Pular para o conteúdo principal

A Vontade de Crer

 
Até para dar o primeiro passo o intelecto sozinho não é suficiente. A vontade também tem um papel a desempenhar, pois ninguém irá crer a menos que esteja disposto a crer. A vontade é requerida para abrir a mente, bem como para fechá-la. Você não precisa estar predisposto a crer no cristianismo, mas precisa estar predisposto a encontrar a verdade objetiva, onde quer que ela se encontre. Você precisa fazer uma escolha deliberada de amar, buscar, encontrar e conhecer a verdade onde ela estiver.

Isso é muito mais difícil e raro do que você imagina. Requer humildade e renúncia ao orgulho intelectual que tenta a nós todos. O orgulho intelectual implica conceber uma idéia, sentir orgulho pessoal por ela, ser favorável a ela só porque é parte da minha “mobília” mental, tendo preconceito contra idéias oponentes, porque estas não são as “minhas”.

Nós todos pensamos que somos tão corretos, tão sábios, tão confiáveis ao julgarmos. Isso é preconceito! Assim como temos de renunciar ao preconceito como obstáculo à verdade na ciência, devemos renunciar a ele pela mesma razão na religião.

Encontrar a verdade é como ver a luz, mas, ao mesmo tempo, permitir que ela mostre a verdade. É como ver a luz no sentido de que a pessoa deve abrir deliberadamente seus olhos, renunciando ao seu estado anterior (de ignorância). Uma vez feito isso, a própria luz faz o seu trabalho (de revelar o que estava invisível). A pessoa não precisa fazer a luz, apenas recebê-la. Mas deve desejar recebê-la, primeiro. O que o olho é para a luz, a mente é para a verdade.

Mas encontrar a verdade é muito diferente de ver a luz, porque não se pode deixar de ver a luz, embora muitos possam deixar de ver a verdade. Deus não faz resplandecer a verdade sobre Si de modo tão inconfundível como faz com a luz do sol. A pessoa tem que buscar Deus a fim de encontrá-Lo (Jr. 29:13; Mt. 7:7)Mas não tem que procurar a luz do sol para encontrá-la.

Por que Deus faz isto? Por que não nos dá “a luz intensa do sol do meio-dia” em relação a quem Ele é? Por que, em vez disso, Deus nos dá pistas para seguir, dados para interpretar, estrada cheia de curvas para percorrer?

Porque Deus respeita a nossa liberdade. Ele não forçará a nossa mente como a luz força os olhos a enxergarem. Se, e apenas se quisermos, nós o encontraremos. Se, e apenas se amarmos a verdade de todo o coração, com toda alma e mente, encontraremos a verdade sobre Deus. Existe luz suficiente para aqueles que o amam e o buscam, mas não é suficiente para obrigar os que não o buscam a encontrá-lo contra a sua vontade. Então, Deus arranjou para que o coração, a vontade, o amor – e não o intelecto – decidam, em última instância, o nosso destino.

A linha divisória entre aqueles que conhecem Deus e os que não o conhecem não é uma linha entre os inteligentes e os simples, entre os brilhantes e os atrasados. É como deve ser, pois a inteligência, a liberdade e a responsabilidade não dependem totalmente de nós, de nosso esforço. Em grande parte, trata-se de dons com os quais nascemos. Mas a escolha de buscar a verdade é nossa. E todos os que buscam a verdade objetiva, encontram-na em Deus.

(Extraído do “Manual de Defesa da Fé” – Peter Kreeft e Ronald k. Tacelli)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Porteiro, Auxiliar, Diácono, Presbítero, Evangelista, Pastor. E Mais. Missionária, Bispo, Apóstolo. O Que é Tudo Isso?

De repente, somos sobressaltados com a notícia: "Mais algumas dezenas, e até centenas, de novos obreiros para servir no Reino de Deus". A notícia seria boa, se guardasse a essência dos requisitos bíblicos exigidos para novos obreiros e preservassem o propósito divino na separação de novos chamados.
Para que precisamos de porteiros? Óbvio. Para guardar as portas. Porteiro era considerado Levita, desenvolvia, também, a tarefa de arrecadador de ofertas (2 Cr. 31:14) e vigia (Mc. 13:34); Jesus menciona o porteiro como responsável pela guarda da porta do aprisco das ovelhas (Jo. 10:3; ver também Ed. 7:24). É improdutivo, uma igreja de porta única, com uma quantidade exagerada de porteiros para servir.
Para que precisamos de auxiliares? Há pessoas mencionadas na Bíblia como "cooperadores", no entanto, sem evidência de se referir a um cargo. Eram pessoas que haviam prestado algum tipo de auxílio à alguém, em algum momento específico (Fp. 2:25; At. 20:35). Pode ser até o mes…

CEADEB x ADESAL - É feio, muito feio!

Os desdobramentos do litígio entre o presidente da CEADEB e o presidente da ADESAL prossegue revitalizando as feridas causadas pelo rompimento do vínculo de alguns pastores de sua convenção (CEADEB).
No mais recente episódio, uma decisão judicial interlocutória - sem definição de mérito - tomada na ação que a CEADEB move contra a ADESAL, foi entendida como um ato de destituição do pastor Israel Ferreira do comando da Assembleia de Deus em Salvador. Sem querer entrar nas questões técnicas da decisão (deixo isto para os advogados e rábulas), a decisão não dá nada a ninguém, haja vista uma série de “condicionantes” expressos no comando judicial. Na verdade, a decisão da desembargadora é uma espécie de carta do apóstolo Paulo aos Coríntios na versão para os assembleanos baianos: “se entendam!”
Ato seguinte a decisão mencionada, o pastor Valdomiro Pereira distribui um vídeo para os obreiros assembleanos. Nele, informa (ou desinforma) a plateia que o pastor Israel Ferreira foi destituído do…

QUANDO É HORA DE MUDAR DE IGREJA

Igreja, genuinamente falando, é aquele lugar onde se reúne um grupo de seguidores de Cristo com objetivo de adorar a Deus, receber ensinamentos, evangelizar e ajudar uns aos outros (At. 2:40-47). Foi com esta clara missão em mente que o apóstolo Paulo informa-nos que Deus colocou à nossa disposição os dons espirituais, a fim de edificarmos uns aos outros e estarmos aparelhados para proclamação do evangelho. Tiago esclarece outro ponto principal da igreja, dizendo que a verdadeira religião é cuidar das viúvas e dos órfãos nas suas necessidades. Por fim, as características da igreja primitiva que a tornou marcante, referência de igreja bíblica, foi que eles tinham tudo em comum e ninguém sentia falta de nada, eram solidários no partir do pão, desfrutavam da comunhão e comungavam da doutrina dos apóstolos, esta, por sua vez, Cristocêntrica.

No domingo passado fui à igreja com minha família e contei. Numa rua com, aproximadamente, quinhentos (500) metros de comprimento, cerca de treze (13…