sexta-feira, 23 de junho de 2017

Quem Vai Misturar os Bilhetes???

Pr. Felipe C das Virgens
Após o triste fim de Judas Iscariote (suicídio), Pedro reuniu cerca de 120 pessoas, Apóstolos e Discípulos, em assembléia, a primeira da Igreja Cristã. Em um ambiente espiritual, peculiar ao assunto que deveria ser tratado, O apóstolo Historiou os fatos sobre Judas, cita Salmos e mostra que deveria ser escolhido outro para a vacância ocorrida no grupo apostólico.

Na palavra introdutória, Pedro mostra que os candidatos à eleição para ocupar a vaga deviam ser escolhido dentre aqueles varões que conviveram com o Senhor Jesus e se tornaram seus discípulos, sendo testemunha da ressurreição e da ascensão de Cristo.

José Barsabás, o Justo, e Matias, foram os dois apresentados por preencherem os requisitos mencionados por Pedro, não houve concessão, protecionismo ou apadrinhamento. Oraram ao Senhor, rogando que Ele, conhecedor dos corações e das necessidades, mostrasse quem deveria ser o escolhido. Depois da oração lançaram a sorte e esta caiu sobre Matias, sendo ele, então, contado entre os Apóstolos.

“Os bilhetes da sorte lançam-se numa dobra do vestido, mas o Senhor é quem os tempera” (PV 16:33). Dá-nos a idéia de que nomes estão nesses bilhetes, mas quem os mistura é Deus...

Se esse foi o método usado na citada assembléia para a escolha do sucessor de Judas, não acho forçoso dizer que, a co-participação de Deus foi determinante para o bom desfeche da eleição, lembremo-nos que antes de lançarem a sorte foi feita uma “fervorosa” oração clamando a Deus pela intervenção num processo tão delicado e nobre, daí concluirmos que, a oração sempre foi e é imprescindível para que Deus tenha misericórdia e projete sua divina luz, fazendo imperar a sua soberana e sapientíssima vontade, principalmente nas decisões apostólicas.

Um observador casual diria que foi uma mera coincidência, afinal, tinham dois nomes, um tinha que ser escolhido, foi lançada a sorte e caiu sobre Matias... Prefiro ser “espiritual” e dizer que quando a Assembléia está na direção de Deus, os nomes são colocados nos bilhetes, mas Deus se incumbe de misturá-los afastando qualquer hipótese de aposição, injustiça, tirania... E os ressentidos podem ser vistos como MEROS POLÍTIQUEIROS, aproveitadores de situações, muitos deles até por dinheiro ou cargos de confiança que lhes dariam status Eclesiástico.

Não tenho dúvidas, Deus foi quem escolheu Matias. Oraram, pedindo a direção divina. Hoje não se usa mais a sorte no ambiente cristão, “Que azar...” Para as eleições eclesiásticas podemos ter os escrutínios secreto, ou o voto secreto, mas tudo isso deveria ser sob o manto da oração, pedindo a Deus que ilumine. O método pode variar, mas, no sentido de se tornar mais transparente e acessível, livre de qualquer tendência, injunções reprováveis, que não condizem com o espírito cristão, parece utopia essa minha pretensão, mas só estou querendo me livrar da incerteza...

“Assim é na vida, tudo que acontece pode ser sorte ou azar. Depende do que vem depois... (Dr. Lair Ribeiro)”.

Às vezes tenho a impressão de que na prática estamos sob essa perspectiva secular, tomamos decisões ministeriais aventureiras, sem nenhuma segurança, sem temor, sem direção, os bilhetes são colocados abertos, não precisa misturar... Entramos num processo “eleitoral” Eclesiástico, num comportamento mundano, campanhas agressivas, desrespeitosas, injuriosas, caluniosas, inimizades são construídas, ao término da “batalha”, ressentimentos, mágoas, sentimento de vingança, retaliações, facções, perseguições, adversários “políticos”...

Fico imaginando o júbilo que invadiu os corações dos Apóstolos no final daquela Assembleia, até mesmo de José Barsabas, o outro candidato... Ele sabia, haviam orado, pediram direção de Deus, Matias foi o escolhido, aquela era uma decisão que só daria certo se fosse dentro da vontade de Deus.

Por que, como nunca, tantos querem fazer parte da mesa diretora de uma convenção de Ministros ou Igrejas? Qual motivação? Contribuir para uma “instituição” mais forte, ou se locupletarem do PODER e alcançarem ou conquistarem posições ou campos tão desejados, não pelo que podem produzir, mais, pelo que querem usufruir??

Candidatos imaturos, fanfarrões, inexperientes, egoístas, egocêntricos, interesseiros, uns com projetos mirabolantes, outros com projetos pessoais, querem ser por que é um sonho estar na mesa... Sonho para eles, pesadelo para a Instituição (?) Alguns com planos que só amanhã saberemos...

“Assim é na vida... Depende do que vem depois...”

Quem vai misturar os bilhetes???.

quinta-feira, 4 de maio de 2017

Recado aos Maus Juízes: Malditos, Malditos, Malditos Sejam

Por VILMA GRYZINSKI (Veja.com)

Já que não dá para dizer outra coisa aos que escarnecem o povo com interpretação perversa das leis e direitos só para os que 'pensam como nós'

O venezuelano nu diante da força do Estado mostrou o desespero de um país que chegou a uma situação extrema.

Hans Wuerich que, há duas semanas, tirou a roupa para mostrar os sinais das balas de borracha no corpo magro, virou um símbolo e um aviso: chega uma hora em que não dá mais para aguentar.

É um recado que não tem fronteiras, a mensagem sem palavras dos que são tripudiados por aqueles a quem deveriam representar e defender. Os eleitos pelo voto, os concursados, os nomeados, os togados.

Os que sabem falar bem, emitir opiniões e interpretar leis, mas pervertem suas obrigações funcionais, morais, profissionais e humanas.

Os que, evidentemente, soltam condenados pela justiça porque um julgamento em primeira instância não vale nada. Desde que os julgados sejam aqueles a quem desejam proteger, sob a capa negra dos argumentos falsificados de defesa do estado de direito.

A interpretação perversa das leis e a defesa dos direitos universais apenas aos que “pensam como nós” não é exclusiva dos togados e dos eleitos. Organizações não-governamentais e profissionais que têm o dever de informar incorrem nas mesmas deformações.

Alguns exemplos recentes, ocorridos no Brasil, da mesma forma que poderiam ter acontecido em outros lugares do mundo, desde que as liberdades democráticas permitam estes abusos.

Devido a assaltos contra empresas de transporte de valores, com roubo dos armamentos pesados, vem sendo sugerido que a solução seria desarmar estas empresas. Ou seja, depois da cassação do direito à legítima defesa dos cidadão comuns, a proposta é tirar as armas das empresas que permitem o dinheiro aparecer nos caixas eletrónicos e os celulares, entre outros produtos valorizados, chegarem às mão dos contribuintes desprotegidos.

Antes, evidentemente, que criminosos armados os levem e as vítimas ainda precisem agradecer a providência divina, na falta da humana, por não terem levado um tiro no processo.

Além de usar armas pesadas, mesmo que isso faça parte intrínseca de sua função, as empresas de segurança também parecem cometer o pecado imperdoável de ser empresas. Utilizam armamentos, representam o capitalismo e provavelmente merecem ser eliminadas da face da terra, é o raciocínio implícito.

Seus funcionários, expostos a alto risco e alvejados por criminosos, não são lembrados nem uma única vez. Merecem morrer mesmo, é , mais uma vez, o raciocínio implícito. O mesmo aplicado aos policiais que “agridem estudante”.

Tomara que o estudante se recupere, que retorne à vida, à família e aos estudos. Mas qual é a parte da constituição brasileira que garante a manifestantes o direito de cobrir o rosto?
Tomara que o policial que o feriu, se comprovado o abuso, seja tratado como prescreve a lei. E tomara que os estudantes que gritavam “abuso de poder”, repetindo idiotices provavelmente ouvidas de professores idiotas, algum dia entendam que a expressão certa não é “abuso de poder”.

E os “imigrantes estrangeiros agredidos” pela “extrema direita” em São Paulo? Além do pleonasmo, os absurdos lógicos são escandalosos: os policiais presentes e as primeiras instâncias jurídicas consideraram que os “imigrantes estrangeiros” jogaram uma bomba na “extrema direita”, resultando numa “confusão”, a palavra preferida pelos espíritos mornos.

Mas só os “imigrantes estrangeiros” foram presos, reclamaram os informadores. O que levaria à seguinte situação: se um cidadão conseguir reagir a um assalto e ferir um criminoso, contrariando todos os conselhos dos especialistas que culpam as vítimas quando esboçam algum sinal de inconformidade, ambos devem ser presos.

Principalmente se o cidadão for de “extrema direita”. Esta, se fizer manifestações, estará sempre incorrendo em crimes inomináveis. Se for do outro lado do espectro político, em compensação, será “manifestante”, “estudante” ou até “participante”. De extrema esquerda, jamais.

E por que será que a “extrema direita” começa a atrair simpatizantes? O desamparo e a revolta dos cidadãos abandonados por todos, principalmente os que sabem falar bem, teriam algo a ver com isso?

Togados e não-togados entendem as consequências de seus atos? Percebem que o venezuelano nu diante do poder do Estado pode ser um sinal de coisas que estão por vir? Entendem a voz dos que os maldizem?

quinta-feira, 27 de abril de 2017

Veja Como Votou o Deputado Erivelton Santana

Sendo um deputado eleito com nosso voto, temos a responsabilidade de acompanhá-lo.

O deputado Erivelton Santana (Assembleia de Deus - Salvador) votou favoravelmente na Reforma Trabalhista aprovada ontem na Câmara Federal.

Veja como o deputado votou a reforma trabalhista


Por 296 votos a favor e 177 contrários o plenário da Câmara dos Deputados aprovou o texto-base da reforma trabalhista proposta pelo governo Michel Temer. A votação foi marcada por protestos de deputados de oposição, que alegam que a reforma retira direitos dos trabalhadores.

ParlamentarUFVoto
Erivelton SantanaBASim

Fonte: http://veja.abril.com.br/

Eis a informação. Cabe agora o julgamento de cada cristão sobre a atitude do deputado que ajudou a eleger.

Como votei no referido irmão, sendo trabalhador assalariado, me sinto prejudicado por uma reforma protagonizada por uma Câmara Federal, sem moral para fazê-la, e que atenta apenas para os interesses das corporações patronais e piora as condições de trabalho para os hipossuficientes nesta relação.

quarta-feira, 19 de abril de 2017

Álcool Compromete o Cérebro Mesmo Sem Causar Embriaguez

Pessoas que bebem com mais frequência têm menor auto percepção de como o álcool afeta sua capacidade cognitiva, o que as coloca em um risco maior de danos.

Pessoas que bebem com frequência tendem a não sentir os efeitos do álcool, mesmo depois de algumas doses. No entanto, ainda é preciso ter cuidado. De acordo com estudo liderado pelo Sistema de Saúde para Veteranos do Exército de San Diego, nos Estados Unidos, embora não percebam, essas pessoas também enfrentam problemas cognitivos como redução da velocidade das habilidades motoras, memória de curto prazo e processamento complexo, o que pode ser grave.

Os maiores consumidores de álcool também demonstraram menor auto percepção de danos do que aqueles que costumam beber menos, o que pode resultar em comportamentos ainda mais arriscados quando bêbados. “Em geral, existe uma crença de que quem está acostumado a beber muito pode lidar com o álcool e que muitas tarefas diárias comuns não são afetadas pelo consumo”, disse Ty Brumback, autor do estudo e especialista em tratamento de vício, ao Daily Mail.

Um total de 105 pessoas foram testadas em suas habilidades cognitivas e de coordenação motora duas vezes em um intervalo de cinco anos. Um ‘bebedor experiente‘ foi definido como alguém que bebia em torno de 10 a 40 doses de bebida alcoólica por semana – pelo menos nos últimos dois anos anteriores ao teste. Os ‘bebedores leves’ eram aqueles que consumiam menos de seis doses por semana. Uma dose de álcool corresponde a uma taça de vinho ou uma dose de vodca ou uma lata de cerveja. Os participantes mantiveram esses hábitos ao longo dos cinco anos.

Os participantes tiveram sua cognição analisada em uma sequência de testes que avaliou as diversas habilidades. Antes do experimento, porém, os participantes consumiram uma dose de bebida para chegarem a uma determinada concentração de álcool na respiração.

Um teste chamado Grooved Pegboard, que consiste em inserir pinos em uma placa giratória em movimento, analisou sua destreza motora. Possíveis disfunções cognitivas e o processamento cerebral foram avaliados em um Teste de Substituição de Símbolos e Dígitos (DSST, na sigla em inglês), no qual os pesquisadores mostravam aos participantes símbolos que representavam números. Estes tinham 90 segundos para completar os símbolos nos locais correspondentes.

Embora os “bebedores experientes” tenham apresentado menos erros no teste dos pinos, seu desempenho no Teste de Substituição foi semelhante ao dos que bebem casualmente. Porém, o detalhe mais perigoso é que os experientes apresentaram menores níveis de auto percepção.  Isso significa que eles podem realizar algumas atividades que mostram um nível de embriaguez menor do que o real.

“Quando ele chega ao carro, destranca a porta e coloca o carro em marcha, ele pode não perceber deficiência nessas tarefas simples. No entanto, ao começar a dirigir, as demandas cognitivas e psicomotoras aumentam significativamente [e provavelmente ele não está apto para elas], mas a decisão de dirigir já foi feita com base nas tarefas simples anteriores”, explicou Brumback.

Fonte: http://veja.abril.com.br/saude

quinta-feira, 6 de abril de 2017

Hipócritas Religiosos Inconsequentes!

As denominações religiosas se tornaram um lugar estranho de se viver. Esta afirmação nasce quando analisamos e vivemos o ambiente em muitas igrejas e suas convenções pastorais. Estas instituições tentam, em todo tempo, aprisionar o organismo vivo (Corpo de Cristo) em suas teias e levar cativa a Noiva do Cordeiro. São exímios em embaralhar ações espirituais com ações administrativas, opressoras, dominadoras, espoliadoras, e erguem o queixo como se protetores fossem da Igreja do Senhor Jesus. 

Quantos líderes que, sem conhecimento da mordomia de sua função, tratam os servos de Cristo como se seus servos fossem. Exigem subserviência, sob pena de retaliações das mais variadas, todas produzidas por mentes turbinadas pelo secularismo. Talvez seja por esta razão que cristão-político e político-cristão não faz a menor diferença. Possuem a mesma essência, e na lama da corrupção e imoralidade, estão juntos e misturados, seja atuando ativamente ou como cúmplices dos desvios morais assistidos diuturnamente neste país.

Estas organizações cobram de seus fiéis coisas que, biblicamente, não há como encontrar justificativas. Por exemplo. Onde está escrito que o dízimo deve ser entregue à igreja com registro em carnês? Onde está a justificativa para pastores entregarem seus dízimos em convenção de pastores e requererem posteriormente, com base nestas contribuições, a sua jubilação ou aposentadoria? Como justificar os votos financeiros exigidos dos fiéis ou as campanhas extras realizados para fazer e/ou comprar tudo, desconsiderando que os dízimos e ofertas entregues no ofertório sejam para este fim? Onde está a justificativa para ações judiciais movidas contra outros irmãos ou outras convenções? Nas cartas de Paulo aos Corintos?

