cuidado que devemos ter com relação a esses seres, na maioria das vezes, indefesos, que vive dentro do nosso contexto social. No entanto, sou contra o gasto de recursos e energia no cuidado de animais irracionais quando ainda temos uma demanda enorme de carências em relação aos animais ditos racionais.

Crianças abandonadas nas ruas, drogados na sarjeta, jovens aprisionados no tráfico, trabalhadores explorados, principalmente, em empresas que terceirizam seus serviços, trabalho infantil, trabalho escravo, crianças morrendo de inanição no interior do nordeste, etc., etc., etc. As carências são enormes.

As ONG's e os órgãos que se dizem proteger os animais, deveriam dar uma olhada nas cenas abaixo registradas e expostas nos noticiários diários da mída brasileira.




PORQUÊ NÃO FAZEM NADA!!!

PORQUÊ A VIDA E INTEGRIDADE FÍSICA DO SER HUMANO VALE MENOS QUE A DE UM GALO?

É pra pensar.

segunda-feira, 14 de novembro de 2011

Treinamento Para Líderes


Visando aperfeiçoar aqueles que militam nas várias áreas da Igreja do Senhor Jesus, produzimos e realizaremos este Treinamento nesta terça-feira (feriado). Tendo como facilitadores a Profª Patrícia Sampaio, a Psicanalista Cazildete Barbosa, o Pastor e Escritor Gideão Silva e este blogueiro, desenvolveremos ao longo de 05h30min., dinâmicas, palestras e workshop, com objetivo de aprimorarmos o sentido de trabalho em equipe para melhor entendermos o conceito bíblico de "Corpo de Cristo".

Com vagas limitadas, vinte e oito (28) participantes, nos reuniremos na Assembléia de Deus em Jardim Santo Inácio, orando à Deus, suplicando suas bênçãos na execução deste treinamento, que tem, por fim, a edificação do Corpo de Cristo, como objetivo maior.

"Deus deu a cada um de nós dons de fazer bem determinadas coisas, de acordo com sua graça (...) Se é ensinar, esmere-se no fazê-lo" (Rm. 12:6-7).

domingo, 13 de novembro de 2011

Quando o Bem do Outro Incomoda, é Porque Somos Maus.

A velha natureza se manifesta na satisfação do mau. O bem não é valorizado, nem perseguido, mas o mau é imitado, encorajado e entendido como normal. Somos atraídos e engodados pelo que é carnal, imersos em nós mesmos, enxergamos nossos conceitos e prazeres como padrão. Talvez seja esta a única justificativa para sentir alegria no mau que vem sobre o outro.

Prazer no mau visto na televisão, no assassinato brutal, na desgraça alheia, na pobreza, na miséria que joga na sarjeta o ser humano igual. Pior, quando chamamos o outro de "irmão". Nada tão incoerente e indecente do ponto de vista humano/cristão.

Vivemos uma sociedade permeada pelo mau, e este mau não se afastará, pois, enquanto perseguido e escorraçado pelo Poder divino na natureza e nas esferas espirituais, se abriga, escondido, em nossos corações.

Trevas!!! este é o resultado de corações que abrigam o mau.

Para resolver este problema ou dilema humano, Jesus Cristo nasce de mulher, realiza milagres, ministra seus ensinos, morre numa cruz, ressuscita ao terceiro dia e retorna à casa do Pai. Não satisfeito em seu desejo de bem querer ao outro, se compromete em deixar alguém, O consolador, que ao lado, fará companhia e afastará a solidão. Por fim, se compromete ainda em retornar para nos levar para desfrutar da terra que mana "leite e mel".

O sentimento que deve ser abrigado em nossos corações, é aquele que nutre o bem-estar do outro, caso contrário, Deus continuará tendo que fazer alguma coisa mais para nos mostrar o caminho e a essência do bem. Sua essência.

Luz!!! este é o ambiente do coração que abriga o bem.

Se mesmo depois de termos assumido compromisso com o Espírito Cristão, através da fé em Cristo, continuarmos sentindo prazer na miséria do outro, mesmo inimigo, estamos longe de Deus, distantes de Cristo.

Pense nisso.

quarta-feira, 2 de novembro de 2011

A Ira, a Mágoa e o Ressentimento Te Fazem Mal, Irmão.

Ira - Canalização de maus pensamentos e más intenções que infestam a mente e o coração de uma pessoa em relação a outra ou a alguma coisa. É a manifestação nua e crua do espírito carnal.

O que se indigna à toa fará doidices, e o homem de maus intentos será odiado (Pv. 14:17).

Não te apresses no teu espírito a irar-te, porque a ira repousa no íntimo dos tolos (Ec. 7:9).

Mágoa - É a manutenção de uma dor ou ferida que lhe foi causado. A guarda deste sentimento faz com que o "doente", toda vez que provocada, produza maior profundidade na ferida existente, causando, por sua vez, mais dor.

Pelo que já se escureceram de mágoa os meus olhos, e já todos os meus membros são como a sombra (Jó 17:7).

O coração alegre aformoseia o rosto, mas pela dor do coração o espírito se abate (Pv. 15:13).

Ressentimento - É a extrema sensibilidade provocada por um dano que o afligido teima em não perdoar. É o sentir de novo.

E, quando estiverdes orando, perdoai, se tendes alguma coisa contra alguém, para que vosso Pai, que está nos céus, vos perdoe as vossas ofensas (Mc. 11:25).

Quero, pois, que os homens orem em todo o lugar, levantando mãos santas, sem ira nem contenda (1 Tm. 2:8).

A ira, a mágoa e o ressentimento são sentimentos humanos, óbvio. É natural que em determinadas ocasiões sejamos surpreendidos com tais emoções, no entanto, a sabedoria bíblica, logo, divina, reforça que a guarda deles dentro de nós é a manifestação da falta de uma conversão mais profunda.

Deus, quando recomenda as lições mencionadas na Bíblia, especialmente, no sermão da montanha (Mt. 5), deseja que experimentemos a boa sensação de um coração que, apesar de humano, vive e sobrevive no combate a estes sentimentos nefastos, desfrutando, por sua vez, da alegria, do gozo e da paz de um coração abundante em Cristo. Isto é coração com graça divina.

A ira, a mágoa e o ressentimento só fazem mal a quem tem. Invés de ira, carinho; invés de mágoa, cura; invés de ressentimento, perdão. Eis o segredo, nem tão secreto assim para o verdadeiro cristão.

Jogue fora a ira! jogue fora a mágoa! jogue fora o ressentimento! O maior beneficiado é você.

Como bem disse Paulo: "Não te deixes vencer do mal, mas, vence o mal com o bem" (Rm. 12:21).

Como bem registrou Salomão: "Sobre tudo o que se deve guardar, guarda o teu coração, porque dele procedem as fontes da vida" (Pv. 4:23).

Sábias palavras inspiradas pelo Senhor. Quem for sábio, receba-as.