Pular para o conteúdo principal

A Presunção Dos Que Falam em Nome da Sociedade Sem dar Ouvidos ao que Ela Diz

O aumento de menores envolvidos em crimes violentos (só o pessoal que criou o ECA não percebeu isso) trouxe de volta a discussão sobre a redução da maioridade penal. Hoje, se um menor cometer um crime antes de completar 18 anos, ele será “retido” por, no máximo, três anos (chamam de “sofrer medida sócio-educativa”).

A pressão da sociedade é para reduzir a idade em que o menor poderá responder pelos crimes praticados, como qualquer outro cidadão de maior idade.

Outra vez mais nos deparamos com manifestações de alguns jornalistas que, a despeito do que acha a sociedade, dizem e pressionam contra a redução. Na GloboNews quatro jornalistas que participavam de um de seus programas ditos jornalísticos, todos, teceram comentários contrários a redução. Zapeei para o SBTBrasil e encontrei mais coerência nesta questão.

Após reportagem em que o secretário da Presidência da República, Sr. Gilberto Carvalho (ele de novo), se pronunciou em nome do governo dizendo que este era radicalmente contra a redução, a jornalista Rachel Sheherazade expôs um editorial adequado a reportagem e ao contexto que envolve o tema. Entre outras coisas, disse: “(Sr. Gilberto Carvalho) deixe que a sociedade decida sobre o que fazer com seus criminosos”. Direto ao ponto.

É no mínimo estranho, pois, nos acostumamos tanto a ouvir que "todo mundo é assim, pensa assim, faz assim", que quando nos vemos sendo, pensando e agindo diferente do que dizem, nos sentimos seres de outro planeta. Na verdade, esse pessoal que se acostumou falar em nome da sociedade a revelia da própria sociedade, o que está dizendo é: “A sociedade sou eu!”

Logicamente que a redução da maioridade penal não reduzirá o envolvimento de menores em crimes, mas, junto com outras medidas que devem acompanhar tal alteração, é um peso a mais sobre aqueles que teimam em praticar a violência no tecido social.

O que resolve o problema da violência é o investimento pesado no sistema de segurança, na geração de emprego, na valorização da família e na educação. E porque não fazem? Porque preferem torrar nossos recursos no circo do futebol e das olimpíadas invés de cumprir com suas obrigações de cuidar da população brasileira. No circo do futebol e das olimpíadas só quem ganha é a FIFA, o COI, os Patrocinadores e os Políticos. Nas obrigações da República quem ganha é o povo. Eles se elegeram para ganhar em detrimento do povo. O “povo”, para eles, “é apenas um detalhe”.

A arrogância e a prepotência dos que se acham donos da nação, sejam jornalistas ou funcionários públicos, não tem limites. Jornalistas devem respeitar a informação exposta e interromper a tentativa de fazer da sociedade brasileira sua imagem e semelhança. Os governantes devem apenas cumprir com seus respectivos papeis dentro da estrutura governamental, e como empregados da nação lhes devem obediência irrestrita.

As discussões sobre os temas que interessam a sociedade brasileira devem continuar acontecendo no Congresso Nacional, lugar onde, mesmo a duras penas, os diversos segmentos sociais estão representados. Cabe aos presunçosos jornalistas e governantes voltarem para seu devido lugar.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Porteiro, Auxiliar, Diácono, Presbítero, Evangelista, Pastor. E Mais. Missionária, Bispo, Apóstolo. O Que é Tudo Isso?

De repente, somos sobressaltados com a notícia: "Mais algumas dezenas, e até centenas, de novos obreiros para servir no Reino de Deus". A notícia seria boa, se guardasse a essência dos requisitos bíblicos exigidos para novos obreiros e preservassem o propósito divino na separação de novos chamados.
Para que precisamos de porteiros? Óbvio. Para guardar as portas. Porteiro era considerado Levita, desenvolvia, também, a tarefa de arrecadador de ofertas (2 Cr. 31:14) e vigia (Mc. 13:34); Jesus menciona o porteiro como responsável pela guarda da porta do aprisco das ovelhas (Jo. 10:3; ver também Ed. 7:24). É improdutivo, uma igreja de porta única, com uma quantidade exagerada de porteiros para servir.
Para que precisamos de auxiliares? Há pessoas mencionadas na Bíblia como "cooperadores", no entanto, sem evidência de se referir a um cargo. Eram pessoas que haviam prestado algum tipo de auxílio à alguém, em algum momento específico (Fp. 2:25; At. 20:35). Pode ser até o mes…

CEADEB x ADESAL - É feio, muito feio!

Os desdobramentos do litígio entre o presidente da CEADEB e o presidente da ADESAL prossegue revitalizando as feridas causadas pelo rompimento do vínculo de alguns pastores de sua convenção (CEADEB).
No mais recente episódio, uma decisão judicial interlocutória - sem definição de mérito - tomada na ação que a CEADEB move contra a ADESAL, foi entendida como um ato de destituição do pastor Israel Ferreira do comando da Assembleia de Deus em Salvador. Sem querer entrar nas questões técnicas da decisão (deixo isto para os advogados e rábulas), a decisão não dá nada a ninguém, haja vista uma série de “condicionantes” expressos no comando judicial. Na verdade, a decisão da desembargadora é uma espécie de carta do apóstolo Paulo aos Coríntios na versão para os assembleanos baianos: “se entendam!”
Ato seguinte a decisão mencionada, o pastor Valdomiro Pereira distribui um vídeo para os obreiros assembleanos. Nele, informa (ou desinforma) a plateia que o pastor Israel Ferreira foi destituído do…

QUANDO É HORA DE MUDAR DE IGREJA

Igreja, genuinamente falando, é aquele lugar onde se reúne um grupo de seguidores de Cristo com objetivo de adorar a Deus, receber ensinamentos, evangelizar e ajudar uns aos outros (At. 2:40-47). Foi com esta clara missão em mente que o apóstolo Paulo informa-nos que Deus colocou à nossa disposição os dons espirituais, a fim de edificarmos uns aos outros e estarmos aparelhados para proclamação do evangelho. Tiago esclarece outro ponto principal da igreja, dizendo que a verdadeira religião é cuidar das viúvas e dos órfãos nas suas necessidades. Por fim, as características da igreja primitiva que a tornou marcante, referência de igreja bíblica, foi que eles tinham tudo em comum e ninguém sentia falta de nada, eram solidários no partir do pão, desfrutavam da comunhão e comungavam da doutrina dos apóstolos, esta, por sua vez, Cristocêntrica.

No domingo passado fui à igreja com minha família e contei. Numa rua com, aproximadamente, quinhentos (500) metros de comprimento, cerca de treze (13…