quarta-feira, 21 de janeiro de 2015

Milagres Não São Comuns. Se Fossem, Não Seriam Milagres.

Muitas religiões fazem suas propagandas atestando a ocorrência de milagres. Pela profusão e "certeza" deles, o imaginário popular é invadido pela sensação de que tudo que nos envolve e acontece é resultado de milagres. Por esta razão, afastamos a ideia de muito do que acontece pertencer ao rol de eventos naturais da existência.
 
Quando tratamos disto, não estamos falando da forma romântica, e real, da existência ser sustentada por um sopro (um milagre), não falamos do milagre de ter um carro próprio após "o sacrifício do pagamento de todas as prestações do financiamento", falamos daquele evento sobrenatural que nasce no mundo espiritual e "muda" a paisagem engessada pelo mundo natural.
 
Milagre é aquele acontecimento que interfere e altera o que é natural, normal, cotidiano. Por exemplo, alguém está morto e, sem qualquer justificativa, volta a viver. Não é normal, depois de morta, uma pessoa ressuscitar. Isto é algo "sobrenatural". Podemos até divergir quanto a quem fez o milagre e porquê, no entanto, o fato é que se trata de um evento que não se enquadra na normalidade do curso da existência. Morreu, tá morto.
 
Uma das características do milagre é sua "excepcionalidade". É estranho conhecer o que é um milagre e perceber que no ambiente espiritual atual (especialmente no neo-pentecostalismo), sua ocorrência é tão comum que, pasmem, deixa de ser milagre. A dor nas costas que desapareceu, o filho que voltou para casa dos pais, a dívida que foi quitada, etc., são alguns dos exemplos de milagres comuns que presenciamos. Invariavelmente, nesses casos, a dor nas costas retorna, o filho volta a fugir e novas dívidas são contraídas.
 
Deixe-me citar duas ocorrências que, comprovadas por farta documentação (laudos médicos, atestados, fotos, vídeos e testemunhas oculares), evidenciam o que são milagres. São os casos da esposa do Pr. Mardiel e da irmã Bianca Toledo (recomendo aos nossos dez leitores que encontrem o testemundo deles disponível em DVD e livros). No mundo, apesar de não conhecidos, acredito na existência de outros tão "extraordinários" como esses que manifestam uma realidade "anormal", provando  a existência de um poder que foge do controle e da compreensão humana. O Deus desconhecido.
 
Quando tomamos conhecimento desses autênticos milagres nossa fé se renova, nosso coração se enche de alegria e nossa alma glorifica o Nosso Pai que está nos céus. Somos impactados por estes testemunhos e nos enchemos ainda de mais ousadia para anunciar o Reino de Deus, e como resultado, outras pessoas se rendem aos pés de Cristo e entregam suas vidas à Deus.
 
Nos dias em que vivemos, o que temos, na verdade, é muita propaganda e poucos milagres. Bom seria que a propaganda fosse apenas desses poucos milagres. Aumentaria nossa fé e renovaria nossa confiança na existência de um Deus real, que faz milagres quando, sinceramente, precisam de sua intervenção e lhe permitem agir.
 
A insistência em chamar de milagres eventos comuns do existir acomoda o crente e desrespeita a soberania de Deus. Esse tipo de propaganda invés de ajudar, atrapalha. Uma pessoa ocupada com esses falsos atos sobrenaturais tem a tendência de afastar seu coração e mente da principal razão de existir do milagre, trazer "luz" sobre Deus, sua existência, sua palavra e seu poder extraordinário.
 
Eu acredito em Deus. Quem acredita em Deus, acredita em milagres. Só desconfio dos homens (recomendo a leitura de Jeremias 5:20-31).

Nenhum comentário: