segunda-feira, 11 de julho de 2011

CEADEB / CONFRAMADEB – Nossas Opções

 

Considerando o quadro que se instalou nas Assembléias de Deus na Bahia, cumpre-nos destacar o ambiente em que estamos inseridos. De um lado, a CEADEB, dizendo-se detentora do direito de colocar ou retirar qualquer Pastor de qualquer das Assembléias de Deus no Estado da Bahia, e de ter sido vítima de uma rebelião protagonizada pelo Pr. Presidente da ADESAL – Assembléia de Deus em Salvador. Do outro, a CONFRAMADEB, recém-chegada Convenção baiana, reconhecida recentemente pela CGADB, que abarca os ministros evangélicos da ADESAL, cujo presidente é o mesmo da referida igreja em Salvador, alegando que voluntariamente os ministros ligados a ela, resolveram se desligar da CEADEB, tendo sofrido como represália, a tomada, à força, de vários templos e móveis estabelecidos em Salvador.

De um lado a CEADEB se defende e acusa, do outro lado a CONFRAMADEB se defende e acusa. De um lado, o Pr. Valdomiro, se diz vítima e ter agido corretamente, de outro lado, o Pr. Israel, se diz vítima e ter agido corretamente; e nesse vai-e-vem, nós, os membros e congregados das Assembléias de Deus na Capital do Estado da Bahia ficamos a ver navios. Nesta situação, “morreu de morte morrida” o perdão, a humildade, a sensatez, a sensibilidade à voz do Espírito Santo, enfim, todos os mandamentos de Deus, sendo o principal, o amor que devemos uns aos outros. O amor que se resigna, que não se ensoberbece, que não trata com leviandade, que não busca seu próprio interesse, que não se ufana...

Como bem disse João – I Jo. 4:20 – “Se alguém diz: Eu amo a Deus, e odeia a seu irmão, é mentiroso. Pois quem não ama a seu irmão, ao qual viu, como pode amar a Deus, a quem não viu?” Como não basta a palavra de um apóstolo, vamos à palavra do próprio Filho de Deus – Mt. 5:22 – “Eu, porém, vos digo que qualquer que, sem motivo, se encolerizar contra seu irmão, será réu de juízo; e qualquer que disser a seu irmão: Raca, será réu do sinédrio; e qualquer que lhe disser: Louco, será réu do fogo do inferno”. Claro, você não peca por ficar com raiva de seu irmão quando ele te dá motivo, mas, peca quando recusa se reconciliar com ele.

Veja mais recomendações de Cristo – Mt. 18:35 - “Assim vos fará, também, meu Pai celestial, se do coração não perdoardes, cada um a seu irmão, as suas ofensas” – Mt. 5:23,24 - “Portanto, se trouxeres a tua oferta ao altar, e aí te lembrares de que teu irmão tem alguma coisa contra ti, deixa alí diante do altar a tua oferta, e vai reconciliar-te primeiro com teu irmão e, depois, vem e apresenta a tua oferta” – Mc. 11:25 – “E, quando estiverdes orando, perdoai, se tendes alguma coisa contra alguém, para que vosso Pai, que está nos céus, vos perdoe as vossas ofensas”.  Ainda, Jesus recomenda – Mt. 5:40 - “E, ao que quiser pleitear contigo, e tirar-te a túnica, larga-lhe também a capa”. Que pena! Eles perderam o Livro da Lei na Casa do Senhor.

Nosso ambiente atual é de aborrecimento mútuo. Um aborrece o outro e vice-versa. Chegam ao ponto de, diante de um Juiz pagão, quando o referido Magistrado pergunta: “Há alguma possibilidade de acordo?”, ouve como resposta: NÃO! Isto é extremamente vergonhoso. Além disso, cada um, em cima de suas próprias justificativas, se arvoram de detentores do direito líquido e certo.  E olhe que estamos falando de PASTORES. Ninguém melhor do que eles para conhecerem a essência de Deus, a doutrina do Seu Filho, o que as Sagradas Escrituras recomendam e qual o Espírito que rege a Palavra de Deus.

Nestas circunstâncias, ficamos num profundo dilema. Onde me abrigar? CEADEB ou CONFRAMADEB? Se me inclino para qualquer dos lados (falo de puro e simplesmente congregar, não de aderir à politicagem), o outro me rotula, me acusa e me transforma em seu inimigo. Mas quais as alternativas para tal dilema ou circunstâncias?

Bom seria que toda a diretoria da ADESAL/CONFRAMADEB e toda a diretoria da CEADEB se retirassem do cenário, a fim de possibilitar que outros homens de Deus assumam ambas as instituições e coloquem em ordem a “casa assembleana. Não vislumbro tal possibilidade, e não vou nem mencionar os porquês. Me envergonho.

Como alternativas só restaram: migrar para outra denominação, ou com outros irmãos assembleanos, adotar uma “terceira via”. Quem se disponibiliza?

No que depender de mim, viverei em paz com todos os homens, clamando a Deus por uma “terceira via”, e enquanto ela não vem, fico malhando trigo no lagar.

2 comentários:

Pr. Raimundo Campos disse...

Obrigado Eliel por nos conceder a leitura de um artigo com argumentação equilibrada e coerente, sem fazer juízo para quem quer que seja.

Eliel Teixeira disse...

Me alegro Pr. Raimundo, por contar com sua amizade.

Tenho acompanhado teu blog, bebendo sempre de considerações, às vezes fortes, contundentes, às vezes, reflexivas, piedosas, todavia, continuamente, sendo reflexo de um homem cujo espírito se inclina para Deus e sua vontade, se indignando contra aqueles que dizendo-se servos do Altíssimo, mentem, desonrando a Deus e envergonhando a todos nós.

Permaneça firme em Deus, irmão.

Que Deus continue abençoando-o.