quinta-feira, 10 de abril de 2014

As Novas Ditaduras Intelectuais

Por Eliel Teixeira

Um grupo qualquer se reúne e decide: "Não é bom que as crianças cresçam com essa ideia de diferença entre homem e mulher". Como esse grupo faz parte do governo da vez, e estão amparados por alguma resolução da ONU (aquele organismo internacional criado pelas super-potências para domar o mundo, cujos dirigentes não são eleitos pela população mundial), pronto! Está nascendo um princípio sociológico infalível que deverá ser empurrado na garganta da população independentemente da sua opinião.
 
Paga-se meia dúzia de cargos federais, estaduais ou municipais à deputados e senadores, compra-se com propaganda institucional as mídias mais populares, investem no circo (futebol, carnaval, novelas, etc) que entorpece as mentes e pronto. Está armada a armadilha para impor a vontade de "uns poucos" sobre "os muitos".
 
A prevalência é sempre "dos poucos" que estão no poder, que detêm o dinheiro. O nosso dinheiro. No Brasil atual essa é a motriz social. E, então, a sociedade fica "nas mãos" desses anãos intelectuais e anti-democráticos que numa via defende a democracia (na via da propaganda) e, numa outra via impõe ditatorialmente sua vontade a revelia da vontade popular.
 
É dessa forma que a ditadura-gay se impõe no Brasil em detrimento da natural organização social heterossexual no mundo, é dessa forma que a mentira da discriminação racial prevalece no Brasil em detrimento da discriminação social, é dessa forma que a "prevalência feminina" se impõe no Brasil em detrimento do respeito mútuo, é dessa forma que o "politicamente correto" se impõe no Brasil em detrimento da pluralidade de visão e opiniões normais em uma sociedade de cidadãos que têm consciência e capacidade para diferenciar e opinar sobre o certo e o errado.
 
A visão que esses pequenos grupos possuem da sociedade brasileira é a de um bando de animais que precisam de um bridão (instrumento colocado na boca do cavalo para freiá-lo ou fazê-lo mudar de direção). Partem do pressuposto de que a sua visão, e somente a sua visão, é a revelação extraordinária e perfeita do mundo perfeito que se pretende alcançar. São apenas eles os detentores da verdade absoluta sobre tudo e, desta forma, todos devem reconhecê-los e aceitar, por bem ou por mal, seu planejamento e seu modelo organizacional social.
 
E o que temos?
 
Temos uma sociedade em que ninguém pode defender a posição do homem sem que seja tachado de machista, ninguém pode defender a posição heterossexual que se torna homofóbico, ninguém pode defender o respeito aos brancos porque se torna racista, ninguém pode defender a livre opinião que se torna um criminoso. Vejam que maravilha. Ninguém pode atacar esses conceitos pré-estabelecidos porque se torna fascista e um mal a ser calado e destruído.
 
Infelizmente o nível educacional da população brasileira tem permitido que os brasileiros se tornem presas fáceis dessa gente. Se enganam quando imaginam que eles estão realmente interessados numa sociedade melhor. Na verdade, inúmeros desses conceitos nascem por força da necessidade que eles têm de mostrar serviço, justificando assim, sua própria existência e os recursos que exploram.
 
O que precisamos tomar consciência é que, quando a sociedade entrar em convulsão e os conflitos sociais se alastrarem de forma insana, essa turma vai pegar o primeiro avião disponível e irá se refugiar num país sério qualquer. Ninguém se engane. Eles não irão fugir para Coreia do Norte, para Cuba e muito menos para algum país africano.
 
Os modernos ditadores intelectuais não são bobos. Bobos são aqueles que acreditam em suas falácias.

Nenhum comentário: