terça-feira, 12 de julho de 2011

A Vida do Novo Convertido


Lição 3 - Jovens e Adultos - CPAD - 3º Tri 2011
Texto Áureo: 2 Co. 5:17
Leitura Bíblica em Classe: 2 Co. 5:17; Tt. 2:11-13; 3:3-8.

I. Pela fé em Cristo nos tornamos novas criaturas.


Fé é a confiança que se tem em alguém; a certeza de que se pode confiar nas orientações e promessas feitas por esse alguém. É através de uma confiança inabalável em Cristo que se processa o milagre do novo nascimento, e é este novo nascimento que tornam as pessoas aptas a pertencerem ao Reino de Deus. O que representa esta afirmativa?

Aceitamos o fato de Cristo ser aquilo que Ele diz que é,

a) Eu sou o que domina a natureza (Mt. 14:27) – O fato de acreditarmos no domínio dos eventos naturais por parte de Cristo, testemunha mudança de pensamento em relação a natureza.

b) Eu sou o Filho de Deus (Mt. 27:43) – O fato de acreditarmos que Cristo é o Filho de Deus, modifica nossa visão sobre as Sagradas Escrituras.

c) Eu sou um professor manso e humilde de coração (Mt. 11:29) – O fato de acreditarmos na mansidão e humildade de Cristo, faz-nos aceitar seus ensinamentos e descansar nossa alma, fato impossível na velha criatura.

d) Eu posso curar pessoas (Mt. 9:28; 13:15) – O fato de acreditarmos que Jesus pode curar as pessoas, enche-nos de conforto e esperança.

e) Eu posso morrer e ressuscitar em três dias (Mt. 26:61) – O fato de acreditarmos que Cristo tem o poder de morrer e ressuscitar, interrompe a maldição eterna sobre nós.

f) Eu sou o que salvo (Jo. 10:9) – O fato de acreditarmos que Cristo pode nos salvar, tira de sobre nós o fardo do pecado e nos enche de alegre expectativa sobre o futuro eterno.

A nova criatura nasce na mudança de paradigma. Antes não havia ninguém que pudesse alterar o curso da história humana. Agora, surge uma nova perspectiva a partir da confiança em Cristo. Não tem como não mudar. Novas criaturas são, todos aqueles que põem em Jesus sua confiança.

II. Em Jesus tudo se faz novo, o passado fica para trás.


A mudança de vida encontra uma evidência maior quando protagonizamos o abandono das mazelas passadas. A antiga vida está exposta em comportamentos considerados normais por aqueles que ainda não nasceram de novo. É este o passado que fica para trás:

1. Prática do pecado  O novo convertido deixa de viver no estado pecaminoso, ou seja, na prática deliberada e contumaz do pecado, numa flagrante rebelião contra Deus.

2. A vida sob maldição  Como conseqüência do pecado, o que se vive é reflexo da maldição do pecado sobre as pessoas. Logo, o medo, a falta de uma perspectiva de melhoria de vida, o pessimismo, a fuga, o pavor da morte, enfim, um ambiente atormentador como fruto da ação do inimigo do Reino de Deus que veio matar, roubar e destruir.

3. Humanismo e relativismo  A crença fundamentada em tradições inúteis que os afastam de Deus e entorpecem a consciência, gerando vidas vazias e soberbas. É a construção da vida com base em conceitos meramente humanos, hedonistas e seculares.

III. Em Cristo temos um novo olhar, uma nova atitude e uma vida abençoada.


Paulo recomenda: “Irmãos, quanto a mim, não julgo que o haja alcançado; mas uma coisa faço, e é que, esquecendo-me das coisas que atrás ficam, e avançando para as que estão diante de mim, prossigo para o alvo, pelo prêmio da soberana vocação de Deus em Cristo Jesus” (Fl. 3:13,14). Diante disto, a mudança de vida se processa em relação a:

1. Como olhamos o mundo, Deus e o futuro.

a. O mundo é nosso campo de atuação espiritual

    Antes da nova vida, o mundo é apenas a habitação que encerra nossa existência, ou seja, vivemos o aqui e agora sem nenhuma responsabilidade espiritual para com ele. apenas existimos nele, ainda que, quanto mais nos aproximamos da morte, fim dessa existência, sentimos a insegurança quanto ao futuro além túmulo. Na nova vida ainda devemos olhar o mundo como nossa morada existencial terrena, porém, com a consciência da nossa responsabilidade em sua manutenção e transformação espiritual de todas as criaturas de Deus, conduzindo-a ao restabelecimento da comunhão com o Pai, através do seu Filho, Jesus Cristo.

b. Deus é o garantidor de nossa vida

   Na velha vida, Deus é um Ser distante que não interfere em nossa existência, muito menos se importa com suas criaturas. Isto quando se acredita n'Ele. Como novos convertidos, compreendemos o Pai amoroso e extremamente interessado em nossa felicidade, que se importa conosco a ponto de conduzir seu próprio Filho à cruz, morrendo em nosso lugar. A partir desta constatação, Deus deixa de ser mero coadjuvante de nossa existência para se tornar elemento fundamental do equilíbrio e desenvolvimento de nossa vida.

c. O futuro é de vida eterna

   A eternidade não é uma incerteza, uma dúvida, um ponto obscuro no final de nossa realidade. A vida eterna nos é garantida pela fé em Cristo, e dessa forma, o medo, o pavor, o receio é substituído pela expectativa do reencontro com o Pai nas moradas celestiais.

2. Como agimos na família, na sociedade e na igreja.

a. Sendo sacerdote, sacrifício e exemplo para esposa (o), filhos e parentes;      
b. Sendo atalaias e fiéis representantes de Deus para as pessoas;
c. Sendo servo atuante, humilde e zeloso para com a obra de Deus.

3. E como reagimos às circunstâncias da vida, sejam elas felizes ou infelizes, a partir da confiança de que “tudo concorre para o bem daqueles que amam a Deus” (Rm. 8:28).

a. A bênção de Deus não acrescenta dores (Pv. 10:22);
b. Uma vida abençoada é aquela que sabe, em todas as circunstâncias, reconhecer a soberania e o favor de Deus (Fl. 4:13);
c. A bênção de Deus não está expressa em benesses materiais (Rm. 14:17; Mt. 6:19-21).

A nova vida conquistada a partir do nascimento em Cristo, remete o novo convertido ao despertar de uma nova aurora, com novas perspectivas e renovada esperança. Ele vai continuar enfrentando lutas, talvez até, lutas maiores, haja vista ter incorporado a sua existência a guerra espiritual, evidenciada nas batalhas entre o bem e o mal, entre a carne e o espírito, e entre o mundo e o céu.

Todavia, seu coração e seu espírito estarão num patamar acima da crueldade que é enfrentar a vida sem a ajuda de Deus, através do Seu Santo Espírito. Desfrutará, ao longo da jornada que se inicia, da alegria, da paz e do prazer que a companhia do Senhor Jesus Cristo nos traz. Além disto, a esperança de um futuro melhor e de uma eternidade feliz não é mais ficção, agora é fato profetizado por Cristo e crido por nós.

Fiquem bem...
Fiquem com Deus.

Nenhum comentário: