sábado, 3 de dezembro de 2011

A CEADEB e a CONFRAMADEB Precisam Agir Exemplarmente.

Nos episódios envolvendo a posse do templo da Assembléia de Deus em Capelinha de São Caetano, há várias denúncias de uso da violência por parte de prepostos tanto da Conframadeb, como da Ceadeb. As violências aconteceram contra pessoas (jovens, mulheres e oficial de justiça), contra o patrimônio (portas, grades, janelas e bancos) da igreja e contra a vizinhança (perturbação da ordem pública).

As denúncias atingem não só congregados e membros, como, obreiros de ambas instituições, o que por si só já é extremamente vergonhoso para todos os cristãos que têm vergonha na cara e se esforçam diriamente para honrar o nome do Senhor Jeus Cristo.

Tais atos testemunharam contra a instituição "Assembléia de Deus". Sendo assim, cabe as mesas diretoras de ambas as instituições, que até aqui, "péssimamente", representam o conjunto dos membros e congregados desta igreja, iniciarem um processo de recuperação da imagem da denominação, assumindo as responsabilidades inerentes aos seus papeis, "disciplinando" os envolvidos em tais atos.

Cabe, também, aos demais membros, requererem aos seus respectivos pastores que assumam a responsabilidade de coibir os abusos e desmandos atuais, e tomarem providências urgentes para correção dos rumos da CEADEB  e da CONFRAMADEB. Se é que ainda tem esperança de recuperá-las. Eles, mesmo que não percebam, são co-responsáveis.

Os violentos e inconsequentes devem ser chamados e disciplinados, pois tais atos configuram uma grave ofensa ao cristianismo e a todos os cristãos. Se não aceitarem a correção e não corrigirem suas atitudes e seus conceitos, inclusive e, principalmente, se forem "Pastores", devem ser imediatamente afastados de ambas as instituições. Estão "desligados do Corpo de Cristo", pois quem está ligado, não causa danos a si mesmo.

Instituições que se prezam, principalmente as que se auto-intitulam cristãs, não podem conviver com atos que remetem ao tempo da selvageria ou incivilidade. É preciso "admoestar e exortar" os indisciplinados (Ec. 4:13; Rm. 15:14; 2. Ts. 3:11; 1 Ts. 5:14), se é que eles já não o sabem, que vivemos, socialmente, numa época em que se espera respeito ao direito e as opiniões dos outros e, principalmente, respeito a vida de seu semelhante.

Vale salientar, que é preciso vir a público expor as decisões e atitudes tomadas em relação aos fatídicos episódios (me refiro aos anteriores também), haja vista ser de amplo conhecimento as atitudes que denegriram ambas as intituições e a igreja de modo geral.

Que se investigue seriamente e puna exemplarmente os indisciplinados e violentos. NÃO ACEITAMOS CONVIVER COMO SE NADA DISTO TIVESSE ACONTECIDO. NÓS, CRISTÃOS, TEMOS VERGONHA NA CARA! Caso isto não ocorra, entendemos que há, no mínimo, conivência das referidas mesas nos atos de vandalismos protagonizados por quem deveria dar o exemplo (Rm. 1:32).

E em sendo assim, só resta-nos conclamar aos decentes ligados a ambas intituições, que se afastem imediatamente (2 Tm. 3:5). Migrem para denominações sérias que não brincam com as coisas de Deus, nem profanam a santidade divina, pois, Deus não os tomará por inocentes (Ex. 34:7). Deixemos com eles, seus "templos imundos", pois, de muito tempo, profanados por indignos que se arvoram "representantes divinos".

Isto é o que se espera.


"Portanto, Deus não é Deus de confusão, senão de paz, como em todas as igrejas dos santos" (1 Co. 14:33).


Com a palavra, as mesas diretoras da Conframadeb e Ceadeb.

2 comentários:

Pr.Mário Atsayuki disse...

Fábula dos destroços

Existe um Reino cujo o monarca (rei) é possuidor de grande inteligência e sabedoria, seu nome é aclamado entre muitos povos, pela precisão e visibilidade que possui para discernir situações e executar as resoluções a serem tomadas debaixo de uma ótica imperativamente imparcial. A grande marca desse rei é justamente ser justo, onde todos os súditos de seu reinado possam perceber que o seu reinado não consiste em barganhas políticas, nem mesmo o uso de uma metodologia
detentora de recursos opressivos sobre o povo, haja vista que os recursos utilizados por ele para julgar não favorecerá um lado em detrimento de um outro. nas suas
Lembro-me que uma certa vez duas mulheres vieram à sua precença requerer a maternidade de um filho, e diziam em seus argumentos: "eu sou a mãe do menino", não chegando a nenhum consenso entre as possivéis mães, foi declarada a sentença: Tragam-me uma espada e divida o menino ao meio e dê metade para uma e metade para a outra ! Logo a mãe verdadeira prefere abrir mão de seu fiho para não vê-lo perecer pelas as lâminas afiadas de uma espada. O rei porém com seu discernimento e sabedoria, vê que só uma mãe de verdade preferiria abrir mão de seu filho ao vê-lo morto. Uma nova sentença: Não divida a criança, dê a mãe verdadeira!
Quero levar-vos agora para os nossos dias, onde a arbitrariedade e intolerância fazem parte dos dissabores experimentados por um conjunto de pessoas que para defenderem suas causas pessoais, são capazes de quebrarem todas as regras da ética cristã, pois o que vale nesta "guerra santa" são os seus ideais, baseados na "teoria da axiologia", onde todos acham tudo, só não conseguem perceber que estão perdidos, sem identidade, sem as marcas do VERDADEIRO E JUSTO REI. Atrocidades cometidas por todos os lados, dos que são capazes de agredir fisicamente numa madrugada vergonhosa homens, mulheres, jovens e adolescentes, que serviram também como candidatos a vítimas. Vítimas? percebo que estrategicamente foram colocados no "Templo" porque não dizer "Campo de batalha" para fortalecer seus argumentos por causa de uma Casa feita por mãos de homens, situada no bairro da Capelinha do São Caetano. O resultado da madrugada da intolerância resultou com a presença da polícia, levando em camburões alguns responsáveis de ambos os lados, pelo mal comportamento sob os olhares dos vizinhos que diziam: "Que vergonha!! são esses os crentes?"
Adesal, Adec, Ceadeb,
Conframadeb??? Quem finalmente ganhou com todo esse estrago?
Afirmo dizendo que se o sábio rei Salomão, fosse o responsável pelo veredicto de todas as questões abordadas por mim sobre umTemplo tão desejado, tão almejado, tão vislumbrado pelos os dois grupos inconsequentes, certamente ele teria dado a seguinte ordem: Esvazie este edificio de pedras, coloque uma grande quantidade de explosivos em todos os compartimentos, de alto a baixo e implodam agora! BUUMMM!!!
depois reúnam-os diante dos destroços e obriguem a todos os envolvidos levarem para suas casas os restos desta casa, pois Deus não habita em construções feitas por homens, mas habita no Templo-Homem que somos todos nós. Que isso sirva de lição para todos!! Quando olharem para os restos da construção, lembrai-vos que Deus é maior que bloco, cimento, areia, arenoso, paredes, piso, púlpito, bancos, etc.
Não esqueçam nunca mais que a venda de geladinho, abafabanca, picolé ou até mesmo trabalhos braçais que segundo "as vítimas" foi assim que o edificio foi construído, que não foram suficientes para deixá-lo de pé. Agora é pedra sobre pedra! Agora procure seus líderes e requeiram deles a idenização pelo tempo perdido de ter lutado por uma Casa que agora está no meio dos destroços!

Pr, Mário Atsayuki, Psicólogo.

Eliel Barbosa disse...

Caro Pr. Mário,

Li este teu comentário no blog do Pr. Raimundo e concordo em número, gênero e grau. No entanto, da mesma forma como as pretensas vítimas, poderia requerer o meu pedaço, porém, com o sentimento de quem construiu apenas com o espírito de termos um lugar para comungar com outros a mesma fé, e com o mesmo sentimento da mãe verdadeira, abro mão do prédio para preservar o lugar onde os cristãos se reúnem e, principalmente, o evangelho que com tanto sacrifício espalhamos na companhia de outros irmãos por aquele bairro.

Obrigado.


Em Cristo, Sua Graça, Sua Paz.