Pular para o conteúdo principal

Guerreiros "do ou Pelo" Templo da Capelinha: "Guardem as Espadas!!!"

“E eis que um dos que estavam com Jesus, estendendo a mão, puxou da espada e, ferindo o servo do sumo sacerdote, cortou-lhe uma orelha. Então Jesus disse-lhe: Embainha a tua espada; porque todos os que lançarem mão da espada, à espada morrerão. Ou pensas tu que eu não poderia agora orar a meu Pai, e que ele não me daria mais de doze legiões de anjos? Como, pois, se cumpririam as Escrituras, que dizem que assim convém que aconteça? Então disse Jesus à multidão: Saístes, como para um salteador, com espadas e varapaus para me prender? Todos os dias me assentava junto de vós, ensinando no templo, e não me prendestes” (Mt. 26:46-50).

Nenhuma autoridade é maior do que a de Jesus. Inicio este texto assim, na tentativa de que nossos irmãos se despertem para a realidade da manipulação consciente ou inconsciente que fazem conosco.
Nós, enquanto Cristãos, somos discípulos de Cristo, e como tal, estamos num constante aprendizado. Se nosso Mestre é Jesus, entendemos que de suas Palavras beberemos e, sem questioná-Lo, aceitaremos seus mandamentos (Jo. 15), colocando-os em prática.
Infelizmente, envolvido pelo elo familiar e cristão com os embates pela posse da Assembléia de Deus em Capelinha de São Caetano, fui, com lágrimas, conversar com Deus em oração. Expus meu coração à Deus e este texto veio à minha mente. Não ouso dizer que foi Deus quem colocou (não me arrisco a usar o Nome de Deus em vão), apenas lembrei-me dele. É um texto que vem à minha mente no momento certo.
No episódio registrado por João, dois grupos se encontram. Qual o objeto de disputa: CRISTO. Uns, os servos do sumo sacerdote ou soldados do templo acompanhados de Judas, queriam prendê-lo para julgá-lo e matá-lo. Outros, os discípulos de Jesus, defendê-lo.
A disputa era a vida de um homem. Mesmo que fosse um homem comum, e não Jesus, o Filho de Deus, já seria uma missão honrosa para os discípulos defenderem sua integridade física (humanamente falando). No entanto, vale dizer, talvez tivesse sido um homem comum, não houvesse tanto empenho na defesa de sua vida (Basta ver os inúmeros dos que foram lançados para as feras nos trágicos espetáculos do Coliseu de Roma ou, então, as várias guerras em que muitos morreram sem nenhuma intervenção dos religiosos para impedir tais mortes).
Neste episódio, Pedro toma a frente de Cristo e, tomando sua espada, desfere golpes contra os soldados do templo. Neste momento, Jesus, SURPREENDENTEMENTE, interfere...
“... Guarde tua espada, homem!” Opa! Jesus, invés de motivá-lo em sua defesa, o repreende.
É verdade. Cristo pensa e age de maneira diferente do homem carnal. Por esta razão, é difícil compreender o evangelho de Jesus e, muito menos, praticá-lo. Certamente, Pedro não entendeu nada:
- O que estava acontecendo? Os errados são eles, os soldados do templo e Judas, não eu.
Vamos recordar. Para Jesus, os seus são aqueles que fazem a vontade do Pai que está nos céus, não quem O defende com armas carnais (Mc. 3:31-35; Mt. 26:47; Jo. 15:14).
Vale destacar, levando em consideração o tema abordado aqui. PRESTE ATENÇÃO: INDEPENDENTEMENTE DE QUEM ESTEJA UTILIZANDO ESTAS ARMAS, SEJAM REPRESENTANTES DA CEADEB, SEJAM REPRESENTANTES DA ADESAL OU CONFRAMADEB ou QUALQUER OUTRA AGREMIAÇÃO QUE O VALHA.
Cristo, em sua passagem por nós aqui na terra, tinha como um de seus objetivos preparar seus discípulos, não os soldados do templo. Precisava esclarecer a diferença entre ser religioso, defensor cego e ferrenho dos ritos e das tradições (características dos religiosos no Séc. I, “herdeiros” da Lei), do ser Filho de Deus, doador da própria vida em favor do irmão. Ele sempre tratou da essência (Lc. 6:45), como é característico do Seu evangelho.
Quem deveria carregar Sua essência eram os que foram chamados por Ele, não os que serviam ao templo. A violência, o desequilíbrio, a insensatez, a maledicência, a brutalidade, o ódio, são instrumentos da carne (Gl. 5:19-21), e a carne luta contra o Espírito, mesmo quando pensamos lutar a seu favor.
Jesus, profundo conhecedor das Escrituras, mesmo por que, sendo Ele quem a inspirou, conhecia o texto que diz: “Não é por força, nem por violência, mas, pelo meu Espírito, assim diz o Senhor dos exércitos” (Zc. 4:6).
- Oh! Senhor, como é difícil entendermos isto (1 Co. 2:14).
Agora, abrindo um parêntese, observem o que Jesus fala com Pedro em Lc. 22:31-34: Disse também o Senhor: Simão, Simão, eis que Satanás vos pediu para vos cirandar como trigo; Mas eu roguei por ti, para que a tua fé não desfaleça; e tu, quando te converteres, confirma teus irmãos. E ele lhe disse: Senhor, estou pronto a ir contigo até à prisão e à morte. Mas Ele disse: Digo-te, Pedro, que não cantará hoje o galo antes que três vezes negues que me conheces”.
(No evangelho de João, encontra-se a identificação do discípulo que agiu destemperadamente – Jo. 18:10,11)
Pedro, espiritualmente ainda imaturo, precisava entender melhor o Espírito que havia em Cristo para, então, deixar-se guiar por Ele. Esta oportunidade, quase que no “apagar das luzes” de Sua presença física entre nós, não foi desperdiçada por Jesus.
“Guarda a tua espada, pois, quem usa de violência pela violência padecerá”. Em outra tradução, Cristo informa: “você não sabe de que Espírito Eu Sou”. “Jeová-shalom é o seu nome” (Jo. 14:27).
Jesus destaca à Pedro que, sua decisão deliberada de não-agressão à quem quer que seja, mesmo inimigo, não era por não possuir meios para confrontá-los. Diz Jesus: “Se eu quisesse, oraria ao Pai e Ele enviaria multidões de anjos para me defender”. Atente. Jesus estava tratando de sua própria vida e, de uma maneira mais abrangente, do princípio da autoridade. Jesus, voluntariamente, não quis demonstrar seu poder, nem defender sua vida. Havia um propósito maior.
Aí, irmãos, vão seguir a quem? O Cristo ou ao Sumo Sacerdote? Que armas vão utilizar? As carnais ou espirituais (2 Co. 10:4)? E aí, “Pedro”, vai guardar a espada ou não?
Esta decisão é tão importante que, ao final, saberemos quem é de Deus e quem não é; Ou, a depender de como ajam os dois grupos, não vai aparecer quem seja (1 Jo. 3:10, Mt. 5:9). Pensem nisto.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Porteiro, Auxiliar, Diácono, Presbítero, Evangelista, Pastor. E Mais. Missionária, Bispo, Apóstolo. O Que é Tudo Isso?