Além da falta de amparo bíblico, há a hipocrisia latente. Como justificar uma denominação que exige de seus membros integridade moral e ela mesma está com protestos em cartórios de registros de títulos? Como justificar uma denominação que exige de seus membros que andem na legalidade perante as leis de seu país e ela mesma descumpre preceitos legais relativos ao seu próprio funcionamento? Como justificar a necessidade de funcionários da igreja acionarem a justiça secular para receberam salários que lhe são devidos?

Além da falta de amparo bíblico, da hipocrisia latente, ainda há a perversidade dominante. Como exigir presença sem oferecer apoio? Como oferecer acesso às ovelhas de Cristo para os mercenários tirarem sua lã, seu leite e abandonarem-nas feridas emocionalmente e turbadas espiritualmente? Às vezes parece que, após a conversão de alguém, ficamos testamos para ver até quando ele pode resistir dentro do templo. Muitas vezes parece que torcemos para ele desistir ou cair. Quem já não ouviu: "Quem é salvo?", para logo em seguida, ouvir: "tem certeza?!"

Porque transformamos um ambiente que deveria ser acolhedor e edificante, numa espécie de covas dos leões moderno onde o fiel precisa confiar muito em Deus para sobreviver? Conhecemos o ambiente da vinha e a existência do joio no meio do trigo. Mas, é necessário mesmo matar o trigo para disciplinar o joio? É esse o conselho bíblico?

O maior problema disso tudo é o que fica para as novas gerações. Preocupa-nos perceber uma nova geração de obreiros sendo forjados na mesquinharia, no orgulho das maiores posições, na manutenção da vaidade dos rótulos, na resolução de problemas na força carnal e nos truques de bastidores, numa ignorância bíblica fenomenal e na "força espiritual" de pregações feitas na garganta. A formação de novos obreiros segue um "script" infernal.

Alegro-me pelas exceções. Raras, por isso, exceções.

São muitas perguntas que não encontram respostas sinceras dos líderes destas organizações porque não as têm. O próprio Cristo faz menção a tudo isto quando afirma: "Ai de vocês, mestres da lei e fariseus, hipócritas, porque percorrem terra e mar para fazer um convertido e, quando conseguem, vocês o tornam duas vezes mais filho do inferno do que vocês" (Mt. 23:15).

Todavia, "apesar deles", a vida cristã dentro das igrejas locais deve seguir, discernindo espíritos e determinados a cumprir os propósitos de Deus.

Lutamos contra a nossa própria alma todos os dias, batalhamos contra a natureza humana que, em nós, inclina-nos para o pecado, nos agarramos a graça de Cristo, a dura penas, a fim de manter nossa fidelidade a Deus. Na Bíblia encontramos alimento para nossa fé, porém, quando levantamos a cabeça e olhamos os líderes das organizações religiosas, perdemos confiança, nossa fé se enfraquece e começamos a duvidar de tudo e de todos. Isto reflete em Deus. Eles se dizem seus representantes!

Se você também trava esta batalha todos os dias, o Senhor te abraça. Esperamos que seu Espírito nos faça sentir sua presença e, verdadeiramente, avive a sua obra em nós, principalmente nestes ambientes ruins.

Porém, se você não se dá conta destas iniquidades, pelo contrário, as alimenta e mantêm sua vida sob a tutela desses desejos e sentimentos carnais, você é apenas um hipócrita religioso inconsequente que imagina ser os seus votos religiosos suficientes para te justificar...

É só um HIPÓCRITA RELIGIOSO INCONSEQUENTE, que envergonha Deus, Sua Palavra e Seu Espírito Santo.

quinta-feira, 16 de março de 2017

Cuidado Lula! O Último Que Tentou Se Igualar a Deus, Tropeçou e Caiu Fundo.

Algumas vezes parece que o ex-presidente operário é maluco (vou direto ao ponto).

