Pular para o conteúdo principal

Cantores e Líderes Cristãos: Morrer Por Cristo ou Renunciá-lo?

No decorrer da história humana, sempre ocorreram embates que colocavam em lados opostos cristãos e pagãos. Não necessariamente o povo, mas, formadores de opinião que motivados pelo que crêem ou não crêem, resolvem lutar contra seu oposto. Equivocadamente, os pagãos acreditam que podem fazer calar ou mudar o pensamento de milhares e, hoje, milhões de pessoas que cresceram e se firmaram acreditando nos valores cristãos e nos princípios de fé estabelecidos na Bíblia Sagrada. Já de muito é conhecida a frase que: “cristãos é como massa de bolo, quanto mais bate, mais cresce”.

Nestes embates, os cristãos são conclamados a defenderem suas convicções e lutarem contra aqueles que querem contrapor Deus, isto por que, a batalha se torna batalha contra Deus e não contra os cristãos, e como enviados por Deus, os cristãos estão dispostos a lutarem até vencer ou morrer. Daí, as persistências na fé e na luta se tornam manifestação de fidelidade para com Deus por parte dos crentes. No primeiro século (d.C.), os cristãos morriam cantando.

A luta travada no seio da sociedade brasileira contra Deus e a fé do povo é apenas reação ao movimento de crescimento dos evangélicos no país. Emissoras de televisão, em especial a Rede Gaylobo de Televisão, abrem espaço em suas grades para a minoria xiita evangelicofóbica (termo adotado pelo Pr. Ciro Sanches Zibordi), por que sabem que suas condutas e pensamentos são contrários ao padrão bíblico de ser. Um país realmente cristão os obrigará a mudar conceitos, e aqueles que agem em defesa dos seus próprios (des)valores, encastelados em postos-chave, partem para tentar barrar o avanço.

Nesta batalha que envolve mídia, sentimos a ausência daqueles que, como cantores cristãos, arrebatam multidões em shows pelo Brasil afora. Recentemente, se travou uma breve discussão sobre a liberação do aborto no país e a única cantora que se manifestou, pelo menos que tenhamos visto em rede nacional, foi a Fernanda Brum, através de uma canção antiaborto. E os outros, onde estão?

Novamente em nosso país os cristãos são conclamados a se posicionarem em relação a assuntos de interesse da cristandade. Não está em jogo nossa aprovação para a prática homossexual, mesmo porque eles não precisam dela. O que está em jogo é nosso direito constitucional, líquido e certo, de livre manifestação do pensamento, seja religioso, seja filosófico. Os cristãos, especialmente os cantores e líderes, precisam se conscientizarem da necessidade urgente de unidade em torno dos princípios que todos nós defendemos e precisamos.

O pano de fundo na restrição que o homossexualismo tenta impor, através de leis ditas anti-homofóbicas, é a restrição do pensamento cristão na sociedade brasileira. Querem comer pela beirada, mas, o objetivo final é o prato todo. Sabem que no Brasil o cristianismo avança a passos largos e tentam, desta forma, evitar a salvação de milhares de outras vidas brasileiras. Eles investem em duas vertentes: na mídia, tentando convencer os 90% de cristãos (evangélicos e católicos) de que sua luta é legítima, e no Congresso Nacional, através de leis que impõem aos cristãos restrições (imposto sobre dízimos e ofertas, proibição de reunião em praça pública, limite de tempo para evangélicos na televisão brasileira, restrição na aquisição por parte de igrejas evangélicas de veículos de comunicação de massa, etc.).

Não é sem razão que implementaram a parada-gay (apoiados por suas “Martas Suplicys”, seus “Sérgios Cabrais” e ONGs estrangeiras); não é por outra razão que se vê a tentativa de limitar o tempo de programas evangélicos na televisão; não é sem outro objetivo que a maior rede de televisão do país investe em novelas e programas que glamouriza comportamentos imorais e a desagregação familiar praticados por uma minoria, num ato de frontal desrespeito a maioria que tem vergonha na cara e querem criar seus filhos e filhas com o mínimo padrão moral que possui valores mais excelentes como decência, respeito e integridade.

Deste modo, precisamos estar mobilizados quanto ao confronto de idéias na mídia e ao preparo do nosso povo na escolha de representantes políticos legítimos para defenderem nossas posições no Congresso Nacional.

Sendo assim, como o embate exige posicionamento, buscamos de todos que se dizem cristãos, sejam eles meramente cristãos ou, principalmente, cantores, levitas, sacerdotes, presbíteros, diáconos, evangelistas, pastores, bispos, apóstolos, patriarcas, vice-Deus ou qualquer outra designação que se queiram dar, que efetivamente demonstrem o que são e, publicamente, se manifestem contra os movimentos anticristãos e “evangelicofóbicos” dentro do ordenamento jurídico e do tecido social deste país.

Ninguém é obrigado a aceitar a Cristo, mas, todos devem ter a oportunidade de ouvir falar de Cristo. Nesta defesa, os cantores e líderes cristãos, por estarem em evidência e arrebatarem multidões em seus shows e reuniões, devem ser atuantes na defesa dos princípios cristãos e na preparação adequada do nosso povo. Devem, como Jesus conclama em Apocalipse 3:15,16, serem “quentes ou frios”, caso contrário, o Senhor os vomitará da sua boca.

Jesus insiste: “Qualquer que de mim e das minhas palavras se envergonhar, dele se envergonhará o Filho do Homem, quando vier na sua glória, e na do Pai e dos santos anjos” (Lc. 9:26). Como no primeiro século da era cristã, somos conclamados a decidir: “morrer por Cristo ou renunciá-lo?” Tome sua decisão e mãos a obra, ou...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Porteiro, Auxiliar, Diácono, Presbítero, Evangelista, Pastor. E Mais. Missionária, Bispo, Apóstolo. O Que é Tudo Isso?

De repente, somos sobressaltados com a notícia: "Mais algumas dezenas, e até centenas, de novos obreiros para servir no Reino de Deus". A notícia seria boa, se guardasse a essência dos requisitos bíblicos exigidos para novos obreiros e preservassem o propósito divino na separação de novos chamados.
Para que precisamos de porteiros? Óbvio. Para guardar as portas. Porteiro era considerado Levita, desenvolvia, também, a tarefa de arrecadador de ofertas (2 Cr. 31:14) e vigia (Mc. 13:34); Jesus menciona o porteiro como responsável pela guarda da porta do aprisco das ovelhas (Jo. 10:3; ver também Ed. 7:24). É improdutivo, uma igreja de porta única, com uma quantidade exagerada de porteiros para servir.
Para que precisamos de auxiliares? Há pessoas mencionadas na Bíblia como "cooperadores", no entanto, sem evidência de se referir a um cargo. Eram pessoas que haviam prestado algum tipo de auxílio à alguém, em algum momento específico (Fp. 2:25; At. 20:35). Pode ser até o mes…

CEADEB x ADESAL - É feio, muito feio!

Os desdobramentos do litígio entre o presidente da CEADEB e o presidente da ADESAL prossegue revitalizando as feridas causadas pelo rompimento do vínculo de alguns pastores de sua convenção (CEADEB).
No mais recente episódio, uma decisão judicial interlocutória - sem definição de mérito - tomada na ação que a CEADEB move contra a ADESAL, foi entendida como um ato de destituição do pastor Israel Ferreira do comando da Assembleia de Deus em Salvador. Sem querer entrar nas questões técnicas da decisão (deixo isto para os advogados e rábulas), a decisão não dá nada a ninguém, haja vista uma série de “condicionantes” expressos no comando judicial. Na verdade, a decisão da desembargadora é uma espécie de carta do apóstolo Paulo aos Coríntios na versão para os assembleanos baianos: “se entendam!”
Ato seguinte a decisão mencionada, o pastor Valdomiro Pereira distribui um vídeo para os obreiros assembleanos. Nele, informa (ou desinforma) a plateia que o pastor Israel Ferreira foi destituído do…

QUANDO É HORA DE MUDAR DE IGREJA

Igreja, genuinamente falando, é aquele lugar onde se reúne um grupo de seguidores de Cristo com objetivo de adorar a Deus, receber ensinamentos, evangelizar e ajudar uns aos outros (At. 2:40-47). Foi com esta clara missão em mente que o apóstolo Paulo informa-nos que Deus colocou à nossa disposição os dons espirituais, a fim de edificarmos uns aos outros e estarmos aparelhados para proclamação do evangelho. Tiago esclarece outro ponto principal da igreja, dizendo que a verdadeira religião é cuidar das viúvas e dos órfãos nas suas necessidades. Por fim, as características da igreja primitiva que a tornou marcante, referência de igreja bíblica, foi que eles tinham tudo em comum e ninguém sentia falta de nada, eram solidários no partir do pão, desfrutavam da comunhão e comungavam da doutrina dos apóstolos, esta, por sua vez, Cristocêntrica.

No domingo passado fui à igreja com minha família e contei. Numa rua com, aproximadamente, quinhentos (500) metros de comprimento, cerca de treze (13…