sábado, 26 de abril de 2014

O Cristão e o Mundo do Entretenimento

Entretenimento tem a ver com distração. "Distração é um relaxamento que acomoda." A ideia é fazer com que percamos a tensão ou abandonemos a rigidez necessária para encararmos as lutas da vida e resolvermos nossos problemas reais. O entretenimento é, sempre, um espetáculo sem qualquer importância que preenche teu tempo de tal forma que você fica sem tempo para coisas importantes.


Eis aí a Copa do Mundo no Brasil. Serão, aproximadamente, quarenta e cinco dias em que só pensaremos nisso. E o que é isso?


Futebol é uma brincadeira de criança. Brincadeira saudável que estimula o exercício físico e, por consequência, a saúde física e mental (quando desfrutado por crianças ou "como" crianças). A despeito dos benefícios de quem o pratica, em nosso tempo, o futebol profissional se tornou um grande negócio. Explorado pelos adultos, ele é, por um lado, um forte instrumento de distração, e por outro, um jogo de interesse que visa apenas dinheiro. Nesse sentido, o futebol se tornou um produto cujos donos o expõe como atividade de "grande importância", colocando-o, inclusive, acima dos verdadeiros interesses das nações.


O torneio de futebol chamado "Copa do Mundo" visa, única e exclusivamente, oferecer às pessoas de um determinado país, durante um período determinado, entretenimento fútil que exige como contraprestação dinheiro. O nosso suado dinheiro. Eles oferecem circo e nós lhes damos o dinheiro que deveria ser utilizado, em primeiro lugar, para sustento nosso e de nossas famílias e, sobrando algum, para ajudar o necessitado.


Há, no exemplo citado acima, o quadro claro do objetivo primordial do entretenimento (Mais uma vez: "Entretenimento é distração. Distração é um relaxamento que acomoda"). Empenhamos energia e tempo numa coisa sem importância real, apenas visual e mental, que nos acomoda no que diz respeito às coisas importantes como "desfrutar, efetivamente, daqueles serviços e bens que melhorem nossa vida real".


Agora me digam (como brasileiros): Torcer por uma equipe de futebol, que a CBF explora com o nome de "Brasil", é realmente torcer pelo Brasil real? Todas as vezes que o time de futebol da CBF ganhou esse tipo de torneio a vida real dos brasileiros melhorou?


Quando a propaganda cessa o que vemos? a realidade nua e crua. Todas as vezes em que a equipe de futebol da CBF foi a campeã, uma após outra, eles (jogadores, técnicos, patrocinadores e cartolas da CBF/FIFA) se deram bem e os demais brasileiros permaneceram na miséria, "desfrutando" dos péssimos serviços públicos sem reclamar. Na miséria... porém, felizes (???) por eles terem sidos os campeões.


Agora voltemos nossos pensamentos para o "ser" cristão no mundo do entretenimento.


Dois exemplos bíblicos para encerrar:


1º - O bezerro de ouro no deserto. "E ele os tomou das suas mãos, e trabalhou o ouro com um buril, e fez dele um bezerro de fundição. Então disseram: Este é teu deus, ó Israel, que te tirou da terra do Egito" (Ex. 32:4). Como a fé do povo estava em Moisés e o líder demorava a retornar para a aldeia, eles precisavam de alguma coisa que os distraíssem. "Algo que preenchesse a ausência de Deus". Receberam de bandeja um bezerro de ouro. Vejam que interessante. Eles passaram a adorar um bezerro como um deus que "os devolviam ao ambiente do Egito". Ou seja, o povo de Deus que deveria avançar tendo em memória a "terra que mana leite e mel", estava regredindo pensando na terra de servidão, "a terra dos bezerros de ouro". Se distraíram do que era importante, e se acomodaram no que era fútil e danoso para eles mesmos.


2º - Cristo na festa judaica do tabernáculo. "E no último dia, o grande dia da festa, Jesus pôs-se em pé, e clamou, dizendo: Se alguém tem sede, venha a mim, e beba" (Jo. 7:37). Jesus estava na festa, mas, sua preocupação era com a sede espiritual do povo. Ele não estava "distraído" com a festa. Ao contrário. Estava na festa para fazê-los "cair" na real. Não precisa dizer mais nada.


Em tempos de Copa do Mundo de Futebol, será que não estamos embarcando na canoa furada do entretenimento? Da distração? Vejam só que diferença. Quando nos distraímos, pensamos na Copa do Mundo como "a chance" do time de futebol do Brasil/CBF ser novamente campeão. Quando NÃO estamos entretidos, distraídos, percebemos "a chance" de fazê-los conhecer a verdade do evangelho, a grande chance de salvação, sua única forma de salvação.


Porque o mundo tem interesse em nos distrair?


Isto se aplica a tantas coisas em evidência no meio cristão... Ah, se tivesse espaço e tempo.

Nenhum comentário: