Pular para o conteúdo principal

Análise de Apocalipse (complemento)

Os sete selos (6:1-8:5) incluem guerra, fome e morte, que estão associadas a guerra e perseguição. A inserção profética entre o sexto e o sétimo selos descreve o selo protetor dos 144.000 filhos de Israel, 12.000 de cada tribo. Ele também vê mais adiante as multidões de todas as partes da Terra, "os que vêm da grande tribulação". Os eventos catastróficos na maioria dos julgamentos da trombeta são chamados de "tormento" (8:2-11:19).

A inserção profética entre a sexta e a sétima trombetas (10:1-11:14) adiciona mais detalhes sobre a natureza do período de tribulação e menciona o quarto grupo de sete julgamentos ("sete trovões"), que poderia tê-la estendido, se eles não tivessem sido retirados. As duas testemunhas sem nome ministram durante três anos e meio de tribulação (42 meses ou 1.260 dias). No final de seu ministério, eles são subjugados pela besta, mas sua ressurreição e ascensão destroem seus inimigos.

Os caps. 12-14 contém numerosas profecias que são inseridas entre os julgamentos da trombeta e da taça para dar um cenário melhor da época da tribulação. No cap. 12, uma mulher dá à luz um filho homem, que é arrebatado para Deus. A mulher foge para o deserto e é perseguida por um dragão, que é jogado na Terra. O cap. 13 dá uma descrição gráfica da besta e de seu falso profeta, ambos capacitados pelo dragão. A primeira besta recebe autoridade política, econômica e religiosa; e, por causa de seu poder e dos milagres mentirosos que faz através da segunda besta, ela é adorada como dominadora da Terra. O cap. 14 contém, uma série de visões incluindo os 144.000 no final da tribulação, o destino daqueles que seguem a besta e o derramar da ira de Deus.

Os julgamentos das sete taças do cap. 16 são prefaciados por uma visão celestial do poder, santidade e glória de Deus do cap. 15. Os caps. 17-18 antecipam a queda final da Babilônia, a grande meretriz sentada numa besta escarlate.

O banquete das bodas do Cordeiro está pronto, e o Rei dos  reis e Senhor dos senhores lidera os exércitos dos céus, contra a besta e seu falso profeta. Eles são jogados no lago de fogo (19).

No cap. 20, o dragão - Satanás - é preso durante mil anos. Ele é jogado no abismo. Durante esse período de mil anos, Cristo reinará sobre a Terra com seus santos ressurretos, mas no final do milênio, muitos nascerão e recusarão submeter o coração a Cristo. No final dos mil anos, Satanás é liberto, e uma batalha final acontece. Esse acontecimento é seguido pelo julgamento perante o grande trono branco.

Um novo universo é criado, desta vez sem ser destruído pelo pecado, morte, dor e tristeza. A nova Jerusalém, descrita em 21:9-22:5, é moldada como um cubo gigante, de 3.000 km de comprimento, largura e altura (o lugar mais santo do tabernáculo e do templo no Antigo Testamento também eram um cubo perfeito). Suas pedras multicoloridas refletirão a glória de Deus, e ela será continuamente cheia de luz. Mas a maior coisa de todas é que os crentes estarão na presença de Deus, e "veremos a sua face".

Apocalipse conclui com um epílogo (22:6-21), que tranquiliza os leitores de que Cristo virá sem demora (22:7,12,20) e convida todos que desejam receber "de graça a água da vida" (22:17) a virem ao Alfa e ômega, a brilhante Estrela da manhã.

(BEP - SBB)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Porteiro, Auxiliar, Diácono, Presbítero, Evangelista, Pastor. E Mais. Missionária, Bispo, Apóstolo. O Que é Tudo Isso?

De repente, somos sobressaltados com a notícia: "Mais algumas dezenas, e até centenas, de novos obreiros para servir no Reino de Deus". A notícia seria boa, se guardasse a essência dos requisitos bíblicos exigidos para novos obreiros e preservassem o propósito divino na separação de novos chamados.
Para que precisamos de porteiros? Óbvio. Para guardar as portas. Porteiro era considerado Levita, desenvolvia, também, a tarefa de arrecadador de ofertas (2 Cr. 31:14) e vigia (Mc. 13:34); Jesus menciona o porteiro como responsável pela guarda da porta do aprisco das ovelhas (Jo. 10:3; ver também Ed. 7:24). É improdutivo, uma igreja de porta única, com uma quantidade exagerada de porteiros para servir.
Para que precisamos de auxiliares? Há pessoas mencionadas na Bíblia como "cooperadores", no entanto, sem evidência de se referir a um cargo. Eram pessoas que haviam prestado algum tipo de auxílio à alguém, em algum momento específico (Fp. 2:25; At. 20:35). Pode ser até o mes…

CEADEB x ADESAL - É feio, muito feio!

Os desdobramentos do litígio entre o presidente da CEADEB e o presidente da ADESAL prossegue revitalizando as feridas causadas pelo rompimento do vínculo de alguns pastores de sua convenção (CEADEB).
No mais recente episódio, uma decisão judicial interlocutória - sem definição de mérito - tomada na ação que a CEADEB move contra a ADESAL, foi entendida como um ato de destituição do pastor Israel Ferreira do comando da Assembleia de Deus em Salvador. Sem querer entrar nas questões técnicas da decisão (deixo isto para os advogados e rábulas), a decisão não dá nada a ninguém, haja vista uma série de “condicionantes” expressos no comando judicial. Na verdade, a decisão da desembargadora é uma espécie de carta do apóstolo Paulo aos Coríntios na versão para os assembleanos baianos: “se entendam!”
Ato seguinte a decisão mencionada, o pastor Valdomiro Pereira distribui um vídeo para os obreiros assembleanos. Nele, informa (ou desinforma) a plateia que o pastor Israel Ferreira foi destituído do…

QUANDO É HORA DE MUDAR DE IGREJA

Igreja, genuinamente falando, é aquele lugar onde se reúne um grupo de seguidores de Cristo com objetivo de adorar a Deus, receber ensinamentos, evangelizar e ajudar uns aos outros (At. 2:40-47). Foi com esta clara missão em mente que o apóstolo Paulo informa-nos que Deus colocou à nossa disposição os dons espirituais, a fim de edificarmos uns aos outros e estarmos aparelhados para proclamação do evangelho. Tiago esclarece outro ponto principal da igreja, dizendo que a verdadeira religião é cuidar das viúvas e dos órfãos nas suas necessidades. Por fim, as características da igreja primitiva que a tornou marcante, referência de igreja bíblica, foi que eles tinham tudo em comum e ninguém sentia falta de nada, eram solidários no partir do pão, desfrutavam da comunhão e comungavam da doutrina dos apóstolos, esta, por sua vez, Cristocêntrica.

No domingo passado fui à igreja com minha família e contei. Numa rua com, aproximadamente, quinhentos (500) metros de comprimento, cerca de treze (13…