Pular para o conteúdo principal

A Nova Família

A nova família não participa das refeições sentados à mesa, interagindo ou, pelo menos, um olhando para o outro. Na nova família, cada um pega seu prato, se serve, sentam-se em frente a televisão e, mudos, engolem a comida.

A nova família não faz culto doméstico, porque a agenda individual não coincide. Na nova família quando o pai pode, a mãe não pode; quando a mãe pode, a filha não pode; quando a filha pode, o filho não pode, e assim,  o culto não pode ser realizado.

A nova família não dá a mínima para companheirismo. Se ele está lavando, eu não preciso enxugar; se ela está varrendo, eu não preciso arrumar; se ela está colocando roupa na máquina (nova forma de lavar roupa), eu não preciso estendê-las, dessa maneira nos tornamos insensíveis a necessidade de um ajudar o outro a levar o peso de uma família.

A nova família não tem amizade. Na nova família os amigos são virtuais, nós os encontramos nas redes sociais. Algumas vezes temos a felicidade de encontrar um irmão, uma irmã, o pai e a mãe, aí escrevemos: "oi, tô com saudade" (Eles não podem se ver, nem se relacionar pessoalmente, porque não tem tempo. Depois de duas horas (no mínimo) de navegação, desligam o computador e dormem).

A nova família não se importa com o que diz o pai, ou a mãe, ou os dois. Se eles falam incomodam desnecessariamente, pois falará aquilo que os filhos já sabem... mas, não fazem. E a tensão vai se estabelecendo, esticando a corda das relações que, em breve, partirá. Na nova família, amor fraternal é desconhecido.

A nova família não vai, juntos, à igreja. Cada um vai quando pode, quando quer e para onde quiser. Com o evangelho de restaurante dos dias atuais, cada um escolhe seu sabor e segue na sua vida, no seu mundo.

A nova família não se compara nem com um posto de gasolina, pois, no posto de combustível há frentistas que estão ali para te servir (pagando o preço, claro). A nova família é quase uma pousada. Cada um tem seu quarto, seu computador, sua tolha, seus talheres, suas roupas, sua vida privada completamente desligada do outro quarto.

A nova família sofre agonizante, e nada podemos fazer para recuperá-la. São tempos "modernos" onde novos valores são cultivados e cultuados como se Deus fossem. Donos da verdade. A experiência de nossos pais não conta mais. Dizem trilhar um novo caminho, uma nova visão, novos conceitos, mesmo sem saber aonde isso vai nos levar.

Antes mesmo que qualquer faculdade existisse, ou qualquer "especialista em família", fabricado em banco universitário alcançasse a fama midiática, a experiência familiar do bisavô ensinou a família da avó, a experiência da avó ensinou a família do pai, a experiência do pai e da mãe é quem nos ensina. Esta é a razão das famílias de tempos passados terem sido mais solidárias, mais companheiras, mais respeitosa, mais amorosas, mais fraternas e mais duradouras.

Numa sociedade fútil como a nossa, a velha família se tornou descartável, sem valor, sem graça. A nova família é que é a boa, pois é onde ninguém se importa com ninguém, ninguém ajuda ninguém e ninguém interage com ninguém.
 
Para membros dessa miserável nova família vale o realismo da canção popular: "Moro onde não mora ninguém, onde não passa ninguém, onde não vive ninguém. É lá onde moro, e eu me sinto bem..." Se sentem bem, isolados, solitários.

E assim, a nova família deixou de ser "nós" para ser "eu".

É uma pena.

Comentários

Lúcio Candido disse…
Que Deus nos dê entendimento,como homens, para não permitir tal tipo de omissão em nossas famílias. Em algum momento, precisamos nos olhar nos olhos, nos ouvir, nos tocar, interceder, agradecer, ajudar... E como líderes de nossas famílias precisamos estar atentos para essa necessidade simples: estar juntos. Belo texto, irmão. Como sempre.

Postagens mais visitadas deste blog

Porteiro, Auxiliar, Diácono, Presbítero, Evangelista, Pastor. E Mais. Missionária, Bispo, Apóstolo. O Que é Tudo Isso?

De repente, somos sobressaltados com a notícia: "Mais algumas dezenas, e até centenas, de novos obreiros para servir no Reino de Deus". A notícia seria boa, se guardasse a essência dos requisitos bíblicos exigidos para novos obreiros e preservassem o propósito divino na separação de novos chamados.
Para que precisamos de porteiros? Óbvio. Para guardar as portas. Porteiro era considerado Levita, desenvolvia, também, a tarefa de arrecadador de ofertas (2 Cr. 31:14) e vigia (Mc. 13:34); Jesus menciona o porteiro como responsável pela guarda da porta do aprisco das ovelhas (Jo. 10:3; ver também Ed. 7:24). É improdutivo, uma igreja de porta única, com uma quantidade exagerada de porteiros para servir.
Para que precisamos de auxiliares? Há pessoas mencionadas na Bíblia como "cooperadores", no entanto, sem evidência de se referir a um cargo. Eram pessoas que haviam prestado algum tipo de auxílio à alguém, em algum momento específico (Fp. 2:25; At. 20:35). Pode ser até o mes…

CEADEB x ADESAL - É feio, muito feio!

Os desdobramentos do litígio entre o presidente da CEADEB e o presidente da ADESAL prossegue revitalizando as feridas causadas pelo rompimento do vínculo de alguns pastores de sua convenção (CEADEB).
No mais recente episódio, uma decisão judicial interlocutória - sem definição de mérito - tomada na ação que a CEADEB move contra a ADESAL, foi entendida como um ato de destituição do pastor Israel Ferreira do comando da Assembleia de Deus em Salvador. Sem querer entrar nas questões técnicas da decisão (deixo isto para os advogados e rábulas), a decisão não dá nada a ninguém, haja vista uma série de “condicionantes” expressos no comando judicial. Na verdade, a decisão da desembargadora é uma espécie de carta do apóstolo Paulo aos Coríntios na versão para os assembleanos baianos: “se entendam!”
Ato seguinte a decisão mencionada, o pastor Valdomiro Pereira distribui um vídeo para os obreiros assembleanos. Nele, informa (ou desinforma) a plateia que o pastor Israel Ferreira foi destituído do…

QUANDO É HORA DE MUDAR DE IGREJA

Igreja, genuinamente falando, é aquele lugar onde se reúne um grupo de seguidores de Cristo com objetivo de adorar a Deus, receber ensinamentos, evangelizar e ajudar uns aos outros (At. 2:40-47). Foi com esta clara missão em mente que o apóstolo Paulo informa-nos que Deus colocou à nossa disposição os dons espirituais, a fim de edificarmos uns aos outros e estarmos aparelhados para proclamação do evangelho. Tiago esclarece outro ponto principal da igreja, dizendo que a verdadeira religião é cuidar das viúvas e dos órfãos nas suas necessidades. Por fim, as características da igreja primitiva que a tornou marcante, referência de igreja bíblica, foi que eles tinham tudo em comum e ninguém sentia falta de nada, eram solidários no partir do pão, desfrutavam da comunhão e comungavam da doutrina dos apóstolos, esta, por sua vez, Cristocêntrica.

No domingo passado fui à igreja com minha família e contei. Numa rua com, aproximadamente, quinhentos (500) metros de comprimento, cerca de treze (13…