Pular para o conteúdo principal

Por Quem Lutamos?

Na harpa cristã há uma música (nº 212) que trata de batalha (Que fique claro se tratar de batalhas espirituais, e não, físicas ou contra pessoas). Crescemos ouvindo e cantando essa canção que motivou-nos a enfrentar as dificuldades, sejam elas espirituais ou materiais, com determinação tal que o único resultado a ser aceito não podia ser outro que não a vitória.

Este espírito que envolve a fé cristã faz suscitar batalhadores incansáveis, gente dedicada a lutar pelo bem de si mesmo e de outros. Aliás, o estímulo maior que recebemos é lutarmos pelo irmão, pelo outro, pelo mais necessitado. Esta é a luta dos santos.

Sobre as pelejas em si, percebemos níveis diferentes de dificuldades em cada batalha. A história bíblica envolvendo Davi e Bateseba (2 Sm) revela esta realidade. Davi querendo se livrar de Urias (esposo de Bateseba), ordena ao seu general que o coloque na parte da peleja mais intensa e de maior risco. Esta realidade, dos níveis diferentes de dificuldade e intensidade, se repete em nossas batalhas espirituais.

Lembremos da igreja em Corinto. A única que a Bíblia informa possuir em seus termos todos os dons (1 Co. 1:7; 12:8-10), mas, também informa ter sido uma igreja inundada com problemas de todo tipo. Esta verdade guarda a coerência da utilização dos dons como instrumentos divinos para combate de problemas e edificação do corpo de Cristo.

Voltemos a composição da canção mencionada (HC 212) e notemos um de seus trechos: "Eu quero estar com Cristo, onde a luta se travar, no lance imprevisto na frente m'encontrar..." (coro), e ainda, "Dá-te pressa, não vaciles, hoje Deus te chama para vires pelejar ao lado do Senhor; entra na batalha onde mais o fogo inflama, e peleja contra o vil tentador!" (estrofe).

Nosso desejo neste artigo é lembrar da coerência que deve existir entre o que lemos na Bíblia, o que testemunhamos e o que fazemos diante das lutas que são travadas envolvendo o Reino de Deus. É lembrarmos de nossa utilidade nas mãos de Deus, despertando-nos para o fato de que nossa utilidade tem a ver com nossa disposição de lutar onde a necessidade é mais premente.

Lembremos de Neemias no palácio de Artaxerxes. Apesar de empregado, comida boa, protegido da chuva, do vento, do frio e do calor, cama boa para repousar, protegido de agressões gratuitas e de outras adversidades tão comuns e cruéis para os remanescentes em Jerusalém. "Como estás Neemias?"- Como poderia estar bem com o "meu povo sofrendo em minha pátria?"

Sim, bom seria deitar numa rede e lutar as guerras com controle remoto nas mãos, bom seria assistir do monte a luta travada no vale e declarar "a vitória é nossa pelo sangue de Jesus!" É muito bom estar numa igreja estabilizada, pequenos problemas, rápida solução, dinheiro farto, mantimentos sobrando, tudo do bom e do melhor.

Mas, e o meu povo? Aqueles que de boa-fé se achegaram à Cristo e se juntaram a nós esperando companhia, apoio, ajuda e um pouco de piedade, mas estão sofrendo nas mãos de homens gananciosos, arrogantes, prepotentes, orgulhosos, que amam mais os deleites do que a Deus? Quem lutará por e com aqueles neófitos que são presas fáceis de pregadores que anunciam a generosidade como cúmplice de seu projeto pessoal de ganhar dinheiro?

A lei da menor resistência, do menor esforço, atende aos anseios da nossa preguiça, acomodação e letargia, mas, não nos enche a alma daquela sensação boa de estar "realmente" sendo útil "ao Reino de Deus".

Sim, meus caros irmãos, talvez, pra nós, seria muito melhor pertencer a casta alta, ocupando-nos em cuidar de pessoas uma vez por semana no gabinete pastoral, evangelizando de púlpito ou através do grupo de evangelismo que segue seu próprio plano e suporta seu próprio custo, dando tempo integral e prioritário as intermináveis reuniões administrativas que muito pouco acrescenta a organização (ao contrário).

Mas, a Palavra clama que o exemplo a ser seguido é o de Cristo.

Sair dos palácios e "descer" para se tornar um igual, sentindo as mesmas dores, clamando desesperadamente por salvação e tentando sair do sufoco na terra arrasada. É entender que "ninguém nos salvará" se nós mesmos não nos dispusermos a pegar as armas espirituais e batalhar pela fé que uma vez "nos foi dada" (à nós. Eu e meus irmãos).

