Pular para o conteúdo principal

Quando a Crise Mostra a Sua Face


Subsídio – Lição 1 – Jovens e Adultos – 4º Tri 2011 – CPAD
Texto Áureo: Ne. 1:3
Texto Base: Ne. 1:1-7

Crise é como chamamos aqueles momentos em que tudo foge do controle; ou aqueles instantes em que precisamos tomar uma decisão cujo resultado é de extrema importância, e não fazemos a menor idéia do que decidir; ou ainda, quando algo extremamente prejudicial aconteceu, ou está acontecendo, nos causando profunda dor. São aqueles instantes que expõe nossa pequenez, nossas fragilidades e nossa impotência.

Neemias, em meio à rotina de sua vida, é surpreendido com péssimas notícias a respeito de seus compatriotas. Através de seu irmão Hanani, fica sabendo que, apesar de não estar mais debaixo do cativeiro, seu povo estava em estado de miséria e vulnerabilidade.

Os sentimentos de Neemias diante da crise são importantes em razão de percebermos o vínculo sentimental com seu povo. Sem esse vínculo, não daria qualquer valor as informações que recebeu, aliás, talvez nem se interessasse por notícias de Jerusalém. Daí, precisamos entender os sentimentos de Neemias e avaliar os nossos.

Quando analisamos o relato que Neemias faz das notícias que recebeu, percebemos duas coisas.

1) Apesar da distância, ele amava seu povo;

2) Ele não apenas amava, também se preocupava com seu bem-estar.

Destaco, então, que qualquer situação de crise só o será, efetivamente, se o objeto envolvido tiver vínculo com nosso sentimento de carinho e preocupação. Foi o envolvimento emocional com seu povo que levou Neemias as reações que devemos ter diante de nossas próprias crises.

a) Assentou, chorou e lamentou por alguns dias;


Diante dos infortúnios da vida, não devemos agir como triunfalistas irracionais. Cremos que somos vitoriosos em Cristo Jesus, mas, nossa trajetória aqui é passível de derrotas e humilhações (Jo. 16:33; Fp. 4:12). Nestes casos, o melhor remédio é reconhecer as circunstâncias más que nos envolve e aguardar a orientação do Senhor para os passos a serem seguidos.

Neemias estava ferido e angustiado diante da crise que se apresentava, porém, não saiu desesperado atrás de pseudos guias ou profetisas, apenas parou, chorou e lamentou a triste situação do seu povo. Foi um tempo em que se permitiu viver sentimentos que, certamente, aprimoravam seu coração para a tarefa que estava por realizar.

b) Jejuou e orou a Deus;

Neemias tinha motivos claros para orar e jejuar. Todo cristão deve manter uma vida de oração e jejum, porém, estes elementos não devem ser utilizados apenas como uma rotina da vida do servo de Deus. A oração deve ser praticada de maneira séria e com intenção de comunicar a Deus o que se passa no coração. Seja uma necessidade ou um agradecimento, deve ser utilizado por aquele que sabe estar se comunicando com um Deus invisível, mas, real.


As famigeradas vigílias que inúmeras denominações ou grupos realizam, são utilizadas pura e simplesmente para arrecadação de dinheiro, promoção pessoal e atendimento as vaidades espirituais de meninos inconstantes que vivem atrás de movimentos que atendam suas idéias de “presença divina” no meio do povo. É apenas pelo puro espetáculo. A verdade é que, muitas dessas vigílias, poderiam ser chamadas de “baladas gospel” que em nada afetaria a essência desses encontros.

c) Confessou e suplicou perdão pelos pecados seus e do povo;

Como é importante não queimar etapas na reconstrução de um relacionamento com Deus. Neemias tinha isto muito claro. Deus não poderia ajudar o povo se este não reconhecesse, se arrependesse e confessasse ao Deus dos céus seus erros e sua rebeldia deliberada.

Neemias se dispõe a agir como verdadeiro sacerdote do seu povo. Buscava a atenção de Deus para a miséria de Judá, e mais do que isto, desejava que Deus agisse em pró de sua nação. Confessou e alcançou de Deus a oportunidade de recomeçar, pois, a confissão é a atitude que sinaliza o reconhecimento dos erros e a disposição em fazer a vontade de Deus.

É preciso entender que para Deus todas as coisas são claras como a luz do dia. Sendo assim, não adianta errar e continuar agindo como se nada tivesse acontecido. Os pecados não confessados permanecem ativos diante de Deus, impedindo o livre acesso ao trono da graça. Porteiros, dirigentes de círculo de oração, presbíteros, pastores ou qualquer outro membro da comunidade cristã devem estar conscientes deste pré-requisito na comunhão com o Pai.


d) Se dispôs a agir.

Ao trabalho! Este deve ser o lema daqueles que desejam a reconstrução. Apontar os erros, criticar por criticar e se omitir é a faceta mais fácil das crises. Neemias chorou, lamentou, orou, jejuou, confessou e... AGIU. Colocou as mãos no arado. Não ficou achando que estava sozinho e que o trabalho era de um tamanho que o impediria de fazer alguma coisa.

Deus deseja agir através daqueles que reconhecem seus pecados e fragilidades, invocam seu nome e se disponibiliza a ser canal de bênçãos para outros. A crise tende a mostrar nossas impossibilidades, porém, Deus, em sua graça infinita, a utiliza para nos mostrar suas inúmeras possibilidades.

Conclusão

Quando a crise se mostrar em toda a sua força, não lamente apenas ou fique na inércia. Lamente, Ore, jejue, confesse e espere.

Estamos em crise? Que ótimo! Bom momento para Deus agir (II Co. 12:9).

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Porteiro, Auxiliar, Diácono, Presbítero, Evangelista, Pastor. E Mais. Missionária, Bispo, Apóstolo. O Que é Tudo Isso?

De repente, somos sobressaltados com a notícia: "Mais algumas dezenas, e até centenas, de novos obreiros para servir no Reino de Deus". A notícia seria boa, se guardasse a essência dos requisitos bíblicos exigidos para novos obreiros e preservassem o propósito divino na separação de novos chamados.
Para que precisamos de porteiros? Óbvio. Para guardar as portas. Porteiro era considerado Levita, desenvolvia, também, a tarefa de arrecadador de ofertas (2 Cr. 31:14) e vigia (Mc. 13:34); Jesus menciona o porteiro como responsável pela guarda da porta do aprisco das ovelhas (Jo. 10:3; ver também Ed. 7:24). É improdutivo, uma igreja de porta única, com uma quantidade exagerada de porteiros para servir.
Para que precisamos de auxiliares? Há pessoas mencionadas na Bíblia como "cooperadores", no entanto, sem evidência de se referir a um cargo. Eram pessoas que haviam prestado algum tipo de auxílio à alguém, em algum momento específico (Fp. 2:25; At. 20:35). Pode ser até o mes…

CEADEB x ADESAL - É feio, muito feio!

Os desdobramentos do litígio entre o presidente da CEADEB e o presidente da ADESAL prossegue revitalizando as feridas causadas pelo rompimento do vínculo de alguns pastores de sua convenção (CEADEB).
No mais recente episódio, uma decisão judicial interlocutória - sem definição de mérito - tomada na ação que a CEADEB move contra a ADESAL, foi entendida como um ato de destituição do pastor Israel Ferreira do comando da Assembleia de Deus em Salvador. Sem querer entrar nas questões técnicas da decisão (deixo isto para os advogados e rábulas), a decisão não dá nada a ninguém, haja vista uma série de “condicionantes” expressos no comando judicial. Na verdade, a decisão da desembargadora é uma espécie de carta do apóstolo Paulo aos Coríntios na versão para os assembleanos baianos: “se entendam!”
Ato seguinte a decisão mencionada, o pastor Valdomiro Pereira distribui um vídeo para os obreiros assembleanos. Nele, informa (ou desinforma) a plateia que o pastor Israel Ferreira foi destituído do…

QUANDO É HORA DE MUDAR DE IGREJA

Igreja, genuinamente falando, é aquele lugar onde se reúne um grupo de seguidores de Cristo com objetivo de adorar a Deus, receber ensinamentos, evangelizar e ajudar uns aos outros (At. 2:40-47). Foi com esta clara missão em mente que o apóstolo Paulo informa-nos que Deus colocou à nossa disposição os dons espirituais, a fim de edificarmos uns aos outros e estarmos aparelhados para proclamação do evangelho. Tiago esclarece outro ponto principal da igreja, dizendo que a verdadeira religião é cuidar das viúvas e dos órfãos nas suas necessidades. Por fim, as características da igreja primitiva que a tornou marcante, referência de igreja bíblica, foi que eles tinham tudo em comum e ninguém sentia falta de nada, eram solidários no partir do pão, desfrutavam da comunhão e comungavam da doutrina dos apóstolos, esta, por sua vez, Cristocêntrica.

No domingo passado fui à igreja com minha família e contei. Numa rua com, aproximadamente, quinhentos (500) metros de comprimento, cerca de treze (13…