De repente, somos sobressaltados com a notícia: "Mais algumas dezenas, e até centenas, de novos obreiros para servir no Reino de Deus". A notícia seria boa, se guardasse a essência dos requisitos bíblicos exigidos para novos obreiros e preservassem o propósito divino na separação de novos chamados.
Para que precisamos de porteiros? Óbvio. Para guardar as portas. Porteiro era considerado Levita, desenvolvia, também, a tarefa de arrecadador de ofertas (2 Cr. 31:14) e vigia (Mc. 13:34); Jesus menciona o porteiro como responsável pela guarda da porta do aprisco das ovelhas (Jo. 10:3; ver também Ed. 7:24). É improdutivo, uma igreja de porta única, com uma quantidade exagerada de porteiros para servir.
Para que precisamos de auxiliares? Há pessoas mencionadas na Bíblia como "cooperadores", no entanto, sem evidência de se referir a um cargo. Eram pessoas que haviam prestado algum tipo de auxílio à alguém, em algum momento específico (Fp. 2:25; At. 20:35). Pode ser até o mes…

CEADEB x ADESAL - É feio, muito feio!

Os desdobramentos do litígio entre o presidente da CEADEB e o presidente da ADESAL prossegue revitalizando as feridas causadas pelo rompimento do vínculo de alguns pastores de sua convenção (CEADEB).
No mais recente episódio, uma decisão judicial interlocutória - sem definição de mérito - tomada na ação que a CEADEB move contra a ADESAL, foi entendida como um ato de destituição do pastor Israel Ferreira do comando da Assembleia de Deus em Salvador. Sem querer entrar nas questões técnicas da decisão (deixo isto para os advogados e rábulas), a decisão não dá nada a ninguém, haja vista uma série de “condicionantes” expressos no comando judicial. Na verdade, a decisão da desembargadora é uma espécie de carta do apóstolo Paulo aos Coríntios na versão para os assembleanos baianos: “se entendam!”
Ato seguinte a decisão mencionada, o pastor Valdomiro Pereira distribui um vídeo para os obreiros assembleanos. Nele, informa (ou desinforma) a plateia que o pastor Israel Ferreira foi destituído do…

QUANDO É HORA DE MUDAR DE IGREJA

Igreja, genuinamente falando, é aquele lugar onde se reúne um grupo de seguidores de Cristo com objetivo de adorar a Deus, receber ensinamentos, evangelizar e ajudar uns aos outros (At. 2:40-47). Foi com esta clara missão em mente que o apóstolo Paulo informa-nos que Deus colocou à nossa disposição os dons espirituais, a fim de edificarmos uns aos outros e estarmos aparelhados para proclamação do evangelho. Tiago esclarece outro ponto principal da igreja, dizendo que a verdadeira religião é cuidar das viúvas e dos órfãos nas suas necessidades. Por fim, as características da igreja primitiva que a tornou marcante, referência de igreja bíblica, foi que eles tinham tudo em comum e ninguém sentia falta de nada, eram solidários no partir do pão, desfrutavam da comunhão e comungavam da doutrina dos apóstolos, esta, por sua vez, Cristocêntrica.

No domingo passado fui à igreja com minha família e contei. Numa rua com, aproximadamente, quinhentos (500) metros de comprimento, cerca de treze (13…