Pular para o conteúdo principal

O Reino de Deus

Neste trimestre o assunto a ser tratado nas inúmeras Escolas Bíblicas Dominicais que utilizam a lição bíblica para adultos da CPAD, é o Reino de Deus. Acredito que o objetivo é resgatar a essência cristã diante do quadro de degradação moral, social e espiritual que presenciamos em nossa sociedade, degradação esta que se faz sentir nas hostes assembleanas. Sendo assim, para iniciarmos os vários temas que serão tratados, mencionaremos alguns textos utilizados na Bíblia para tratar do assunto.

O Reino de Deus como um ambiente que alcança os salvos em Cristo.

Mt. 5:3; Lc. 9:62; Jo. 3:3; Mc. 9:1; 1 Co. 4:20.

O Milênio como o Reino de Deus implantado aqui na Terra, governado por Cristo, durante um período de mil (1.000) anos, que se iniciará após a grande tribulação.

Lc. 22:30; Ap. 17:14; 20:2-7; Dn. 2:44; Ap. 11:17.

O Reino de Deus como sendo a casa de Deus.

Lc. 23:42; Jo. 18:36; Mt. 25:34,35; Jo. 3:3; At. 14:22; Tg. 2:5.

Para compreendermos corretamente outros aspectos relativos ao "Reino de Deus", Jesus se utiliza de comparações, quais sejam:

A parábola do trigo e do joio (Mt. 13:24-30; 36-43) - No Reino de Deus, numa alusão ao ambiente cristão, Jesus é responsável por semear boa semente (trigo), todavia o inimigo do Reino de Deus semeia sementes ruins (joio), para transtornar o ambiente do reino. Aqui o Reino de Deus é o conjunto dos salvos que habitam na terra (seu campo = o mundo), se distinguindo em relação aos filhos maligno (joio). Observe que aqui é mencionado o reino de Deus como o conjunto dos salvos na terra (v.38) e como a morada de Deus (v. 43).

A parábola do grão de mostarda e do fermento (Mt. 13:31-33) - O reino de Deus com a característica de crescimento exponencial. No início, uma pequena semente, no final, uma frondosa árvore que atrai multidões para se abrigarem nela. Mesmo princípio aludido na parábola do fermento misturado na farinha.

Parábolas do tesouro escondido, da pérola e da rede (Mt. 13:44-48) - Nas duas primeiras, a supremacia do reino de Deus, valorizado e priorizado por quem o encontra. Como disse Jesus, são dignos de mim os que assim agirem (Mt. 10:37-39). Na terceira, a rede, trata da depuração necessária ao reino de Deus (ambiente cristão estabelecido na terra, antes da entrada ao ambiente definitivo, ou seja, a morada de Deus).

A parábola dos trabalhadores (Mt. 20:1-16) - Tratando o reino de Deus como um ambiente em que todos são convidados a integrarem e se beneficiarem das suas dádivas, independentemente do momento em que isto aconteça.

A parábola das bodas (Mt. 22:2-14) - O povo hebreu eram os convidados ilustres para as bodas do Rei, no entanto, fazendo pouco caso do convite, rejeitaram a oferta, chegando ao ponto de matarem os mensageiros do rei (os profetas). Sendo assim, o rei determina a destruição dos que o rejeitaram e aniquilação de sua cidade. Três pontos chamam a atenção: a grande festa de casamento preparada  (bodas), a extensão do convite aos inicialmente excluídos (gentios) e a observação de que, apesar de estendido a todos, há necessidade indispensável do convidado trajar roupa adequada para o evento (Ap. 1:5; 7:14).

Ainda outras parábolas abordam questões ligadas ao reino de Deus, no entanto, as mencionadas aqui já nos apresentam algumas características inerentes a ele, que nos ajudam a compreendê-lo adequadamente. Muitas dessas questões serão abordadas aqui ao longo deste trimestre.

Vamos estudar juntos e assim crescermos no conhecimento das coisas de Deus. Sinta-se livre para acrescentar conhecimento através de seus comentários.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Porteiro, Auxiliar, Diácono, Presbítero, Evangelista, Pastor. E Mais. Missionária, Bispo, Apóstolo. O Que é Tudo Isso?

De repente, somos sobressaltados com a notícia: "Mais algumas dezenas, e até centenas, de novos obreiros para servir no Reino de Deus". A notícia seria boa, se guardasse a essência dos requisitos bíblicos exigidos para novos obreiros e preservassem o propósito divino na separação de novos chamados.
Para que precisamos de porteiros? Óbvio. Para guardar as portas. Porteiro era considerado Levita, desenvolvia, também, a tarefa de arrecadador de ofertas (2 Cr. 31:14) e vigia (Mc. 13:34); Jesus menciona o porteiro como responsável pela guarda da porta do aprisco das ovelhas (Jo. 10:3; ver também Ed. 7:24). É improdutivo, uma igreja de porta única, com uma quantidade exagerada de porteiros para servir.
Para que precisamos de auxiliares? Há pessoas mencionadas na Bíblia como "cooperadores", no entanto, sem evidência de se referir a um cargo. Eram pessoas que haviam prestado algum tipo de auxílio à alguém, em algum momento específico (Fp. 2:25; At. 20:35). Pode ser até o mes…

CEADEB x ADESAL - É feio, muito feio!

Os desdobramentos do litígio entre o presidente da CEADEB e o presidente da ADESAL prossegue revitalizando as feridas causadas pelo rompimento do vínculo de alguns pastores de sua convenção (CEADEB).
No mais recente episódio, uma decisão judicial interlocutória - sem definição de mérito - tomada na ação que a CEADEB move contra a ADESAL, foi entendida como um ato de destituição do pastor Israel Ferreira do comando da Assembleia de Deus em Salvador. Sem querer entrar nas questões técnicas da decisão (deixo isto para os advogados e rábulas), a decisão não dá nada a ninguém, haja vista uma série de “condicionantes” expressos no comando judicial. Na verdade, a decisão da desembargadora é uma espécie de carta do apóstolo Paulo aos Coríntios na versão para os assembleanos baianos: “se entendam!”
Ato seguinte a decisão mencionada, o pastor Valdomiro Pereira distribui um vídeo para os obreiros assembleanos. Nele, informa (ou desinforma) a plateia que o pastor Israel Ferreira foi destituído do…

QUANDO É HORA DE MUDAR DE IGREJA

Igreja, genuinamente falando, é aquele lugar onde se reúne um grupo de seguidores de Cristo com objetivo de adorar a Deus, receber ensinamentos, evangelizar e ajudar uns aos outros (At. 2:40-47). Foi com esta clara missão em mente que o apóstolo Paulo informa-nos que Deus colocou à nossa disposição os dons espirituais, a fim de edificarmos uns aos outros e estarmos aparelhados para proclamação do evangelho. Tiago esclarece outro ponto principal da igreja, dizendo que a verdadeira religião é cuidar das viúvas e dos órfãos nas suas necessidades. Por fim, as características da igreja primitiva que a tornou marcante, referência de igreja bíblica, foi que eles tinham tudo em comum e ninguém sentia falta de nada, eram solidários no partir do pão, desfrutavam da comunhão e comungavam da doutrina dos apóstolos, esta, por sua vez, Cristocêntrica.

No domingo passado fui à igreja com minha família e contei. Numa rua com, aproximadamente, quinhentos (500) metros de comprimento, cerca de treze (13…