quinta-feira, 26 de janeiro de 2012

Igreja Evangélica de Gays?! Que Religião é Essa?


Está se tornando comum todo e qualquer grupo que se reúne em algum canto de qualquer cidade intitular-se “evangélico”. Alguns se reúnem misturando santo com profano e se dizem servir a Deus, outros se reúnem adotando práticas da feitiçaria e se dizem cristãos, ainda há outros, além desses, que se reúnem sem abandonar, ou pelo menos tentar abandonar, pecados que, explicitamente a Bíblia condena e se dizem agradar a Deus. Que confusão!

Dentre estes estranhos grupos, há um que, parece, adotado pela mídia secular. Amparados por ONGs internacionais, fomentam massivamente a “normalidade de uma conduta, no mínimo, anormal”. São os gays. Adotam as mesmas práticas cristãs quando se reúnem em algum lugar, tendo, inclusive, pastores ou pastoras que assumem serem homossexuais e lésbicas.

Aqueles que conhecem, minimamente, a Bíblia Sagrada (estatuto do cristianismo), sabem que uma das práticas pecaminosas que Ela não tem nenhuma aquiescência é o homossexualismo ou sodomia (nome mais conhecido biblicamente). Então, como uma religião que se diz cristã pode suportar dentre seus integrantes homens e mulheres que não abandonam suas práticas homossexuais? Como alguém pode praticar o homossexualismo e testemunhar o evangelho de Cristo?

Como alguém pode explicar o texto de Levítico 20:13, que diz: “Quando também um homem se deitar com outro homem, como com mulher, ambos fizeram abominação; certamente morrerão; o seu sangue será sobre eles” (veja ainda Lv. 18:22). O que dizer sobre o pecado dos homens de Sodoma e Gomorra e o que eles pretendiam fazer com os anjos do Senhor e qual a reação de Deus em relação a isso? Ah! Sim, é a velha aliança. Já não tem mais validade. Destaque-se: Apesar das leis sociais para o povo de Israel, a essência moral de Deus exposto no antigo testamento não mudou. Basta perceber o mesmo teor legislativo da Torá, como resultado do padrão moral divino, também exigido dos cristãos na Nova Aliança. Mas, vamos deixar isso para lá. Já seria muito exigir esta compreensão para eles.

Como o falso pastor, sendo homossexual ou lésbica, pode esclarecer as Palavras de Paulo aos romanos, em sua carta no capítulo 1, versículo 27, que diz: “E, semelhantemente, também os homens, deixando o uso natural da mulher, se inflamaram em sua sensualidade uns para com os outros, homens com homens, cometendo torpeza e recebendo em si mesmos a recompensa que convinha ao seu erro” (ver também, 1 Tm. 1:10; I Co.6:10). Ah! Já sei. Vão dizer que era uma mensagem do apóstolo Paulo especificamente para os “romanos”, não para nós, brasileiros. Entendi. Acreditam que Deus é brasileiro.

Como pode alguém, então, desejoso de aquietar sua consciência, compreender as palavras que o próprio Deus, por seu Filho, Jesus Cristo (falando sobre o comportamento dos homens antes do dilúvio), mencionou que eles “casavam e davam-se em casamento, vindo depois o dilúvio, consumindo a todos?” Entender isto do ponto de vista das tradições judáicas da época, já se tornou uma terrível tortura para eles. Compreendo. Não deve ser fácil a vida de quem vive uma vida longe da aprovação de Deus e deseja, a todo custo, ter Sua aprovação sem abandonar as práticas que Deus desaprova.

Desejosos de serem reconhecidos como cristãos, decidem fundar (ou afundar?) sua própria igreja, para que, assim, possam ser aceitos por Deus a revelia da vontade d’Ele exposta na Bíblia. Não sei se eles já leram o texto bíblico que está escrito em 2 Tm. 4:3, que expressamente diz: “Porque virá tempo em que não suportarão a sã doutrina; mas, tendo comichão nos ouvidos, amontoarão para si doutores conforme as suas próprias concupiscências”. Ou quem sabe, já leram o que está registrado em Judas 1:7-10 - “Assim como Sodoma e Gomorra, e as cidades circunvizinhas, que, havendo-se entregue à fornicação como aqueles, e ido após outra carne, foram postas por exemplo, sofrendo a pena do fogo eterno. E, contudo, também estes, semelhantemente adormecidos, contaminam a sua carne, e rejeitam a dominação, e vituperam as dignidades. Mas o arcanjo Miguel, quando contendia com o diabo, e disputava a respeito do corpo de Moisés, não ousou pronunciar juízo de maldição contra ele; mas disse: O Senhor te repreenda. Estes, porém, dizem mal do que não sabem; e, naquilo que naturalmente conhecem, como animais irracionais se corrompem”. Provavelmente, não entenderam.

Vou pedir mais um pouco. Será que conseguem ler o texto em Isaías que diz: “Porque este é um povo rebelde, filhos mentirosos, filhos que não querem ouvir a lei do Senhor. Que dizem aos videntes: Não vejais; e aos profetas: Não profetizeis para nós o que é reto; dizei-nos coisas aprazíveis, e vede para nós enganos. Desviai-vos do caminho, apartai-vos da vereda; fazei que o Santo de Israel cesse de estar perante nós. Por isso, assim diz o Santo de Israel: porquanto rejeitais esta palavra, e confiais na opressão e perversidade, e sobre isso vos estribais, por isso esta maldade vos será como a brecha de um alto muro que, formando uma barriga, está prestes a cair e cuja quebra virá subitamente” (Isaías 30:9-13). É, já que não conseguem conviver com a sã doutrina, elegem seus próprios profetas e escolhem a parte da Bíblia que lhes é agradável para meditar e aceitar. Tem algum valor este arremedo de cristianismo? Óbvio que não.

Enfim, dizer que a Bíblia não condena o homossexualismo, ou é ignorância, ou é má-fé.

Uma igreja gay, por mais bonito que seja o nome que lhe identifique, por mais nobre que seja  idéia de “inclusiva” que lhe rotulem, distanciada da Bíblia Sagrada e suas doutrinas fundamentais, pode ser qualquer coisa, menos uma igreja comprometida com o Cristianismo e seu Cristo, com a Palavra de Deus e seu Deus. “Há caminho que aos homens parece direito, mas, o fim dele é o caminho de morte” (Pv. 14:12).

Sim, o evangelho é “inclusivo”, mas, não é permissivo (Rm. 1:32).

Qualquer pessoa sendo homossexual ou não, pode frequentar uma igreja genuinamente cristã, comungando da fé sincera em Cristo. Deve, porém, vir disposto a aceitar os preceitos bíblicos imutáveis, tendo a determinação volitiva de abandonar toda prática pecaminosa que desagrada a Deus e fere sua santidade.

É melhor aceitar o preço exigido pela entrega sincera de sua vida ao senhorio de Cristo (2 Co. 5:17; Lc.9:23; Jo. 8:11; Jo. 5:14), do que se iludir com fantasias infernais profanas que te lança num mundo cristão imaginário, bem distante de Deus. Será que os gays não sentem o calor? (Jo. 15:6; Lc. 13:28; Jd. 1:7).

Igreja Evangélica de Gays? Não! Ela não existe no mundo cristão.

Um comentário:

ANDREA DANTAS disse...

Excelente texto meu irmão. Que Deus continue te abençoando.