quinta-feira, 30 de junho de 2011

O Reino de Deus

Neste trimestre o assunto a ser tratado nas inúmeras Escolas Bíblicas Dominicais que utilizam a lição bíblica para adultos da CPAD, é o Reino de Deus. Acredito que o objetivo é resgatar a essência cristã diante do quadro de degradação moral, social e espiritual que presenciamos em nossa sociedade, degradação esta que se faz sentir nas hostes assembleanas. Sendo assim, para iniciarmos os vários temas que serão tratados, mencionaremos alguns textos utilizados na Bíblia para tratar do assunto.

O Reino de Deus como um ambiente que alcança os salvos em Cristo.

Mt. 5:3; Lc. 9:62; Jo. 3:3; Mc. 9:1; 1 Co. 4:20.

O Milênio como o Reino de Deus implantado aqui na Terra, governado por Cristo, durante um período de mil (1.000) anos, que se iniciará após a grande tribulação.

Lc. 22:30; Ap. 17:14; 20:2-7; Dn. 2:44; Ap. 11:17.

O Reino de Deus como sendo a casa de Deus.

Lc. 23:42; Jo. 18:36; Mt. 25:34,35; Jo. 3:3; At. 14:22; Tg. 2:5.

Para compreendermos corretamente outros aspectos relativos ao "Reino de Deus", Jesus se utiliza de comparações, quais sejam:

A parábola do trigo e do joio (Mt. 13:24-30; 36-43) - No Reino de Deus, numa alusão ao ambiente cristão, Jesus é responsável por semear boa semente (trigo), todavia o inimigo do Reino de Deus semeia sementes ruins (joio), para transtornar o ambiente do reino. Aqui o Reino de Deus é o conjunto dos salvos que habitam na terra (seu campo = o mundo), se distinguindo em relação aos filhos maligno (joio). Observe que aqui é mencionado o reino de Deus como o conjunto dos salvos na terra (v.38) e como a morada de Deus (v. 43).

A parábola do grão de mostarda e do fermento (Mt. 13:31-33) - O reino de Deus com a característica de crescimento exponencial. No início, uma pequena semente, no final, uma frondosa árvore que atrai multidões para se abrigarem nela. Mesmo princípio aludido na parábola do fermento misturado na farinha.

Parábolas do tesouro escondido, da pérola e da rede (Mt. 13:44-48) - Nas duas primeiras, a supremacia do reino de Deus, valorizado e priorizado por quem o encontra. Como disse Jesus, são dignos de mim os que assim agirem (Mt. 10:37-39). Na terceira, a rede, trata da depuração necessária ao reino de Deus (ambiente cristão estabelecido na terra, antes da entrada ao ambiente definitivo, ou seja, a morada de Deus).

A parábola dos trabalhadores (Mt. 20:1-16) - Tratando o reino de Deus como um ambiente em que todos são convidados a integrarem e se beneficiarem das suas dádivas, independentemente do momento em que isto aconteça.

A parábola das bodas (Mt. 22:2-14) - O povo hebreu eram os convidados ilustres para as bodas do Rei, no entanto, fazendo pouco caso do convite, rejeitaram a oferta, chegando ao ponto de matarem os mensageiros do rei (os profetas). Sendo assim, o rei determina a destruição dos que o rejeitaram e aniquilação de sua cidade. Três pontos chamam a atenção: a grande festa de casamento preparada  (bodas), a extensão do convite aos inicialmente excluídos (gentios) e a observação de que, apesar de estendido a todos, há necessidade indispensável do convidado trajar roupa adequada para o evento (Ap. 1:5; 7:14).

Ainda outras parábolas abordam questões ligadas ao reino de Deus, no entanto, as mencionadas aqui já nos apresentam algumas características inerentes a ele, que nos ajudam a compreendê-lo adequadamente. Muitas dessas questões serão abordadas aqui ao longo deste trimestre.

Vamos estudar juntos e assim crescermos no conhecimento das coisas de Deus. Sinta-se livre para acrescentar conhecimento através de seus comentários.



Nenhum comentário: