Pular para o conteúdo principal

Minha Consciência Não Está à Venda

O momento é de extrema cautela, pois, a título de modernidade e avanço social, somos pressionados a aceitar o inaceitável. São dias onde a relativização é imposta de modo tão agressivo que, parece, não restar outra alternativa senão aceitá-la, indistintamente, sejamos cristãos ou não.


Neste vendaval de situações, nas quais, devemos tomar posição, somos valorados como produtos disponibilizados no mercado, onde basta apresentar seu preço e leva-se para onde bem entender. Seja na política, na religião, na profissão, onde estivermos inseridos, somos apenas números facilmente manipulados ao bel prazer do contador.

Cristo nos ensina que não podemos aceitar o padrão estabelecido pelos homens, haja vista que seu deus é o dinheiro e sua motivação é a ânsia pelo poder. Cristo desmascara a cruel face dos amantes de si mesmos, pois, desprovidos da essência divina, acham que o fim justificam os meios, assim, se dispõe a violentar os princípios cristãos, alimentando egos humanos e oferecendo valores materiais como pagamento pela consciência dos outros.

“Minha consciência não está à venda, nem meus princípios cristãos!” Tenho problemas, vivo dilemas éticos e morais como todo mundo, mas quero melhorar e não piorar. Naquilo que posso, uso a força do radicalismo para defender o cristianismo que acredito, ainda que a dor se faça sentir na minha própria carne. Não posso aceitar a “benesse” que me oferecem para calar a minha consciência, pois, por maior que seja o prazer desfrutado, não cobriria o custo que é a dor de uma alma vendida e agredida na sua integridade espiritual.

Na política, não posso votar num candidato ou candidata que fere os princípios cristãos ao apoiar o aborto, a homossexualidade, a legalização das drogas, ou se comporte como uma “maria–vai-com-as-outras” nas demais questões éticas e morais que colocam em lados opostos o secularismo e o cristianismo. É preferível votar num cara que não sabe “fazer um “o” com um copo”, mas não abre mão dos seus princípios cristãos, seja lá qual for sua denominação.

Na religião, não posso concordar com os “privilégios” que me oferecem, apenas para que eu ratifique insensatez e brutalidades. O pedido é para deixar de lado os princípios que regem a vida da igreja, e por conseqüência, a vida cristã, a fim de que as atitudes insanas e inconseqüentes sejam justificadas. O passado da religião condena este tipo de comportamento, basta ler sobre as guerras e suas “santas” inquisições. Com argumentos meramente humanos, colocados em contraposição aos princípios cristãos estabelecidos na Bíblia, querem que aceitemos o inaceitável.

Como diz o compositor cristão: “não quero ser apenas mais um na multidão...” dos que vão olhando Deus pelo retrovisor (acrescento). A proporção que seguem em frente, pensam estar se aproximando, quando, na verdade, estão se distanciando cada vez mais de Deus.

“Minha consciência e meus princípios têm preço”. Jesus estabeleceu o valor quando morreu na cruz por mim. Sendo assim, é impossível encontrar alguém que me ofereça um valor maior.

Comentários

Artigo muito bom. Para quem está andando para o céu. Pena que quase ninguém mais está fazendo isso. O caminho é estreito demais. E a mensagem, por seu lado, muito dura.
Eliel Teixeira disse…
Querido irmão da Igreja da Resistência,
É bem verdade, o caminho é estreito, porém, o espaço que há nele é suficiente para nós passarmos. Em Cristo, este caminho estreito é um lugar de repouso e descanso. Nossa preocupação "primeira" deve ser salvar a nós mesmos, isto porque, "que adianta ganhar o mundo e perder a nossa alma?". Portanto, salve a tua alma e, se possível, vamos salvar a de outros também.
Obrigado por seu comentário.
Fique bem...
Fique com Deus.

Postagens mais visitadas deste blog

Porteiro, Auxiliar, Diácono, Presbítero, Evangelista, Pastor. E Mais. Missionária, Bispo, Apóstolo. O Que é Tudo Isso?

De repente, somos sobressaltados com a notícia: "Mais algumas dezenas, e até centenas, de novos obreiros para servir no Reino de Deus". A notícia seria boa, se guardasse a essência dos requisitos bíblicos exigidos para novos obreiros e preservassem o propósito divino na separação de novos chamados.
Para que precisamos de porteiros? Óbvio. Para guardar as portas. Porteiro era considerado Levita, desenvolvia, também, a tarefa de arrecadador de ofertas (2 Cr. 31:14) e vigia (Mc. 13:34); Jesus menciona o porteiro como responsável pela guarda da porta do aprisco das ovelhas (Jo. 10:3; ver também Ed. 7:24). É improdutivo, uma igreja de porta única, com uma quantidade exagerada de porteiros para servir.
Para que precisamos de auxiliares? Há pessoas mencionadas na Bíblia como "cooperadores", no entanto, sem evidência de se referir a um cargo. Eram pessoas que haviam prestado algum tipo de auxílio à alguém, em algum momento específico (Fp. 2:25; At. 20:35). Pode ser até o mes…

Cristo Está Morto! ...de Vergonha.

As Assembleias de Deus na Bahia foi construída sobre os ombros de homens e mulheres altruístas e dedicados que seguiam os conselhos bíblicos com a radicalidade exigida de quem, verdadeiramente, se converteu a Cristo. Foi desta forma que ela cresceu, se consolidou e tornou-se referência de conduta cristã e legítima representante do movimento pentecostal. Seu povo, ordeiro, decente e piedoso, nutria profundo respeito da população por serem responsáveis, honestos, humildes e fiéis.
Mas o crescimento trouxe consigo o desassossego de uma estrutura cada vez maior para suportar um organismo em expansão. A quantidade cada vez maior de congregações exigia mais esforços de sua liderança, pois, com uma administração centralizada, a mobilidade e os recursos passam a ser compartilhados para sustentar a própria estrutura administrativa. É essa estrutura administrativa que, no afã de conceder segurança futura aos seus ministros, fundam uma associação de pastores, conhecida como Convenção.
Órgão com ab…

CEADEB x ADESAL - É feio, muito feio!

Os desdobramentos do litígio entre o presidente da CEADEB e o presidente da ADESAL prossegue revitalizando as feridas causadas pelo rompimento do vínculo de alguns pastores de sua convenção (CEADEB).
No mais recente episódio, uma decisão judicial interlocutória - sem definição de mérito - tomada na ação que a CEADEB move contra a ADESAL, foi entendida como um ato de destituição do pastor Israel Ferreira do comando da Assembleia de Deus em Salvador. Sem querer entrar nas questões técnicas da decisão (deixo isto para os advogados e rábulas), a decisão não dá nada a ninguém, haja vista uma série de “condicionantes” expressos no comando judicial. Na verdade, a decisão da desembargadora é uma espécie de carta do apóstolo Paulo aos Coríntios na versão para os assembleanos baianos: “se entendam!”
Ato seguinte a decisão mencionada, o pastor Valdomiro Pereira distribui um vídeo para os obreiros assembleanos. Nele, informa (ou desinforma) a plateia que o pastor Israel Ferreira foi destituído do…