Pular para o conteúdo principal

"Meu Corpo, Minhas Regras?" Então, Porque Não se Matam?

É incrível como um ser, chamado "humano", consegue se distanciar de sua própria essência e lutar contra o mais elementar de todos os direitos, "o direito de viver." Falo das abortistas da rede globo de televisão que protagonizaram um vídeo em defesa do aborto com o título "Meu Corpo, Minhas Regras".

De antemão já nem discutirei a questão se o zigoto é um ser ou não. Apresento um argumento matemático para o fato de entender que, a partir da fecundação, um ser humano passa a existir e deve ter preservado seu direito a vida. Na matemática, os números naturais começam com 0,1,2,3,4,5,6,7,8,9... Logo, ninguém chega ao nono mês de existência sem que antes tenha passado pelo oitavo, sétimo, sexto, quinto, quarto, terceiro, segundo, primeiro e... ponto zero (fecundação).

Algumas dessas mulheres (artistas da rede globo) que, agora, afirmam já terem abortado filhos, emprestam suas imagens e falas para defenderem essa prática medieval que expressa o fundo do poço da humanidade. Em seu título apresentam sua argumentação principal para o assassinato de inocentes crianças: "o corpo é meu, portanto, eu decido o que fazer com ele."

Este argumento é fictício no que diz respeito ao bebê fecundado no útero de uma mulher. Quando usam esse tipo de justificativa assemelham um bebê a um dente, uma unha, um fio de cabelo ou pedaço de sua própria pele. Vários fatores se impõem como resposta a esta loucura argumentativa insubsistente.

Um deles é o fato de que um bebê não é, nunca foi e nunca será extensão do corpo de uma mulher, pois, a própria ciência atesta que o DNA (estrutura molecular que codificam as informações individuais) funcionam de forma diferente na mãe e no bebê. Logo, o corpo do feto não é o corpo da mãe. Em outras palavras. Da mesma forma que a mãe é um indivíduo que não se confunde com seu filho adulto, assim também o seu filho bebê não se confunde com sua mãe.

O lema "meu corpo, minhas regras" faria sentido se essas infelizes mulheres estivessem se referindo ao direito de retirar seu sistema reprodutivo, ou até mesmo, no limite com a irracionalidade, retirar sua própria vida. Não é o caso. Elas se referem exclusivamente ao suposto direito (que imaginam ter) de interromper a vida de um feto cuja fecundação realizou em conjunto com um parceiro. Aliás, este parceiro não é nem levado em consideração nas suas argumentações, pois já, preliminarmente, excluído. É nítida a incoerência.

Considerando que a mulher não pode engravidar sozinha, e sua participação, na fecundação, é a mesma do parceiro (fornecer uma célula (óvulo) que se unirá ao do parceiro (espermatozoide)), este, pelo menos em tese, têm o mesmo direito que ela de praticar o aborto, certo? Ouço a grita feminista geral, NÃO! Então, se a "escolha" é da mulher, caso resolva pela não interrupção e tenha o bebê, porque o parceiro é chamado para pagar as contas? Não é incoerente?

A defesa do aborto é insano. É a face mais cruel de uma humanidade incoerente, insensível e mergulhada na iniquidade. Uma mãe defender a morte de seu filho ainda em seu ventre é de uma selvageria perturbadora que não se compara nem as mais cruéis atrocidades cometidas em ferrenhas guerras da história humana.

As mulheres desestruturadas que defendem este absurdo, pertençam ou não pertençam a qualquer organização, devem se envergonhar dessa proposta e retomar a sanidade e o equilíbrio perdido. Parem com essa loucura, ou então, parem com vossas próprias vidas.

Posso parecer, também, incoerente com essa proposta, porém, há uma diferença fundamental. Dou à elas o direito de escolher entre viver e morrer, decisão esta que à um bebê em seu ventre elas não lhes concedem.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Porteiro, Auxiliar, Diácono, Presbítero, Evangelista, Pastor. E Mais. Missionária, Bispo, Apóstolo. O Que é Tudo Isso?

De repente, somos sobressaltados com a notícia: "Mais algumas dezenas, e até centenas, de novos obreiros para servir no Reino de Deus". A notícia seria boa, se guardasse a essência dos requisitos bíblicos exigidos para novos obreiros e preservassem o propósito divino na separação de novos chamados.
Para que precisamos de porteiros? Óbvio. Para guardar as portas. Porteiro era considerado Levita, desenvolvia, também, a tarefa de arrecadador de ofertas (2 Cr. 31:14) e vigia (Mc. 13:34); Jesus menciona o porteiro como responsável pela guarda da porta do aprisco das ovelhas (Jo. 10:3; ver também Ed. 7:24). É improdutivo, uma igreja de porta única, com uma quantidade exagerada de porteiros para servir.
Para que precisamos de auxiliares? Há pessoas mencionadas na Bíblia como "cooperadores", no entanto, sem evidência de se referir a um cargo. Eram pessoas que haviam prestado algum tipo de auxílio à alguém, em algum momento específico (Fp. 2:25; At. 20:35). Pode ser até o mes…

CEADEB x ADESAL - É feio, muito feio!

Os desdobramentos do litígio entre o presidente da CEADEB e o presidente da ADESAL prossegue revitalizando as feridas causadas pelo rompimento do vínculo de alguns pastores de sua convenção (CEADEB).
No mais recente episódio, uma decisão judicial interlocutória - sem definição de mérito - tomada na ação que a CEADEB move contra a ADESAL, foi entendida como um ato de destituição do pastor Israel Ferreira do comando da Assembleia de Deus em Salvador. Sem querer entrar nas questões técnicas da decisão (deixo isto para os advogados e rábulas), a decisão não dá nada a ninguém, haja vista uma série de “condicionantes” expressos no comando judicial. Na verdade, a decisão da desembargadora é uma espécie de carta do apóstolo Paulo aos Coríntios na versão para os assembleanos baianos: “se entendam!”
Ato seguinte a decisão mencionada, o pastor Valdomiro Pereira distribui um vídeo para os obreiros assembleanos. Nele, informa (ou desinforma) a plateia que o pastor Israel Ferreira foi destituído do…

QUANDO É HORA DE MUDAR DE IGREJA

Igreja, genuinamente falando, é aquele lugar onde se reúne um grupo de seguidores de Cristo com objetivo de adorar a Deus, receber ensinamentos, evangelizar e ajudar uns aos outros (At. 2:40-47). Foi com esta clara missão em mente que o apóstolo Paulo informa-nos que Deus colocou à nossa disposição os dons espirituais, a fim de edificarmos uns aos outros e estarmos aparelhados para proclamação do evangelho. Tiago esclarece outro ponto principal da igreja, dizendo que a verdadeira religião é cuidar das viúvas e dos órfãos nas suas necessidades. Por fim, as características da igreja primitiva que a tornou marcante, referência de igreja bíblica, foi que eles tinham tudo em comum e ninguém sentia falta de nada, eram solidários no partir do pão, desfrutavam da comunhão e comungavam da doutrina dos apóstolos, esta, por sua vez, Cristocêntrica.

No domingo passado fui à igreja com minha família e contei. Numa rua com, aproximadamente, quinhentos (500) metros de comprimento, cerca de treze (13…