Pular para o conteúdo principal

Perguntaram Para Deus: O Que o Senhor Acha do Divórcio? Ele Respondeu: "Sou Contra!"

Este texto é apenas para aqueles que acreditam na existência de Deus e que Ele deixou registrado em livro (A Bíblia Sagrada) seu jeito de ser, sua criação e sua vontade para a humanidade. Desse presuposto, crêem que um homem identificado como Jesus, cujas obras, palavras e vida foram registradas, proféticamente, no Antigo Testamento e, literalmente, nos evangelhos, era e é o que dizia ser: "O Próprio Deus" (Jo. 14:8,9).
 
Pois, bem. Perguntaram para Deus:
 
"É lícito ao homem separar-se de sua mulher por qualquer motivo?"
 
Deus respondeu:
 
"Não tendes lido que aquele que os fez no princípio macho e fêmea os fez, E disse: Portanto, deixará o homem pai e mãe, e se unirá a sua mulher, e serão dois numa só carne? Assim não são mais dois, mas uma só carne. Portanto, o que Deus ajuntou não o separe o homem" (Mt. 19:3-6).
 
No texto em apreço, registrado pelo evangelista Mateus, Jesus finaliza a conversa nesse ponto: "o que Deus ajuntou não o separe o homem," ou seja, o ponto de vista divino é este quer aceitem ou não. Casar é uma opção, divorciar, não; O direito de unir é seu, de desunir é de Deus.
 
Deus considera que quando um homem se une a uma mulher, ou uma mulher se une a um homem, se torna um corpo com ele(a). Isto significa que antes de casar-se, o homem ou a mulher é, em si mesmo, um indivíduo, porém, quando se casam, se tornam um indivíduo com o outro. Nessa conjuntura só existe um tipo de divórcio aprovado por Deus: "aquele provocado pela morte."
 
Para melhorar ainda mais a idéia aqui expressa, prolonguemos esta abordagem. Um homem e uma mulher, pelo casamento, deixam de ser dois para ser um. Como se separa uma pessoa? Utilizando a idéia do Rei Salomão (1 Rs. 3), dividindo-a ao meio, como cortando algo com uma espada. Uma pessoa dividida ao meio por uma espada resultará em "morte." Daí, o casamento deve ser "até que a morte os separe."
 
O que percebemos nesse tempo pós-moderno, mesmo no meio cristão, é a valorização do questionamento dos fariseus em relação a indissolubilidade do casamento, invés da valorização do posicionamento de Deus. Dizem: "Mas, Jesus considerou o divórcio como uma exceção legal nos casos de imoralidade / fornicação / adultério."
 
Digo. Jesus já tinha encerrado a questão e foram os fariseus que insistiam no debate defendendo de forma tansversa o divórcio, mesmo porque, era uma lei favorável à eles, "os homens." Como resposta a insistência, o Senhor os lembra que se tratava de uma concessão adotada por Moisés em razão da resistência / dureza dos seus corações em manter o "preceito da indissolubilidade matrimonial defendida por Deus" (Mt. 19:8). Mesmo nessa nova fase do debate Cristo reitera: "mas no princípio não foi assim."
 
Diante da reafirmação do posicionamento de Deus contra o divórcio, os fariseus chegam a conclusão lógica: "Então é melhor não casar" (Mt. 19:10). Correto. Casamento não é para qualquer um, nem para todo mundo. É para homem e mulher que não tenham uma natureza específica (eunucos), e que sejam racionais, maduros e responsáveis.
 
O que se vê nos dias atuais é a mesma coisa que se via antes, clarificada no questionamento dos fariseus. Querem apenas justificar a doutrina secular vigente de uma espécie de fast-food matrimonial que, até mesmo alguns cristãos, desejam mergulhar. Casamento curto, com baixo valor afetivo, que desaparece imediatamente após assumido, e por causa dos corantes e estimulantes do marketing festeiro, lhe estimulam a desfrutar de vários em curto espaço de tempo.
 
Deus lhes diz, mesmo sendo contrário a separação: se um homem ou uma mulher casada(o) vive na prática da imoralidade, ou seja, se comporta como um animal irracional "transando" em todo o tempo com todas as mulheres ou homens que lhe aparece, sua esposa ou esposo está livre para se divorciar. Neste caso, é apenas a oficialização do que já está posto.
 
