Pular para o conteúdo principal

Pertencer - Implicações e Responsabilidades

Então, os que lhe aceitaram a palavra foram batizados, havendo um acréscimo naquele dia de quase três mil pessoas. (42) E perseveravam na doutrina dos apóstolos e na comunhão, no partir do pão e nas orações. (43) Em cada alma havia temor; e muitos prodígios e sinais eram feitos por intermédio dos apóstolos. (44) Todos os que creram estavam juntos e tinham tudo em comum. (45) Vendiam as suas propriedades e bens, distribuindo o produto entre todos, à medida que alguém tinha necessidade. (46) Diariamente perseveravam unânimes no templo, partiam pão de casa em casa e tomavam as suas refeições com alegria e singeleza de coração, (47) louvando a Deus e contando com a simpatia de todo o povo. Enquanto isso acrescentava-lhes o Senhor, dia a dia, os que iam sendo salvos” (At. 2:41-47).
 
A experiência humana de viver só trouxe o testemunho de Deus de que era algo ruim (Gn. 2:18). Surge, portanto, desde o jardim do Éden, a convicção de que a companhia é um instrumento de suporte para prosseguimento na caminhada da vida.
 
O dualidade da companhia e solidão se aplica, também, do ponto de vista espiritual. O homem, distante de Deus, se torna um solitário, não encontrando um apoio adequado para suportar sua longa caminhada à eternidade. Dessa forma, cego e desvairado, tateando, tenta encontrar o caminho (At. 17:7), não encontrando quem lhe possa estender as mãos e caminhar com ele.
 
Foi pensando nessas pessoas que Cristo se lança em sua trajetória terrena, oferecendo-lhe luz para seu caminho (Sl. 119:105). Ao vislumbrar a luz, enxerga com nitidez sua trajetória e encontra outros companheiros e companheiras que lhe darão apoio para a alcançar a inescapável eternidade.
 
Este é o processo que conduz o homem a deixar seu isolamento e passar a pertencer a uma comunidade ou, como é mais conhecida, uma igreja. Esse pertencer, porém, traz implicações e responsabilidades que precisamos compreender, a afim de que esse nosso pertencimento esteja dentro do padrão estabelecido pela Palavra de Deus.
 
I.                    Implicações
 
a.       Conversão;
A conversão é a exigência principal para o pertencer. Ninguém fará parte da Igreja sem que assuma uma legítima conversão à Cristo (Jo. 10:7).
 
b.      Imperfeição;
Esta conversão traz implícito o reconhecimento da própria imperfeição. Olhamos para dentro de nós mesmos e assumimos nossos limites e nossa incapacidade (Mc. 9:22-24);
 
c.       Vulnerabilidade;
Por sua vez, quando percebemos nossa imperfeição, vislumbramos as brechas no muro de proteção do nosso eu, da nossa essência. É inevitável que nos tornamos vulneráveis, expondo nossas falhas e estando aberto para a correção externa (Rm. 15:14);
 
d.      Acessibilidade.
O pertencer a uma comunidade nos inclui no rol dos acessíveis, ou seja, as pessoas possuem a liberdade de interagir conosco livremente (1 Ts.5:11).
 
II.                  Responsabilidades
 
a.       Proteção;
Dever de proteger uns aos outros (Gn. 4:9; Ez. 3:20);
 
b.      Cooperação;
Ao pertencer a uma igreja, aceito a responsabilidade de cooperar com seu funcionamento, zelando e respeitando suas reuniões e sua estrutura eclesiástica (Ne. 4:16-20; Ef. 4:28);
 
c.       Perdão;
A aproximação de uns para com os outros, considerando que vivemos em meio a pessoas imperfeitas e pecadoras, nos torna alvos de incompreensões, injustiças, invejas e outros sentimentos que gerarão danos à nossa alma e ao nosso coração. Isto interfere diretamente nas relações interpessoais.
 
O antídoto oferecido pela Bíblia para restauração dos elos de relacionamentos nas comunidades é o perdão que devemos conceder uns aos outros. Vale destacar que o perdão ao semelhante é a condição fundamental para recebimento do próprio perdão de Deus para nós (Mc. 11:25).
 
d.      Sustento.
Corroborando com os dias atuais, a Bíblia informa (Ec. 10:9) que o dinheiro por tudo responde. Sendo assim, quem pertence a uma igreja precisa entender a necessidade de sustento de toda sua estrutura organizacional, que por sua vez, ampara as atribuições espirituais do organismo vivo (Ml. 3:10; Mt. 23:23).
 
Conclusão
 
A jornada em comunidade, com suas implicações e responsabilidades, geram para o homem as inúmeras possibilidades de crescimento, fortalecimento e amadurecimento. Esta é a contribuição da igreja para alcance dos objetivos comuns (doutrina, comunhão, partir do pão e orações) e dos objetivos individuais (conversão, santificação e salvação).
 
Fique com Deus.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Porteiro, Auxiliar, Diácono, Presbítero, Evangelista, Pastor. E Mais. Missionária, Bispo, Apóstolo. O Que é Tudo Isso?

De repente, somos sobressaltados com a notícia: "Mais algumas dezenas, e até centenas, de novos obreiros para servir no Reino de Deus". A notícia seria boa, se guardasse a essência dos requisitos bíblicos exigidos para novos obreiros e preservassem o propósito divino na separação de novos chamados.
Para que precisamos de porteiros? Óbvio. Para guardar as portas. Porteiro era considerado Levita, desenvolvia, também, a tarefa de arrecadador de ofertas (2 Cr. 31:14) e vigia (Mc. 13:34); Jesus menciona o porteiro como responsável pela guarda da porta do aprisco das ovelhas (Jo. 10:3; ver também Ed. 7:24). É improdutivo, uma igreja de porta única, com uma quantidade exagerada de porteiros para servir.
Para que precisamos de auxiliares? Há pessoas mencionadas na Bíblia como "cooperadores", no entanto, sem evidência de se referir a um cargo. Eram pessoas que haviam prestado algum tipo de auxílio à alguém, em algum momento específico (Fp. 2:25; At. 20:35). Pode ser até o mes…

CEADEB x ADESAL - É feio, muito feio!

Os desdobramentos do litígio entre o presidente da CEADEB e o presidente da ADESAL prossegue revitalizando as feridas causadas pelo rompimento do vínculo de alguns pastores de sua convenção (CEADEB).
No mais recente episódio, uma decisão judicial interlocutória - sem definição de mérito - tomada na ação que a CEADEB move contra a ADESAL, foi entendida como um ato de destituição do pastor Israel Ferreira do comando da Assembleia de Deus em Salvador. Sem querer entrar nas questões técnicas da decisão (deixo isto para os advogados e rábulas), a decisão não dá nada a ninguém, haja vista uma série de “condicionantes” expressos no comando judicial. Na verdade, a decisão da desembargadora é uma espécie de carta do apóstolo Paulo aos Coríntios na versão para os assembleanos baianos: “se entendam!”
Ato seguinte a decisão mencionada, o pastor Valdomiro Pereira distribui um vídeo para os obreiros assembleanos. Nele, informa (ou desinforma) a plateia que o pastor Israel Ferreira foi destituído do…

QUANDO É HORA DE MUDAR DE IGREJA

Igreja, genuinamente falando, é aquele lugar onde se reúne um grupo de seguidores de Cristo com objetivo de adorar a Deus, receber ensinamentos, evangelizar e ajudar uns aos outros (At. 2:40-47). Foi com esta clara missão em mente que o apóstolo Paulo informa-nos que Deus colocou à nossa disposição os dons espirituais, a fim de edificarmos uns aos outros e estarmos aparelhados para proclamação do evangelho. Tiago esclarece outro ponto principal da igreja, dizendo que a verdadeira religião é cuidar das viúvas e dos órfãos nas suas necessidades. Por fim, as características da igreja primitiva que a tornou marcante, referência de igreja bíblica, foi que eles tinham tudo em comum e ninguém sentia falta de nada, eram solidários no partir do pão, desfrutavam da comunhão e comungavam da doutrina dos apóstolos, esta, por sua vez, Cristocêntrica.

No domingo passado fui à igreja com minha família e contei. Numa rua com, aproximadamente, quinhentos (500) metros de comprimento, cerca de treze (13…