Que os dissimulados continuem no monte, assistindo a luta; Que os insensíveis se escondam nos palácios de olhos fechados para a penúria dos da sua família; Que os espertos estejam se esbaldando nos recursos abundantes alheios a dor da falta de mantimento dos remanescentes. Deus cuidará deles, mesmo que, na prática, eles não acreditem nem temam a Deus.

O cristão autêntico é aquele que observa o vale, e onde a batalha estiver mais difícil, ele se alia aos combatentes de Deus que teimam em lutar até que o mal seja plenamente derrotado pelo bem, onde mesmo sangrando, eles insistem em fazer brilhar a luz de Cristo e dissipar as trevas. É uma guerra louca, insana... Mas, vale a pena lutar.

Que nossa presença seja onde, realmente, podemos fazer a diferença em favor do Reino de Deus.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Porteiro, Auxiliar, Diácono, Presbítero, Evangelista, Pastor. E Mais. Missionária, Bispo, Apóstolo. O Que é Tudo Isso?

De repente, somos sobressaltados com a notícia: "Mais algumas dezenas, e até centenas, de novos obreiros para servir no Reino de Deus". A notícia seria boa, se guardasse a essência dos requisitos bíblicos exigidos para novos obreiros e preservassem o propósito divino na separação de novos chamados.
Para que precisamos de porteiros? Óbvio. Para guardar as portas. Porteiro era considerado Levita, desenvolvia, também, a tarefa de arrecadador de ofertas (2 Cr. 31:14) e vigia (Mc. 13:34); Jesus menciona o porteiro como responsável pela guarda da porta do aprisco das ovelhas (Jo. 10:3; ver também Ed. 7:24). É improdutivo, uma igreja de porta única, com uma quantidade exagerada de porteiros para servir.
Para que precisamos de auxiliares? Há pessoas mencionadas na Bíblia como "cooperadores", no entanto, sem evidência de se referir a um cargo. Eram pessoas que haviam prestado algum tipo de auxílio à alguém, em algum momento específico (Fp. 2:25; At. 20:35). Pode ser até o mes…

CEADEB x ADESAL - É feio, muito feio!

Os desdobramentos do litígio entre o presidente da CEADEB e o presidente da ADESAL prossegue revitalizando as feridas causadas pelo rompimento do vínculo de alguns pastores de sua convenção (CEADEB).
No mais recente episódio, uma decisão judicial interlocutória - sem definição de mérito - tomada na ação que a CEADEB move contra a ADESAL, foi entendida como um ato de destituição do pastor Israel Ferreira do comando da Assembleia de Deus em Salvador. Sem querer entrar nas questões técnicas da decisão (deixo isto para os advogados e rábulas), a decisão não dá nada a ninguém, haja vista uma série de “condicionantes” expressos no comando judicial. Na verdade, a decisão da desembargadora é uma espécie de carta do apóstolo Paulo aos Coríntios na versão para os assembleanos baianos: “se entendam!”
Ato seguinte a decisão mencionada, o pastor Valdomiro Pereira distribui um vídeo para os obreiros assembleanos. Nele, informa (ou desinforma) a plateia que o pastor Israel Ferreira foi destituído do…

QUANDO É HORA DE MUDAR DE IGREJA

Igreja, genuinamente falando, é aquele lugar onde se reúne um grupo de seguidores de Cristo com objetivo de adorar a Deus, receber ensinamentos, evangelizar e ajudar uns aos outros (At. 2:40-47). Foi com esta clara missão em mente que o apóstolo Paulo informa-nos que Deus colocou à nossa disposição os dons espirituais, a fim de edificarmos uns aos outros e estarmos aparelhados para proclamação do evangelho. Tiago esclarece outro ponto principal da igreja, dizendo que a verdadeira religião é cuidar das viúvas e dos órfãos nas suas necessidades. Por fim, as características da igreja primitiva que a tornou marcante, referência de igreja bíblica, foi que eles tinham tudo em comum e ninguém sentia falta de nada, eram solidários no partir do pão, desfrutavam da comunhão e comungavam da doutrina dos apóstolos, esta, por sua vez, Cristocêntrica.

No domingo passado fui à igreja com minha família e contei. Numa rua com, aproximadamente, quinhentos (500) metros de comprimento, cerca de treze (13…