A questão é: os pagãos que adotam este comportamento devem ser desestimulados de suas práticas com intuito de, dentre outras coisas, agradar a Deus, ou os cristãos devem ser legitimados nessas práticas mesmo desagradando a Deus? Pelo que parece, quando se recorre ao mesmo questionamento dos fariseus, deseja-se esquecer a vontade divina expressa sobre o divórcio, a fim de usufruir da liberdade para a prática da imoralidade, mesmo que para isto seja necessário colocar na boca de Deus palavras de aprovação que Ele nunca disse.
 
Ninguém é obrigado a ser cristão, porém, tendo se tornado cristão, voluntáriamente, deve entender a vontade divina para o casamento; Conhecendo a vontade divina para o casamento, deve esforço pessoal sincero na manutenção do matrimônio até que a morte os separe.
 
Infelizmente, muitos já se separaram, outros estão se separando e muitos ainda irão se separar. Que cada um se responsabilize pelas dores mútuas que causam, pelos traumas que impõem aos filhos e pela contradita a vontade de Deus.
 
Perguntaram Para Deus: O Que o Senhor Acha do Divórcio? Ele Respondeu: "Sempre Fui Contra!"

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Porteiro, Auxiliar, Diácono, Presbítero, Evangelista, Pastor. E Mais. Missionária, Bispo, Apóstolo. O Que é Tudo Isso?

De repente, somos sobressaltados com a notícia: "Mais algumas dezenas, e até centenas, de novos obreiros para servir no Reino de Deus". A notícia seria boa, se guardasse a essência dos requisitos bíblicos exigidos para novos obreiros e preservassem o propósito divino na separação de novos chamados.
Para que precisamos de porteiros? Óbvio. Para guardar as portas. Porteiro era considerado Levita, desenvolvia, também, a tarefa de arrecadador de ofertas (2 Cr. 31:14) e vigia (Mc. 13:34); Jesus menciona o porteiro como responsável pela guarda da porta do aprisco das ovelhas (Jo. 10:3; ver também Ed. 7:24). É improdutivo, uma igreja de porta única, com uma quantidade exagerada de porteiros para servir.
Para que precisamos de auxiliares? Há pessoas mencionadas na Bíblia como "cooperadores", no entanto, sem evidência de se referir a um cargo. Eram pessoas que haviam prestado algum tipo de auxílio à alguém, em algum momento específico (Fp. 2:25; At. 20:35). Pode ser até o mes…

CEADEB x ADESAL - É feio, muito feio!

Os desdobramentos do litígio entre o presidente da CEADEB e o presidente da ADESAL prossegue revitalizando as feridas causadas pelo rompimento do vínculo de alguns pastores de sua convenção (CEADEB).
No mais recente episódio, uma decisão judicial interlocutória - sem definição de mérito - tomada na ação que a CEADEB move contra a ADESAL, foi entendida como um ato de destituição do pastor Israel Ferreira do comando da Assembleia de Deus em Salvador. Sem querer entrar nas questões técnicas da decisão (deixo isto para os advogados e rábulas), a decisão não dá nada a ninguém, haja vista uma série de “condicionantes” expressos no comando judicial. Na verdade, a decisão da desembargadora é uma espécie de carta do apóstolo Paulo aos Coríntios na versão para os assembleanos baianos: “se entendam!”
Ato seguinte a decisão mencionada, o pastor Valdomiro Pereira distribui um vídeo para os obreiros assembleanos. Nele, informa (ou desinforma) a plateia que o pastor Israel Ferreira foi destituído do…

QUANDO É HORA DE MUDAR DE IGREJA

Igreja, genuinamente falando, é aquele lugar onde se reúne um grupo de seguidores de Cristo com objetivo de adorar a Deus, receber ensinamentos, evangelizar e ajudar uns aos outros (At. 2:40-47). Foi com esta clara missão em mente que o apóstolo Paulo informa-nos que Deus colocou à nossa disposição os dons espirituais, a fim de edificarmos uns aos outros e estarmos aparelhados para proclamação do evangelho. Tiago esclarece outro ponto principal da igreja, dizendo que a verdadeira religião é cuidar das viúvas e dos órfãos nas suas necessidades. Por fim, as características da igreja primitiva que a tornou marcante, referência de igreja bíblica, foi que eles tinham tudo em comum e ninguém sentia falta de nada, eram solidários no partir do pão, desfrutavam da comunhão e comungavam da doutrina dos apóstolos, esta, por sua vez, Cristocêntrica.

No domingo passado fui à igreja com minha família e contei. Numa rua com, aproximadamente, quinhentos (500) metros de comprimento, cerca de treze (13…