sábado, 19 de novembro de 2011

Afinal, cai ou não cai?

Mais um ministro, agora o do "trabalho" está na berlinda. Muitas denúncias envolvendo-o em relações, no mínimo, inconvenientes, e não consegue responder adequadamente. Já tentou de tudo. "Não conheço", "não viajei" (parece Lula), "não há nada de irregular em minha conduta no "ministério do meu partido"". De repente a memória voltou. Conheço, mas não sou amigo. Quando viu que nada do que dizia ajudava, apelou: "Dilma, Eu Te Amo!!" Haja paciência!

Ele conta com o tempo, e parece que Dilma também. Ficamos aqui a nos perguntar: "Afinal, cai ou não cai?" Talvez, a melhor pergunta agora é: "quando ele cai?", porque nós, brasileiros, não podemos aceitar outra iniciativa que não seja: "Fora! Senhor Ministro do Trabalho, Carlos Lupi e seu bando (PDT)."

Já passou da hora de ser atingido pela "bala" que derruba, por mais pesado que ele seja, aqueles que infrigem o dever e a integridade moral que deve permear a atuação de homem público, principalmente, na gestão do bem público.

É o que se espera.

Um comentário:

Pr. Raimundo Campos disse...

Meu caro Eliel, cai sim. Mas cai, não por causa da execução do juízo e da justiça, mas por causa da carta na manga desta corja que depois volta por causa da memória curta ou a falta dela neste país. Que carta? A chamada: "pedido de demissão". Fazendo isto, pronto, o sujeito continua com direito de concorrer nas próximas eleições! Eles não caem, se jogam na cama inflável da impunidade.