Pular para o conteúdo principal

Redução da Maioridade Penal - O Que é Importante.


Entendo que a discussão sobre a redução da maioridade penal de 18 para 16 anos assumiu um viés extremamente politizado e emocional.

Os "socialistas de mentirinha" são os maiores opositores a redução da maioridade penal. Quem são eles? São aqueles que defendem dividir o bolo, no entanto, reservam o maior pedaço para eles, e antecipam seu recebimento em detrimento dos outros, para imediatamente nadarem de braçada no mar do capitalismo selvagem que dizem detestar.

Para esses, o jovem de 16, 17 e quase 18 anos ainda não podem assumir por seus atos. Jogam a culpa das atrocidades praticadas por eles num sujeito indefinido que às vezes chamam de "sociedade", outras vezes chamam de "ausência-de-serviços-públicos-estatais", e outras vezes chamam de "fatores-alheios-a-vontade-da-galera".

Ainda há os que argumentam que o sistema carcerário está degradado e que, da forma como está, não ressocializa ninguém. Verdade. Outros dizem que o meio social desestruturado do jovem o levou para a vida de crimes. Há controvérsia. Há ainda inúmeros outros argumentos colocados em pauta.

No entanto, estes problemas não podem ser usados como justificativas para adoção de caminho errado. A inimputabilidade torna a vítima (sociedade) cúmplice de seu próprio criminoso. Além disso, a inimputabilidade estimula o jovem a continuar cometendo barbaridades porque não haverá responsabilização na mesma dimensão dos atos praticados. Desta forma, ele estará autorizado a cometer crimes.

(Nós cometeremos um crime ainda maior. Um crime contra o próprio jovem, pois, uma vida a serviço do mal, permanece sob sua influência e colhe as consequências dessa relação.)

O ponto que deve ter relevância na discussão é se o jovem tem capacidade de discernir entre o que é certo e o que é errado. Se aos 16 anos ele tem esse discernimento, então, deve assumir as responsabilidades por seus atos a partir de então. No site da Band, numa matéria que trata desse assunto, há o depoimento da coordenadora do Departamento de Ética e Psiquiatria Legal da ABP (Associação Brasileira de Psiquiatria), Dra. Kátia Mecler. Diz a especialista:

"...jovens de 16 anos têm maturidade e consciência crítica suficientes para saber o que fazem."

“Na minha opinião, do ponto de vista técnico, a responsabilidade penal, ou seja, a capacidade de entender o que é certo, errado, de tomada de decisão e das consequências do ato, já existe entre 16 e 18 anos”, explica a psiquiatra forense.

Para ela, os fatores sociais que, muitas vezes, cercam a vida de um adolescente infrator devem ser consideradas, mas não excluem a consciência e o livre arbítrio."

Desta forma, tendo consciência e pleno domínio de seu livre arbítrio, o jovem a partir dos 16 anos deve responder e ser punido quando cometer crimes contra o seu semelhante, conforme o Código Penal Brasileiro. Resolverá o problema? Sozinho não. Mas, junto com outras medidas necessárias (melhoria do sistema de educação, preservação e fortalecimento da família tradicional, melhoria do sistema penitenciário, etc.), se tornará um forte cinturão de proteção do bem social maior, a vida humana, principalmente do inocente, e não apenas do jovem delinquente.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Porteiro, Auxiliar, Diácono, Presbítero, Evangelista, Pastor. E Mais. Missionária, Bispo, Apóstolo. O Que é Tudo Isso?

De repente, somos sobressaltados com a notícia: "Mais algumas dezenas, e até centenas, de novos obreiros para servir no Reino de Deus". A notícia seria boa, se guardasse a essência dos requisitos bíblicos exigidos para novos obreiros e preservassem o propósito divino na separação de novos chamados.
Para que precisamos de porteiros? Óbvio. Para guardar as portas. Porteiro era considerado Levita, desenvolvia, também, a tarefa de arrecadador de ofertas (2 Cr. 31:14) e vigia (Mc. 13:34); Jesus menciona o porteiro como responsável pela guarda da porta do aprisco das ovelhas (Jo. 10:3; ver também Ed. 7:24). É improdutivo, uma igreja de porta única, com uma quantidade exagerada de porteiros para servir.
Para que precisamos de auxiliares? Há pessoas mencionadas na Bíblia como "cooperadores", no entanto, sem evidência de se referir a um cargo. Eram pessoas que haviam prestado algum tipo de auxílio à alguém, em algum momento específico (Fp. 2:25; At. 20:35). Pode ser até o mes…

CEADEB x ADESAL - É feio, muito feio!

Os desdobramentos do litígio entre o presidente da CEADEB e o presidente da ADESAL prossegue revitalizando as feridas causadas pelo rompimento do vínculo de alguns pastores de sua convenção (CEADEB).
No mais recente episódio, uma decisão judicial interlocutória - sem definição de mérito - tomada na ação que a CEADEB move contra a ADESAL, foi entendida como um ato de destituição do pastor Israel Ferreira do comando da Assembleia de Deus em Salvador. Sem querer entrar nas questões técnicas da decisão (deixo isto para os advogados e rábulas), a decisão não dá nada a ninguém, haja vista uma série de “condicionantes” expressos no comando judicial. Na verdade, a decisão da desembargadora é uma espécie de carta do apóstolo Paulo aos Coríntios na versão para os assembleanos baianos: “se entendam!”
Ato seguinte a decisão mencionada, o pastor Valdomiro Pereira distribui um vídeo para os obreiros assembleanos. Nele, informa (ou desinforma) a plateia que o pastor Israel Ferreira foi destituído do…

QUANDO É HORA DE MUDAR DE IGREJA

Igreja, genuinamente falando, é aquele lugar onde se reúne um grupo de seguidores de Cristo com objetivo de adorar a Deus, receber ensinamentos, evangelizar e ajudar uns aos outros (At. 2:40-47). Foi com esta clara missão em mente que o apóstolo Paulo informa-nos que Deus colocou à nossa disposição os dons espirituais, a fim de edificarmos uns aos outros e estarmos aparelhados para proclamação do evangelho. Tiago esclarece outro ponto principal da igreja, dizendo que a verdadeira religião é cuidar das viúvas e dos órfãos nas suas necessidades. Por fim, as características da igreja primitiva que a tornou marcante, referência de igreja bíblica, foi que eles tinham tudo em comum e ninguém sentia falta de nada, eram solidários no partir do pão, desfrutavam da comunhão e comungavam da doutrina dos apóstolos, esta, por sua vez, Cristocêntrica.

No domingo passado fui à igreja com minha família e contei. Numa rua com, aproximadamente, quinhentos (500) metros de comprimento, cerca de treze (13…