domingo, 12 de fevereiro de 2012

Quer Ser Ministra?

Se você é mulher, ex-guerrilheira, já foi presa por atos criminosos, é feminista e é favor do aborto como medida sanitária para o país, já podes enviar seu curriculum para o Palácio do Planalto, aos cuidados da Presidente Dilma. Se além disso, você é gestora de uma família desestruturada, aí sua candidatura é imbatível.

Esta é a nova secretária da Presidente Dilma, Eleonora Menicucci. Assumindo com status de ministra, veio compôr os quadros dos que se propõem a transformar nossa sociedade num antro de desordem e assassinatos amparados em leis a serem implementadas pelos militantes do PT.

É o avanço da visão romântica de que os guerrilheiros da época de Dilma e Eleonora lutavam em favor de um regime democrático e contra a ditadura. Na verdade, desejavam era implantar outro tipo de ditadura como a que se vê em Cuba (irmãos Castro). Se dermos espaço a essa gente, primeiro eles assumem o poder através do direito que é concedido a todo cidadão. Depois, no poder, retiram esse poder para que ninguém mais chegue até ele.

Assumido e transformado o acesso ao poder, passam a ditar o que devemos fazer e como dever ser. Invadem nossa liberdade e a retiram. Seguem impondo falácias (repetem mentiras exaustivamente até que as transformem em "verdades"), assumem o controle das universidades (Eleonora é professora universitária) e derrubam valores da sociedade produzindo gente inconsequente e egoísta de toda espécie.

Uma sociedade assim é o que desejam. Fica mais fácil o controle. Um burro é mais fácil controlar pois não pensa, e quando não pensa, não encontra solução para o problema da prisão. Vai viver naquele espaço que lhe deram até morrer.

O governo do PT não fez nada mais do que faria qualquer outro partido que assumisse o poder. Votei no PT, pois, acreditava na visão de povo que possuíam. Repito: possuiam. Agora, é só mais um do mesmo. Se fosse o PSDB, o DEM, o PSB, ou qualquer outra sigla no Palácio do Planalto, estaríamos hoje como a sexta economia mundial. Aliás, não sei quais os ganhos que a população tem conseguido com a elevação do Brasil para esta posição. A saúde continua péssima, a segurança um horror, a habitação um sofrimento, a educação uma lástima, a infraestrutura caótica... mas, isso não tem importância.

Tirando pelo ex-soberano, que poderia ter implementado mudanças estruturais profundas em nossa nação e não o fez. Ele, hoje, é um ex-pobre, um ex-nordestino, um ex-trabalhador, e o mais novo encastelado da elite insensível brasileira. E para essa elite, quanto mais ignorante e pobre a população melhor. E o que fazer para manter a população assim? Não lhes dê educação, não lhes dê dignidade, não lhes dê "consciência cidadã".

Dê-lhes carnaval, futebol e realits shows. Encham suas cabeças com frivolidades e descansem. Um povo assim, não incomoda ninguém. O que é importante é reforçar as ideologias. Mulher (sem qualquer crítica as mulheres decentes deste país), feminista, ex-guerrilheira (marginais à época), sem respeito a família e aos outros, e defensores do assassinato de crianças no ventre da mãe. O importante é viver hedonisticamente e, naquelas questões que lhes causam incômodo, elimina-se.

Mas, enfim... nós, brasileiros, não merecemos? Estamos mudando a proporção que aprendemos? Parece que não. Seguimos acreditando em papai noel e votando nos políticos de sempre. Continuamos aceitando as ideologias dos ricos, achando que estão bem intencionados em relação a nós. É só controle. Enquanto não mexe com seu conforto e sua segurança, está tudo bem. Ainda que os pobres estejam sofrendo nas periferias e morrendo nas favelas, continuam vendendo ilusões.

Mas, enfim, quando permitimos que isso continue assim, não estamos apenas concordando com eles? Quando, repetidamente, votamos neles, não estamos assinando embaixo?

"Se a gente não muda, nada muda".

Nenhum comentário: