sexta-feira, 25 de maio de 2012

Quatro Pilares Para Uma Família Feliz

Família é a reunião de pessoas formada a partir da união de dois indivíduos distintos que resolvem, por livre e espontânea vontade, unir-se com vistas a alcançar um objetivo comum: viver suas vidas, amparadas, um pelo outro, superando os desafios até a conclusão de sua jornada terrena.

Mas, afinal, quais os ingredientes necessários para um bom casamento? Quais os elementos que compõem uma família feliz? O que precisamos fazer para que nosso lar seja um lugar onde as pessoas se sintam bem em estar e desejem em todo tempo, desfrutar? Muitas ações, hoje, estão voltadas para correção de relacionamentos, porém, acredito que maior ênfase deve ser dada a prevenção. Compreender o que é um casamento, obter o preparo adequado e esforçar-se por cumprir seu papel nesta relação.

É claro que não existe uma fórmula mágica que, adotada, faz, instantaneamente, que tornemos nossa família feliz. Por favor, não confundamos família feliz com família perfeita. Uma família perfeita não existe e não é possível atingir, haja vista que, na base, ela é formada por pessoas imperfeitas. No entanto, uma família feliz é possível. Aqui seria necessária uma análise melhor sobre o que é felicidade, mas o espaço não nos permite, pois, como podemos definir uma família feliz se não compreendermos o que é felicidade? Porém, podemos alertar que felicidade varia de pessoa para pessoa, isto porque, há entre tantas coisas, aquilo que me causa felicidade, mas, esta mesma coisa não causará felicidade ao outro. Para alguém que gosta de moto, um carro não vai lhe dar a sensação de sonho ou desejo realizado.

Ultrapassado este preâmbulo, uma família feliz é aquela onde marido e mulher se respeitam e são respeitados por seus filhos, sogros e sogras, onde as dificuldades são vencidas com companheirismo, cumplicidade e unidade, onde a base está no amor incondicional e suas virtudes acessórias como, perdão, resignação, piedade, misericórdia, senso de justiça apurada, bom senso e bom humor. Fruto de um ambiente assim, os membros dessa família crescem e são valorizados.

O Pr. Sérgio e sua esposa, a psicóloga, Magali Leoto, afirmam: “As FAMÍLIAS SAUDÁVEIS [FELIZES], não são perfeitas, mas suportam com equilíbrio e estabilidade as mudanças e problemas que enfrentam. No caso das famílias saudáveis "cristãs", utilizam a Palavra de Deus como fonte de valores e base para ações do dia-a-dia. A vivência do evangelho se dá nos bons e maus momentos, sendo um bom testemunho aos que não conhecem a Jesus”.

Para que isto aconteça, antes de qualquer coisa, os envolvidos devem perceber a importância do agir individual nesse sentido. Isto exige renúncia, luta diária, perdão, resignação, cumplicidade, amizade e, acima de tudo, como dito acima, amor incondicional. Estas atitudes devem ser encaradas pelo homem e pela mulher que desejam sua casa como um oásis em meio ao deserto de desesperança atual.

1º PILAR – Maturidade

Para uma família feliz, os seus fundadores devem ser maduros. Isto significa que o homem e a mulher devem ter vivido tempo suficiente para adquirir capacidade racional de decisão, compreensão adequada de suas próprias emoções e visão realista da vida, sem exagerar a dimensão dos problemas em detrimento das oportunidades de crescimento e conquistas. Estamos falando de homem e mulher com um mínimo de estrutura emocional, afinal, para encarar as responsabilidades de um casamento e, conseqüentemente, uma família, é preciso:

Ø  Equilíbrio – Uma pessoa destemperada prejudica o “sabor da vida”; o equilíbrio de cada um, reflete no equilíbrio dos dois;

Ø  Cumplicidade – Os dois estão do mesmo lado da trincheira;

Ø  Longanimidade – Capacidade de prosseguir, apesar das adversidades. Disposição de suportar um ao outro até a morte;

Ø  Perdão – O que nos separa não deve destruir o que no une;

Ø  Bom humor – Um príncipe e uma princesa devem ter a marca registrada do sorriso;

Ø  Amor incondicional – Altruísta.

Outros elementos poderiam ser descritos aqui, porém, em razão do espaço, vou me ater a estes, salientando que é pelos motivos expostos acima, que somos contrários ao casamento de pessoas muito jovens, mesmo levando em consideração as variações entre um e outro desenvolvimento individual.

2º PILAR - Uma Mínima Estrutura Para Uma Nova Família

Um ditado popular já dizia: “Quem casa quer casa”. Digo que, na verdade, dentro do que expomos aqui, “quem quer casar, tem que ter casa”. No Brasil, o desequilíbrio social entre ricos e pobres é enorme, o que tornam maiores as dificuldades para adquirir casa própria e demais condições de sobrevivência para a maioria da população. Fruto disto, muitos jovens casais unem-se pelos laços do matrimônio e passam a viver na casa de um dos pais, inclusive sob as expensas dos mesmos. Certamente que a comunhão com os pais, tanto do homem como da mulher, é algo louvável e recomendável, porém, a habitação conjunta agrega não apenas o lado positivo da unidade, mas, também, uma gama de dificuldades que poderiam ser evitadas, dentre elas, a falta de privacidade e independência para o novo casal. Lembrando a Bíblia, a recomendação é “deixe o homem seu pai e sua mãe, e se uma a sua mulher tornando-se, os dois, uma só carne” Gn.2:24.

Ø  Formação educacional e profissional;

Ø  Se possível, casa própria; senão, alugada mesmo;

Ø  Negócio ou emprego de onde retirar o sustento. Devo chamar a atenção para a soma da mão de obra do marido e, também, da mulher. Com os devidos cuidados, caso haja filhos pequenos envolvidos.

3º PILAR - Valores Morais

A sociedade sofre as conseqüências do abandono de valores que constroem uma vida cidadã. Valores como respeito a vida, a autoridade, urbanidade, honestidade, justiça, bondade, e outros mais, são imprescindíveis para, não apenas uma família, mas para uma sociedade feliz. Não esqueçamos que a família é a base da sociedade. Se a sociedade atravessa um período ruim de sua existência, está apenas sinalizando que algum problema está afetando o desenvolvimento das famílias. Uma família só alcançará felicidade plena quando seus integrantes adotarem e respeitarem valores morais, tais como:

Ø  Respeito ao direito dos outros;

Ø  Urbanidade;

Ø  Honestidade;

Ø  Senso de justiça.

4º PILAR - Valores Espirituais

O ser humano só se completa quando cuida de seu espírito. O senso comum da existência de um Ser Supremo que criou e controla todas as coisas é prova irrefutável da necessidade que o homem tem de atentar para Ele. Esta necessidade é fruto de um espírito doado pelo Criador à sua criatura, figurando como uma marca indelével de sua propriedade. O homem, então, sente a necessidade de um relacionamento com Ele, culminando com anseio em prestar-lhe adoração. Para uma família feliz, seus membros precisam cultivar uma vida espiritual saudável, desenvolvendo em seus corações a fé em Deus que os amparará nas dificuldades e os impulsionará na conquista de seus objetivos mais nobres.

Ø  Fé em Deus;

Ø  Crença na Sua Palavra;

Ø  Devoção.

CONCLUSÃO

Quem olha uma boa e bonita casa não pode esquecer que ela deve estar firmada num alicerce confiável, senão, apesar de boa e bonita, pode desabar a qualquer momento. Sendo assim, a construção de uma família deve está amparada numa base sólida. Esta base é a Palavra de Deus, a Bíblia Sagrada. Seus conceitos, seus valores e seus mandamentos é base confiável e já aprovada na edificação de milhares de lares em todo o mundo e em todos os séculos. Cumprindo-se o que disse Cristo: “Quem edificar sua casa sobre [esta] a rocha, os ventos e as intempéries não a derribarão” (Mt. 7:25).

Que os cônjuges, representando suas famílias, entendam, aceitem e executem os sábios conselhos de Deus. Saibam que, aqueles que decidiram seguir sem a ajuda divina, conseguem dar alguns passos em trilhas extremamente difíceis, porém, na primeira oportunidade, imaginam encontrar a solução na dissolução do casamento e, consequentemente, da família; aqueles, porém, que decidiram pela companhia do Senhor na sua caminhada familiar, enfrentam dificuldades, sofrem dores, mas, jamais estão sós. São consolados, estimulados e renovados na certeza de que o fim da caminhada será melhor que o início dela. Ele nos prometeu! Ele cumprirá! Nesta fé, prosseguimos desfrutando de um ambiente familiar saudável e feliz.

Eu creio!!!

Fiquem bem...

Fiquem com Deus.

Um comentário:

Anônimo disse...

Eliel,
eu peguei a sua definição d efamília para uma apresentação. Adorei o que escreveu.

Grupo Voluntário de apoio à Adoção Maria Fumaça