quinta-feira, 27 de abril de 2017

Veja Como Votou o Deputado Erivelton Santana

Sendo um deputado eleito com nosso voto, temos a responsabilidade de acompanhá-lo.

O deputado Erivelton Santana (Assembleia de Deus - Salvador) votou favoravelmente na Reforma Trabalhista aprovada ontem na Câmara Federal.

Veja como o deputado votou a reforma trabalhista


Por 296 votos a favor e 177 contrários o plenário da Câmara dos Deputados aprovou o texto-base da reforma trabalhista proposta pelo governo Michel Temer. A votação foi marcada por protestos de deputados de oposição, que alegam que a reforma retira direitos dos trabalhadores.

ParlamentarUFVoto
Erivelton SantanaBASim

Fonte: http://veja.abril.com.br/

Eis a informação. Cabe agora o julgamento de cada cristão sobre a atitude do deputado que ajudou a eleger.

Como votei no referido irmão, sendo trabalhador assalariado, me sinto prejudicado por uma reforma protagonizada por uma Câmara Federal, sem moral para fazê-la, e que atenta apenas para os interesses das corporações patronais e piora as condições de trabalho para os hipossuficientes nesta relação.

quarta-feira, 19 de abril de 2017

Álcool Compromete o Cérebro Mesmo Sem Causar Embriaguez

Pessoas que bebem com mais frequência têm menor auto percepção de como o álcool afeta sua capacidade cognitiva, o que as coloca em um risco maior de danos.

Pessoas que bebem com frequência tendem a não sentir os efeitos do álcool, mesmo depois de algumas doses. No entanto, ainda é preciso ter cuidado. De acordo com estudo liderado pelo Sistema de Saúde para Veteranos do Exército de San Diego, nos Estados Unidos, embora não percebam, essas pessoas também enfrentam problemas cognitivos como redução da velocidade das habilidades motoras, memória de curto prazo e processamento complexo, o que pode ser grave.

Os maiores consumidores de álcool também demonstraram menor auto percepção de danos do que aqueles que costumam beber menos, o que pode resultar em comportamentos ainda mais arriscados quando bêbados. “Em geral, existe uma crença de que quem está acostumado a beber muito pode lidar com o álcool e que muitas tarefas diárias comuns não são afetadas pelo consumo”, disse Ty Brumback, autor do estudo e especialista em tratamento de vício, ao Daily Mail.

Um total de 105 pessoas foram testadas em suas habilidades cognitivas e de coordenação motora duas vezes em um intervalo de cinco anos. Um ‘bebedor experiente‘ foi definido como alguém que bebia em torno de 10 a 40 doses de bebida alcoólica por semana – pelo menos nos últimos dois anos anteriores ao teste. Os ‘bebedores leves’ eram aqueles que consumiam menos de seis doses por semana. Uma dose de álcool corresponde a uma taça de vinho ou uma dose de vodca ou uma lata de cerveja. Os participantes mantiveram esses hábitos ao longo dos cinco anos.

Os participantes tiveram sua cognição analisada em uma sequência de testes que avaliou as diversas habilidades. Antes do experimento, porém, os participantes consumiram uma dose de bebida para chegarem a uma determinada concentração de álcool na respiração.

Um teste chamado Grooved Pegboard, que consiste em inserir pinos em uma placa giratória em movimento, analisou sua destreza motora. Possíveis disfunções cognitivas e o processamento cerebral foram avaliados em um Teste de Substituição de Símbolos e Dígitos (DSST, na sigla em inglês), no qual os pesquisadores mostravam aos participantes símbolos que representavam números. Estes tinham 90 segundos para completar os símbolos nos locais correspondentes.

Embora os “bebedores experientes” tenham apresentado menos erros no teste dos pinos, seu desempenho no Teste de Substituição foi semelhante ao dos que bebem casualmente. Porém, o detalhe mais perigoso é que os experientes apresentaram menores níveis de auto percepção.  Isso significa que eles podem realizar algumas atividades que mostram um nível de embriaguez menor do que o real.

“Quando ele chega ao carro, destranca a porta e coloca o carro em marcha, ele pode não perceber deficiência nessas tarefas simples. No entanto, ao começar a dirigir, as demandas cognitivas e psicomotoras aumentam significativamente [e provavelmente ele não está apto para elas], mas a decisão de dirigir já foi feita com base nas tarefas simples anteriores”, explicou Brumback.

Fonte: http://veja.abril.com.br/saude

quinta-feira, 6 de abril de 2017

Hipócritas Religiosos Inconsequentes!

As denominações religiosas se tornaram um lugar estranho de se viver. Esta afirmação nasce quando analisamos e vivemos o ambiente em muitas igrejas e suas convenções pastorais. Estas instituições tentam, em todo tempo, aprisionar o organismo vivo (Corpo de Cristo) em suas teias e levar cativa a Noiva do Cordeiro. São exímios em embaralhar ações espirituais com ações administrativas, opressoras, dominadoras, espoliadoras, e erguem o queixo como se protetores fossem da Igreja do Senhor Jesus. 

Quantos líderes que, sem conhecimento da mordomia de sua função, tratam os servos de Cristo como se seus servos fossem. Exigem subserviência, sob pena de retaliações das mais variadas, todas produzidas por mentes turbinadas pelo secularismo. Talvez seja por esta razão que cristão-político e político-cristão não faz a menor diferença. Possuem a mesma essência, e na lama da corrupção e imoralidade, estão juntos e misturados, seja atuando ativamente ou como cúmplices dos desvios morais assistidos diuturnamente neste país.

Estas organizações cobram de seus fiéis coisas que, biblicamente, não há como encontrar justificativas. Por exemplo. Onde está escrito que o dízimo deve ser entregue à igreja com registro em carnês? Onde está a justificativa para pastores entregarem seus dízimos em convenção de pastores e requererem posteriormente, com base nestas contribuições, a sua jubilação ou aposentadoria? Como justificar os votos financeiros exigidos dos fiéis ou as campanhas extras realizados para fazer e/ou comprar tudo, desconsiderando que os dízimos e ofertas entregues no ofertório sejam para este fim? Onde está a justificativa para ações judiciais movidas contra outros irmãos ou outras convenções? Nas cartas de Paulo aos Corintos?

Além da falta de amparo bíblico, há a hipocrisia latente. Como justificar uma denominação que exige de seus membros integridade moral e ela mesma está com protestos em cartórios de registros de títulos? Como justificar uma denominação que exige de seus membros que andem na legalidade perante as leis de seu país e ela mesma descumpre preceitos legais relativos ao seu próprio funcionamento? Como justificar a necessidade de funcionários da igreja acionarem a justiça secular para receberam salários que lhe são devidos?

Além da falta de amparo bíblico, da hipocrisia latente, ainda há a perversidade dominante. Como exigir presença sem oferecer apoio? Como oferecer acesso às ovelhas de Cristo para os mercenários tirarem sua lã, seu leite e abandonarem-nas feridas emocionalmente e turbadas espiritualmente? Às vezes parece que, após a conversão de alguém, ficamos testamos para ver até quando ele pode resistir dentro do templo. Muitas vezes parece que torcemos para ele desistir ou cair. Quem já não ouviu: "Quem é salvo?", para logo em seguida, ouvir: "tem certeza?!"

Porque transformamos um ambiente que deveria ser acolhedor e edificante, numa espécie de covas dos leões moderno onde o fiel precisa confiar muito em Deus para sobreviver? Conhecemos o ambiente da vinha e a existência do joio no meio do trigo. Mas, é necessário mesmo matar o trigo para disciplinar o joio? É esse o conselho bíblico?

O maior problema disso tudo é o que fica para as novas gerações. Preocupa-nos perceber uma nova geração de obreiros sendo forjados na mesquinharia, no orgulho das maiores posições, na manutenção da vaidade dos rótulos, na resolução de problemas na força carnal e nos truques de bastidores, numa ignorância bíblica fenomenal e na "força espiritual" de pregações feitas na garganta. A formação de novos obreiros segue um "script" infernal.

Alegro-me pelas exceções. Raras, por isso, exceções.

São muitas perguntas que não encontram respostas sinceras dos líderes destas organizações porque não as têm. O próprio Cristo faz menção a tudo isto quando afirma: "Ai de vocês, mestres da lei e fariseus, hipócritas, porque percorrem terra e mar para fazer um convertido e, quando conseguem, vocês o tornam duas vezes mais filho do inferno do que vocês" (Mt. 23:15).

Todavia, "apesar deles", a vida cristã dentro das igrejas locais deve seguir, discernindo espíritos e determinados a cumprir os propósitos de Deus.

Lutamos contra a nossa própria alma todos os dias, batalhamos contra a natureza humana que, em nós, inclina-nos para o pecado, nos agarramos a graça de Cristo, a dura penas, a fim de manter nossa fidelidade a Deus. Na Bíblia encontramos alimento para nossa fé, porém, quando levantamos a cabeça e olhamos os líderes das organizações religiosas, perdemos confiança, nossa fé se enfraquece e começamos a duvidar de tudo e de todos. Isto reflete em Deus. Eles se dizem seus representantes!

Se você também trava esta batalha todos os dias, o Senhor te abraça. Esperamos que seu Espírito nos faça sentir sua presença e, verdadeiramente, avive a sua obra em nós, principalmente nestes ambientes ruins.

Porém, se você não se dá conta destas iniquidades, pelo contrário, as alimenta e mantêm sua vida sob a tutela desses desejos e sentimentos carnais, você é apenas um hipócrita religioso inconsequente que imagina ser os seus votos religiosos suficientes para te justificar...

É só um HIPÓCRITA RELIGIOSO INCONSEQUENTE, que envergonha Deus, Sua Palavra e Seu Espírito Santo.

quinta-feira, 16 de março de 2017

Cuidado Lula! O Último Que Tentou Se Igualar a Deus, Tropeçou e Caiu Fundo.

Algumas vezes parece que o ex-presidente operário é maluco (vou direto ao ponto).

Pois bem. No depoimento prestado em uma das cinco (5) ações que responde perante o Poder Judiciário, onde é acusado de delinquências, questionado se o amigo José Carlos Bumlai utilizava seu nome para facilitar contratos com a Petrobrás, o cidadão saiu-se com a seguinte resposta: “Doutor, se o senhor soubesse quanta gente usa meu nome em vão… De vez em quando, eu fico pensando que as pessoas tinham de ler mais a Bíblia para não usar tanto meu nome em vão”.

Num esforço para compreender o raciocínio por trás da fala do ex-presidente, imagino que ele entende o texto bíblico como "uma recomendação de não utilizar o nome de "qualquer pessoa" em vão", o que demonstra, por si só, ignorância. Por esta razão, creio que é sua ignorância que lhe impede de utilizar o raciocínio da maneira correta.

Por outro lado, se ele sabe o que estava falando, não é possível que um ser humano seja tão débil que se utilize de comparação tão, tão, tão... Difícil achar uma definição que se enquadre aqui.

Das duas uma: ou ele não consegue discernir as letras sagradas, identificando claramente a quem se refere o texto, ou é "louco varrido". Em ambas, o que ele demonstra ser é um debilóide.

Fica assim. Nos desenhos animados temos o "lula molusco". Agora, no Brasil, temos o "Lula Maluco".

Fala sério!

Tribunal de Estrasburgo dos Direitos Humanos (França): "Não Existe Casamento-gay"



Por unanimidade, o Tribunal de Estrasburgo dos Direitos Humanos (França) [trata-se do mais elevado Tribunal de Direitos Humanos da Europa], estabeleceu literalmente, que “não existe casamento homossexual". Os 47 juízes dos 47 países do Conselho da Europa, que compõem o Tribunal de Estrasburgo (o tribunal mais importante sobre direitos humanos do mundo) emitiram esta declaração de tão grande importância que surpreendeu toda a militância pseudoprogressista de esquerda que tenta impor a todo o mundo o casamento gay como normal. Na verdade, por unanimidade, todos os 47 juízes, passaram o acordão que estabelece que “não existe direito ao casamento gay.”

O Tribunal Europeu de Direitos Humanos não reconheceu o direito de se impor judicialmente o casamento entre pessoas do mesmo sexo. Isto ocorreu em julho deste ano quando o Tribunal disse a um transexual, que passou de homem a mulher, e sua esposa, que a união civil deveria ser o suficientemente boa para eles.

Defensores do casamento entre pessoas do mesmo sexo reconhecem que o resultado era previsível. A sentença foi vista como algo que tem um efeito devastador para os direitos gay na Europa.

(...)

O Tribunal Europeu foi inequívoco. Não só disse que o direito humano europeu não contempla o casamento entre pessoas do mesmo sexo, mas sustentou que as uniões civis são suficientemente boas para os casais homossexuais.

A corte confirmou que a proteção da instituição tradicional do casamento é um interesse de estado válido (com o qual ratificou implicitamente a postura de que as relações entre pessoas do mesmo sexo não são idênticas ao casamento entre um homem e uma mulher, e que podem ser tratadas de maneira diferente no direito).

A sentença sustenta que o direito humano europeu reconhece o direito fundamental de um homem e uma mulher a se casar e fundar uma família e consagra o conceito tradicional de casamento como aquele entre um homem e uma mulher. E explica que não há um consenso europeu quanto à existência do casamento homossexual, já que somente 10 de 47 países obrigados por tratado permitam tais denominações.

A decisão constitui um revés particularmente forte para os direitos gay na Finlândia, onde uma comissão parlamentar rechaçou o casamento homossexual antes que pudesse ser submetido a votação em junho deste ano, pela segunda vez desde 2012. A Finlândia é o único país escandinavo que não permite o casamento entre pessoas do mesmo sexo.

Em todo o mundo, tem sido dito aos ativistas homossexuais que o casamento entre pessoas do mesmo sexo não é um direito humano.

Fonte: www.anajure.org.br

sábado, 11 de março de 2017

Por Quem Lutamos?

Na harpa cristã há uma música (nº 212) que trata de batalha (Que fique claro se tratar de batalhas espirituais, e não, físicas ou contra pessoas). Crescemos ouvindo e cantando essa canção que motivou-nos a enfrentar as dificuldades, sejam elas espirituais ou materiais, com determinação tal que o único resultado a ser aceito não podia ser outro que não a vitória.

Este espírito que envolve a fé cristã faz suscitar batalhadores incansáveis, gente dedicada a lutar pelo bem de si mesmo e de outros. Aliás, o estímulo maior que recebemos é lutarmos pelo irmão, pelo outro, pelo mais necessitado. Esta é a luta dos santos.

Sobre as pelejas em si, percebemos níveis diferentes de dificuldades em cada batalha. A história bíblica envolvendo Davi e Bateseba (2 Sm) revela esta realidade. Davi querendo se livrar de Urias (esposo de Bateseba), ordena ao seu general que o coloque na parte da peleja mais intensa e de maior risco. Esta realidade, dos níveis diferentes de dificuldade e intensidade, se repete em nossas batalhas espirituais.

Lembremos da igreja em Corinto. A única que a Bíblia informa possuir em seus termos todos os dons (1 Co. 1:7; 12:8-10), mas, também informa ter sido uma igreja inundada com problemas de todo tipo. Esta verdade guarda a coerência da utilização dos dons como instrumentos divinos para combate de problemas e edificação do corpo de Cristo.

Voltemos a composição da canção mencionada (HC 212) e notemos um de seus trechos: "Eu quero estar com Cristo, onde a luta se travar, no lance imprevisto na frente m'encontrar..." (coro), e ainda, "Dá-te pressa, não vaciles, hoje Deus te chama para vires pelejar ao lado do Senhor; entra na batalha onde mais o fogo inflama, e peleja contra o vil tentador!" (estrofe).

Nosso desejo neste artigo é lembrar da coerência que deve existir entre o que lemos na Bíblia, o que testemunhamos e o que fazemos diante das lutas que são travadas envolvendo o Reino de Deus. É lembrarmos de nossa utilidade nas mãos de Deus, despertando-nos para o fato de que nossa utilidade tem a ver com nossa disposição de lutar onde a necessidade é mais premente.

Lembremos de Neemias no palácio de Artaxerxes. Apesar de empregado, comida boa, protegido da chuva, do vento, do frio e do calor, cama boa para repousar, protegido de agressões gratuitas e de outras adversidades tão comuns e cruéis para os remanescentes em Jerusalém. "Como estás Neemias?"- Como poderia estar bem com o "meu povo sofrendo em minha pátria?"

Sim, bom seria deitar numa rede e lutar as guerras com controle remoto nas mãos, bom seria assistir do monte a luta travada no vale e declarar "a vitória é nossa pelo sangue de Jesus!" É muito bom estar numa igreja estabilizada, pequenos problemas, rápida solução, dinheiro farto, mantimentos sobrando, tudo do bom e do melhor.

Mas, e o meu povo? Aqueles que de boa-fé se achegaram à Cristo e se juntaram a nós esperando companhia, apoio, ajuda e um pouco de piedade, mas estão sofrendo nas mãos de homens gananciosos, arrogantes, prepotentes, orgulhosos, que amam mais os deleites do que a Deus? Quem lutará por e com aqueles neófitos que são presas fáceis de pregadores que anunciam a generosidade como cúmplice de seu projeto pessoal de ganhar dinheiro?

A lei da menor resistência, do menor esforço, atende aos anseios da nossa preguiça, acomodação e letargia, mas, não nos enche a alma daquela sensação boa de estar "realmente" sendo útil "ao Reino de Deus".

Sim, meus caros irmãos, talvez, pra nós, seria muito melhor pertencer a casta alta, ocupando-nos em cuidar de pessoas uma vez por semana no gabinete pastoral, evangelizando de púlpito ou através do grupo de evangelismo que segue seu próprio plano e suporta seu próprio custo, dando tempo integral e prioritário as intermináveis reuniões administrativas que muito pouco acrescenta a organização (ao contrário).

Mas, a Palavra clama que o exemplo a ser seguido é o de Cristo.

