sexta-feira, 13 de agosto de 2010

A Ciência Vai Matar Deus?

Em dezembro de 2009, em uma de suas edições, a revista época chamou a atenção na sua capa para uma reportagem sobre os novos ateus. A manchete, por si só, já desafiava nossa mente a buscar uma resposta adequada a tal indagação. Como desejo apenas chamar a atenção para a pergunta e não para a discussão, vou transcrever abaixo apenas a parte inicial do que foi abordado e acredito ser suficiente para jogar no limbo os argumentos utilizados pelos ateus.

“Imagine um mundo sem religião, sugere Richard Dawkins, aproveitando um dos versos da música "Imagine", de John Lennon: "Imagine nenhum homem-bomba, nenhum 11 de setembro, nenhuma Cruzada, nenhum conflito na Irlanda do Norte, nenhuma guerra entre Israel e Palestina. Imagine nenhum Taleban para explodir as estátuas gigantes de Buda no Afeganistão". A lógica, apresentada por Dawkins, mas partilhada por outros, como Dennett, é que a fé hoje faz mais mal do que bem à humanidade.

Segundo os religiosos, Dawkins ignora a presença dos moderados. Outros afirmam que a argumentação de Dawkins é inadequada. Sem a religião também não haveria missionários para tratar de doentes de aids na África, defender lavradores na Amazônia, visitar os presos ou criar algumas das mais belas manifestações artísticas. Continuando o raciocínio de Dawkins, não haveria Taleban, mas nenhum budista teria erguido as estátuas gigantes. Tentar julgar as religiões pelo mal que em alguns momentos causaram é tão falacioso quanto fazer o mesmo com a ciência. Seria o mesmo que afirmar que, sem a ciência, não teríamos a bomba atômica, o efeito estufa, os acidentes de avião ou o assédio sexual pela internet“.

A propósito, a manchete registrada na capa da revista foi a pergunta: “A ciência vai matar Deus?”

Sem querer generalizar, e com todo respeito aos cristãos sinceros que se dedicam a uma vida cristã autêntica. Considerando os expoentes do cristianismo em nossa pátria, e a forma como se utilizam da religião apenas como meio de arrecadar dinheiro e manter a pose e as posses, a ciência não precisa ser utilizada para “matar” Deus. Pode deixar que estes “cristãos materialistas” o farão. Eles não matarão o gracioso Deus como pessoa que é, eterno e, portanto, imortal. No entanto, O matarão na consciência e no coração das crianças, jovens, senhores e senhoras, utilizando habilmente como ferramenta o “evangelho dá-que-Deus-dá ou vote-que-Deus-paga”.

Nenhum comentário: