terça-feira, 24 de agosto de 2010

Se Você Pensa Que Já Viu Tudo...

Igreja Universal abrirá concurso para pastor; salário inicial é de R$ 8 mil (http://www.gospel10.com/noticias/noticia--igreja-universal-abrira-concurso-para-pastor-salario-inicial-e-de-r-8-mil--639).

Só precisa saber se o regime trabalhista adotado será a CLT ou normas estatutárias internas. De qualquer má-sorte, fica o registro apenas como demonstração de qual espírito orienta estes homens.
Fiquemos guardados em Deus, até que um dia, Ele o sabe, apareça um reformador evangélico que se levante contra este quadro de degradação espiritual que mergulharam o cristianismo pentecostal.

Também, não podemos esperar outra coisa de um clero que instituiu a novena e a sessão do descarrego na versão evangélica. Talvez, no novo capítulo desta triste história, eles substituam o "Glória a Deus" por saravá.

Valei-me meu Deus!!!

2 comentários:

PERFEITOS EM UNIDADE disse...

Eliel, seguindo e obedecendo sua determinação, acessei hoje o blog.
Para mim foi uma ótima surpresa. Que o Senhor continue iluminando sua mente e usando este blog para edificação de muitos.
Lamentavelmente, muitos sofismas têm sido absorvidos no seio da igreja há muitos séculos. A apostasia, já profetizada, fica cada vez mais evidente, pois é um processo progressivo...
No entanto, o Senhor sempre reserva para si os seus remanescentes, para que não confundam, entre tantas confusões que emanam por aí, Instituição com Igreja ou Título com Ministério.
Penso que a Igreja não necessita propriamente de uma reforma, posto que o conceito de reforma, por si só, implica em preservar as estruturas anteriores, fazendo apenas consertos e reparos aqui ou ali.
Isso ocorreu, de certa forma, com a Reforma Protestante. Não obstante trazer princípios maravilhosos, como o acesso às Escrituras e a consciência da Graça de Deus, Lutero tinha como objetivo reformar a denominação chamada "Igreja Católica Romana". Ou seja, manter a estrutura eclesiástica surgida em Roma no século IV.
O apego às estruturas, conluios políticos, separação entre "clero" e "fiéis", dias especiais, cartilhas moralistas de conduta do tipo "pode" e "não pode" e templos suntuosos continuou mesmo após a Reforma.
Entendo que devemos buscar uma constante restauração da Igreja, para que possamos viver de acordo com os padrões do Reino ensinados e vividos por Jesus e pelos irmãos dos primeiros séculos.

Sempre que puder, estarei aqui lendo os posts.

Em Cristo,

Jesiel

Eliel Teixeira disse...

Perfeito a sua colocação, e isto só reforça a necessidade da reforma ser "original", o que quero dizer é que ela deve devolver à igreja a vida que possuia no início do seu convívio com o Senhor Jesus Cristo. Precisamos voltar a ser conhecidos como o povo que sobe e desce anunciando o evangelho (os do caminho), e não como o povo insensível do "templo suntuoso".
Obrigado por seu comentário, que contribui para nosso desenvolvimento intelectual e espiritual.
Fique com Deus.