Pular para o conteúdo principal

A Vida do Novo Convertido


Lição 3 - Jovens e Adultos - CPAD - 3º Tri 2011
Texto Áureo: 2 Co. 5:17
Leitura Bíblica em Classe: 2 Co. 5:17; Tt. 2:11-13; 3:3-8.

I. Pela fé em Cristo nos tornamos novas criaturas.


Fé é a confiança que se tem em alguém; a certeza de que se pode confiar nas orientações e promessas feitas por esse alguém. É através de uma confiança inabalável em Cristo que se processa o milagre do novo nascimento, e é este novo nascimento que tornam as pessoas aptas a pertencerem ao Reino de Deus. O que representa esta afirmativa?

Aceitamos o fato de Cristo ser aquilo que Ele diz que é,

a) Eu sou o que domina a natureza (Mt. 14:27) – O fato de acreditarmos no domínio dos eventos naturais por parte de Cristo, testemunha mudança de pensamento em relação a natureza.

b) Eu sou o Filho de Deus (Mt. 27:43) – O fato de acreditarmos que Cristo é o Filho de Deus, modifica nossa visão sobre as Sagradas Escrituras.

c) Eu sou um professor manso e humilde de coração (Mt. 11:29) – O fato de acreditarmos na mansidão e humildade de Cristo, faz-nos aceitar seus ensinamentos e descansar nossa alma, fato impossível na velha criatura.

d) Eu posso curar pessoas (Mt. 9:28; 13:15) – O fato de acreditarmos que Jesus pode curar as pessoas, enche-nos de conforto e esperança.

e) Eu posso morrer e ressuscitar em três dias (Mt. 26:61) – O fato de acreditarmos que Cristo tem o poder de morrer e ressuscitar, interrompe a maldição eterna sobre nós.

f) Eu sou o que salvo (Jo. 10:9) – O fato de acreditarmos que Cristo pode nos salvar, tira de sobre nós o fardo do pecado e nos enche de alegre expectativa sobre o futuro eterno.

A nova criatura nasce na mudança de paradigma. Antes não havia ninguém que pudesse alterar o curso da história humana. Agora, surge uma nova perspectiva a partir da confiança em Cristo. Não tem como não mudar. Novas criaturas são, todos aqueles que põem em Jesus sua confiança.

II. Em Jesus tudo se faz novo, o passado fica para trás.


A mudança de vida encontra uma evidência maior quando protagonizamos o abandono das mazelas passadas. A antiga vida está exposta em comportamentos considerados normais por aqueles que ainda não nasceram de novo. É este o passado que fica para trás:

1. Prática do pecado  O novo convertido deixa de viver no estado pecaminoso, ou seja, na prática deliberada e contumaz do pecado, numa flagrante rebelião contra Deus.

2. A vida sob maldição  Como conseqüência do pecado, o que se vive é reflexo da maldição do pecado sobre as pessoas. Logo, o medo, a falta de uma perspectiva de melhoria de vida, o pessimismo, a fuga, o pavor da morte, enfim, um ambiente atormentador como fruto da ação do inimigo do Reino de Deus que veio matar, roubar e destruir.

3. Humanismo e relativismo  A crença fundamentada em tradições inúteis que os afastam de Deus e entorpecem a consciência, gerando vidas vazias e soberbas. É a construção da vida com base em conceitos meramente humanos, hedonistas e seculares.

III. Em Cristo temos um novo olhar, uma nova atitude e uma vida abençoada.


Paulo recomenda: “Irmãos, quanto a mim, não julgo que o haja alcançado; mas uma coisa faço, e é que, esquecendo-me das coisas que atrás ficam, e avançando para as que estão diante de mim, prossigo para o alvo, pelo prêmio da soberana vocação de Deus em Cristo Jesus” (Fl. 3:13,14). Diante disto, a mudança de vida se processa em relação a:

1. Como olhamos o mundo, Deus e o futuro.

a. O mundo é nosso campo de atuação espiritual

    Antes da nova vida, o mundo é apenas a habitação que encerra nossa existência, ou seja, vivemos o aqui e agora sem nenhuma responsabilidade espiritual para com ele. apenas existimos nele, ainda que, quanto mais nos aproximamos da morte, fim dessa existência, sentimos a insegurança quanto ao futuro além túmulo. Na nova vida ainda devemos olhar o mundo como nossa morada existencial terrena, porém, com a consciência da nossa responsabilidade em sua manutenção e transformação espiritual de todas as criaturas de Deus, conduzindo-a ao restabelecimento da comunhão com o Pai, através do seu Filho, Jesus Cristo.

b. Deus é o garantidor de nossa vida

   Na velha vida, Deus é um Ser distante que não interfere em nossa existência, muito menos se importa com suas criaturas. Isto quando se acredita n'Ele. Como novos convertidos, compreendemos o Pai amoroso e extremamente interessado em nossa felicidade, que se importa conosco a ponto de conduzir seu próprio Filho à cruz, morrendo em nosso lugar. A partir desta constatação, Deus deixa de ser mero coadjuvante de nossa existência para se tornar elemento fundamental do equilíbrio e desenvolvimento de nossa vida.

c. O futuro é de vida eterna

   A eternidade não é uma incerteza, uma dúvida, um ponto obscuro no final de nossa realidade. A vida eterna nos é garantida pela fé em Cristo, e dessa forma, o medo, o pavor, o receio é substituído pela expectativa do reencontro com o Pai nas moradas celestiais.

2. Como agimos na família, na sociedade e na igreja.

a. Sendo sacerdote, sacrifício e exemplo para esposa (o), filhos e parentes;      
b. Sendo atalaias e fiéis representantes de Deus para as pessoas;
c. Sendo servo atuante, humilde e zeloso para com a obra de Deus.

3. E como reagimos às circunstâncias da vida, sejam elas felizes ou infelizes, a partir da confiança de que “tudo concorre para o bem daqueles que amam a Deus” (Rm. 8:28).

a. A bênção de Deus não acrescenta dores (Pv. 10:22);
b. Uma vida abençoada é aquela que sabe, em todas as circunstâncias, reconhecer a soberania e o favor de Deus (Fl. 4:13);
c. A bênção de Deus não está expressa em benesses materiais (Rm. 14:17; Mt. 6:19-21).

A nova vida conquistada a partir do nascimento em Cristo, remete o novo convertido ao despertar de uma nova aurora, com novas perspectivas e renovada esperança. Ele vai continuar enfrentando lutas, talvez até, lutas maiores, haja vista ter incorporado a sua existência a guerra espiritual, evidenciada nas batalhas entre o bem e o mal, entre a carne e o espírito, e entre o mundo e o céu.

Todavia, seu coração e seu espírito estarão num patamar acima da crueldade que é enfrentar a vida sem a ajuda de Deus, através do Seu Santo Espírito. Desfrutará, ao longo da jornada que se inicia, da alegria, da paz e do prazer que a companhia do Senhor Jesus Cristo nos traz. Além disto, a esperança de um futuro melhor e de uma eternidade feliz não é mais ficção, agora é fato profetizado por Cristo e crido por nós.

Fiquem bem...
Fiquem com Deus.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Porteiro, Auxiliar, Diácono, Presbítero, Evangelista, Pastor. E Mais. Missionária, Bispo, Apóstolo. O Que é Tudo Isso?

De repente, somos sobressaltados com a notícia: "Mais algumas dezenas, e até centenas, de novos obreiros para servir no Reino de Deus". A notícia seria boa, se guardasse a essência dos requisitos bíblicos exigidos para novos obreiros e preservassem o propósito divino na separação de novos chamados.
Para que precisamos de porteiros? Óbvio. Para guardar as portas. Porteiro era considerado Levita, desenvolvia, também, a tarefa de arrecadador de ofertas (2 Cr. 31:14) e vigia (Mc. 13:34); Jesus menciona o porteiro como responsável pela guarda da porta do aprisco das ovelhas (Jo. 10:3; ver também Ed. 7:24). É improdutivo, uma igreja de porta única, com uma quantidade exagerada de porteiros para servir.
Para que precisamos de auxiliares? Há pessoas mencionadas na Bíblia como "cooperadores", no entanto, sem evidência de se referir a um cargo. Eram pessoas que haviam prestado algum tipo de auxílio à alguém, em algum momento específico (Fp. 2:25; At. 20:35). Pode ser até o mes…

CEADEB x ADESAL - É feio, muito feio!

Os desdobramentos do litígio entre o presidente da CEADEB e o presidente da ADESAL prossegue revitalizando as feridas causadas pelo rompimento do vínculo de alguns pastores de sua convenção (CEADEB).
No mais recente episódio, uma decisão judicial interlocutória - sem definição de mérito - tomada na ação que a CEADEB move contra a ADESAL, foi entendida como um ato de destituição do pastor Israel Ferreira do comando da Assembleia de Deus em Salvador. Sem querer entrar nas questões técnicas da decisão (deixo isto para os advogados e rábulas), a decisão não dá nada a ninguém, haja vista uma série de “condicionantes” expressos no comando judicial. Na verdade, a decisão da desembargadora é uma espécie de carta do apóstolo Paulo aos Coríntios na versão para os assembleanos baianos: “se entendam!”
Ato seguinte a decisão mencionada, o pastor Valdomiro Pereira distribui um vídeo para os obreiros assembleanos. Nele, informa (ou desinforma) a plateia que o pastor Israel Ferreira foi destituído do…

QUANDO É HORA DE MUDAR DE IGREJA

Igreja, genuinamente falando, é aquele lugar onde se reúne um grupo de seguidores de Cristo com objetivo de adorar a Deus, receber ensinamentos, evangelizar e ajudar uns aos outros (At. 2:40-47). Foi com esta clara missão em mente que o apóstolo Paulo informa-nos que Deus colocou à nossa disposição os dons espirituais, a fim de edificarmos uns aos outros e estarmos aparelhados para proclamação do evangelho. Tiago esclarece outro ponto principal da igreja, dizendo que a verdadeira religião é cuidar das viúvas e dos órfãos nas suas necessidades. Por fim, as características da igreja primitiva que a tornou marcante, referência de igreja bíblica, foi que eles tinham tudo em comum e ninguém sentia falta de nada, eram solidários no partir do pão, desfrutavam da comunhão e comungavam da doutrina dos apóstolos, esta, por sua vez, Cristocêntrica.

No domingo passado fui à igreja com minha família e contei. Numa rua com, aproximadamente, quinhentos (500) metros de comprimento, cerca de treze (13…