Pular para o conteúdo principal

Prudência - Arma Eficaz Contra a Infidelidade Conjugal



Infidelidade é a desconsideração da confiança depositada em si por outro. É uma deslealdade, ou seja, uma quebra de compromisso.

Em dos fundamentos do casamento é a lealdade que cada um dos cônjuges assume em relação ao outro. Este valor, é base para um casamento duradouro e maduro. Sem esse requisito, a relação conjugal tende a tornar-se apenas uma relação social comum, equiparando os cônjuges a amigos ou colegas, cujas relações são apenas fraternas, adicionadas com sexo, porém, sem a confiança e a preferência, características genuínas de uma relação conjugal autêntica.

Prudência é a capacidade que faz prever as faltas e os perigos. É enxergar o abismo ao longe e desviar-se dele. É a virtude que evita a queda.

Os atos de infidelidade conjugal é o resultado do encontro entre a carnalidade e a oportunidade. O cônjuge, talvez num momento de instabilidade matrimonial, inflamado pela paixão carnal ou instinto sexual (eros), se vê envolto num ambiente em que a infidelidade será consumada apenas com a atitude do “deixa a vida me levar”. Toda infidelidade é resultado de um ato inconsequente.

Lembremos o caminho que leva ao pecado, conforme menciona a Bíblia Sagrada, a Palavra de Deus, na carta do apóstolo Tiago, capítulo 1, versículos 14 e 15:

“Mas cada um é tentado, quando atraído e engodado pela sua própria concupiscência. Depois, havendo a concupiscência concebido, dá à luz ao pecado; e o pecado, sendo consumado, gera a morte”.

Se dermos o nome que define a infidelidade à luz da Palavra de Deus, podemos ler assim:

“Mas cada cônjuge é tentado, quando atraído e enganado pelo seu próprio instinto sexual. Depois, havendo o instinto sexual sido atendido, dá à luz a infidelidade; e a infidelidade, sendo praticada, gera o adultério ou a morte  do relacionamento conjugal”.

Portanto, diante do quadro exposto, temos um elemento fundamental para quem deseja conduzir seu matrimônio sob a égide do respeito aos compromissos assumidos diante de Deus, da igreja, da família e da sociedade: Prudência.

Para o marido, sua melhor “amiga” é sua esposa, da mesma forma que para a esposa, seu melhor “amigo” é seu esposo; Para o marido, sua melhor “confidente” é sua esposa, da mesma forma que para a esposa, seu melhor “confidente” é seu esposo; para o esposo, a mulher mais bonita e sensual é sua esposa, da mesma sorte que, para a esposa, o homem mais belo e inteligente é seu marido, mesmo nos dias maus (use a fé).

Nestes termos, os relacionamentos dos cônjuges, fora do ambiente conjugal, que podem de alguma forma destoar para um envolvimento mais íntimo e, consequentemente, indevido, são previsíveis. Se são previsíveis, utilizando-se a prudência, podem ser colocados à uma distância segura do coração, da mente e da carne de quem quer manter a integridade matrimonial em sua casa.

Nos tempos ditos modernos, o que não falta são oportunidades para deixar de lado os votos e as virtudes que amparam as relações humanas, principalmente, na esfera do casamento, e mergulhar-se em relações impróprias cujo prazer dura pouco e os problemas, dores e feridas  durarão por toda a vida.

O melhor a fazer, com absoluta certeza, é amar o seu cônjuge com todas as forças de seu coração e vontade de sua mente, andando prudentemente como convém a quem deseja servir a Deus e, ao final de sua vida, ser considerado(a)  como um(a) “homem/mulher íntegro e temente, que se desvia do mal”.

Ef. 5:15,16“Portanto, vede prudentemente como andais, não como néscios, mas como sábios, remindo o tempo, porquanto os dias são maus”.

Amém.
Fiquem bem...
Fiquem com Deus.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Porteiro, Auxiliar, Diácono, Presbítero, Evangelista, Pastor. E Mais. Missionária, Bispo, Apóstolo. O Que é Tudo Isso?

De repente, somos sobressaltados com a notícia: "Mais algumas dezenas, e até centenas, de novos obreiros para servir no Reino de Deus". A notícia seria boa, se guardasse a essência dos requisitos bíblicos exigidos para novos obreiros e preservassem o propósito divino na separação de novos chamados.
Para que precisamos de porteiros? Óbvio. Para guardar as portas. Porteiro era considerado Levita, desenvolvia, também, a tarefa de arrecadador de ofertas (2 Cr. 31:14) e vigia (Mc. 13:34); Jesus menciona o porteiro como responsável pela guarda da porta do aprisco das ovelhas (Jo. 10:3; ver também Ed. 7:24). É improdutivo, uma igreja de porta única, com uma quantidade exagerada de porteiros para servir.
Para que precisamos de auxiliares? Há pessoas mencionadas na Bíblia como "cooperadores", no entanto, sem evidência de se referir a um cargo. Eram pessoas que haviam prestado algum tipo de auxílio à alguém, em algum momento específico (Fp. 2:25; At. 20:35). Pode ser até o mes…

Cristo Está Morto! ...de Vergonha.

As Assembleias de Deus na Bahia foi construída sobre os ombros de homens e mulheres altruístas e dedicados que seguiam os conselhos bíblicos com a radicalidade exigida de quem, verdadeiramente, se converteu a Cristo. Foi desta forma que ela cresceu, se consolidou e tornou-se referência de conduta cristã e legítima representante do movimento pentecostal. Seu povo, ordeiro, decente e piedoso, nutria profundo respeito da população por serem responsáveis, honestos, humildes e fiéis.
Mas o crescimento trouxe consigo o desassossego de uma estrutura cada vez maior para suportar um organismo em expansão. A quantidade cada vez maior de congregações exigia mais esforços de sua liderança, pois, com uma administração centralizada, a mobilidade e os recursos passam a ser compartilhados para sustentar a própria estrutura administrativa. É essa estrutura administrativa que, no afã de conceder segurança futura aos seus ministros, fundam uma associação de pastores, conhecida como Convenção.
Órgão com ab…

CEADEB x ADESAL - É feio, muito feio!

Os desdobramentos do litígio entre o presidente da CEADEB e o presidente da ADESAL prossegue revitalizando as feridas causadas pelo rompimento do vínculo de alguns pastores de sua convenção (CEADEB).
No mais recente episódio, uma decisão judicial interlocutória - sem definição de mérito - tomada na ação que a CEADEB move contra a ADESAL, foi entendida como um ato de destituição do pastor Israel Ferreira do comando da Assembleia de Deus em Salvador. Sem querer entrar nas questões técnicas da decisão (deixo isto para os advogados e rábulas), a decisão não dá nada a ninguém, haja vista uma série de “condicionantes” expressos no comando judicial. Na verdade, a decisão da desembargadora é uma espécie de carta do apóstolo Paulo aos Coríntios na versão para os assembleanos baianos: “se entendam!”
Ato seguinte a decisão mencionada, o pastor Valdomiro Pereira distribui um vídeo para os obreiros assembleanos. Nele, informa (ou desinforma) a plateia que o pastor Israel Ferreira foi destituído do…