sexta-feira, 2 de setembro de 2011

Nova Contribuição Para a Saúde? Diga Não!!!

Quando o Dr. Adib Jatene sugeriu a criação de uma contribuição para melhoria do sistema de saúde no Brasil, acreditamos que estivesse com as melhores das intenções. No entanto, o que se viu, após criada a CPMF, foi tudo, menos melhoria no sistema de saúde no Brasil. Os nossos administradores lesaram a opinião pública, pois, arrecadaram e utilizaram os recursos para outros fins. Tendo perdido sua validade, tal contribuição deixou de ser cobrada.

Mas, como a ânsia pelo dinheiro suado dos brasileiros não cessa, a classe política dominante da vez, vez por outra, intenta o retorno da famigerada contribuição. Novamente volta ao noticiário a proposta de arrecadar um "dinheirinho" extra para a saúde, e nós, brasileiros precisamos reagir. O Brasil não precisa de aumento em sua carga tributária (uma das maiores do mundo) para, "supostamente" melhorar seu sistema de saúde.

O Estado e a Prefeitura do Rio de Janeiro gastaram cerca de R$ 30.000.000,00 (trinta milhões) para realizar o sorteio das eliminatórias para a Copa do Mundo de 2014 (Eram para partidas de eliminatórias. Imaginem como não gastarão com o sorteio para partidas da copa). Em São Paulo, o poder público está abrindo mão da arrecadação de outros milhões de reais, para favorecer a construção de um estádio de futebol, quando, na própria cidade de São Paulo, há inúmeros outros estádios prontos para tal evento. O STF reclama corte de verba que permitiria o aumento dos salários de seus Ministros, dos míseros R$ 26.000,00 (vinte e seis mil reais), para cerca de R$ 30.000,00 (trinta mil reais).

Ora, pelo que se vê, o Brasil é um país rico e tem recursos suficientes para oferecer melhores serviços públicos aos seus cidadãos. O que falta é vergonha na cara desta famigerada classe política e de alguns dentro da classe empresarial. Empresarial, também, pois, corrupção não acontece se não houve "parceiros". Em todos os casos de corrupção apontadas neste país, existe sempre uma empresa que pagou propina porque com a outra mão foi beneficiada por contratos facilitados e superfaturados com o Estado.

Aliás, por falar em melhoria dos serviços públicos brasileiros, para que isto ocorra, basta determinar que

"todo servidor público (Presidente, Ministros, Senadores, Deputados, Vereadores, Governadores, Prefeitos e respectivos familiares), estão proibidos de utilizar serviço de saúde, de educação, de transporte e de segurança, especiais e privados. Devem, quando necessário, utilizar os serviços oferecidos pelo Estado Brasileiro. Além disso, os seus salários estarão vinculados ao salário mínimo vigente".

Se isto acontecesse, com absoluta certeza, nossos serviços seriam os melhores do mundo, e o salário mínimo pago no Brasil, mais decente. O problema é o "se". Essa gente é egoísta, insensível, narcisista, avarenta e inconsequente.

Eles não lembram que, por mais dinheiro que tenham, por mais serviços especiais que se utilizem, se encontrarão e serão destruidos pelo mesmo processo que o outro: a morte.

Pelo menos na morte, seja queimado ou enterrado, o corpo dessa gente servirá como exemplo para os vivos do que seja tratamento igualitário.

Nenhum comentário: