domingo, 18 de março de 2012

Político Cristão Tem a Responsabilidade de Ser Diferente

É natural que o político defenda os pontos de vistas do segmento que ele representa, e por esta atitude, ele seja contestado ou reprovado pelos representantes de outros segmentos sociais. Na democracia, isto é normal e o que se espera dos vereadores, deputados e senadores. No entanto, há no Brasil de hoje, uma grave crise ética envolvendo o Parlamento e os políticos de modo geral.

Com a popularidade que só ganha de galinheiro (e olhe lá), são, invariavelmente, taxados de preguiçosos, em decorrência das imagens de plenário vazio, dos recessos, viagens nababescas disfarçadas de viagens de interesse público, são conhecidos pelos altos salários, auxílio-moradia, verbas parlamentares das mais distintas e absurdas, passagens aéreas e os dezenas de assessores que são pendurados no parlamento apenas para sangrar o dinheiro da viúva (Segundo estudos, só para este ano o orçamento do Congresso foi de R$ 6.068.072.181,00, o que representa um custo de R$ 11.545,04 por minuto. Este valor corresponde, aproximadamente, a 18 salários mínimos pagos aos demais trabalhadores.), enfim, os políticos brasileiros, de maneira geral, são conhecidos como “a maior e pior chaga que a democracia produziu”.

Neste contexto, o segmento evangélico brasileiro, pelo crescimento quantitativo que vem experimentando nos últimos anos, despertou-se para a necessidade de ter seus próprios representantes nas diversas câmaras no Brasil. Como passo natural numa democracia, o voto é o seu instrumento de decisão no que diz respeito aos seus representantes.

Os cristãos são conhecidos como aquelas pessoas que decidiram aderir ao plano salvífico de Cristo, exposto na Bíblia e, especificamente, nos evangelhos, sendo investidos não só na missão de salvação da alma, mas, na mudança de comportamento em relação àquelas atitudes éticas que são reprováveis pelo senso comum, como por exemplo, as atitudes e o modo de vida dos nossos parlamentares.

Como representantes deste segmento, o que se espera dos políticos cristãos, é que adotem um comportamento ético exemplar. Verbas parlamentares sendo usadas com rígido controle, viagens desnecessárias recusadas, recusa em transformar seus gabinetes em cabides de empregos para familiares e amigos, benesses salariais extras devolvidas ao erário público, assiduidade e empenho na votação daquelas questões importantes para o país, recusa em participar do famoso “toma-lá-dá-cá” vergonhoso na relação com o governo, enfim, um comportamento que dignifique o cristianismo e, por conseguinte, o próprio parlamento.

O que se vê dos representantes cristãos é, no mínimo, omissão quanto a esses graves problemas, e quando algum segmento no tecido social se faz ouvir com uma voz de protesto, imediatamente levantam a bandeira em defesa da democracia como justificativa para manutenção dos comportamentos absurdos promovidos pelos nossos edis atuais.

Mas, é preciso dizer, tudo tem limite. Há, no meio da população, na surdina, um clamor por uma ação militar que retome o controle da lei e da ordem que não funciona nas mãos dos governos civis até então. O apoio da população às greves dos policiais militares é apenas um indício deste sentimento social. É preciso que se diga: “a maioria dos brasileiros não são anárquicos, são pessoas decentes que sabem viver num ambiente de ordem e respeito”.

O que o segmento evangélico espera de seus representantes é que eles, além de não participarem desta política baixa, batalhem pela interrupção destes desmandos e desta agressão que o parlamento brasileiro promove contra seus cidadãos de bem. Que sejam dedicados e aguerridos na defesa dos interesses cristãos, sendo, também, aguerridos e dedicados na defesa dos interesses de uma população que deseja um país forte com equidade, fraternidade e justiça social.

Um comentário:

marcelodellapoor disse...

Mundo liberal ó/ ó/ ó não puxá que pena, sua liberdade econômica, mas sim vc também tem interesses, mas eu sou livre e não escovo dentes, puxa eu defendo os direitos dos anormais, sim sou culto formado nas melhores escolas do mundo, mas vc rouba e ha prova, mas ai vem, agora sim e a mulher, mas sincera e honesta, ó/ ó/ KKKKKK vai conta eu conto, mas tu conta não sei, mas agora vem a questão, se tu me pode veja sou machista ou Max, tudo bem sou feminista ora bichão não sei, quanto que vc me pode posso vc será que pode! Essa conjuntura de valores hoje na sociedade e o mergulho no orgulho daquele que sacode dizendo, vc tem que acreditar em que nos vamos chegar aonde? Sim quanto, mas informação, mas cultura, mas conhecimento. Vamos EUA melhor ensino, mas cultura, mas crise, mas guerra, vocês cultos são engraçados, eu não sei ler nem escrever, sou de peiche ou peixe pra mim tanto faz ou fas pronto tudo bem você defende uma classe amanha seus filhos defenderam outra classe, o presente de hoje será o abismo do amanha, e o amanha será outro dia, mas que agonia de tanta gente pra falar! As instituições financeiras foram grandes agentes de contágio desta crise e isto diz-nos onde é que as reformas se têm de focar. “As instituições financeiras têm de ser agente de crescimento, não uma ameaça ao crescimento”, porque tudo vem da família padrões que no universo não o inverso, se hoje vemos crise no mundo, espera para ver o amanhã. Há hoje e o amanha tenho que ir ao banheiro to com uma dor de barriga.