Pular para o conteúdo principal

UM CONTO QUE INCOMODA

Certo homem tinha vários empregados. Estes empregados dependiam dos recursos advindo do seu trabalho para pagar suas dívidas, adquirir mantimentos e manter a vida de suas famílias em condições de sobrevivência. Não era um grande salário, no entanto, era o que possuíam como garantia para atendimento a tais necessidades. Não era muito, mas, garantido em todo final de mês.

Com o passar do tempo, este homem foi elegendo outras atividades como prioridade de sua organização e administração. Elege este “pobre” homem, a manutenção do seu modo de vida confortável em detrimento ao compromisso de pagar em dia seus empregados. A insensibilidade deste homem chega ao ponto de priorizar viagens e festas, desnecessárias para o momento vivido, ao invés do pagamento dos salários de seus empregados. Desfruta do benefício da hospedagem em hotéis, o turismo, a alimentação gratuita, a fartura, a falsa alegria. Seus empregados, o trabalho duro e incessante, a indiferença e a injustiça.  MENE, MENE, TEQUEL, UFARSIM (Dn. 5:25).

O que você sentiria se tal história fosse verdade? Indignação? O que você faria se fosse um desses empregados? Demissão? O que você mereceria se fosse este “pobre homem”? Condenação? Seja lá o que você escolher, só posso dizer que é pouco para tamanha injustiça. Os injustiçados sofrem, e eu escuto o "grito do silêncio dos que sofrem calados". A injustiça chama a atenção de Deus e a justiça clama alto diante do seu trono.

Lembro-me do episódio envolvendo o profeta Natã e Davi. Às vezes é preciso inteligência para protestar e expor verdades que doem, para que, sabe Deus, a máscara dos “reis” caiam e eles enxerguem o mal que estão causando aos outros. Podem eles, e desejamos que isto aconteça, abrir seus corações, como Davi, reconhecendo seus pecados, pedindo perdão e mudando de atitude. Só assim preservarão a ovelhinha do outro.

A história acima é verídica, com o agravante de que se trata de uma história vivida por seus protagonistas num ambiente dito cristão. Vendo coisas como estas, sinto-me na obrigação moral de concordar com Ghandy, que disse mais ou menos assim: “Admiro o Cristo dos cristãos, mas, odeio os cristãos de Cristo” (retire-se o trigo de entre o joio). E, por falar em Cristo, lembro-me de suas palavras registradas pelo evangelista Mateus: “... Se vossa justiça não exceder a dos escribas e fariseus, de modo algum entrareis no reino dos céus” (5:20).

A verdade clama. Quem tem ouvidos para ouvir, ouça a sua voz.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Porteiro, Auxiliar, Diácono, Presbítero, Evangelista, Pastor. E Mais. Missionária, Bispo, Apóstolo. O Que é Tudo Isso?

De repente, somos sobressaltados com a notícia: "Mais algumas dezenas, e até centenas, de novos obreiros para servir no Reino de Deus". A notícia seria boa, se guardasse a essência dos requisitos bíblicos exigidos para novos obreiros e preservassem o propósito divino na separação de novos chamados.
Para que precisamos de porteiros? Óbvio. Para guardar as portas. Porteiro era considerado Levita, desenvolvia, também, a tarefa de arrecadador de ofertas (2 Cr. 31:14) e vigia (Mc. 13:34); Jesus menciona o porteiro como responsável pela guarda da porta do aprisco das ovelhas (Jo. 10:3; ver também Ed. 7:24). É improdutivo, uma igreja de porta única, com uma quantidade exagerada de porteiros para servir.
Para que precisamos de auxiliares? Há pessoas mencionadas na Bíblia como "cooperadores", no entanto, sem evidência de se referir a um cargo. Eram pessoas que haviam prestado algum tipo de auxílio à alguém, em algum momento específico (Fp. 2:25; At. 20:35). Pode ser até o mes…

Cristo Está Morto! ...de Vergonha.

As Assembleias de Deus na Bahia foi construída sobre os ombros de homens e mulheres altruístas e dedicados que seguiam os conselhos bíblicos com a radicalidade exigida de quem, verdadeiramente, se converteu a Cristo. Foi desta forma que ela cresceu, se consolidou e tornou-se referência de conduta cristã e legítima representante do movimento pentecostal. Seu povo, ordeiro, decente e piedoso, nutria profundo respeito da população por serem responsáveis, honestos, humildes e fiéis.
Mas o crescimento trouxe consigo o desassossego de uma estrutura cada vez maior para suportar um organismo em expansão. A quantidade cada vez maior de congregações exigia mais esforços de sua liderança, pois, com uma administração centralizada, a mobilidade e os recursos passam a ser compartilhados para sustentar a própria estrutura administrativa. É essa estrutura administrativa que, no afã de conceder segurança futura aos seus ministros, fundam uma associação de pastores, conhecida como Convenção.
Órgão com ab…

CEADEB x ADESAL - É feio, muito feio!

Os desdobramentos do litígio entre o presidente da CEADEB e o presidente da ADESAL prossegue revitalizando as feridas causadas pelo rompimento do vínculo de alguns pastores de sua convenção (CEADEB).
No mais recente episódio, uma decisão judicial interlocutória - sem definição de mérito - tomada na ação que a CEADEB move contra a ADESAL, foi entendida como um ato de destituição do pastor Israel Ferreira do comando da Assembleia de Deus em Salvador. Sem querer entrar nas questões técnicas da decisão (deixo isto para os advogados e rábulas), a decisão não dá nada a ninguém, haja vista uma série de “condicionantes” expressos no comando judicial. Na verdade, a decisão da desembargadora é uma espécie de carta do apóstolo Paulo aos Coríntios na versão para os assembleanos baianos: “se entendam!”
Ato seguinte a decisão mencionada, o pastor Valdomiro Pereira distribui um vídeo para os obreiros assembleanos. Nele, informa (ou desinforma) a plateia que o pastor Israel Ferreira foi destituído do…