Sair dos palácios e "descer" para se tornar um igual, sentindo as mesmas dores, clamando desesperadamente por salvação e tentando sair do sufoco na terra arrasada. É entender que "ninguém nos salvará" se nós mesmos não nos dispusermos a pegar as armas espirituais e batalhar pela fé que uma vez "nos foi dada" (à nós. Eu e meus irmãos).

Que os dissimulados continuem no monte, assistindo a luta; Que os insensíveis se escondam nos palácios de olhos fechados para a penúria dos da sua família; Que os espertos estejam se esbaldando nos recursos abundantes alheios a dor da falta de mantimento dos remanescentes. Deus cuidará deles, mesmo que, na prática, eles não acreditem nem temam a Deus.

O cristão autêntico é aquele que observa o vale, e onde a batalha estiver mais difícil, ele se alia aos combatentes de Deus que teimam em lutar até que o mal seja plenamente derrotado pelo bem, onde mesmo sangrando, eles insistem em fazer brilhar a luz de Cristo e dissipar as trevas. É uma guerra louca, insana... Mas, vale a pena lutar.

Que nossa presença seja onde, realmente, podemos fazer a diferença em favor do Reino de Deus.

quarta-feira, 8 de março de 2017

O Profeta e a Profecia. "Você Sabe Com Quem Está Falando?"

O cidadão está com o documento do veículo vencido e é parado numa blitz. O policial se aproxima e solicita os documentos de habilitação e do veículo. O cidadão entrega os documentos e aguarda. O policial examina e percebe que o documento está vencido. Como determina a lei, o policial lhe informa que o veículo será retido até que sua documentação seja regularizada. O cidadão, no alto de sua empáfia, saca "o que tem de melhor": "Você sabe com quem está falando?"

Esta história persiste como mancha numa sociedade que deseja se ver constituída de cidadãos iguais. Iguais em direitos e, principalmente, deveres.

Apesar da aparência inicial do texto, não desejo ponderar sobre atitudes de pessoas, em nossa sociedade secular, que por força de um cargo ou título, resolve que é mais "igual" do que os outros, exigindo privilégios que a legislação nacional não lhes concede. Como no exemplo exposto acima, viver na ilegalidade como se legal fosse.

A partir desse exemplo do cotidiano, lanço luz sobre nossos profetas modernos e suas profecias. Quanta exposição veemente, quantas "verdades" ditas "olho-no-olho", quantos constrangimentos, quantas horas de pressão e cobranças espirituais, enfim, quanta paulada nos conceitos, equívocos e pecados alheios.

Mas, à quem se dirigem os tais profetas quando se dizem influenciados por Deus? À todos ou a alguns?

Isto nos remete a questões expostas pela "luz": "Deus tem pecadores de estimação? Existem, no reino de Deus, graduados espirituais com "privilégios" diante do Altíssimo que lhes abonam os pecados sem o necessário arrependimento? A ganância, arrogância, soberba, orgulho e amor ao dinheiro é pecado? Deus faz vistas grossas para alguns?"

Cristo deixou claro as características de gente que, aparentemente, são defensores do evangelho, mas, na verdade, na verdade, são falsos (Mt. 7:16-23). O texto é amplo em sua aplicação e deve atingir a todos, indistintamente. Os frutos mencionados por Cristo é a face "visível" de um caráter. Dos capítulos 5 ao 7 do evangelho de Mateus, Ele seleciona uma série de atitudes que devem ser observados pelos seus seguidores, dando a entender que o inverso é a prática dos que não lhe seguem.

Pois, bem. Qual nosso problema? Generalizamos o pecado e somos específicos com o protesto. Aos símplices, os profetas modernos trombeteiam e ameaçam em nome de Deus, mas, e aos graduados, porquê os "profetas modernos" não "gritam", esbravejam e ameaçam "pelo Senhor dos Exércitos?" É a máxima da historinha contada acima: "Você sabe com quem está falando?" Quando pensam nos seus próprios privilégios financeiros, na ascensão ministerial e no acesso a púlpitos, "eles sabem com quem estão falando".

Mas, no reino de Deus o que vale não é "com quem você está falando", é sim, "em nome de quem você está falando". Como João Batista, o verdadeiro profeta prega contra os pecados do homem comum e dos governantes no palácio. Mesmo que lhe custe a cabeça, ele diz à todos: "Arrependei-vos e creiam no evangelho".

Se os profetas modernos falam e protestam em nome de Deus, não podem ter protegidos ou privilegiados. Ou expõem a verdade de maneira ampla, geral e irrestrita, ou devem se calar. Se insistirem, como tem sido habitual nos dias atuais, não devemos lhes dar ouvidos. Deixe-os gritarem até que suas vozes desapareçam, nem que seja pela rouquidão.