quinta-feira, 10 de março de 2011

A Farsa do Carnaval Que o Baiano Gosta

A mídia, de modo geral, vende uma imagem do carnaval baiano que não é real. Pela cobertura que se dá, pela ênfase nos supostos benefícios para a cidade e pelas imagens da multidão correndo atrás do trio, a impressão que se passa é a de que a população baiana está inteiramente envolvida com a festa. Ledo engano. Transcrevo abaixo, o resultado de uma recente pesquisa publicada no site do jornal A Tarde.

“A folia é soteropolitana, mas uma parcela expressiva dos moradores da capital baiana – 77,9% – preferem mesmo é escapar  do Carnaval. Destes, com base em pesquisa feita em julho, agosto e setembro do ano passado, 60,5% preferem ficar em casa e envolver-se em atividades como  ver televisão, ouvir música e acessar a internet. O restante viaja e, neste universo, a  maioria (89,8%) prefere outras cidades baianas.” (25/02/2011 às 09:28 - ATUALIZADA EM: 25/02/2011 às 09:29 - Içara Bahia, do A TARDE)

Se a mídia, principalmente a imprensa, estivesse interessada em noticiar a verdade, a manchete dos jornais, revistas e chamadas televisivas seria: “BAIANOS NÃO GOSTAM DO CARNAVAL”. No entanto, tutelados pela falsa lucratividade, se empenham cada dia mais em mascarar a realidade e atrair os desavisados para uma festa que de muito tempo já deixou de ser divertida. Na verdade, os únicos interessados em manter este tipo de balburdia são, dentre outros, as fabricantes de bebidas alcoólicas, donos de trios e blocos, com seus respectivos artistas, e a rede hoteleira. O fundamento é o benefício pessoal que uma minoria usufrui da muvuca. Por favor, não incluam como beneficiados a sociedade baiana. A pesquisa não legitima tal declaração.

A sociedade baiana (falo com base na pesquisa) demonstra insatisfação com a brincadeira, seja pelo incômodo causado a quem não quer saber disto, seja pelo enorme custo social e moral impostos as famílias. Aliás, por falar em custo, vamos ponderar.

Suposto benefício na geração de empregos - Na maioria, temporários, cujos trabalhadores são submetidos a jornadas extenuantes, sem amparo legal e sem as condições adequadas de trabalho. Ao final, o que se vê, são as manifestações promovidas pelos sindicatos dos trabalhadores exigindo pagamento do que foi prometido pelos empresários.

Suposto benefício pela maior arrecadação de impostos – Tomando por base os dados do carnaval de 2005, ao contrário de lucro, o carnaval gera prejuízo para os cofres públicos.

“Dados da Secretaria de Serviços Públicos, apresentados no Congresso do Carnaval 2005, dão conta de que os patrocinadores oficiais da festa pagaram ao município, juntos, R$ 2 milhões. Foram arrecadados R$ 684 mil dos blocos e R$ 205 mil dos camarotes. Isso para uma festa que custou aos cofres públicos nada menos que R$ 15 milhões, ou seja, o déficit com o carnaval é próximo de R$ 13 milhões” (Jornal A Tarde de 23.08.2005).

Seria de bom tom que publicassem os dados econômicos da festa de 2011, sem manipulação e auditados, a fim de que pudéssemos verificar a falácia dos discursos dos promotores.

A alegria estampada no rosto do folião – Depois da festa, os organizadores não aparecerão para pagar as dívidas contraídas pelos foliões para adquirirem os caríssimos abadás; nenhum deles estará ao lado das garotas que engravidaram ou foram seviciadas e violentadas, a fim de enxugar suas lágrimas e minimizar sua dor; nenhum deles estará ao lado dos filhos que sofrerão a dor de ver seus pais se separarem por causa de um envolvimento temporário estimulado; nenhum deles vai acompanhar os foliões feridos, convalescendo nas enfermarias dos pronto-socorros; ninguém vai aparecer para doar remédios que ajudem no combate as doenças contraídas; ninguém vai ficar de prontidão durante os outros 358 dias de tristezas, haja vista que a alegria do carnaval só dura sete.

O carnaval, que começou como uma festa popular, de certa forma ingênua, tomou ares de superprodução e atraiu os abutres oportunistas que não perdem uma oportunidade de ganhar dinheiro, mesmo que seja a custa da miséria popular. Atraiu, também, os políticos medíocres que defendem a realização deste tipo de aglomeração para que possam projetar seus nomes no consciente e subconsciente da população, a fim de, nas urnas, receberem os votos para se beneficiarem da coisa pública. E assim, círculo vicioso dos falsos benefícios e da falsa alegria é perpetuado com o amparo da mídia tendenciosa e, repito, tutelada por interesses particulares.

Que não se enganem. Sou favorável que as pessoas devem e podem se divertir, porém, é preciso verificar o custo-benefício (inclusive social e moral) das festas oferecidas do ponto de vista da maioria da população.

Considerando a situação atual da nossa população, o carnaval deveria ser transformado numa grande manifestação popular por serviços públicos melhores. Os trios, blocos e escolas de samba deveriam sair às ruas para cobrar melhoria na educação, na segurança, na saúde, no saneamento básico e no salário mínimo. A mídia deveria somar esforços com eles para promover mais participação popular nestas questões realmente importantes para nossa vida e nação.

Se isso acontecesse, eles perderiam os recursos financeiros que recebem e o carnaval já teria acabado.

2 comentários:

Pr. Raimundo Campos disse...

Excelente post! A argumentação baseada em dados acessíveis ao leitor, faz do artigo um obra agradável de ler. Parabéns!

Eliel Teixeira disse...

Meu caro amigo.

Esforço-me, todos os dias, para manter-me leal aos princípios que acredito. Mesmo fraco, confrontado pela Bíblia e, por isso, desnudo ante meus próprios erros, reconheço a perfeição e pureza de Deus, prosseguindo para o alvo: Cristo. Nosso alvo.

Fique com Deus.