Pular para o conteúdo principal

Invés de Contar Com o Divórcio, Conte Com Deus Para Ser Feliz Em Família


O Que Deus uniu não o separe o homem” (Mt. 19:6). O casamento é a união de um homem com uma mulher com a disposição mútua de viverem o resto de suas vidas unidos debaixo do mesmo teto. Esta união implica em cumplicidade, lealdade e fidelidade um para com o outro. Não é uma união apenas fácil ou apenas difícil, mas, às vezes fácil e às vezes difícil.

O ser humano, seja homem ou mulher, por si só, já é um cidadão complicado. Nunca está satisfeito, muitas vezes, nem com ele mesmo. Imagine num casamento em que a proposta é de união entre um homem (+ razão) e uma mulher (+ emoção), pessoas com mais diferenças do que semelhanças.

Apesar das dificuldades intransponíveis que esta relação possa aparentar, ela é, além de possível, necessária, no minimo, para perpetuação da espécie. E aqui não se resume apenas ao ato sexual, mas, a criação de nossos filhos, futuros cidadãos, dando-lhes a base para a relação social sadia e equilibrada, elementos que somente numa família consolidada e estável ele poderá desfrutar na sua integridade.
                                                   
O nível de comprometimento com o casamento está relacionado com o nível de maturidade dos envolvidos. Por esta razão os casamentos se tornaram fúteis, pois, “colocaram na cabeça da juventude” que esta união é apenas para o sexo. Como o sexo é a coisa mais fácil nos dias atuais, para quê casar ou para quê manter um relacionamento com alguém tão diferente e que exige tanto da gente se posso descartar, aparentemente, sem problema algum? Logo, quem casou, na primeira instabilidade relacional, acreditam que a melhor alternativa é cada um para o seu lado. Nada mais enganoso. Se um problema já é difícil, imagine dois.

Dentro deste conceito de futilidade que envolveram esta bela união e, porque não dizer, nossas vidas, oferecem-nos como via normal ou comum, o divórcio.

Divórcio é separação, é o ato de desintegrar o que nasceu com o propósito de ser duradouro. É o reconhecimento da incapacidade de amar, haja vista que amar é querer e, para isto, assumir os riscos e as dores da luta. Se Jesus nos conclama a amar até mesmo nossos inimigos, porque desistimos de amar o cônjuge apenas em razão de nossas diferenças?

Divórcio, além de todas as dores que causa, é uma agressão ao desejo divino de oferecer ao ser humano o gostoso sabor da igualdade, da irmandade no seu aspecto mais sublime.

Divórcio é um contra-senso, porque é em família que nos realizamos e nos sentimos acolhidos com nossos defeitos e virtudes. É em família que nos permitimos ser o que somos e, mesmo em nossas fraquezas, nossos entes queridos não abrem mão de nos honrar e contribuir para que melhoremos como pessoa e como família.

A futilidade dos “amores promíscuos”, que tentam reduzir um relacionamento matrimonial duradouro e divino a espasmos periódicos variáveis, não passa da tentativa dos seres humanos em se tornarem apenas bestas-feras. Nem humanos, nem animais. Apenas resultado advindo do ato dos formadores de opinião, que no auge da sua própria insanidade desejam levar toda a humanidade para o abismo sombrio de suas incertezas, incapacidade e frustrações.

No entanto, apesar deles, há um Deus que se dedica em aconchegar você e sua família no caminho difícil da sobrevivência em meio ao caos. Antes de olhar o divórcio como a única porta de saída dos problemas familiares, olhe para o céu, leia a Bíblia e seja feliz ao lado daquela pessoa que se dispôs a ir com você até o fim. Deus os abençoará.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Porteiro, Auxiliar, Diácono, Presbítero, Evangelista, Pastor. E Mais. Missionária, Bispo, Apóstolo. O Que é Tudo Isso?

De repente, somos sobressaltados com a notícia: "Mais algumas dezenas, e até centenas, de novos obreiros para servir no Reino de Deus". A notícia seria boa, se guardasse a essência dos requisitos bíblicos exigidos para novos obreiros e preservassem o propósito divino na separação de novos chamados.
Para que precisamos de porteiros? Óbvio. Para guardar as portas. Porteiro era considerado Levita, desenvolvia, também, a tarefa de arrecadador de ofertas (2 Cr. 31:14) e vigia (Mc. 13:34); Jesus menciona o porteiro como responsável pela guarda da porta do aprisco das ovelhas (Jo. 10:3; ver também Ed. 7:24). É improdutivo, uma igreja de porta única, com uma quantidade exagerada de porteiros para servir.
Para que precisamos de auxiliares? Há pessoas mencionadas na Bíblia como "cooperadores", no entanto, sem evidência de se referir a um cargo. Eram pessoas que haviam prestado algum tipo de auxílio à alguém, em algum momento específico (Fp. 2:25; At. 20:35). Pode ser até o mes…

Cristo Está Morto! ...de Vergonha.

As Assembleias de Deus na Bahia foi construída sobre os ombros de homens e mulheres altruístas e dedicados que seguiam os conselhos bíblicos com a radicalidade exigida de quem, verdadeiramente, se converteu a Cristo. Foi desta forma que ela cresceu, se consolidou e tornou-se referência de conduta cristã e legítima representante do movimento pentecostal. Seu povo, ordeiro, decente e piedoso, nutria profundo respeito da população por serem responsáveis, honestos, humildes e fiéis.
Mas o crescimento trouxe consigo o desassossego de uma estrutura cada vez maior para suportar um organismo em expansão. A quantidade cada vez maior de congregações exigia mais esforços de sua liderança, pois, com uma administração centralizada, a mobilidade e os recursos passam a ser compartilhados para sustentar a própria estrutura administrativa. É essa estrutura administrativa que, no afã de conceder segurança futura aos seus ministros, fundam uma associação de pastores, conhecida como Convenção.
Órgão com ab…

CEADEB x ADESAL - É feio, muito feio!

Os desdobramentos do litígio entre o presidente da CEADEB e o presidente da ADESAL prossegue revitalizando as feridas causadas pelo rompimento do vínculo de alguns pastores de sua convenção (CEADEB).
No mais recente episódio, uma decisão judicial interlocutória - sem definição de mérito - tomada na ação que a CEADEB move contra a ADESAL, foi entendida como um ato de destituição do pastor Israel Ferreira do comando da Assembleia de Deus em Salvador. Sem querer entrar nas questões técnicas da decisão (deixo isto para os advogados e rábulas), a decisão não dá nada a ninguém, haja vista uma série de “condicionantes” expressos no comando judicial. Na verdade, a decisão da desembargadora é uma espécie de carta do apóstolo Paulo aos Coríntios na versão para os assembleanos baianos: “se entendam!”
Ato seguinte a decisão mencionada, o pastor Valdomiro Pereira distribui um vídeo para os obreiros assembleanos. Nele, informa (ou desinforma) a plateia que o pastor Israel Ferreira foi destituído do…