Pois bem. No depoimento prestado em uma das cinco (5) ações que responde perante o Poder Judiciário, onde é acusado de delinquências, questionado se o amigo José Carlos Bumlai utilizava seu nome para facilitar contratos com a Petrobrás, o cidadão saiu-se com a seguinte resposta: “Doutor, se o senhor soubesse quanta gente usa meu nome em vão… De vez em quando, eu fico pensando que as pessoas tinham de ler mais a Bíblia para não usar tanto meu nome em vão”.

Num esforço para compreender o raciocínio por trás da fala do ex-presidente, imagino que ele entende o texto bíblico como "uma recomendação de não utilizar o nome de "qualquer pessoa" em vão", o que demonstra, por si só, ignorância. Por esta razão, creio que é sua ignorância que lhe impede de utilizar o raciocínio da maneira correta.

Por outro lado, se ele sabe o que estava falando, não é possível que um ser humano seja tão débil que se utilize de comparação tão, tão, tão... Difícil achar uma definição que se enquadre aqui.

Das duas uma: ou ele não consegue discernir as letras sagradas, identificando claramente a quem se refere o texto, ou é "louco varrido". Em ambas, o que ele demonstra ser é um debilóide.

Fica assim. Nos desenhos animados temos o "lula molusco". Agora, no Brasil, temos o "Lula Maluco".

Fala sério!

Tribunal de Estrasburgo dos Direitos Humanos (França): "Não Existe Casamento-gay"



Por unanimidade, o Tribunal de Estrasburgo dos Direitos Humanos (França) [trata-se do mais elevado Tribunal de Direitos Humanos da Europa], estabeleceu literalmente, que “não existe casamento homossexual". Os 47 juízes dos 47 países do Conselho da Europa, que compõem o Tribunal de Estrasburgo (o tribunal mais importante sobre direitos humanos do mundo) emitiram esta declaração de tão grande importância que surpreendeu toda a militância pseudoprogressista de esquerda que tenta impor a todo o mundo o casamento gay como normal. Na verdade, por unanimidade, todos os 47 juízes, passaram o acordão que estabelece que “não existe direito ao casamento gay.”

O Tribunal Europeu de Direitos Humanos não reconheceu o direito de se impor judicialmente o casamento entre pessoas do mesmo sexo. Isto ocorreu em julho deste ano quando o Tribunal disse a um transexual, que passou de homem a mulher, e sua esposa, que a união civil deveria ser o suficientemente boa para eles.

Defensores do casamento entre pessoas do mesmo sexo reconhecem que o resultado era previsível. A sentença foi vista como algo que tem um efeito devastador para os direitos gay na Europa.

(...)

O Tribunal Europeu foi inequívoco. Não só disse que o direito humano europeu não contempla o casamento entre pessoas do mesmo sexo, mas sustentou que as uniões civis são suficientemente boas para os casais homossexuais.

A corte confirmou que a proteção da instituição tradicional do casamento é um interesse de estado válido (com o qual ratificou implicitamente a postura de que as relações entre pessoas do mesmo sexo não são idênticas ao casamento entre um homem e uma mulher, e que podem ser tratadas de maneira diferente no direito).

A sentença sustenta que o direito humano europeu reconhece o direito fundamental de um homem e uma mulher a se casar e fundar uma família e consagra o conceito tradicional de casamento como aquele entre um homem e uma mulher. E explica que não há um consenso europeu quanto à existência do casamento homossexual, já que somente 10 de 47 países obrigados por tratado permitam tais denominações.

A decisão constitui um revés particularmente forte para os direitos gay na Finlândia, onde uma comissão parlamentar rechaçou o casamento homossexual antes que pudesse ser submetido a votação em junho deste ano, pela segunda vez desde 2012. A Finlândia é o único país escandinavo que não permite o casamento entre pessoas do mesmo sexo.

Em todo o mundo, tem sido dito aos ativistas homossexuais que o casamento entre pessoas do mesmo sexo não é um direito humano.

Fonte: www.anajure.org.br