quinta-feira, 19 de março de 2015

A Hora é de Reforma Geral

Nesse momento de crise, é preciso que os políticos façam a sua parte no sacrifício. Que recebam apenas seu salário (que já é enorme). Devem ser cortados todas as demais regalias ligadas ao mandato que ocupam, inclusive redução de, pelo menos, 50% dos assessores. E, não esquecendo, aposentadoria como todo e qualquer brasileiro.
Quem não quiser, renuncie ao mandato.

Ao governo, redução da quantidade de ministérios e extinção de todos os cargos comissionados. Isto representará uma economia de tal monta que, arrisco, equilibrará as contas públicas sem sacrifícios adicionais para a população mais carente.

Ao Poder Judiciário, idem, além de acabar com a aposentadoria compulsória ou especial.

Querendo superávit, taxar o lucro dos bancos. Esta classe, os banqueiros, independente do momento vivido, com crise ou sem crise, lucram o tempo todo. Nunca na história desse país deixaram de lucrar. Já passou da hora de interromper a farra.

É isso. Será que eles amam mesmo o Brasil e topam fazer esse "sacrifício?"

Um comentário:

António Jesus Batalha disse...


Estive a ver e ler algumas coisas, não li muito, porque espero voltar mais algumas vezes, mas deu para ver a sua dedicação e sempre a prendemos ao ler blogs como o seu. Se me der a honra de visitar e ler algumas coisas no Peregrino e servo ficarei radiante, e se desejar deixe o seu parecer. Abraço fraterno. António.
http://peregrinoeservoantoniobatalha.blogspot.pt/