Pular para o conteúdo principal

Quatro Passos Para se Tornar um Cristão

Alguns textos dizem tudo que gostaria de dizer. Por esta razão, resolvi transcrever alguns trechos do livro que terminei de ler, “Manual de Defesa da Fé”, escrito pelos professores de filosofia do Boston College, Peter Kreeft e Ronald K. Tacelli. Neste primeiro fragmento, eles vão direto ao ponto, no que diz respeito a tornar-se cristão. Obviamente, não se trata de “receita de bolo”, ainda que alguns podem utilizá-lo como tal. Trata-se da percepção do caminho que leva um não-cristão a tornar-se um cristão. Boa leitura.

Devemos distinguir quatro passos para alguém se tornar cristão. O primeiro passo é a crença mental. Os três passos seguintes são o arrependimento pelos pecados cometidos, a fé salvadora (a aceitação de Cristo como Salvador); e a vida cristã. Esses três passos todos pressupõem a verdade do Deus diante do qual nos arrependemos, em quem cremos e com cuja presença e ajuda real passamos a viver.

1. Crença mental é o primeiro passo porque não podemos dar outro passo rumo a um objetivo a menos que creiamos que ele exista. Não podemos buscar ou lidar com uma Pessoa em cuja existência não acreditamos. Não podemos orar a um Deus que consideramos morto (ou inexistente). (...) O primeiro passo é como crer na precisão de um mapa de estrada. Os três passos seguintes são como usar realmente o mapa.

2. O segundo é o arrependimento, que não implica apenas sentirmos culpa ou remorso pelos pecados cometidos, mas optarmos – com a parte mais fundamental e profunda da nossa alma, a vontade – por sairmos do caminho em que estávamos viajando, porque fomos convencidos de que não é o caminho certo, o verdadeiro, o melhor, concebido por Deus para levar-nos a Ele.

Em sentido pleno, o arrependimento significa a renúncia ao seu caminho presente, ao Maligno (Mt. 13:19), ao pai da mentira (Jo. 8:44), ao príncipe deste mundo (Jo. 14:30), a fim de entregar-se a Cristo, o Senhor justo.

O arrependimento não pode ser compreendido de modo adequado apenas psicologicamente, como algo dentro de você. É ontológico. É uma transação real entre você e seu Senhor, que implica uma mudança radical de lado, de lealdade. É como mudar de aliado numa guerra, como divorciar-se e casar com uma pessoa bem diferente. De certa forma, é traumático.

3. O terceiro passo é o outro lado do arrependimento; é ter fé no sentido bíblico: não apenas uma crença mental (que foi o passo um), mas aceitar e receber Cristo como Deus, Salvador e Senhor da sua alma, da sua vida, do seu destino.

O primeiro passo é crer no mapa do caminho. O segundo é desistir do seu caminho atual. O terceiro é ir para outro caminho. Esse outro caminho é uma Pessoa, a única que disse: Eu sou o caminho (...). Ninguém vem ao Pai, a não ser por mim (Jo. 14:6).

4. O quarto passo é percorrer esse novo Caminho, vivendo realmente a vida cristã. O passo três é a fé, o passo quatro são as obras; as boas obras, obras de amor. Fé e boas obras andam juntas obrigatoriamente. No passo três, a árvore da vida cristã é plantada em você. No passo quatro, ela dá frutos, pois a fé sem obras é morta (Tg. 2:26).

(...) Nossa esperança é apenas persuadir o seu intelecto honesto de que o cristianismo é verdadeiro. Isso é necessário, mas não suficiente. Ninguém lança um barco na água achando que o mar é somente um mito, mas crer no realismo do mar não basta para você se tornar um marinheiro.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Porteiro, Auxiliar, Diácono, Presbítero, Evangelista, Pastor. E Mais. Missionária, Bispo, Apóstolo. O Que é Tudo Isso?

De repente, somos sobressaltados com a notícia: "Mais algumas dezenas, e até centenas, de novos obreiros para servir no Reino de Deus". A notícia seria boa, se guardasse a essência dos requisitos bíblicos exigidos para novos obreiros e preservassem o propósito divino na separação de novos chamados.
Para que precisamos de porteiros? Óbvio. Para guardar as portas. Porteiro era considerado Levita, desenvolvia, também, a tarefa de arrecadador de ofertas (2 Cr. 31:14) e vigia (Mc. 13:34); Jesus menciona o porteiro como responsável pela guarda da porta do aprisco das ovelhas (Jo. 10:3; ver também Ed. 7:24). É improdutivo, uma igreja de porta única, com uma quantidade exagerada de porteiros para servir.
Para que precisamos de auxiliares? Há pessoas mencionadas na Bíblia como "cooperadores", no entanto, sem evidência de se referir a um cargo. Eram pessoas que haviam prestado algum tipo de auxílio à alguém, em algum momento específico (Fp. 2:25; At. 20:35). Pode ser até o mes…

CEADEB x ADESAL - É feio, muito feio!

Os desdobramentos do litígio entre o presidente da CEADEB e o presidente da ADESAL prossegue revitalizando as feridas causadas pelo rompimento do vínculo de alguns pastores de sua convenção (CEADEB).
No mais recente episódio, uma decisão judicial interlocutória - sem definição de mérito - tomada na ação que a CEADEB move contra a ADESAL, foi entendida como um ato de destituição do pastor Israel Ferreira do comando da Assembleia de Deus em Salvador. Sem querer entrar nas questões técnicas da decisão (deixo isto para os advogados e rábulas), a decisão não dá nada a ninguém, haja vista uma série de “condicionantes” expressos no comando judicial. Na verdade, a decisão da desembargadora é uma espécie de carta do apóstolo Paulo aos Coríntios na versão para os assembleanos baianos: “se entendam!”
Ato seguinte a decisão mencionada, o pastor Valdomiro Pereira distribui um vídeo para os obreiros assembleanos. Nele, informa (ou desinforma) a plateia que o pastor Israel Ferreira foi destituído do…

QUANDO É HORA DE MUDAR DE IGREJA

Igreja, genuinamente falando, é aquele lugar onde se reúne um grupo de seguidores de Cristo com objetivo de adorar a Deus, receber ensinamentos, evangelizar e ajudar uns aos outros (At. 2:40-47). Foi com esta clara missão em mente que o apóstolo Paulo informa-nos que Deus colocou à nossa disposição os dons espirituais, a fim de edificarmos uns aos outros e estarmos aparelhados para proclamação do evangelho. Tiago esclarece outro ponto principal da igreja, dizendo que a verdadeira religião é cuidar das viúvas e dos órfãos nas suas necessidades. Por fim, as características da igreja primitiva que a tornou marcante, referência de igreja bíblica, foi que eles tinham tudo em comum e ninguém sentia falta de nada, eram solidários no partir do pão, desfrutavam da comunhão e comungavam da doutrina dos apóstolos, esta, por sua vez, Cristocêntrica.

No domingo passado fui à igreja com minha família e contei. Numa rua com, aproximadamente, quinhentos (500) metros de comprimento, cerca de treze (13…